A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
28 pág.
Semiologia da Mão - Luciana

Pré-visualização | Página 4 de 8

extensores ao nível do dorso da
mão. Graças ao tendão extensor próprio
do dedo mínimo é possível realizar a
extensão independente deste dedo.
Compartimento 6 – Situa-se medial-
mente a articulação radio ulnar distal, pos-
terior à cabeça da ulna. O tendão exten-
sor ulnar do carpo passa por este compar-
timento para se inserir na base do V meta-
carpo. Este tendão é mais facilmente pal-
pado com a extensão e desvio ulnar do
punho. Quando ocorre lesão desse com-
partimento o tendão extensor ulnar do
carpo pode deslocar-se medialmente
durante a pronação.
Na região ventral do punho podemos
também palpar as estruturas tendinosas:
• Flexor Ulnar do Carpo- Pode ser pal-
pado pedindo para o paciente fletir o
punho. Localiza-se na porção ventro
medial do punho e pode ser palpado até o
pisiforme ao nível da base da eminência
hipotenar. O flexor ulnar do carpo situa-se
imediatamente anterior ao feixe vásculo-
nervoso da artéria e nervo ulnar. O pulso
da artéria ulnar pode ser palpado até a
base da eminência hipotenar. Nessa
região, o feixe vásculo-nervoso penetra
numa depressão que existe entre o osso
pisiforme e o hâmulo do hamato que é
convertido em um túnel osteofibroso. Este
canal é denominado túnel de Guyon, e é
sede frequente de patologias compressi-
vas.
16
Da mesma forma que 
no punho, esses tendões
podem ser palpados ao 
nível do dorso da mão 
quando os dedos são 
Palpação do palmar longo com a flexão do punho
contra resistência.
Palpação do flexor radial do carpo com a flexão do
punho contra resistência.
Palpação do flexor
ulnar do carpo.
• Palpar Longo é mais facilmente pal-
pado com o punho fletido. Sua palpação
pode ser ainda facilitada realizando uma
pinça digital entre os dedos mínimos e
polegar. Dessa forma, o Palmar Longo
torna-se mais evidente ao nível da linha
média da face anterior do punho. Em cer-
ca de 5% a 10% da população encontra-
mos ausência do palmar longo. O tendão
do palmar longo é muito utilizado como
enxerto já que sua ausência não compro-
mete significativamente a função da mão.
• Flexor Radial do Carpo pode ser pal-
pado na região ventro lateral do punho. É
um tendão espesso e mais centralizado
em relação ao punho quando comparado
com o flexor ulnar do carpo. A artéria
radial situa-se lateralmente ao tendão
radial do carpo.
Entre o flexor ulnar do carpo e o flexor
radial do carpo, por baixo do palmar lon-
go, encontramos os tendões flexores
superficiais e profundo dos dedos, além
do nervo mediano.
Túnel do Carpo – O túnel do carpo
pode ser delimitado por quatro proeminên-
cias ósseas: proximalmente pelo pisiforme
e pelo tubérculo do escafóide; distalmente
pelo hâmulo do hamato e pelo tubérculo do
trapézio. O ligamento transverso do carpo
corre por entre essas quatro proeminên-
cias ósseas constituindo-se no teto do
túnel do carpo. O assoalho deste túnel é
formado pelos óssos do carpo, cápsula e
ligamento volares. Por este túnel passam o
nervo mediano, tendões flexores profundo
dos dedos e flexor longo do polegar. O
túnel do carpo é importante por conter
estruturas nobres, por ser sede freqüente
de patologias compressivas e por se cons-
tituir em um túnel osteofibroso revestido
por tecido sinovial. Nessa região os ten-
dões são também nutridos por embebição
pelo líquido sinovial. Na síndrome do túnel
do carpo a compressão do nervo mediano
causará uma hipoestesia no território deste
nervo, além de uma paresia com hipotrofia
ao nível da eminência tenar. A síndrome do
túnel do carpo poderá ser conseqüência de
seqüela de traumas, que alteram a anato-
mia da região, como nas fraturas de Colles
ou fraturas e luxações dos ossos do carpo
(diminuição do continente), ou ainda por
sinovites secundárias a doença reumatói-
de, patologias sistêmicas que causam ede-
ma (aumento do conteúdo), etc.. A síndro-
me do túnel do carpo é potencialmente fre-
quente em mulheres pós menopausa ou
durante a gravidez, graças à alterações
hormonais existentes. O diagnóstico da
síndrome do túnel do carpo pode ser feito
clinicamente através da história do pacien-
te, existência da hipoestesia com ou sem
hipotrofia característica, presença de sinais
especiais (Tinel e Phalen), sendo que a
eletromiografia poderá auxiliar em casos
duvidosos.
Os tendões flexores dos dedos e do
polegar podem ser palpados na região cen-
tral da mão, pedindo para o paciente realizar
a flexão dos dedos a partir da extensão total.
Dessa mesma forma pode-se palpar o flexor
longo do polegar no limite medial de emi-
nência tenar. Ocasionalmente, a primeira
17
ATUALIZAÇÃO EM TRAUMATOLOGIA DO APARELHO LOCOMOTOR
Sinal de Tinel: percussão 
ao nível do nervo mediano 
e presença de choque, 
hiperestesia ou formigamen-
to no território inervado 
pelo mediano.
Sinal de Phalen: flexão dos
punhos provoca uma 
diminuição do continente do
canal do carpo e provoca
piora da compressão do 
nervo mediano. Aparece
sinais de hipoestesia ou
hiperestesia no território
inervado pelo mediano.
polia arciforme (A 1) pode se tornar estreita
para a passagem de tendões flexores dos
dedos. Nessa situação ocorrerá um trave-
mento do dedo na posição de flexão, deno-
minado dedo em gatilho (trigger finger). Pela
dificuldade em penetrar no túnel osteofibro-
so, forma-se um pseudo nódulo ao nível do
tendão flexor. Dessa forma, ao realizar a fle-
xão, o pseudo nódulo dirige-se proximal-
mente até sair do túnel osteofibroso. Ao rea-
lizar a extensão o pseudo nódulo trava o
movimento devido a dificuldade em penetrar
na primeira polia arciforme. Com algum
esforço, o pseudo nódulo consegue passar
pela polia estenosada, e aí, correr rapida-
mente pelo túnel, como se fosse um gatilho
que dispara repentinamente.
Ocasionalmente, pode-se até ouvir um esta-
lido.
Eminência Tenar – Localiza-se na
base do polegar, e é constituída por quatro
músculos que concedem mobilidade ao
polegar. Esses músculos são basicamente
inervados pelo nervo mediano, com exce-
ção do adutor do polegar e porção profun-
da do flexor curto, que são inervados pelo
nervo ulnar. Deve-se observar hipotrofia e
hipertrofia dessa região.
Eminência Hipotenar – Localiza-se
imediata e proximalmente ao dedo mínimo
indo até o punho. É formada por três mús-
culos que são inervados pelo nervo ulnar.
Deve-se observar o trofismo desses mús-
culos. A hipotrofia muscular pode aparecer
como síndrome de compressão do nervo
ulnar ao nível do Canal de Guyon ou canal
cubital no cotovelo.
Superficialmente aos tendões flexo-
res existe a aponeurose palmar, que deve
ser examinada procurando-se nódulo e
aderências, que podem ser as caracterís-
ticas da Moléstia de Dupuytren.
O aumento de volume de uma articu-
lação interfalangiana poderá traduzir uma
sinovite secundária a artrite reumatóide
(nódulo de Bouchart). Da mesma forma,
os nódulos duros e dolorosos localizados
na articulação interfalangiana distal são
característicos da osteoartrose (nódulos
de Heberden).
As polpas digitais possuem uma con-
sistência própria. Há uma grande riqueza
de terminações nervosas e vasculares.
As patologias que as comprometem
devem ser consideradas graves por afe-
tarem uma região que participa de prati-
camente todas as funções das mãos. As
18
Palpação do processo estilóide do rádio. Distalmente
encontra-se o escafóide na tabaqueira anatômica.
Palpação do tubérculo de Lister. Distalmente e no eixo
do 3º metacarpo encontra-se o semilunar e o capitato.
polpas distais são particularmente sensí-
veis à infecção, por não haver espaço
para progressão de edema ou hemato-
mas. Os processos infecciosos ou tumo-
rais são dolorosos, exigindo descompres-
são.
PALPAÇÃO DE 
PARTES ÓSSEAS
Rádio – Podemos palpar o processo
estilóide do rádio na face mais lateral e
distal desse osso. Localizado mais dorsal-
mente e proximalmente ao processo esti-
lóide, palpamos outro acidente

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.