A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
26 pág.
RESUMO GERAL DE ELETROCARDIOGRAMA E EMERGÊNCIAS (COMPLETO)

Pré-visualização | Página 3 de 11

ONDAS P + em D1,D2 e AVF
QRS estreito e regular
FC >100 bpm
● é bem frequente
● ocorre por uma resposta fisiológica do organismo frente
a alguma coisa
● na maioria das vezes não precisa de medicamentos
● regular: ao marcar dois espaços são sempre iguais
● das benigna a taquicardia sinusal é a unica
● não é considerado uma arritmia
O QUE CAUSA TAQUICARDIA SINUSAL: situações aonde
tem descarga adrenérgicas (hiperatividade simpática
/adrenergica)
● dor
● medo
● estresse
● infecção
● pós cirúrgico
● hipovolemia-sangramento
● queimadura
● desidratação
● drogas (dobutamina / noradrenalina)
EXEMPLO:
● paciente ansioso antes da prova → acalmar paciente
● paciente com infecção urinária /sepse → ATB
● vozinho desidratado → coração acelerado para
compensar a falta de líquido, para manter o DC
adequado (água ou soro) e estabelecer a volemia
novamente
● paciente pós acidente com fratura de fêmur: retirar a
dor através de medicamento (tramal ou dipirona) e
corrigir o sangramento
● paciente na UTI usando drogas vasoativas
● paciente sedado / entubado: com FC 140 + DM com
glicemia de 29 (bem ↓) = hipoglicemia → fazer 3
ampolas de glicose
● o paciente sedado está dormindo, se esquecer de
fazer remédio para dor a FC ↑
● paciente chegou com febre → antitérmico
● paciente politrauma com FC 140, se achar que é por
hipovolemia (sangramento) → soro
● paciente com pedra na vesícula → dor → FC 120 →
tramal ou buscopan para ↓ dor
● paciente faz infecção de urina de repetição e está
com bactéria resistente ao ATB → sepse → FC 130
→ não vai ser na primeira hora de ATB que vai ↓ e
sim ao decorrer dos dias, explicar para paciente
● vozinho acamado + 5 dias de diarreia → hipovolemia
● paciente vomitou um monte → hipovolemia
OBS: FC ACIMA DE 100, as vezes fica difícil identificar a onda
P e onda T, pois o coração está muito acelerado e as ondas
ficam mais próximas. Na taquicardia sinusal consegue
identificar bem certinho a onda P, QRS e T
CONDUTA: se precisar tratar a causa base / o que levou ao ↑
da FC. NÃO PRECISA DAR REMÉDIO ESPECÍFICO PARA ↓ A
FC NA TAQUICARDIA SINUSAL, POIS PODE MASCARAR OS
SINTOMAS
● Hidratação (SF0,9%---500-1000ml EV)
● Ansiolítico (Diazepan)
● Analgesia (Morfina,tramal,fentanil)
● Antitérmico (Dipirona,paracetamol)
● Glicose 50%
ÚNICA SITUAÇÃO NA QUAL O ECG VAI ESTAR COM FC ↑,
DETERMINA UMA TAQUICARDIA SINUSAL E PRECISA ↓ FC
COM REMÉDIO (betabloqueador): doença na qual o sangue
separa as camadas da aorta = DISSECÇÃO DE AORTA
● tem que ↓ FC com betabloqueador
● se FC ficar ↑ vai empurrar o sangue com maior
frequência para aorta, piorando a dissecção
● CLÍNICA: dor intensa no tórax (rasgando) + sudorese
+ taquicardia
● HD: infarto ou dissecção
● EXAME FÍSICO: 140 pensar nas taquicardias
● ECG: taquicardia sinusal
● USAR: METOPROLOL para ↓ o batimento rapidinho
ARRITMIAS
TIPOS DE ARRITMIAS
TAQUICARDIA SUPRAVENTRICULAR PAROXÍSTICA
FIBRILAÇÃO ATRIAL
TAQUICARDIA VENTRICULAR MONOMÓRFICA
TAQUICARDIA VENTRICULAR POLIMÓRFICA
INSTABILIDADE: aquela arritmia está causando alguma
condição grave no paciente que pode fazer ele evoluir mal nos
próximos momentos necessitando de tratamento urgente.
● paciente com instabilidade é necessário atuar na hora
para evitar complicações
● NEM TODA ARRITMIA LEVA A INSTABILIDADE
ESTABILIDADE: paciente menor graves, que não se enquadra
nos critérios/causas abaixo
PERGUNTAS NO EXAME FÍSICO
Como está a pele do paciente? (pele fria + hipotensão é um
critério)
Está conversando? (logo não está rebaixado)
Está com dor no peito?
Está com falta de ar?
Ausculta: não está crepitando
1º PASSO: INSTABILIDADE OU ESTABILIDADE
CRITÉRIOS DE INSTABILIDADE HEMODINÂMICA:
arritmia + algum desses critérios
Rebaixamento nível consciência (através da escala de
glasgow) / hiporresponsividade (chamar o paciente)
Hipotensão sintomática (síncope, pele fria,desmaio,tontura):
paciente hipotenso + sintomas
Dor precordial anginosa (maior consumo de O2): dor
iniciada durante o esforço ou episódio de stress que irradia
para braço, queixo ou mandíbula e melhora ao repouso
Congestão pulmonar + dispnéia: esteto com crepitação
(congesto) e o paciente com falta de ar
OUTROS SINTOMAS: palpitações, fadiga, tontura NÃO É
INSATABILIDADE
OBS:
● somente hipotensão não é critérios de instabilidade deve
ser hipotensão SINTOMÁTICA
● não é qualquer dor no peito e sim ANGINOSA (está
faltando circulação para coronária evoluindo mal)
● dispneia tem que vir junto com a congestão
ANTES DE SABER QUAL É A ARRITMIA DEVE DETERMINAR SE
TEM INSTABILIDADE . SE TIVER 1 DOS 4 CRITÉRIOS A CONDUTA
É EMERGÊNCIA (resolver a arritmia na hora)
TAQUICARDIA SUPRAVENTRICULAR PAROXÍSTICA
FC 120-220
INÍCIO SÚBITO
QRS ESTREITO / MAGRO E REGULAR
SEM ONDA P APARENTE
● pessoa nasce com defeito (duplo caminho) no nó AV
● quando o estímulo sai do nó sinusal e chega no nó AV
pode seguir por uma via lenta quanto via rápida
existindo 2 trajetos, sendo que a pessoa normal tem
apenas 1 trajeto
● os estímulos podem seguir caminhos diferentes →
rotatória → estímulo começa a gerar → levando a
taquicardia
PRESENÇA DE DUPLA VIA NODAL (REENTRADA)
QUANDO ACONTECE: é um defeito no qual a pessoa já
nasce, mas desenvolve na fase adulta (30 / 40 anos)
SINTOMAS:
● mal estar súbito
● sensação que o coração está saindo pela boca
● sudorese
● geralmente FC 200-220 BEM ↑
COMO RECONHECER NO ECG: taquicardia (200-220) + ECG
(QRS estreito / magro e regular), NÃO consegue ver a onda P
aparente
● regular: os batimentos batem / são iguais / distância
simétrica
● nesta taquicardia até existe a onda P, só que ela cai
dentro da onda T, passando a ser uma onda só
● não consegue ver onda P, QRS e T, porque se ver
certinho é uma taqui sinusal
DICA: perguntar ao paciente se é a 1ª vez que o coração
dispara, eles vão responder que é a 5ª vez (têm direto), como é
uma doença que já nasceu com alteração anatômica, já
apresentou essa arritmia outra vezes e vai continuar
apresentando, pois o defeito continua. A gente trata a CRISE
EXEMPLO: Dona Joana 50 anos chega na Santa Casa com
“batedeira no peito/coração disparado”, ao realizar a
anamnese nota-se que começou há 1h + palpitação +
batimento de 200 bpm e PA de 110x70. No exame físico a
ausculta pulmonar estava normal e ECG percebe que a FC
está 200, pergunta a dona Joana se é a 1 ª vez e ela relata que
tem direito, regular, onda P não estava evidente.
● não está rebaixada porque está conversando
● não está com dor no peito
● não está hipotensa porque PA 110x 70
● na ausculta: pulmão limpo sem crepitação
● ESTÁVEL HEMODINAMICAMENTE (1º massagem →
adenosina)
CONDUTA: bloquear um dos caminhos temporariamente o
estímulo descer normalmente por um caminho só
● Massagem Seio Carotídeo: pode reverter a arritmia
bloqueando uma das vias e o estímulo passa
somente por um caminho
● Adenosina 6mg EV bolus, 12mg/12mg
● Metoprolol 5mg EV repetir até total 3 doses
● Amiodarona 300mg + SF0,9%-100ml EV em 30min
● Cardioversão elétrica
PACIENTE INSTÁVEL → CARDIOVERSÃO ELÉTRICA
(choque)
PACIENTE ESTÁVEL → massagem seio carotídeo,
adenosina, metoprolol, amiodarona
QUAL A DROGA CLÁSSICA DA TAQUI SUPRA:
ADENOSINA: bloqueia todos os estímulos por 3s depois dos
3s o coração reorganiza o estímulo chega no nó AV passar por
um caminho só e desce para ventrículo fazendo com que a FC
↓ = reversão da arritmia
OBS: ESSA ARRITMIA DIFICILMENTE LEVA A
INSTABILIDADE, OU SEJA, PRECISA CHOCAR
tava normal → de repente FC ↑ + sudorese, não conseguindo
mais ver a onda P vendo apenas uma única onda →
taquicardia supraventricular
tava com taquicardia supraventricular (QRS estreito, regular,
FC 150, não diferencia onda P e onda T) → fez adenosina e a
flecha indica o normal separando as ondas = ritmo voltou para
o sinusal
OBS: ao realizar a adenosina ocorre um bloqueio TOTAL,
depois bloqueio some, estímulo desce, ventrículo volta a
contrair. Isso acontece em paciente jovenes (30-50 anos)
EXEMPLO: vozinha de 89 anos com “batedeira no peito” com
FC de 200, no ECG taqui supra (não dava para separar onda P
da

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.