A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Glândula Tireoide

Pré-visualização | Página 1 de 2

TIREOIDE 
EMBRIOLOGIA DA TIREOIDE 
• A tireoide é a primeira glândula endócrina a se desenvolver (24 dias), sob influencia de vias de sinalização Notch 
e Hedgehog, a partir do espessamento endodérmico no assoalho da faringe primitiva, formando evaginação no 
ápice do forame cego na língua em desenvolvimento, o primórdio da tireoide (massa sólida de céls. 
endodérmicas), cujos componentes laterais formam as céls parafoliculares e os da linha mediana as foliculares. 
• À medida que o embrião e a língua crescem, a tireoide em desenvolvimento desce pelo pescoço. Na 7ª semana, 
a tireoide adquiriu seu formato definitivo e geralmente está situada no final no pescoço. Nessa altura, o ducto 
tireoglosso (tubo que liga a tireoide à língua) normalmente já degenerou e desapareceu. 
• Na 10ª semana, os cordões dividem-se em pequenos grupos celulares. Um lúmen se forma em cada aglomerado 
celular, e essas células ficam dispostas em uma única camada em torno dos folículos tireoidianos. 
• Na 11ª semana, o coloide (material semifluido nos folículos) começa a aparecer; depois disso, a concentração 
de iodo e a síntese de hormônios da tireoide podem ser demonstradas. 
• Na 20ª semana, os níveis de TSH e da tiroxina começam a aumentar, alcançando níveis adultos com 35 semanas. 
 
 
 
TIREOIDE ECTÓPICA 
• Defeito congênito raro, localizado geralmente no trajeto do 
ducto tireoglosso (por isso, o tecido tireoidiano lingual é o mais 
comum), em função da falha na descida, sequestro de nódulos 
por tireoidites ou traumatismos, presença de tecido 
tireoideano na cápsula de linfonodos cervicais, formação 
teratomatosa e anomalias branquiais. Cintilografia. 
• Em função do mal posicionamento, ocorre hipotireoidismo 
congênito. 
Lara Mattar | Funções Biológicas IV | Medicina UFR 
FISIOLOGIA DA TIREOIDE 
• A tireoide é composta por inúmeros folículos, cada um circundado por uma única camada de células e 
preenchido por coloide, constituído de tireoglobulina. 
• Síntese e liberação de hormônios tireoidianos: iodo ingerido > convertido em iodeto > absorvido no intestino 
> grande parte do iodeto é excretada pelos rins, remanescente captado e concentrado na tireoide por meio da 
bomba de iodeto ou simporte sódio-iodeto > oxidação do iodeto a iodo pela tireoperoxidase > síntese da 
tireoglobulina pelas céls. foliculares > secretada no coloide > iodinação MIT e DIT (mono e di-iodotirosina) e 
acoplamento: iodo se liga à tirosina da tireoglobulina, formando T3, RT3 e T4 > proteólise, deiodinação e 
secreção (liberação de T3/T4 exige proteólise da tireoglobulina): entra coloide do lúmen pra célula folicular, se 
funde aos lisossomos e as proteases lisossomais liberam T3, RT3 e T4 livres > iodo livre é reutilizado. 
• Transporte e metabolismo: Ao entrar no sangue, T3 e T4 se ligam a proteínas plasmáticas (globulina ligadora 
de tiroxina TBG, albumina), ficando apenas 0,1% de T4 livre (que é captado por tecidos). A maioria de T3 
plasmático tem origem no T4 circulante que foi deiodinado nos tecidos (T4 é considerado pró-hormônio, pois 
a maioria é convertida em T3, que possui afinidade muito maior com os receptores). 
• Funções teciduais: 
o Transcrição: Quando entram na célula, se ligam aos receptores nucleares no DNA, modificando a 
transcrição de genes > síntese de novas proteínas (metabolismo = aumentam número e atividade 
mitocondrial, desenvolvimento = músculos, SNC, cardiovascular = aumento frequência, força de 
contração, débito), sexual = libido, menstruação. As ações da T3 são mais rápidas e potentes, pois está 
menos fortemente ligada às proteínas plasmáticas e possui mais afinidade com o receptor nuclear. 
EIXO HIPOTÁLAMO-HIPÓFISE-TIREOIDE 
• Eixo: O TRH é sintetizado nos neurônios parvocelulares do núcleo paraventricular do hipotálamo e liberado 
pelas terminações nervosas da eminência mediana, a partir da qual é transportado por meio do plexo capilar 
porta até a adeno-hipófise. O TRH liga-se a um receptor acoplado à proteína G na adeno-hipófise, levando a um 
aumento da concentração intracelular de Ca2+, que resulta em estimulação da exocitose e liberação do TSH na 
circulação sistêmica. O TSH estimula a glândula tireoide a aumentar a síntese e a secreção de T4 e T3 na 
circulação. A T4 e a T3 inibem a secreção de tireotrofina, tanto direta quanto indiretamente, pela inibição da 
secreção de TRH. Outros fatores que inibem a liberação de TSH incluem os glicocorticoides, a somatostatina e 
a dopamina. 
• A secreção de hormônios é regulada principalmente pelo TSH (tireotopina), cuja secreção pela hipófise aumenta 
pela ação do hormônio liberador da tireotropina (TRH) e é inibida por feedback negativo pelas T4 e T3 
circulantes. Embora ocorra alguns feedbacks no hipotálamo influenciando a secreção de TRH, o feedback 
predominante ocorre na hipófise. Como a T4 é deiodinada a T3 na hipófise, a T3 parece ser a efetora final que 
faz a mediação do feedback negativo. 
• A tri-iodotironina é cerca de 4 vezes mais potente do que a tiroxina, mas está presente no sangue em 
quantidades muito menores, persistindo por um período de tempo muito mais curto em comparação com a 
tiroxina. 
HIPOTIREOIDISMO 
• Hipotireoidismo primário: origem tireoidiana, sendo a tireoidite de Hashimoto (crônica autoimune) a causa 
mais comum, além do tratamento do hipertireodismo com radioiodo, tireoidectomia, evolução de tireoidites, 
deficiência grave de iodo, drogas interferentes com a síntese / liberação de HT (antitireoidianos, amiodarona, 
iodo, lítio, contrastes iodados), doenças infiltrativas, ectopia ou agenesia da tireoide, disormonogênese. 
• Hipotireoidismo secundário: origem na hipófise (diminuição secreção TSH), como tumor, trauma, cirurgia, 
radioterapia, doenças infiltrativas, infecções, hipofisite linfocítica crônica, lesões congênitas, drogas 
interferentes na biossíntese e liberação do TSH (glicocorticoide em altas doses, dopamina, interrupção terapia 
com L-tiroxina). 
• Hipotireoidismo terciário: origem no hipotálamo (diminuição secreção TRH), como cirurgia, tumor, TCE. Ainda 
menos frequente é a ocorrência de hipotireoidismo por resistência ao hormônio tireoidiano ou ao TSH, assim 
como mutações em genes envolvidos com TSH e TRH (mutações em receptores ou hormonais). 
• A terminologia hipotireoidismo central é preferível, porque nem sempre é possível distinguir entre causas 
hipofisárias e hipotalâmicas. 
• Hipotireoidismo periférico ou extratireoidiano: resistência à ação periférica dos HT ou metabolização 
aumentada. 
• Hipotireoidismo congênito: detectado no período neonatal (TSH no teste do pezinho = TSH > 20mUI/L deve 
ser seguido de determinação de T4). Causa retardo grave de crescimento e deficiência mental. A disgenesia 
causa 85% dos casos. Pode ser permanente ou transitório. As principais causas do transitório são ingestão 
excessiva (ou deficiente) de iodo pela mãe; ingestão de tionamidas (metimazol ou propiltiouracil) por mães 
portadoras de hipertireoidismo; e passagem placentária de anticorpos maternos bloqueadores do receptor 
de TSH. Habitualmente, reverte até 3 anos. 
SINAIS E SINTOMAS 
• Diminuição da taxa metabólica, diminuição da tolerância ao frio, obesidade leve, diminuição do apetite, 
sonolência e lentidão, hiporreflexia, bradicardia, hipertensão leve diastólica, cardiomegalia, edemas e 
mixedema (espessamento pele por deposição glicosaminogicanos SC), palidez, intolerância ao frio, fadiga, 
náuseas e constipação, redução da libido e fertilidade, pele seca, queda de cabelos, unhas brilhantes. 
• Hipotireoidismo intraútero ou infância: retardo mental irreversível, crescimento prejudicado (cretinismo). 
• Bócio: relacionado à deficiência de iodo. Os níveis elevados de TSH estimulam a glândula. 
FATOR GENÉTICO 
• Cerca de 15-20% dos casos de hipotireoidismo congênito têm causa genética conhecida. Em 2% dos casos de 
disgenesia tireoidiana, a causa são mutações em genes responsáveis pelo crescimento e desenvolvimento da 
glândula tireoide (como NKX2-1, FOXE1, TSHR e

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.