A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
códigos imperiais e republicano

Pré-visualização | Página 1 de 1

A elaboração dos Códigos no período do Império refletiu a 
necessidade de regular os vários aspectos da vida nacional, 
notadamente a partir da atividade das 1as Faculdades de Direito no 
Brasil, iniciada em 1827 em Recife e São Paulo. 
 
CÓDIGO CRIMINAL DE 1830 
❖ Precisava ser feito para revogar o Livro V das Ordenações, 
ainda em vigor; 
❖ Fonte de inspiração: Iluminismo penal do século XVIII; 
❖ O art. 179 previa: abolição de açoites, tortura, marca de ferro 
quente e demais "penas cruéis"; pessoalidade das penas 
(nenhuma pena passaria da pessoa do delinquente, fim do 
confisco e da infâmia hereditária); as cadeias deveriam ser 
seguras, limpas e bem arejadas, casas com separação dos réus 
(de acordo com as circunstâncias e natureza do crime; 
❖ A questão da pena de morte: D. Pedro II passou a comutar as 
penas de morte a partir de 1855 (motivação: episódio da “Fera 
de Macabu”); 
❖ Foram abolidos crimes como a feitiçaria e a sodomia. Mas, 
conservaram-se os crimes de celebrar cultos de outra religião 
que não a Católica, sendo também crime propagar doutrinas que 
iam contra a existência de Deus (art. 278); 
❖ As penas incluíam: penas de morte, galés, prisão com trabalhos, 
prisão perpétua, banimento, privação de direitos políticos, perda 
de empregos públicos e multas; 
❖ Inimputáveis: menores de 14 anos, “loucos de todo tipo” os que 
cometeram crime levados pela força ou pelo medo; 
❖ Tipologia dos crimes: públicos / particulares / policiais contra a 
civilidade e os bons costumes. 
 
CÓDIGO PENAL DE 1890 
❖ Abolição da pena de morte, banimento e galés; 
❖ Modelo penal: Privação de liberdade – prisão simples, prisão com 
trabalhos para vadios e capoeiras e prisão disciplinar para 
menores; 
❖ Diferenciação de crime e contravenção; 
❖ Interdição (proibição de certas ações); 
❖ Progressão da pena e livramento condicional; 
❖ Redução do tempo de permanência máxima na prisão: 30 anos. 
 
 
 
 
 
 
 
CÓDIGO CIVIL DE 1916 
❖ Revogação das Ordenações Filipinas; 
❖ Elaborado pelo jurista Clóvis Bevilaqua; 
❖ Projeto de Código: Esboço de Teixeira de Freitas (1850); 
❖ Regras elaboradas sobre: família, obrigações, contratos, 
responsabilidade civil, direito das coisas e sucessões. Precedido 
por uma Parte Geral; 
❖ Tradição Romano-Germânica: Direito Português/Código 
Napoleônico (1804)/Código Alemão (1900). 
 
CÓDIGO ELEITORAL DE 1932 
➢ Instituiu-se: 
• Justiça Eleitoral (TSE e TREs); 
• Voto secreto; 
• Voto feminino (restrito às mulheres casadas, às viúvas e 
solteiras que tivessem renda própria/emprego público 
remunerado); 
• Voto a partir dos 21 anos (1932) / 18 anos (1934); 
• Exigência de registro prévio (pelo menos 5 dias antes 
eleição); 
➢ Excluiu-se: 
• Voto de analfabetos, mendigos e dos afastados dos direitos 
políticos. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 CÓDIGOS IMPERIAIS E 
. REPUBLICANOS