Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
A importancia da nutrição

Pré-visualização | Página 1 de 2

A importância da nutrição
 O conceito de paciente gravemente
enfermo está diretamente relacionado a
pacientes que são admitidos em UTI
(NUNES, 2016). As UTIs são unidades
destinadas ao acolhimento de pacientes
em estado grave de saúde, os quais
carecem de monitorização e suporte
contínuo de suas funções vitais,estes
pacientes apresentam quadros clínicos
de estresse catabólico que fazem com
que se desenvolva uma resposta
inflamatória sistêmica ligada a
complicações de morbidade infecciosa
elevada, disfunção de múltiplos órgãos,
tempo de permanência hospitalar
aumentado e índices de mortalidade de
grandes proporções.
Utis: 
60%
 
As infecções hospitalares em
UTIs são muito frequentes e
elevadas, podendo chegar a
mais de 60% do total de
pacientes internados
Os fatores que contribuem para o desenvolvimento
desses quadros clínicos são:
 a idade, o tipo de doença, problemas relacionados à assepsia de pele e produtos
hospitalares, fluxo de indivíduos no ambiente de internação, condições higiênicas Não
pode faltar U1 - Paciente gravemente enfermo: conceitos gerais 11sanitárias dos
profissionais da saúde que atendem a unidade, tempo de internação, tempo de
restrição ao leito, condições imunológicas do paciente, entre outras conjunturasO
paciente gravemente enfermo sofre muitas alterações metabólicas, e entre elas as
alterações hormonais, que causam intolerância à glicose, resistência à insulina,
hipercatabolismo proteico, implicações estas que colaboram para a perda de massa
magra. Este é um fator muito grave e proporciona o desenvolvimento da desnutrição,
condição que ocorre com a gliconeogênese (produção de glicose a partir de substratos
que não são carboidratos). 
Jejum o organismo humano utiliza
energia de forma contínua,
embora o consumo de alimentos
não seja na mesma ordem.
Desta forma, nós nos
adaptamos a determinados
períodos de jejum utilizando
nossas reservas e reduzindo
nosso gasto energético. Uma vez
que nos alimentamos
novamente, estas reservas são
reabastecidas.
 O problema é que a reação ao
jejum é dependente não só das
reservas energéticas que temos,
mas também do tempo de jejum
e de fatores que possam
influenciar o organismo de
forma a gerar estresse de
forma adicional
 Normalmente, o jejum pode ser
classificado como de curta
duração (menos de 3 dias) ou
prolongado (mais de 3 dias). No
jejum de curta duração, enquanto
a secreção de insulina é reduzida,
ocorre aumento da secreção de
glucagon e das catecolaminas. 
 Esta condição provoca um quadro
de glicogenólise e de lipólise; na
continuidade do jejum ao final das
reservas de glicogênio para o
processo de glicogenólise, a
produção de energia é seguida
com a gliconeogênese. 
Jejum curto: Jejum prolongado:
No jejum prolongado, a produção
de energia, dada pelo processo de
gliconeogênese (também
conhecido como neoglicogênese), é
dependente do uso de
aminoácidos, o que leva à depleção
muscular do indivíduo. Nesse caso,
os grupos amino são convertidos
em ureia e em seguida são
excretados, promovendo um
balanço nitrogenado negativo e,
consequentemente, provocando
perda de massa magra. 
E qual é a relação do jejum com o estresse metabólico no paciente gravemente enfermo?
Durante o estresse, além do jejum normal, efeitos neuroendócrinos e produção de fatores
inflamatórios provocam aumento da taxa de metabolismo basal, hipercatabolismo,
balanço nitrogenado negativo, hiperglicemia, intolerância à glicose, resistência à
insulina, edema, hipoalbuminemia e desnutrição, com disfunções físicas, mentais e um
pior prognóstico.
O hipermetabolismo é
caracterizado por alto gasto
energético, assim como aumento
do consumo de oxigênio e do
débito cardíaco. O
hipercatabolismo ocorre com a
proteólise, que tem por finalidade
gerar substrato energético para o
organismo
Em geral, o paciente admitido em
UTI por mais de 48 horas e em uso
de alimentação enteral ou
parenteral é reconhecido como
paciente em risco nutricional. 
As ferramentas que contemplam não
só o estado nutricional, mas também
o risco nutricional e que são mais
utilizadas em nossas UTIs são:
Nutrition 
U1 - Paciente gravemente enfermo:
conceitos gerais 15
Risk Screening (NRS-2002) e Nutrition
Risk in Critically III (NUTRIC), sendo
esta última uma avaliação recente que
temos para rastrear o risco
nutricional de pacientes em UTI,
validada no Brasil (ROSA et al., 2016). 
O Nutrition Risk in Critically III
(NUTRIC score) é uma ferramenta
utilizada para triagem nutricional de
pacientes gravemente enfermos que
considera, além dos aspectos
nutricionais, a gravidade da doença.
Esse questionário, validado em
português por Rosa et al. (2016, in
press), é constituído pelas seguintes
variáveis: idade, APACHE II, SOFA,
número de comorbidades, dias de
internação hospitalar até entrada na
UTI e interleucina-6 (IL-6). 
a IL-6 é uma citocina, envolvida em uma série
de atividades imunológicas. É um importante
marcador inflamatório, sendo altamente
expresso nessas situações, assim como em
circunstâncias de estresse e traumas,
produzindo efeitos deletérios em vários órgãos.
 
O APACHE II é uma
ferramenta recomendada pelo
Ministério da Saúde que
determina a estimativa de
morte em pacientes
internados em UTI, nas
primeiras 24h, por meio de
dados clínicos, laboratoriais e
fisiológicos.
Algumas ferramentas de avaliação clínica em
uma unidade de terapia intensiva são de singular
importância, uma vez que a utilização dos
resultados dos escores de gravidade da doença
podem contribuir efetivamente na modulação do
tratamento, definição de prognósticos, além de
estimar a performance na UTI.
 
 Alterações metabólicas que
colaboram com a perda de
massa magra:
PERDA 
DE MASSA 
MAGRA
FATOR 
GRAVE
 DESNUTRIÇÃO
Triagem + Avaliação + Suporte +
Acompanhamento nutricional =
Fundamentais para a sobrevida
 
 
Estresse
metabólico:
O estresse metabólico é um evento que modifica a homeostase do organismo,
desencadeando uma resposta neuroendócrina e metabólica complexa
 
 Na presença de estresse metabólico, o organismo apresenta quadros clínicos de:
Hipovolemia (redução do volume sanguíneo);
Hipotensão (pressão arterial baixa);
 Redução do fluxo sanguíneo;
Aumento da resistência vascular sistêmica;
 Entre outras.
Hipovolemia é uma situação onde existe
depleção do volume de liquido corporal
secundaria a situações desde perda sanguínea
exacerbada, desidratação
 
 A desnutrição está diretamente relacionada com o
 aumento das taxas de morbimortalidade
 do paciente gravemente enfermo
 
 Triagem
nutricional
 
- Indivíduos entre 1 mês e 18 anos de idade;
- Presença de doença de alto risco ou previsão de cirurgia de grande porte;
- Perda de massa muscular e gorda, ingestão alimentar e perdas nutricionais 
–redução do consumo de alimentos, presença de diarreia e vômito;
- Perda de peso ou ausência de ganho de peso (menores de 1 ano de idade);
- Classificação feita por meio da soma de pontos.
Strong Kids – Screening Tool Risk Nutritional Status And Growth
 MST - Malnutrition Screening Tool (Instrumento de Triagem de Desnutrição):
- População adulta;
- Pouco abrangente;
- Classificação feita por meio da soma de pontos.
 MUST – Malnutrition Universal Screening Tool (Instrumento de Triagem Universal de Desnutrição):
 - Adultos, pacientes hospitalizados, ambulatoriais, clínicos, idosos,
gestantes e lactantes;
- Utilizado para comunidade;
- Superestima o alto risco nutricional e subestima o médio risco nutricional;
- Classificação feita por meio da soma de pontos.
 NRS 2002 – Nutritional Risck Screening
- Analisa o risco de desenvolvimento de desnutrição durante o
período hospitalar;
- Mais indicada entre os profissionais da saúde;
- Engloba todas os parâmetros do MUST e acrescenta a gravidade
da doença;
Avaliação
nutricional:
 
 
• Avaliação antropométrica e resultados dos exames laboratoriais devem
ser observados com atenção especial;
• Alterações clínicas rotineiras.
Estresse
metabólico
 
 
• Funções orgânicas deficientes;
• Uso de fármacos;
•
Página12