A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
281 pág.
ANÁLISE DO COMPORTAMENTO E EVOLUÇÃO CULTURAL- RELAÇÕES ENTRE AS PROPOSTAS CONCEITUAIS DE B.F. SKINNER E S.S GLENN

Pré-visualização | Página 34 de 50

tratamento de fenômenos 
sociais. Não obstante, diferentemente da evolução cultural em Skinner, o processo 
seletivo na metacontingência aproxima-se do nível operante – conclusão fortalecida por 
pesquisas experimentais com metacontingência que demonstram processos análogos aos 
operantes como, por exemplo, o reforçamento negativo (Saconatto & Andery, 2013) e 
esquemas de reforçamento intermitente (Amorim, 2010). 
A partir da análise realizada é possível concluir que os tratamentos dados à 
evolução cultural nos trabalhos de Skinner e Glenn são diferentes, mas não 
incompatíveis. Ou seja, os conceitos propostos pelos autores abordam fenômenos 
distintos e suas análises sobre a evolução cultural podem ser complementares no estudo 
139 
 
da cultura, embora não sejam coincidentes. Assim como os efeitos operantes sobre as 
práticas culturais, as metacontingências se inserem como um nível de análise 
responsável pela seleção de práticas culturais que não substitui, mas pode ser somada, 
ao conceito de evolução cultural de Skinner no estudo da cultura pela Análise do 
Comportamento. Por fim, concluímos que existe a necessidade de distinção entre estas 
duas propostas conceituais, que não demonstram estar sob controle de um mesmo 
―terceiro nível de seleção‖. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
140 
 
Referências Bibliográficas 
 
Amorim, V. C. (2010). Análogos experimentais de metacontingências: efeitos da 
intermitência da consequência cultural. (Dissertação de Mestrado, Pontifícia 
Universidade Católica de São Paulo). Recuperado de 
http://accultura.files.wordpress.com/2011/05/virginia-cordeiro-amorim.pdf 
Andery, M. A. P. A. (2010). Métodos de pesquisa em análise do comportamento. 
Psicologia USP, 21, 313-342. 
Andery, M. A. P. A. (2011). Comportamento e cultura na perspectiva da análise do 
comportamento. Revista Perspectivas, 2, 203-217. 
Andery, M. A. P. A. & Sério, T. M. A. P. (2005). O conceito de metacontingências: 
afinal, a velha contingência de reforçamento é insuficiente? Em Todorov, J.C.; 
Martone, R.C.; Moreira, M.B (Orgs.), Metacontingências: comportamento, 
cultura e sociedade (pp. 149-159). Santo André: Esetec. (Trabalho original 
publicado em 1997) 
Andery, M. A. P. A., Micheletto, N., & Sério, T. M. A. P. (2004). Publicações de B. F. 
Skinner: de 1930 a 2004. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e 
Cognitiva, 6, 94-134 
Andery, M. A. P. A., Micheletto, N. & Sério, T. M. de A. P. (2005). A análise de 
fenômenos sociais: esboçando uma proposta para identificação de contingências 
entrelaçadas e metacontingências. Revista Brasileira de Análise do 
Comportamento, 1, 149-165. 
Borba, A., Silva, B. R., Cabral, P. A. A., Leite, F. L. & Tourinho, E. Z. (2014). Effects 
of exposure to macrocontingencies in isolation and social situations in the 
production of ethical self-control. Behavior and Social Issues, 23, 5-19. 
doi:10.5210/bsi.v23i0.4237 
141 
 
Caldas, R. A. (2013). Unidades de seleção em três níveis de análise: diferenças entre 
unidades comportamentais e culturais. (Tese de doutorado, Pontifícia 
Universidade Católica de São Paulo) Recuperado de 
http://accultura.files.wordpress.com/2014/02/rodrigo-araujo-caldas.pdf 
Carrara, K. (2006). Análise do Comportamento e questões sociais: qual a contribuição 
das metacontingências? Anais do II Encontro de Análise do Comportamento de 
Curitiba. Curitiba: Universidade Federal do Paraná. 
Dittrich, A. (2004). Behaviorismo radical, ética e política: aspectos teóricos do 
compromisso social. (Tese de doutorado, Universidade Federal de São Carlos) 
Recuperado de http://www.dfmc.ufscar.br/uploads/publication s/4ef37629b64 
95.pdf 
Leite, Felipe L. (2009). Efeitos de instruções e história experimental sobre a 
transmissão de práticas de escolha em microculturas de laboratório. 
(Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Pará). Recuperado de 
http://www3.ufpa.br/ppgtpc/dmdocuments/MESTRADO/DissertFelipeLeite2009.
pdf 
Glenn, S. S. (1986). Metacontingencies in Walden Two. Behavior Analysis and Social 
Action, 6, 2-8. 
Glenn, S. S. (1988). Contingencies and metacontingencies: Toward a synthesis of 
behavior analysis and cultural materialism. The Behavior Analyst, 11, 161-179. 
Glenn, S. S. (1989). Verbal behavior and cultural practices. Behavior Analysis and 
Social Action, 7, 10-14. 
Glenn, S. S. (1991a) Contingencies and metacontingencies: Relations among 
behavioral, cultural, and biological evolution. Em P. A. Lamal (Org.), Behavioral 
142 
 
Analysis of Societies and Cultural Practices (pp. 39-73). Washington: 
Hemisphere Press. 
Glenn, S. S. & Malagodi, E. F. (1991b). Process and content in behavioral and cultural 
phenomena. Behavioral and Social Issues, 1, 1-14. 
Glenn, S. S. (2001). On The design of cultures: 1961-2001. Behavior and Social Issues, 
11, 14-15. 
Glenn, S. S. (2003a). Behavioral contingencies and the origins of culture. Em K. A. 
Lattal, & P. N. Chase (Orgs.). Behavior Theory & Philosophy. Plenum Press. 
Glenn, S. S. (2003b). Windows on the 21st Century. The Behavior Analyst, 16, 133-151. 
Glenn, S. S. (2004). Individual Behavior, Culture, and Social Change. The Behavior 
Analyst, 27, 133-151. 
Glenn, S. S., & Malott, M. E. (2004). Complexity and Selection: Implications for 
Organizational Change. Behavior and Social Issues, 13, 89-106. 
Harris, M. (1964). The nature of cultural things. New York: Random House. 
Houmanfar, R. & Rodrigues, J. (2006). The metacontingency and the behavioral 
contingency: Points of contact and departure. Behavior and Social Issues, 15, 13-
30. 
Malott, M. E., & Glenn, S. S. (2006). Targets of Intervention in Cultural and Behavioral 
Change. Behavior and Social Issues, 15, 31-56. 
Martone, R. C. & Banaco, R. A. (2005). Comportamento social: A imprensa como 
agência e ferramenta de controle social. Em J. C. Todorov, R. C. Martone, & M. 
B. Moreira (Orgs.), Metacontingências: Comportamento, cultura e sociedade (pp. 
61-80). Santo André: ESETec. 
Morford, Z. H. & Cihon T. (2013). Developing an experimental analysis of 
metacontingencies: considerations regarding cooperation in a four-person 
143 
 
prisoner‘s dilemma game. Behavior and Social Issues, 22, 5-20.doi: 
10.5210/bsi.v.22i0.4207 
Saconatto, A. T. & Andery, M. A. P. A. (2013). Seleção por metacontingências: um 
análogo experimental de reforçamento negativo. Interação em Psicologia, 17 (1), 
1-10. 
Sampaio, A. A. S. (2008). A quase-experimentação no estudo da cultura: análise da 
obra Colapso de Jared Diamond. (Dissertação de Mestrado, Pontifícia 
Universidade Católica de São Paulo). Recuperado de 
http://accultura.files.wordpress.com/2008/04/sampaio-2008-a-quase-
experimentacao-no-estudo-da-cultura.pdf 
Skinner, B. F. (1948). Walden Two. New York: Macmillan. 
Skinner, B. F. (1957). Verbal behavior. New York: Appleton-Century-Crofts. 
Skinner, B. F. (1969a). The role of the environment. Em B. F. Skinner, Contingencies of 
reinforcement: A theoretical analysis (pp. 3-28). New York: Appleton-Century-
Crofts. 
Skinner, B. F. (1969b). Utopia as an experimental culture. Em B. F. Skinner, 
Contingencies of reinforcement: A theoretical analysis (pp.29-49). New York: 
Appleton-Century-Crofts. 
Skinner, B. F. (1971). Beyond freedom and dignity. New York: Pelican Books. 
Skinner, B. F. (1972a). Freedom and control of men. Em B. F. Skinner (Org.), 
Cumulative Record: A selection of papers (pp. 3-19). New York: Appleton-
Century-Crofts. (Trabalho original publicado em 1956) 
Skinner, B. F. (1972b). Freedom and control of men. Em B. F. Skinner (Org.),