Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
Atividades de Ética - Aconselhamento Genético

Pré-visualização | Página 1 de 1

0 de 0 pontos
Gabriel Dias Henz
AD 2025
AD 2026
AD 2027
Outro:
Questões 3 de 4 pontos
Boa sorte na realização das questões!
Atividades - Aula 1 - "Ética dentro do
Aconselhamento Genético"
Total de pontos 3/4
Questões para �xação do conteúdo/obtenção da presença - Aula 1 - Data da Postagem: 
27/10/2021
O e-mail do participante (gabrieldh@ufcspa.edu.br) foi registrado durante o envio deste
formulário.
Nome *
Turma *
1/1
Certamente solicitaria o exame, pois isso aliviaria a ansiedade dos pais.
Você esperaria a criança crescer, a ponto de que ela pudesse ter condições de
escolher se gostaria ou não de realizar o exame.
Você prontamente solicitaria o exame, pois a probabilidade da �lha também
apresentar uma anormalidade cromossômica é bastante alta, até devido ao
ocorrido na gestação prévia.
A realização do exame da paciente neste momento seria de grande importância,
pois o conhecimento de que ela possa apresentar a mesma alteração
cromossômica equilibrada do pai ajudaria desde já na sua preparação futura,
quando ela for ter �lhos.
Pediria certamente o exame, mas apenas quando a menina se encontrasse em
idade de ter �lhos.
1/1
Bene�cência
Não Male�cência
A t i
1 - Um casal vem à consulta por história de ter tido um filho na gestação
prévia apresentando múltiplas malformações e uma anormalidade
cromossômica estrutural. O geneticista que avaliou a família indicou, até
pensando no aconselhamento genético, a realização do cariótipo dos
pais. O exame deles revelou que o pai apresentava uma translocação
balanceada (equilibrada) entre os cromossomos 8 e 10. Os pais,
preocupados em relação ao seu outro filho, uma menina saudável de 7
anos, pedem para que você solicite o cariótipo dela, com o objetivo de
avaliar se ela também possui uma alteração cromossômica. Com base
nisso, qual seria a conduta mais correta?
*
2 - Tendo como base os princípios éticos, qual(is) dele(s) estariam mais
envolvidos na situação acima?
*
Autonomia
Justiça
Fidelidade
0/1
o risco de vocês (o casal) terem novamente um �lho com a mesma condição
diagnosticada na gestação anterior seria de 25%, ou seja, de 1 em 4.
como pais que são primos possuem um risco bastante aumentado de terem
�lhos com doenças genéticas (cerca de o dobro da população em geral), vocês
não deveriam engravidar.
o risco de recorrência é de 5%, ou seja, existe uma chance de 95% de vocês (o
casal) terem um �lho saudável e por isso vocês deveriam engravidar.
como vocês possuem um risco de 50% de terem um �lho portador dessa
doença, o que é muito alto, eu aconselharia vocês a não engravidarem.
o médico, por conhecer muito mais a respeito da doença, deveria sempre
realizar as escolhas em nome do paciente, incluindo questões relacionadas ao
planejamento familiar, em decorrência do risco de recorrência de uma
determinada doença. Isto seguiria o princípio da bene�cência.
Resposta correta
como pais que são primos possuem um risco bastante aumentado de terem �lhos
com doenças genéticas (cerca de o dobro da população em geral), vocês não
deveriam engravidar.
o risco de recorrência é de 5%, ou seja, existe uma chance de 95% de vocês (o
casal) terem um �lho saudável e por isso vocês deveriam engravidar.
como vocês possuem um risco de 50% de terem um �lho portador dessa doença, o
que é muito alto, eu aconselharia vocês a não engravidarem.
o médico, por conhecer muito mais a respeito da doença, deveria sempre realizar
as escolhas em nome do paciente, incluindo questões relacionadas ao
planejamento familiar, em decorrência do risco de recorrência de uma determinada
doença. Isto seguiria o princípio da bene�cência.
Feedback
3 - Dentre as afirmações abaixo, qual(is) da(s) condutas não seriam
adequadas dentro do contexto da realização de um aconselhamento
genético:
*
Aqui a principal questão explorada é o fato do aconselhamento genético não ser diretivo.
Apesar do termo "aconselhamento" sugerir que quem o faz dá "conselhos" aos indivíduos
envolvidos, o mesmo deve ser "neutro". As informações devem ser colocadas de forma
imparcial, para que as pessoas envolvidas possam ter autonomia na sua escolha. Por
isso, quando se realiza o aconselhamento genético não se deve indicar ou sugerir
condutas, como "se eu estivesse no lugar de vocês eu faria...", nem utilizar termos como
"alto/aumentado/grande" e "baixo/diminuído/pequeno".
1/1
ao explicar os resultados da tipagem sanguínea, você já colocaria ao marido que
provavelmente ele não é o pai natural da criança, pois o mesmo não poderia ser
também um doador de sangue - princípio: não male�cência
você conversaria inicialmente com a mãe e explicaria os resultados da tipagem,
sendo que, caso a mãe tivesse realmente traído o marido, ela deveria expor isso a
ele, pois seria bené�co para todos saberem a verdade - princípio: bene�cência
como o exame foi realizado para avaliação da tipagem sanguínea, mesmo que
indique a possibilidade de que o marido não seja o pai natural da criança, você
manteria sigilo, até porque este não é um exame adequado para se avaliar a
paternidade e essa informação não traria benefício à família - princípio: não
male�cência
seria ético expor ao marido que ele poderia não ser o pai da criança, ainda mais
que a verdade somente traria benefícios a toda família - princípio: bene�cência
você já solicitaria um teste de paternidade, pois não seria justo ao marido que ele
não soubesse que ele não era o pai natural da criança - princípio: autonomia
caso os pais questionem o resultado do exame, em decorrência da não
combinação dos tipos sanguíneos, o mais correto seria solicitar um teste de
paternidade, pois esta informação seria bené�ca e fundamental para o tratamento
da criança - princípio: bene�cência
Este formulário foi criado em UFCSPA.
4 - Uma criança encontra-se hospitalizada, sendo que na sua avaliação
se constatou a necessidade de realização de uma transfusão de sangue.
Nisto, realizou-se a tipagem sanguínea dela e dos pais, pensando-se até
em um doador. Os resultados mostraram que a tipagem sanguínea da
criança era O+, sendo que a da mãe era O+ também e a do pai AB-, uma
tipagem a princípio não compatível com aquela da criança. Diante dessa
situação e dos resultados observados, qual seria a conduta mais correta
e o princípio ético a ser respeitado:
*
 Formulários
https://www.google.com/forms/about/?utm_source=product&utm_medium=forms_logo&utm_campaign=forms