Buscar

ATIVIDADE CONTEXTUALIZADA - REEDUCAÇÃO POSTURAL

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Prévia do material em texto

REEDUCAÇÃO POSTURAL
Aluna: Thaís de Araújo Ferreira
Matrícula: 01046470
Curso: Fisioterapia EAD – Pólo Boa viagem
O bebê com síndrome de down (SD) requer alguns cuidados específicos após o seu nascimento e ao longo do seu desenvolvimento motor, por conta de alguma características decorrentes da doença, como por exemplo: hipotonia muscular e a frouxidão dos ligamentos. Por isso os bebês tendem a ter uma postura mais relaxada, uma vez que seus músculos são menos tensionados e seus ligamentos mais frouxos.
Já em crianças sem nenhuma alteração neurológica, a partir do terceiro trimestre, ela começa a suportar mais peso sobre o quadril, tem mais controle cervical, possui um bom equilíbrio quando está sentado e tem grande liberdade de movimentos. Abaixo está listado o que se é esperado como principais marcos do desenvolvimento motor para uma criança de 12 meses:
12º mês: Geralmente adquirem-se nessa idade, noções de distância quando engatinha para alcance do brinquedo, de profundidade e do espaço vertical, ao dar os primeiros passos. Nessa fase, a maioria das crianças já apresenta marcha livre com base alargada (pés afastados) e braços abertos.
É sabido que a média de atraso das habilidades motoras de crianças com SD quando comparadas com crianças com o desempenho adequado é de: 1 mês para rolar, 2 meses para sentar, 3 meses para arrastar-se, 3 meses para engatinhar, 5 meses para ficar em ortostase e 7 meses para andar.
Os atrasos apresentados no nosso estudo de caso são:
	CRIANÇA COM SD (ESTUDO)
	CRIANÇA SEM SD
	Não consegue arrastar-se.
	Inicia o engatinhar com 8-9 meses.
	Não passa da posição sentada para a posição em pé.
	Passa da postura engatinhar para ficar em pé com cerca de 11 meses.
	Não realiza marcha lateral com apoio
	Apresenta marcha lateral com 10 meses.
Primeiro é importante ressaltar que o tratamento precisa de liberação médica, principalmente se o bebê tiver algum tipo de cardiopatia (como é o caso do nosso exemplo). Nosso objetivo a curto prazo é melhorar o controle postural e a assimetria muscular para iniciar o engatinhar, visto que esse é o principal atraso diante da idade e do que foi estudado. A médio prazo melhorar o tônus muscular e estimular as reações de proteção e equilíbrio para que a criança consiga passar da posição de 4 apoios para em pé (mesmo que com apoio) e a longo prazo trabalhar equilíbrio e coordenação para que ela comece a andar com mais independência.
A metodologia Bobath está entre os métodos mais avançados de treinamento e utiliza os reflexos e estímulos sensoriais para evitar ou provocar respostas motoras. Além de fortalecer a musculatura, ela melhora a coordenação motora pela aprendizagem da sensação do movimento. O tratamento inclui exercícios ativos e passivos e entre os instrumentos utilizados estão a bola e o rolo, porém, essa prescrição depende da avaliação fisioterapêutica. 
Para tônus muscular e controle motor, o tapping tem papel muito importante no desenvolvimento postural da criança, assim como o placing e o holding ajudam no controle de movimentos e posições. Estimulação plantar para realizar uma dessensibilização para novos estímulos proprioceptivos também pode ser utilizado.

Outros materiais