Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
Hiperprolactinemia

Pré-visualização | Página 1 de 2

Hiperprolactinemia
· A prolactina também é responsável pelo funcionamento ovariano, apesar de sua principal função ser relacionada ao desenvolvimento das mamas/leite. Isso pois ela interfere na produção de LH e FSH devido sua influência no GnRH.
· Hiperprolactinemia é definida como o aumento das secreções séricas da PRL acima dos valores de referência. 
· A prolactina é um hormônio secretado pela adeno-hipófise e tem como principal função estimular a produção de leite pelas glândulas mamarias e o aumento das mamas. O aumento da produção de prolactina provoca a hiperprolactinemia, causando nas mulheres alterações menstruais e infertilidade. Além disso, a PRL também pode ser produzida nas cels linfoides e na decídua placentária. 
· A prolactina é regulada pelo hipotálamo, principalmente por meio da influência inibitória da dopamina (principal agente inibitório). Isso explica o uso de tratamentos com agonistas da dopamina. 
· Fatores que diminuem a dopamina (como alguns medicamentos - anti-hipertensivo, psicotrópicos, opioides, neurolépticos) estimulam a produção de prolactina. O hormônio TRH, em casos de aumento (hipotireoidismo primário e insuficiência adrenal), também aumenta a produção de prolactina devido sua ação nos lactotrófos (cels responsáveis pela produção de PRL na adeno-hipófise). A ação continua do estrogênio sem ciclicidade (como ocorre na SOP) também estimula a prolactina, explicando a coexistência de SOP e hiperPRL. Outros casos podem ser decorrentes deficiências renais/hepáticas (diminuição da depuração de prolactina). Por fim, outra causa importante são os tumores produtores de prolactina. 
· Quando a prolactina eleva-se há bloqueio dos pulsos de GnRH do hipotálamo levando ao hipogonadismo (baixa dos hormônios ovarianos) hipogonadotrófico (baixos níveis de LH e FSH). Assim, pode levar a amenorreia (ausência de ciclos), secura vaginal, dispareunia de penetração, infertilidade, osteoporose. 
· Sintomas:
1. Irregularidade menstrual (distúrbio ovulatório)
I. Ciclos curtos – insuficiência lútea (pode ser relacionada ao aumento de prolactina)
II. Ciclos longos – amenorreia
III. Infertilidade 
2. Hipoestrogenismo
I. Secura vaginal
II. Disfunção sexual 
III. Dispareunia 
IV. Redução da massa óssea 
3. Galactorreia: não é um sinal específico de hiperPRL. Pode estar presente ou ausente em pacientes com prolactina elevada, além de haver outras causas. 
4. Sintomas compressivos:
I. Pode estar presente em casos de macroprolactinomas ou pseudo-prolactinoma que levam a sintomas neuro-oftalmológicos 
II. Cefaleia, rinorreia, hemianopsia bitemporal, perda bilateral de visão nos campos temporais, perda da visão periférica, atrofia do n. óptico, paralisia de pares cranianos, hipertensão intracraniana, hidrocefalia 
· Causas: existem várias causas possíveis de hiperprolactinemia que se enquadram basicamente em 3 classes. Além disso, a hiperPRL pode surgir quando há predomínio no soro de macroprolactina. 
1. Causas fisiológicas: gravidez (causa fisiológica mais comum), estímulos hormonais (SOP), estresse, amamentação, exercícios intensos, sono desregulado, período neonatal.
2. Farmacológicas – causa não fisiológica mais frequente: geralmente esse efeito decorre da potência do medicamento em antagonizar os receptores dopaminérgicos D2 na hipófise anterior
I. Todos os fármacos neurolépticos bloqueiam receptores dopaminérgicos, principalmente no tratamento da esquizofrenia (antipsicóticos). A exceção de tal ação ocorre no haloperidol, clorpromazina, risperidona, levopromazina. O aripiprazol é um agonista parcial dos receptores dopaminérgicos. 
II. Antidepressivos tricíclicos
III. Inibidores da MAO
IV. Alguns anti-hipertensivos (metildopa, verapamil e reserpina).
V. Alguns ISRS, como a fluoxetina
VI. Alguns medicamentos de ação no TGI, como ranitidina e metoclorpramida.
3. Patológicas: 
I. Hipofisárias: 
· Prolactinoma – tumor hipofisário produtor de prolactina, sendo a principal causa de hiperprolactinemia patológica. Quando menores que 1 cm (ou 10mm) são chamados de microprolactinomas e se maiores que 1 cm são os macroprolactinomas. 
· Tumores mistos na região hipofisária ou hipotalâmica que produzem GH e PRL ou ACTH e PRL 
· Adenoma hipofisário não funcionante (pseudoprolactinoma) que não secreta PRL mas pode comprimir a haste hipotalâmica-hipofisária interferindo no aporte de dopamina do hipotálamo para adeno-hipófise 
II. Hipotalâmicas:
· Produção inadequada de dopamina
· Tumores hipotalâmicos que levam a compressão da haste hipotalâmica-hipofisária – craniofaringiomas, germinomas, cistos, gliomas, hamartoma 
III. Hipotireoidismo – 40% das pacientes com hipotireoidismo podem ter hiperPRL. Outras doenças autoimunes também estão relacionadas a elevação da PRL. 
IV. Hiperprolactinemia neurogênica – pode ser fisiológica (sucção mamilar ou manipulação das mamas) ou patológicas (elevação reflexa da PRL devido a lesões irritativas da parede torácica, como mastectomia, herpes zoster e queimaduras)
V. SOP – o aumento da PRL seria decorrente da elevação não cíclica de estrogênios. 30% das pacientes com SOP apresentam hiperPRL. 
VI. Outras causas patológicas: radioterapia craniana, doença infiltrativa, sarcoidose, tuberculose, histiocitose, aneurismas
VII. Insuficiência renal e cirrose hepática (principalmente se alcoólica) também podem levar a hiperPRL devido a redução da depuração 
VIII. A produção ectópica (raro) de PRL é uma causa patológica rara e pode ocorrer em teratoma ovariano com tecido hipofisário ectópico, carcinoma de cels renais, gonadoblastoma e carcinoma broncogênico. 
4. Além disso, drogas ilícitas também podem aumentar a PRL, como a cocaína, heroína, anfetamina e morfina
5. Hiperprolactinemia idiopática – definida quando não é encontrada a causa. Geralmente decorre de um microprolactinoma pequeno que não é visualizado nos exames de imagem. 
· História clínica e exame físico:
1. É imprescindível descartar gestação
2. Excluir o uso de medicações que elevam PRL, incluindo drogas ilícitas
3. Investigar presença de doenças como cirrose, insuficiência renal e hipotireoidismo 
4. Averiguar presença de distúrbios menstruais, distúrbios sexuais e sintomas neuro-oftalmológicos (cefaleia, diplopia, hemianopsia bilateral)
5. No exame físico observar presença de galactorreia, bócio, sinais de hiperandrogenismo (acne e hirsutismo), doenças autoimunes, estreitamento do campo visual e lesões traumáticas/irritativas da parede torácica (queimaduras e herpes zoster) 
· Avaliação laboratorial:
1. Realizar dosagem da PRL sérica 
2. Valor máximo de PRL: 29ng/ml para mulheres e 20ng/ml para homens
3. É recomendado a repetição do exame caso o resultado demonstre elevação
4. Em geral, quanto maior o valor da prolactina mais se sugere prolactinoma
I. > 250ng/ml – macroprolactinoma
II. 100-200 ng/ml – microprolactinoma 
III. < 100 ng/dl – outras causas 
5. Pode-se investigar com novas dosagens de TSH, FSH, perfil hepático, perfil renal e investigar SOP
· Diagnostico:
1. Deve-se lembrar de excluir a causa de gravidez 
2. Dosagens elevadas mas sem clínica, ciclos regulares, sem galactorreia ou outro sintoma ou paciente em investigação de SOP deve-se dosar a macroprolactina (complexo antígeno-anticorpo biologicamente inativo). A prolactina pode se ligar a complexos de imunoglobulinas que aumenta sua meia vida, aumentando seu tempo de depuração e consequentemente aumentando seu nível sérico. Deve-se dosar para ter certeza que a prolactina não está falsamente aumentada. 
3. Método de dosagem de macroprolactina: precipitação com polietilenoglicol (PEG). O polímero precipita as moléculas de macroprolactina e o sobrenadante é quantificado, representando a PRL verdadeira que anteriormente foi superestimada. Se a PEG deixar dúvidas, ainda pode-se fazer cromatografia em gel.
4. Outra armadilha diagnóstica é o efeito gancho. Esse efeito se caracteriza por níveis falsamente baixos de PRL associada a presença de adenoma volumoso. Nesses casos, a medida de PRL pode ser obtida com diluição do soro, havendo
Página12