Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Drogas utilizadas no sistema cardiovascular parte 2

Pré-visualização | Página 1 de 1

Profa. Dda Gleicy Karine N. de A. Monteiro
Drogas utilizadas no
sistema cardiovascular
Diuréticos
Hipolipemiantes
Anti-hipertensivos
Antianginosos e vasodilatadores
Anticoagulantes e trombolíticos
Cardiotônicos e inotrópicos
Antiarrítmicos
 
 
CLASSE DE FÁRMACOS
Hipertensão arterial
Manejo não farmacológico: perda de peso,
redução do estresse, exercício físico. 
Força exercida pelo sangue contra as paredes
das artérias;
Não apresenta causa conhecida;
Fatores de risco (idade, sexo, obesidade,
ingestão excessiva de sal);
Dieta e estilo de vida saudáveis;
Não tem cura, mas pode ser controlada.
Anti-hipertensivos
Inibidores da Enzima Conversora
de Angiotensina (IECA)
 01
02
03 Antagonistas dos receptores deangiotensina II
 
Bloqueadores dos canais de cálcio
Reduzem a pressão arterial ao dilatar
vasos sanguíneos arteriais -
vasodilatação
O método da dilatação pode variar,
todos produzem aumento do lúmem
arterial, consequentemente, aumenta
o espaço disponível para o sangue. 
Supressão do sistema renina-angiotensina-
aldosterona (impede a atividade da enzima
que converte angiotensina I em II. 
Angiotensina II - vasoconstritor
Liberação da aldosterona - retenção de sódio
e água (aumento da PA)
Ex: Captopril
Inibem o movimento de íons cálcio através das
membranas celulares das células musculares
cardíacas e arteriais.
Relaxam os vasos sanguíneos, aumentando o
O2. Ex: Anlodipino
Bloqueiam a ligação da angiotensina II em vários
receptores no músculo liso vascular - bloqueio
do efeito de vasoconstrição..
Ex: Losartana
• Diuréticos, como furosemida e hidroclorotiazida
• Bloqueadores beta-adrenérgicos, como atenolol e propranolol
• Fármacos antiadrenérgicos (de ação central), como clonidina e metildopa
• Fármacos antiadrenérgicos (de ação periférica), como doxazosina e prazosina
• Bloqueadores dos canais de cálcio, como anlodipino e diltiazem
• Inibidores da enzima conversora de angiotensina, como captopril e enalapril
• Antagonistas do receptor de angiotensina II, como irbesartana e losartana
• Fármacos vasodilatadores, como hidralazina e minoxidil.
 
OBS: Uso com cautela em pacientes com comprometimento renal ou hepático.
 
 
COMBINAÇÕES
Cardiotônicos
e Inotrópicos
Aumentar a eficiência e melhorar a contração
do músculo cardíaco - melhora do fluxo
sanguíneo para todos os tecidos do corpo.
 
São utilizados no tratamento de pacientes
que continuam apresentando sintomas após 
a administração das medicações comumente
prescritas para a hipertensão arterial.
 
Insuficiência cardíaca: 
1 - sistema nervoso aumenta a secreão de
catecolaminas - /\ FC e vasconstrição 
2 - ativação do sistema renina-
angiotensina-aldosterona - /\ PA 
3 - aumento na atividade neuro-hormonal -
provoca reestruturação das células
musculares cardíacas - hipertrofia e maior
necessidade de oxigênio
 
Aumentam o débito cardíaco por meio de
sua atividade inotrópica positiva - aumento
na força das contrações. 
Ex: digoxina
 
Elevada toxicidade e aumenta o risco de
morte.
Casos clínicos
OBS: Respondam com as palavras de vocês de acordo com o entendimento
e anotações das aulas, não adianta buscar respostas prontas na internet
porque será considerado apenas o que estiver interligado com o que
conversamos em sala. 
Caso 01
JPS, 62 anos, buscou a unidade de saúde da família para uma consulta de rotina para
controle da sua HIpertensão Arterial. Durante o atendimento, verificou-se uma PA de
170x90 mmHg. O profissional indagou se o mesmo tinha feito uso adequado da sua
medicação. JPS faz uso de anlodipino (anti-hipertensivo) todos os dias pela manhã e havia
tomado a sua medicação corretamente. O profissional modificou a sua medicação para o
captopril (anti-hipertensivo) e continuou em acompanhamento, identificando que as
medidas diminuiram para 150x90 mmHg, mas ainda não estava dentro dos paramêtros
adequados. Diante disso, o profissional prescreveu para que o paciente a hidroclorotiazida
(diurético) em associação a losartana (anti-hipertensivo) e a PA de JPS se manteve estável. 
O que pode ter acontecido com JPS para que fosse prescrito essas medicações? 
Quais as formas de atuação dessas medicações prescritas? 
Caso 02
MSS, 58 anos, buscou a unidade de saúde da família para uma consulta de rotina. Durante
o atendimento, foi solicitado que a mesma realizasse os exames laboratoriais de rotina e
exames específicos para avaliação da função cardíaca. Após realização desses exames,
MSS retornou a consulta para avaliação. Observou-se que a paciente apresentou taxas
elevadas de colesterol, triglicerídeos e LDL. Com base nesses achados, foi prescrito que
a mesma fizesse uso de niacina (fármaco hipolipemiante), uma vez que a aterosclerose é
um fator que influencia no surgimento de alterações cardíacas. 
 
Qual a forma de atuação da medicação? 
Qual a relação da medicação com o sistema cardiovascular? 
Caso 03
AML, 72 anos, foi levado a unidade de pronto atendimento por estar apresentando uma
dor no tórax e uma sensação de aperto elevado no local. Os profissionais do local
avaliaram seus sinais vitais e realizaram alguns exames específicos como o
eletrocardiograma e ecocardiograma. Após a sua realização, foi possível identificar
alterações sugestivas de isquemia. Deste modo, foi administrado nesse paciente o
medicamento Nifedipino, que se configura como um vasodilatador. 
 
O que aconteceu com esse paciente?
Qual a forma de atuação da medicação? 
Qual a recomendação de utilização dessa medicação? 
Caso 04
LMS, 50 anos, busca o serviço de saúde para realização de uma cirurgia ortopédica de
uma alteração que a paciente apresenta e está incomodada. O profissional questiona as
medicações que a paciente faz uso e a mesma refere que utiliza anticoncepcional e faz
uso contínuo de ácido acetilsalicílico (ASS). O profissional recomendou a sua interrupção
com no mínimo 1 semana antes e prescreveu um anticoagulante a base de enoxaparina
sódica (clexane). 
 
Qual a relação entre as medicações que a paciente faz uso e com o que foi prescrito?
Qual a forma de atuação da medicação? 
Qual a relação com a cirurgia?