Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
16 pág.
INSUFICIÊNCIA RESPIRATÓRIA AGUDA

Pré-visualização | Página 1 de 1

INSUFICIÊNCIA
RESPIRATÓRIA
AGUDA
ALUNOS: ANNY KELLY, BEATRIZ VENTURA, GUILHERME SALES, 
ISTHEFANNY RODRIGUES E PASCALLY VIEIRA 
O QUE É A IR AGUDA?
A insuf ic iência respiratór ia ( IR) pode ser def in ida como a
condição cl ín ica na qual o s istema respiratór io não consegue
manter os valores da pressãoarter ia l de oxigênio (PaO2) e/ou
da pressão arter ia l de gás carbônico (PaCO2) dentro dos
l imites da normal idade, para determinada demanda
metaból ica.
Essa falha pode ser na oxigenação, na vent i lação ou em ambas
as funções.
PAO2 < 60 MMHG
PACO2 > 50 MMHG
VALORES DE REFERÊNCIA 
VENTILAÇÃO
Processo cíclico, responsável pela renovação do gás alveolar.
FASES DO PROCESSO RESPIRATÓRIO
PERFUSÃO
Mecanismo que bombeia sangue nos pulmões.
GRADIENTE ALVEOLOARTERIAL
Avaliação da diferença entre a (PAO2) e a (PaO2), através de calculo matemático.
RELAÇÃO VENTILAÇÃO/PERFUSÃO (V/Q)
Os valores finais da PaO2 e PaCO2 resultam de interações entre a taxa de
ventilação alveolar e o respectivo fluxo sanguíneo.
Alterações pulmonares e vias aéreas
Alterações do SNC
Alterações Cardiovasculares
Alterações Neuromusculares, périfericas
Alteração da parede toráxica e pleura
EPIDEMIOLOGIA / ETIOLOGIA
FISIOPATOLOGIA
Secundária à alteração em qualquer um dos componentes que
participam da respiração, incluindo as vias aéreas, alvéolos, sistema
nervoso central (SNC), sistema nervoso periférico, músculos respiratórios
e parede torácica;
DIAGNÓSTICO CLÍNICO
ALTERAÇÃO DO 
ESTADO MENTAL
ESFORÇO
RESPIRATÓRIO CIANOSE
CO2O2/
DIAGNÓSTICOS
Oximetria de pulso;
Análise da Gasometria; 
Monitoramento de dióxido de
carbono expirado (capnometria)
são os principais aspectos para
os testes diagnósticos.
CLASSIFICAÇÃO
ETIOLOGICA
 
Pulmonar
Extra Pulmonar
Aguda
CrônicaDE ORDEM
CLASSIFICAÇÃO
Incapacidade do sistema respiratório em manter as trocas gasosas.
 
Incorreto
Fornecimento de O2
para os tecidos.
Déf ic i t de O2
Hipoxêmica – Tipo I
 
Inadequada El iminação
do CO2
Défic i t da Vent i lação
Hipercapnica – Tipo I I
Mista
Redução Da PaO² = < 50 mmHg
Espaço Morto Perfussão
Baixa Difusão
Shunt Ventilação
HIPOXÊMICA - TIPO I
Fidedignidade no resultado
que a Saturação não pode dar
por "N" motivos.
Problema relacionado à troca gasosa a nível
alveolar
HIPERCÁPNICA - TIPO I I
VOLUME MINUTO (FR x VC) DIMINUIDO;
PCO2 > 50 mmHg e PaO2 < 50 mmHg;
FISIOPATOLOGIA hipoventilação alveolar 
difusa;
MECANISMO BÁSICO déficit na ventilação
MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
Cianose, taquipneia, esforço respiratório, respiração paradoxal,
uso de musculatura acessória, tiragem intercostal, fala
entrecortada e batimento da asa nasal.
TRATAMENTO
Necessitam de terapia específica para a doença de base e os cuidados
respiratórios de suporte. 
Os pacientes com TIPO 1, podem necessitar de reposição de O2 por meio
de cateter, máscara com reservatório, ventilação invasiva ou até mesmo
mecânica, por meio de intubação endotraqueal. O objetivo da
terapêutica com O2 é aumentar o Sao2 em niveis acima de 90%. 
Na TIPO 2 temos que ajudar o paciente a ventilar (Ventilação Mecânica)
REFERÊNCIAS:
PÁDUA, Adr iana Inacio; ALVARES, F láv ia; MARTINEZ, José Antônio Baddini .
Insuf ic iência respiratór ia. Medicina (Ribeirão Preto) , v . 36, n. 2/4, p. 205-213,
2003.
GUTIÉRREZ MUÑOZ, Fernando R. Insuf ic iencia respirator ia aguda. Acta Médica
Peruana, v . 27, n. 4, p. 286-297, 2010.
Pneumologia – Insuf ic iência respiratór ia aguda – Insuf ic iência Respiratór ia.
(Professor Lucas Cott in i da Fonseca Passos) . Jaleko Acadêmicos. Disponível em:
<http://www.jaleko.com.br>.
THOMPSON, B. T . ; CHAMBERS, R. C. ; L IU, K . D. Acute Respiratory Dist ress
Syndrome. New England Journal of Medicine, v . 377, n. 6 , p. 562–572, 10 ago. 2017
MARINO, L . O.; JOÃO, E. A. ; BONARDI , i R. C. Insuf ic iência respiratór ia aguda. In :
VELASCO, I . T . et a l . Medicina de emergência: abordagem prát ica. 14. ed.
Baruer i : Manole, 2020 
OBRIGADO!