Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
20 pág.
RESSECÇÃO DE LÁBIO (CÂNCER DE BOCA) - Fononcologia

Pré-visualização | Página 1 de 1

Ressecção
de lábio
DISCENTES: Danielle, Ellen, Franciane, Laís Fonseca e Paulo Ricardo
DOCENTE: Michelle Ferreira Guimaraes
DISCIPLINA: Fononcologia
UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO
O QUE É O
CÂNCER DE LÁBIO?
É um tumor maligno que
pode afetar as estruturas,
como: lábios, gengiva inferior
e superior, mucosa bucal
(bochechas), palato duro,
língua (principalmente as
bordas) e o assoalho da boca
Corresponde a cerca de 30%
de todos os tumores de
cabeça e pescoço
Perfil dos pacientes: homem,
de pele branca, com cerca de
45 anos
Representa 3% dos casos de câncer no
mundo;
No Brasil, os carcinomas de lábio totalizam
cerca de 25% a 30% de todos os tipos de
câncer oral;
As regiões Sul e Sudeste apresentam mais
casos;
A maior incidência é do tipo carcinoma
epidermóide, que ocorre em
aproximadamente 95% dos casos;
Tipo histológico mais frequente: carcinoma
epidermóide, geralmente no lábio inferior.
epidemiologia
Etilismo Alimentação
inadequada
Exposição à
radiação UVA
Falta de
higiene bucal
TabagismoPredisposição
genética
Fatores de risco
SINAIS E
SINTOMAS
Se origina na mucosa e
geralmente se
desenvolve a partir de
lesões pré-malignas
Feridas que não
cicatrizam
Forte odor e mau hálito Atrofia, ressecamento
e fissuras no lábio
SINAIS E
SINTOMAS
Nódulos e caroços Manchas
esbranquiçadas ou
avermelhadas que
formam crostas
Coceira e sangramento Ausência de sintomas
dolorosos no início,
mas podem ocorrer em
estágios avançados
Social
Pode haver constrangimento
pela estética que é afetada
devido à mutilação bucal.
Insegurança para socialização
devido às dificuldades no
momento de alimentação.
impactos
Comunicação
Dificuldade ou distorção na
produção de fonemas bilabiais
e labiodentais como
[p] [b] [m] [f] [v]
Alimentação
Pode haver falta de vedamento
labial, contenção oral, escape
de saliva e de alimentos,
dificuldades de mastigação,
sucção, pressão intra-oral.
D
IA
G
N
Ó
ST
IC
O Exame visual da mucosa oral por um dentista pode resultarna detecção precoce da doença.
Palpação de estruturas adjacentes
O diagnóstico de pequenas lesões precoces é fundamental
para um bom prognóstico
Biópsia para diagnóstico definitivo da lesão
Atraso no diagnóstico 
Autoexame para
identificação de
câncer bucal
Revisa Saúde- Franchising Group
TRATAMENTO
Cirurgia 
e radioterapia
Considerar a possível 
disseminação para os 
linfonodos regionais
O carcinoma 
epidermóide de lábio 
apresenta baixa 
incidência de 
metástases.
Extensão e espessura 
tumoral
Localização, grau de 
malignidade, 
estadiamento do 
tumor e condição de 
saúde do paciente
R
E
C
O
N
ST
R
U
Ç
Ã
O
Funcional: restauração da competência oral (músculo orbicular dos
lábios); 
Sensitivo: a preservação da inervação sensitiva auxilia na função de
esfíncter; 
Estético: retalhos locais, limites topográficos e subunidades
estéticas, simetria, zona de transição entre o vermelhão e a pele.
Objetivos Principais
Imagem: Músculo
orbicular dos lábios. O
principal responsável
pela competência
labial. Autor: Luciane
dos Santos Mori.
C
IR
U
R
G
IA
 P
L
Á
ST
IC
A
Faveret, P. L. S. et al., 2015
FECHAMENTO PRIMÁRIO
Este método é mais utilizado em acometimentos de até 1/3 do lábio permitindo o correto alinhamento do
vermelhão e a reaproximação da musculatura orbicular, evitando a incontinência labial.
Imagem: Excisão em W, a fim de não prolongar a cicatriz final além do sulco submentoniano.
Faveret, P. L. S. et al., 2015
Imagem: Retalho de Abbe. Autor da Ilustração: Eduardo Furtado
Souza.
RETALHO DE ABBÉ
É a transferência de tecido do lábio inferior para o superior (ou vice-versa), normalmente não ocorre
complicação. É muito utilizado para a reconstrução de até 50% do lábio superior (central ou lateral), sem
envolver a comissura.
Imagem: Retalho
de Abbe.
Faveret, P. L. S. et al., 2015
RETALHO CUTÂNEO
DE AVANÇAMENTO
Avança até a deformação através da excisão (corte) de uma porção
do tecido ao redor da asa do nariz;
Incisão ao longo da borda do vermelhidão, com uma cicatriz em T
para não distorcer a linha cutaneomucosa.
Para deformações maiores, nos quais não conseguiram ser reparados
pela sutura primária. Como são feitos:
Faveret, P. L. S. et al., 2015
VANTAGENS: é utilizado uma maior
quantidade de tecido se comparado
com os retalhos de avançamento;
DESVANTAGENS: pode causar distorção
estética, no limite topográfico pelo sulco
nasogeniano e apresentar edema na
curvatura inferior
Utilizado também em deformações da
espessura parcial do lábio superior;
Retalho mais utilizado: nasogeniano
Faveret, P. L. S. et al., 2015
RETALHO DE TRANSPOSIÇÃO
PERILABIAIS
Inervação parcial ocorre em até 18
meses.
Para reconstrução entre 1/3 e 2/3,
chegando em 80% do lábio.
RESULTADOS: esteticamente inferior,
podendo resultar em encurtamento labial,
as comissuras labiais somem e
microstomia (abertura diminuída da
cavidade oral);
RETALHO DESCRITO POR
GILLIES E MILLARD (1957)
Faveret, P. L. S. et al., 2015
RETALHO DE
KARAPANDZIC (1974)
Em deformidades pequenas, o retalho
unilateral é suficiente;
Defeitos maiores que 50% do lábio
requerem retalhos bilaterais;
RESULTADO: esteticamente é pior, pois
há arredondamento da comissura labial; é
capaz de restaurar até 100% do lábio;
Quanto maior a deformação, maior a
possibilidade de microstomia.
Usa-se 2 retalhos nasolabiais semilunares
que preserva as estruturas vasculares e
nervosas locais e leva a musculatura
inervada para a reconstrução;
Faveret, P. L. S. et al., 2015
MAIO
VERMELHO
Campanha do Hospital Ernesto Dornelles
realizada em 2019 em Porto Alegre-RS.
FAVERET, P. L. S. Reconstrução labial após ressecção de tumores. Rev. Bras. Cir. Plást. 2015;30(2):206-218.
Hospital Ernesto Dornelles. Maio Vermelho - Prevenção do Câncer de Boca. 2019. Disponível em:
<https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files/media/document/livro-abc-6-edicao-2020.pdf> Acesso em: 19 nov. 2022.
INSTITUTO Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. ABC do câncer : abordagens básicas para o controle do câncer. 6.
ed. rev. atual. – Rio de Janeiro : INCA, 2020. Disponível em:
<https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files/media/document/livro-abc-6-edicao-2020.pdf> Acesso em: 20 nov. 2022.
INSTITUTO Nacional do Câncer (INCA). Câncer de Boca. Rio de Janeiro. 4 jun. 2022. Disponível em:
<https://www.inca.gov.br/assuntos/cancer-de-boca>. Acesso em: 19 nov. 2022.
LEMOS, Celso; ALVES, Fabio; TORRES-PEREIRA, Cassius; BIAZEVIC, Maria; PINTO JÚNIOR, Decio; NUNES, Fabio. 2013. Câncer de
Boca Baseado em Evidências Científicas. Revista da Associação Paulista de Cirurgiões Dentistas. 67. 178-86. Disponível em:
<http://revodonto.bvsalud.org/pdf/apcd/v67n3/a02v67n3.pdf> Acesso em: 20 nov. 2022.
SOARES, É. C.; NETO, B. C. B.; DE SOUZA SANTOS, L. P. Estudo epidemiológico do câncer de boca no Brasil. Arquivos Médicos dos
Hospitais e da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, p. 192-198, 2019. Disponível em:
<https://doi.org/10.26432/1809-3019.2019.64.3.192>. Acesso em: 19 nov. 2022.
TEIXEIRA, Leônia Cavalcante. Implicações subjetivas e sociais do câncer de boca: considerações psicanalíticas. Arq. bras. psicol.,
Rio de Janeiro , v. 61, n. 2, p. 1-12, ago. 2009 . Disponível em <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-
52672009000200007&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 20 nov. 2022.
Referências
https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files/media/document/livro-abc-6-edicao-2020.pdf
https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files/media/document/livro-abc-6-edicao-2020.pdf
https://www.inca.gov.br/assuntos/cancer-de-boca
http://revodonto.bvsalud.org/pdf/apcd/v67n3/a02v67n3.pdf
https://doi.org/10.26432/1809-3019.2019.64.3.192
http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672009000200007&lng=pt&nrm=iso
Obrigado!