Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Descrição de Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

Pré-visualização | Página 1 de 2

Descrição de Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde, 
abordando o grupo de Resíduos de Serviços de Saúde, as formas 
adequadas de segregação, manejo e destinação final destes respiduos 
Classificação dos Resíduos de Serviços de Saúde 
 Os serviços de saúde (SS) são todos os estabelecimentos que prestam atendimento à saúde 
animal e humana. Nesse panorama estão inclusos: os serviços de assistência domiciliar; de 
trabalhos de campo; laboratórios analíticos de produtos para a saúde; necrotérios; f unerárias e 
atividades de embalsamamento; de medicina legal; drogarias e farmácias de manipulação; 
estabelecimentos de ensino que realizam pesquisa na área de saúde; centros de controle de 
zoonoses; distribuidores de produtos farmacêuticos; importadores, d istribuidores e produtores 
de materiais e controles para diagnóstico in vitro; unidades móveis de atendimento à saúde; 
serviços de acupuntura; serviços de tatuagem, dentre outros (CONAMA, 2005). 
Nesse contexto, cabe ressaltar que os resíduos de serviços de saúde (RSS) são aqueles gerados 
nos serviços de saúde (SINIR, 2017). Por conta de suas características químicas e biológicas, o 
manejo dos RSS exige ações especificas que devem assegurar condições sanitárias adequadas, 
portanto, devem minimizar e/ou eliminar os riscos à saúde pública e ao meio ambiente. Desse 
modo, para cada classe de RSS há uma série de soluções apropriadas (ZAJAC et al., 2016). 
De acordo com o Manual de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (MGRSS, 2006), 
os RSS são classificados segundo suas características e potenciais riscos que podem causar ao 
meio ambiente e à saúde da população. Portanto, são classificados, conforme descrito na 
Resolução nº 306 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA, 2004), em cinco grupos: 
• Grupo A: resíduos com a possível presença de agentes biológicos, que podem apresentar 
risco de infecção (este é subdividido em A1, A2, A3, A4 e A5, de acordo com a origem e 
periculosidade); 
• Grupo B: resíduos contendo substâncias químicas que apresentam características de 
inflamabilidade, corrosividade, reatividade e toxicidade; 
• Grupo C: resíduos resultantes de atividades humanas que contenham radionuclídeos em 
quantidades superiores aos limites de isenção especificados nas normas do CNEN 
(Comissão Nacional de Energia Nuclear); 
• Grupo D: resíduos que não apresentam risco biológico, químico ou radiológico à saúde da 
população nem ao meio ambiente e podem ser comparados aos resíduos domiciliares; 
• Grupo E: resíduos perfurocortantes ou escarificastes, e similares, infectantes; 
O Manual de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (MGRSS, 2006), descreve 
alguns exemplos dos RSS, são eles: - grupo A: as placas e lâminas de laboratório, as carcaças, 
as peças anatômicas (membros), os tecidos, as bolsas transfusionais contendo sangue, culturas 
e estoques de microrganismos, dentre outras; - grupo B: produtos hormonais e antimicrobianos, 
medicamentos apreendidos, reagentes de laboratório, resíduos contendo metais pesados, dentre 
outros; - grupo C: serviços de medicina nuclear e radioterapia, e similares; - grupo D: sobras de 
alimentos e do preparo de alimentos, resíduos das áreas administrativas, equipo de soro, dentre 
outros; - grupo E: lâminas de barbear, agulhas, ampolas de vidro, pontas diamantadas, lâminas 
de bisturi, dentre outros. 
Considerando que o descarte inadequado desses resíduos pode colocar em risco e comprometer 
os recursos naturais, bem como a qualidade de vida das atuais e das gerações vindouras 
(MGRSS, 2006), se faz necessário a segregação adequada dos RSS, atendendo as normas e 
exigências legais, no momento e local em que foram gerados, até a sua destinação final. Desse 
modo, cabe mencionar, que os serviços de saúde são responsáveis pelo gerenciamento dos RSS 
gerados em suas respectivas atividades. O manejo adequado dos RSS previne acidentes 
ocupacionais, além de preservar a saúde da população e o meio ambiente (ANVISA, 2004). 
Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde 
O gerenciamento dos RSS consiste em um conjunto de procedimentos de gestão, planejados e 
implementados pelos serviços de saúde, a partir de bases científicas e técnicas, normativas e 
legais. Este tem por objetivo minimizar a produção de resíduos, além de encaminhar de forma 
segura e eficiente os resíduos gerados, para tratamento e destinação final. O gerenciamento 
adequado dos RSS visa a proteção dos profissionais da área da saúde, a conservação dos 
recursos naturais e da saúde pública (ANVISA, 2004). 
Para gerenciar de forma adequada os resíduos gerados, todos os serviços de saúde devem 
elaborar um Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde (PGRSS), de acordo 
com o tipo de resíduo gerado, no qual são estabelecidos os procedimentos para o manejo dos 
RSS (ANVISA, 2004). O PGRSS é um documento que, considerando a periculosidade dos 
resíduos, descreve as ações pertinentes ao manejo dos RSS, tais como: coleta, transporte e 
disposição final, visando a prevenção de acidentes, assim protegendo a saúde da população e o 
meio ambiente. Cabe mencionar que o PGRSS deve seguir as legislações sanitárias e 
ambientais, além das normas de coleta e transporte dos serviços de limpeza urbana local 
(MGRSS, 2006). 
De acordo com a Resolução nº 306 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA, 2004), 
o manejo, portanto as ações de gerenciamento interno e externo, dos RSS nos estabelecimentos 
que prestam serviços de saúde deve seguir as etapas descritas a seguir: 
• Segregação: separação dos resíduos no momento e no local em que foram gerados, de 
acordo com as características físicas, químicas, biológicas, seu estado físico e 
periculosidade; 
• Acondicionamento: embalagem dos resíduos em sacos ou recipientes que evitem 
vazamentos e resistam a possível punctura ou ruptura. A capacidade dos recipientes de 
acondicionamento deve ser compatível com o volume de resíduos gerados diariamente, de 
cada grupo de RSS; 
• Identificação: medidas que permitem o reconhecimento dos RSS contidos nos sacos e 
recipientes, de acordo com a periculosidade, além de fornecer informações ao manejo 
adequado dos RSS; 
• Tratamento: método, técnica ou processo que descaracterize os resíduos, reduzindo ou 
eliminando o risco de contaminação, de acidentes ocupacionais e/ou de danos ao meio 
ambiente; 
Disposição final: disposição dos resíduos no solo, previamente preparado para recebê-los, 
obedecendo à critérios técnicos de construção e operação, e com licenciamento ambiental 
conforme Resolução CONAMA nº 237. 
Identificação, segregação e acondicionamento dos Resíduos de Serviços de Saúde 
Os diferentes grupos de RSS são comumente identificados por símbolos relacionados as 
respectivas periculosidades. Conforme Manual de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de 
Saúde (MGRSS, 2006), os resíduos são identificados por: 
• Grupo A: são identificados pelo símbolo de substância infectante; 
 
• Grupo B: são identificados pelo símbolo de risco associado a substância química; 
 
• Grupo C: são identificados pelo símbolo internacional de presença de radiação ionizante; 
 
• Grupo D: podem ser destinados a processos de reciclagem ou reutilização. Quando 
adotada a reciclagem, a identificação é feita nos recipientes de acordo com o tipo de 
resíduo; 
 
Recipientes para resíduos passíveis de reciclagem. 
• Grupo E: são identificados pelo símbolo de substância infectante, acrescido da frase: 
Resíduo Perfurocortante, para indicar o potencial risco desse resíduo. 
 
Quanto a segregação e acondicionamento, quando são feitos em recipientes inadequados ou 
improvisados, aumentam o risco de ocorrência de acidentes ocupacionais, à saúde pública e ao 
meio ambiente. Desse modo, comprometem a segurança do processo de manejo dos RSS e o 
encarece. Sendo assim, os sacos e recipientes para segregação e acondicionamento
Página12