Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
65 pág.
INSUFICIANCIA RENAL AGUDA

Pré-visualização | Página 1 de 3

Assistência de Enfermagem ao indivíduo com LESÃO Renal Aguda/ CRÔNICA 
TÓPICOS DA AULA
FUNÇÃO RENAL
INJÚRIA RENAL AGUDA (IRA): 
CONCEITO; CATEGORIAS ETIOLÓGICAS; FASES DA IRA; ASPECTOS CLÍNICOS; DIAGNÓSTICO; COMPLICAÇÕES; TRATAMENTO
DOENÇA RENAL CRÔNICA (DRC): 
CONCEITO; ETIOLOGIA; ESTÁGIOS DA DRC; ASPECTOS CLÍNICOS; DIAGNÓSTICO; TRATAMENTO
PLANEJAMENTO DA AULA
AULA EXPOSITIVA
TEXTO DE APOIO
ESTUDO DE CASO
VÍDEO: Fisiologia Renal / Sistema Excretor
https://www.youtube.com/watch?v=Ff6QzD1dg5c
TEMPO: 13 min
VÍDEOS PARA CASA
INJÚRIA RENAL AGUGA
https://www.youtube.com/watch?v=CsdYAQDQxks
TEMPO: 28 min
DOENÇA RENAL CRÔNICA
https://www.youtube.com/watch?v=E2y7m3OSRl4
TEMPO: 21 min
FUNÇÃO URINÁRIA:
REVISÃO ANATÔMICA E FISIOLÓGICA
 O sistema urinário compreende:
 Rins 
 Ureteres
 Bexiga 
 Uretra
 Funções: 
 Excretoras (produtos residuais)
 Reguladoras (excreção de eletrólitos, ácido e água  autorregula PA / ajuda eliminar Na)
 Secretoras (forma urina)
ANATOMIA
NÉFRON: UNIDADE BÁSICA DO RIM
FUNÇÃO URINÁRIA:
REVISÃO ANATÔMICA E FISIOLÓGICA
Aorta abdominal
Artéria Renal  Arteríola aferente  Glomérulo 
 (leito capilar: filtração glomerular)
 
 Arteríola eferente 
 (sangue deixa glomérulo e flui de volta pela...)
 
 Veia Cava Inferior
 
Dividem-se vasos menores
Se ramificam
Origina-se da ...
8
ESTRUTURA RENAL
Parte do parênquima (córtex + medula) renal
Glomérulos + túbulos distais e proximais + ductos coletores = NEFRONS (1 milhão)
Base voltada para superfície côncava e ápice para pelve ou hilo
8-18 pirâmides/rim
4-13
2-3
= HILO
Artéria entra e veia sai
QUAL O PAPEL DOS RINS?
FUNÇÃO RENAL
Controle de água corporal;
Controle no nível de sais minerais; 
Controle dos ácidos (pH) no organismo;
Controle da pressão arterial (SRAA);
Síntese de hormônio que estimula a produção de hemácias;
Controle da saúde dos ossos através da produção de vitamina D (FORMA ATIVA/ Calciferol).
Na acidose (excreta H+ e retêm bicarbonato).
Na alcalose (retêm os íons H+ e excreta íons bicarbonato).
IRA: é a rápida perda da função renal devido à lesão dos rins.
É uma síndrome clínica reversível em que existe uma perda súbita e quase completa da função renal (TFG diminuída) durante um período de horas a dias. Os rins podem parar de funcionar de maneira rápida, porém temporária.
Complicações
Acidose metabólica
 Distúrbios hidroeletrolíticos
Os rins não conseguem compensar a acidose metabólica ocasionada pela IR.
Injúria Renal Aguda (IRA)
Não há um consenso em relação à definição para a IRA, mas comumente pode-se utilizar:
Aumento da creatinina sérica (Aumento de 1,5 de creatinina basal nos últimos 7 dias ou diurese< 0,5 ml/kg/h em 6 h (RIFLE);
Aumento da creatinina sérica (Aumento de 0,3 de creatinina basal nos últimos 2 dias ou diurese< 0,5 ml/kg/h em 6 h (AKIN);
Piora da função renal que resulte em necessidade de diálise.
DEFINIÇÃO
CATEGORIAS ETIOLÓGICAS DA IRA
IRA pré-renal (hipoperfusão do rim/ isquemia);
IRA intra-renal (comprometimento real do tecido renal);
 IRA pós-renal (obstrução do fluxo da urina).
CATEGORIAS DA INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
1) IRA pré-renal (hipoperfusão do rim):
Ocorre em 60 a 70% dos casos – comprometimento do fluxo sanguíneo (ISQUEMIAS), secundária a um baixo débito cardíaco;
Hipoperfusão dos rins e diminuição da TFG (Taxa de filtração glomerular);
 Insuficiência cardíaca, infarto do miocárdio, vasodilatação (sepse, medicamentos anti-hipertensivos), HAS; DM; DESIDRATAÇÃO; QUEIMADURAS.
2) IRA intra-renal(comprometimento do tecido renal):
Lesão parenquimatosa efetiva dos glomérulos – necrose tubular aguda (25% a 35%)
- O dano tubular tem geralmente origem isquêmica ou tóxica;
 Essa necrose resulta em diminuição da TFG, azotemia progressiva e desequilíbrio hidroeletrolítico;
 Diabetes, a insuficiência cardíaca, a hipertensão e a cirrose podem levar a necrose, agentes nefrotóxico, processo infeccioso (ESTREPTOCOCOS, HIV, SÍFILIS, HEPATITES B e C); doenças auto imune (LÚPUS); câncer; Pielonefrite aguda; Glomerulonefrite aguda.
3) IRA pós-renal(obstrução do fluxo da urina):
Responsável por apenas 5% dos casos de IRA;
É o resultado de uma obstrução distal ao rim;
A pressão eleva-se nos túbulos renais e, mais adiante, a TFG diminui.
 Cálculos, tumores, coágulos e estenoses.
RECAPITULANDO...
 A HIPERTENSÃO E A HIPOTENSÃO PODEM LEVAR À IR? POR QUÊ?
(ENADE) Os pacientes com queimaduras de grande extensão, ou grandes queimados, podem desenvolver complicações sistêmicas severas, entre elas a insuficiência renal aguda (IRA) do tipo pré-renal, com a consequente redução do fluxo plasmático renal e do ritmo de filtração glomerular devido à hipovolemia. Nesse caso, é importante que o enfermeiro conheça essa patologia, no que diz respeito aos parâmetros clínicos e laboratoriais, a fim de intervir precocemente na melhoria do prognóstico, que apresenta mortalidade ao redor de 50%. Considerando as informações apresentadas, entre os parâmetros clínicos e laboratoriais que devem ser monitorados nesses pacientes, incluem-se
 I. controle rigoroso de diurese e nível do clearence de creatinina.
II. controle hidroeletrolítico e dosagem de ureia plasmática.
III. controle de drogas vasoativas e enzimas hepáticas.
IV. controle da volemia e avaliação de osmolalidade e sedimento urinário.
V. parâmetros hemodinâmicos e dosagens de eletrólitos.
É correto apenas o que se afirma em
A I e III.
B IV e V.
C II, III e V.
D I, II, III e IV.
E. I, II, IV e V.
FASES DA INSUFICIÊNCIA RENAL AGUDA
Existem quatro fases da IRA: início, oligúria, diurese e recuperação
Início: agressão inicial e termina quando se desenvolve a oligúria.
 Período de oligúria: aumento da concentração séria de substância excretadas pelos rins (ureia, creatinina, ácido úrico, ácidos orgânicos e cátions – potássio e magnésio). Volume urinário menor que 400 a 600 ml/24 h.
- Período de diurese: aumento gradual do débito urinário, indicando que a filtração glomerular começou a se recuperar
- Período de recuperação: sinaliza a melhora da função renal e pode levar 3 a 12 meses (comum redução permanente de 1 a 3% na TFG)
Ureia: Os sintomas clássicos da uremia são náuseas, mal estar, vômito, fraqueza, cefaleia. Os sintomas mais graves são torpor (alto nível de sonolência súbita), distúrbios na coagulação sanguínea e pode levar até ao estado de coma. Sua concentração varia de acordo com diferentes fatores tais como o conteúdo de proteínas da dieta e a hidratação. (Valores de referências: 10,0 a 50,0 mg/dL)
Creatinina: A creatina converte-se em creatinina de forma contínua, sendo que, cerca de 2% da creatina total é convertida em creatinina a cada 24 horas. Seus níveis sanguíneos aumentam à medida que ocorre a diminuição da filtração do sangue pelos rins . (Valores de referências: 0,6 a 1,3 mg/dL)
Ácido úrico (hiperuricemia): formam-se pequenos cristais de urato de sódio que se depositam em vários locais do corpo (GOTA). Hiperuricemia pode levar a calcificação das artérias do coração aumentando os riscos para IAM.
Aumento do potássio: Uma concentração superior a 5,5 mEq por litro de sangue começa por afetar o sistema de condução elétrica do coração. Se o nível no sangue continuar a aumentar, o ritmo cardíaco torna-se anormal e parada cardíaca.
Aumento do magnésio:
Página123