Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
ATIVIDADE FARMACOLOGIA DA FIBROMIALGIA

Pré-visualização | Página 1 de 2

NAYSA GABRIELLY ALVES DE ANDRADE 1 
 
Fibromialgia 
1. COM RELAÇÃO A FIBROMIALGIA, FALE SOBRE O CONCEITO, A ETIOLOGIA E A SUA 
EPIDEMIOLOGIA. 
Fibromialgia  distúrbio do processamento central dos estímulos álgicos 
- Para seu diagnóstico um indivíduo precisa preencher os 3 quesitos a seguir: 
1) Dor em 6 ou mais de 9 regiões definidas 
2) Fadiga e/ou distúrbios do sono moderados a graves 
3) Presença dos quesitos 1 e 2 por pelo menos 3 meses 
- Estima-se que a prevalência da fibromialgia na população geral gire em torno de 2-5% 
- A proporção feminino/masculino chega a 9:1 
- A doença é mais comum em mulheres com idade entre 35-55 anos, as quais respondem por cerca de 80% dos casos. 
Essas taxas permanecem inalteradas quando se considera a classe socioeconômica do paciente 
- A etiologia e a patogênese da fibromialgia são largamente desconhecidas. Postula-se que sua origem seja multifatorial, 
com predisposição poligênica. Alguns pacientes abrem o quadro após um nítido fator precipitante, como infecção viral, 
trauma físico ou estresse emocional. Contudo, muitos pacientes não relatam qualquer evento desencadeante em seu 
histórico 
- Pode-se compreender a fibromialgia como um distúrbio de neurotransmissores: 
 Sabe-se que a depleção de serotonina faz aumentar, no sistema nervoso central, os níveis de substância P, um 
neurotransmissor importante para a sensibilidade dolorosa. Nos distúrbios do sono, na depressão e na 
fibromialgia, existe uma provável alteração de neurotransmissores no SNC, com redução dos níveis de 
serotonina e aumento da concentração de substância P, levando a um estado de hipersensibilidade à dor. Esse 
mecanismo fisiopatológico também explicaria a cefaleia tensional, bastante comum em pacientes com 
fibromialgia. Veremos adiante que os antidepressivos tricíclicos, como a amitriptilina, conseguem melhorar os 
sintomas da fibromialgia devido a sua ação sobre a dinâmica dos neurotransmissores do SNC. 
2. CITE O TRATAMENTO NÃO FARMACOLÓGICO DA FIBROMIALGIA, DESCREVA SUA 
IMPORTÂNCIA. 
- Sempre que possível, a abordagem do médico deve ser educativa e acolhedora, estabelecendo um vínculo de parceria 
com o doente 
- O 1º passo terapêutico consiste em esclarecer o paciente quanto à real natureza do seu problema, de modo que ele 
compreenda que o mesmo não representa um distúrbio meramente “psicológico”. Também deve ser dito que a 
fibromialgia é uma entidade benigna sem ameaça à vida, ainda que os sintomas sejam de difícil controle 
- O espectro clínico da fibromialgia é extremamente variável, indo desde quadros leves e espontaneamente reversíveis 
até situações verdadeiramente incapacitantes. Assim, o afastamento temporário do trabalho pode ser benéfico em 
alguns casos, mas o objetivo principal sempre deve ser o restabelecimento de uma função laborativa plena. Fatores 
agravantes de caráter emocional podem ser manejados com auxílio da terapia cognitivo-comportamental, que é 
comprovadamente benéfica 
- Após o esclarecimento do doente e seus familiares, os próximos passos no tratamento da fibromialgia são: 
 Atividades físicas aeróbicas, de preferência diárias 
 Uso de moduladores centrais da dor 
 
NAYSA GABRIELLY ALVES DE ANDRADE 2 
 
- O sedentarismo é sempre prejudicial! Muitos pacientes melhoram consideravelmente após engajarem num programa 
de atividade física regular (ex.: atividades de baixo impacto como hidroginástica, Tai Chi Chuan e caminhada, ou mesmo 
atividades mais intensas como corrida, natação e ciclismo; tudo depende da capacidade e motivação de cada paciente). 
3. O QUE SÃO “TENDER POINTS” NA FIBROMIALGIA? 
- Um tender point é definido como um ponto de intensa sensibilidade em tecidos moles 
- São 18 tender points descritos na literatura 
 
 
 
 
 
 
4. EXPLIQUE A AÇÃO DAS DROGAS ABAIXO NA FIBROMIALGIA: 
AMITRIPTILINA; 
- É um antidepressivo tricíclico 
- Seu mecanismo de ação se dá por 2 meios: 
1) INIBIÇÃO DA CAPTAÇÃO DO NEUROTRANSMISSOR  são inibidores potentes da captação neuronal de 
norepinefrina e serotonina no terminal nervoso pré-sináptico 
 
2) BLOQUEIO DE RECEPTORES  os ADTs também bloqueiam os receptores serotoninérgicos, α-adrenérgicos, 
histamínicos e muscarínicos. Ainda não se sabe se alguma dessas ações é responsável pelo benefício 
terapêutico dos ADTs. Contudo, as ações nesses receptores provavelmente são responsáveis por muitos dos 
seus efeitos adversos. 
DULOXETINA; 
- Inibidor da captação de serotonina e norepinefrina 
- Dessa forma, os níveis desses neurotransmissores ficam mais elevados, tendo em vista que na fibromialgia seus níveis 
estão em menos quantidade 
FLUOXETINA; 
- Inibidor seletivo da captação de serotonina (ISCSs) 
- Grupo de fármacos antidepressivos que inibem especificamente a captação da serotonina, apresentando uma 
seletividade maior para o transportador de serotonina do que para o de norepinefrina 
- Bloqueiam a captação de serotonina, levando ao aumento da concentração do neurotransmissor na fenda sináptica 
CICLOBENZAPRINA; 
- É um miorrelaxante 
- Age como relaxante do músculo esquelético de ação central farmacologicamente relacionado aos antidepressivos 
tricíclicos 
 
NAYSA GABRIELLY ALVES DE ANDRADE 3 
 
- Apresenta efeitos farmacológicos semelhantes, atuando no SNC, mais precisamente no tronco cerebral, reduzindo a 
atividade motora somática tônica influenciando os neurônios motores alfa e gama. A ciclobenzaprina suprime o espasmo 
do músculo esquelético de origem local, sem interferir com a função muscular. Diferente dos agentes tricíclicos, não 
possui efeito antidepressivo. 
PREGABALINA; 
- Antiepiléptico 
- Ela se liga ao local α2-δ, uma subunidade auxiliar de canais de cálcio disparado por voltagem no SNC, inibindo a 
liberação do neurotransmissor excitatório. A função exata que isso tem no tratamento é desconhecida, mas o fármaco 
comprovou eficácia em crises de início focal, neuropatia periférica diabética, neuralgia pós-herpética e fibromialgia. 
GABAPENTINA; 
- Antiepiléptico 
- É um análogo do GABA 
- Contudo, não atua nos receptores GABA, potencializa as ações do GABA nem se converte em GABA 
- O mecanismo de ação preciso é desconhecido. Acredita-se que ela reduza a hiperexcitabilidade dos neurônios do 
corno dorsal da medula espinal induzida pela lesão que é responsável pela sensibilização central 
ZOLPIDEM; 
- Benzodiazepínicos 
- Os receptores benzodiazepínicos intensificam a resposta de ligação ao GABA facilitando a abertura dos canais de 
cloreto por eles ativados ligando-se a um sítio alostérico regulatório específico, não alterando a sua condutância ou o 
seu tempo médio de abertura 
GH. 
- Pode ser um tratamento complementar efetivo para o manejo da dor e da fadiga em paciente com fibromialgia, 
particularmente em um subconjunto com valores baixos de fator de crescimento insulina-like 
- Sua utilização é válida pois diversos estudos comprovam a baixa de GH e IGF-1 nos pacientes fibromiálgicos 
5. FALE SOBRE O PAPEL DA SUBSTÂNCIA P, SEROTONINA E DA NORADRENALINA NA 
FIBROMIALGIA. 
- Substratos funcionais para a hipótese de percepção dolorosa incluem a elevação da concentração de substância P e 
os distúrbios metabólicos do metabolismo da serotonina 
- A substância P é um neuromodulador presente em fibras nervosas do tipo C, não mielinizadas. Quando estimuladas 
por estímulos nociceptivos, essas fibras liberam substância P num grupo específico de neurônios do corno posterior da 
medula, que passam a responder com potenciais lentos, prolongados e com somação temporal, num fenômeno 
chamado “windup”. Considerando a participação da substância P nas respostas dos neurônios nociceptivos, qualquer 
distúrbio da sua produção, atividade funcional ou degradação pode resultar numa percepção dolorosa defeituosa. 
Estudos em pacientes com fibromialgia constataram que no líquor desses indivíduos os níveis de substância P eram 
mais elevados, o que indica uma maior ativação
Página12