Aula 02
56 pág.

Aula 02


DisciplinaIntrodução ao Direito I86.472 materiais502.090 seguidores
Pré-visualização13 páginas
RESUMÃO \u2013 DIREITO CONSTITUCIONAL \u2013 AURFB 
PROFESSOR: ROBERTO TRONCOSO 
Prof. Roberto Troncoso\ufffd\ufffd www.pontodosconcursos.com.br 1
Resumão de Direito Constitucional 
Auditor-Fiscal da Receita Federal 
Olá futuros Auditores-Fiscais da Receita Federal!
Prontos para o SEU salário de R$ 13.600,00 e para ocupar um cargo em 
um dos melhores órgãos da Administração Pública Federal? 
Continuamos voando baixo! Chegou a hora da superação!! De ultrapassar 
todos os seus limites!! 
Antes de começar, quero que vocês assistam novamente a esse vídeo: 
https://www.youtube.com/watch?v=HNfUR0tD0XY&feature=plcp\ufffd
\ufffd
Gostaram? Então vamos começar! 
Este é o nosso segundo encontro. Os assuntos de hoje são os seguintes: 
Aula 02 \u2013 Organização do Estado + Organização dos poderes: 
Poderes Legislativo (+TCU), Executivo e Judiciário; Funções 
Essenciais à Justiça. 
Temos muito conteúdo para cobrir hoje! Vamos seguindo no mesmo ritmo da 
aula demonstrativa, com exercícios da ESAF escolhidos a dedo especialmente 
para essa revisão final. 
Caso necessário, enviem suas dúvidas, sugestões, pedidos especiais, 
comentários sobre o material etc. para o email 
robertoconstitucional@gmail.com.\ufffd
Sem mais blá blá blá! Vamos nessa! 
RESUMÃO \u2013 DIREITO CONSTITUCIONAL \u2013 AURFB 
PROFESSOR: ROBERTO TRONCOSO 
Prof. Roberto Troncoso\ufffd\ufffd www.pontodosconcursos.com.br 2
I. ORGANIZAÇÃO DO ESTADO 
Todos se lembram do conceito de \u201cEstado\u201d? Ele pode ser resumido naquela 
clássica equação: Estado = Povo + Território + Soberania. Cuidado com a 
ESAF e as suas definições sofisticadas, tentando sempre arranjar palavras 
difíceis para te confundir! Deixo com vocês os elegantes conceitos de Bresser 
Pereira: \u201cO Estado compreende o sistema constitucional-legal, que regula a 
população nos limites de um território. É a organização burocrática que tem o 
monopólio da violência legal, é o aparelho que tem o poder de legislar e 
tributar a população de um determinado território\u201d.
Vamos iniciar nossa revisão encarando algumas questões sobre forma de 
Estado, forma e sistema de governo, e regime político. Você verá que os 
maiores perigos são as famosas pegadinhas. Vamos ficar atentos! 
1. (ESAF/AFTN-RN/2005) O Estado unitário distingue-se do Estado federal em 
razão da inexistência de repartição regional de poderes autônomos, o que não 
impede a existência, no Estado unitário, de uma descentralização 
administrativa do tipo autárquico. 
Certo. Os Estados unitários são aqueles que não possuem 
descentralização político-administrativa, ou seja, o governo é exercido 
somente pelo governo central. Eles possuem governo único, conduzido 
por uma única entidade política, que exerce, de forma centralizada, o 
poder político. 
O Estado unitário pode ser centralizado, ou seja, todos os atos de 
governo estão a cabo do governo central, ou descentralizado, ou seja, 
apesar de haver divisões administrativas, as decisões políticas são 
efetivamente tomadas pelo governo central. Assim, em um Estado 
unitário descentralizado, existe um governo local, mas ele é 
dependente do governo central, não havendo descentralização política. 
2. (ESAF/AFTN-RN/2005) Em um Estado federal temos sempre presente uma 
entidade denominada União, que possui personalidade jurídica de direito 
público internacional, cabendo a ela a representação do Estado federal no 
plano internacional. 
Errado. A união não possui personalidade jurídica internacional, 
apenas interna. Além disso, chamar essa entidade central de União é 
RESUMÃO \u2013 DIREITO CONSTITUCIONAL \u2013 AURFB 
PROFESSOR: ROBERTO TRONCOSO 
Prof. Roberto Troncoso\ufffd\ufffd www.pontodosconcursos.com.br 3
uma característica do Brasil. Esse nome pode mudar em outros 
Estados. 
3. (ESAF/AFC-CGU/2006) Não é elemento essencial do princípio federativo a 
existência de dois tipos de entidade - a União e as coletividades regionais 
autônomas.
Errado. Essa é uma das características mais marcantes do federalismo: 
a descentralização política, com a soberania do Estado Federal e 
autonomia dos entes federados. 
4. (ESAF/Analista Jurídico-SEFAZ-CE/2007) A República é a forma de organização 
do Estado adotada pela Constituição Federal de 1988. Caracteriza-se pela 
temporariedade do mandato dos governantes e pelo processo eleitoral 
periódico.
Errado. Olha a primeira pegadinha: A república é uma forma de 
governo e não de Estado.
5. (ESAF/AFTN-RN/2005) O presidencialismo é a forma de governo que tem por 
característica reunir, em uma única autoridade, o Presidente da República, a 
Chefia do Estado e a Chefia do Governo. 
Errado. Mais uma pegadinha para ficarmos ligados! O presidencialismo 
é um SISTEMA de governo e não forma de governo. Lembre-se: 
x Forma de Estado: FEDERAÇÃO 
x Forma de Governo: República 
x Sistema de Governo: Presidencialismo 
x Regime de Governo (ou Regime Político): Democracia.
6. (ESAF/AFRF/2001) De uma Constituição que adota uma chefia dual do 
Executivo, com um Chefe de Estado e um Chefe de Governo, em que a 
permanência deste no cargo depende da confiança do Poder Legislativo, pode-
se dizer que adota característica típica do presidencialismo. 
Errado. Essas são características do Parlamentarismo e não do 
presidencialismo. Vamos recordar: 
RESUMÃO \u2013 DIREITO CONSTITUCIONAL \u2013 AURFB 
PROFESSOR: ROBERTO TRONCOSO 
Prof. Roberto Troncoso\ufffd\ufffd www.pontodosconcursos.com.br 4
- Presidencialismo - Independência entre os poderes / relações rígidas
- Chefia monocrática
Sistemas de - Mandato por prazo certo
Governo - Responsabilidade do governo perante o povo 
- Parlamentarismo - Cooperação entre os poderes (Legislativo e Executivo) 
- Chefia dual
- Mandato por prazo indeterminado 
- Responsabilidade do governo perante o Parlamento 
7. (ESAF/AFC-CGU/2006) O princípio republicano tem como características 
essenciais: a eletividade, a temporariedade e a necessidade de prestação de 
contas pela administração pública. 
Certo. Todas essas são características da forma republicana de 
governo. Vamos revisar: 
 - República - Eletividade - Direta
- Indireta 
- Temporalidade no exercício do poder 
Formas de Governo - Necessidade de legitimidade popular 
- Representatividade popular 
- Dever do governante de prestar contas 
- Monarquia - Hereditariedade 
- Vitaliciedade 
- Não representatividade popular 
- Representa uma linhagem 
- Ausência de prestação de contas pelo governante 
8. (ESAF/MPU/2004) Nos termos da Constituição de 1988, o Brasil adota a 
república como sistema de governo, elegendo, portanto, o princípio 
republicano como um dos princípios fundamentais do Estado brasileiro. 
Errado. O sistema de governo brasileiro é o presidencialismo. A 
República é a FORMA de governo. Não podemos cair nessa armadilha! 
9. (ESAF/AFT/2006) A forma republicana não implica a necessidade de 
legitimidade popular do presidente da República, razão pela qual a 
periodicidade das eleições não é elemento essencial desse princípio. 
RESUMÃO \u2013 DIREITO CONSTITUCIONAL \u2013 AURFB 
PROFESSOR: ROBERTO TRONCOSO 
Prof. Roberto Troncoso\ufffd\ufffd www.pontodosconcursos.com.br 5
Errado. A temporalidade no exercício do poder e consequente 
periodicidade das eleições, além da necessidade de representação 
popular são características da forma republicana de governo. 
***Conseguiram relembrar os conceitos acima? Eles são muito importantes. 
Vamos seguir a nossa revisão, abordando os entes que compõem a federação 
brasileira segundo a Constituição Federal. 
10. (ESAF - 2008 - MPOG - Especialista em Políticas Públicas e Gestão 
Governamental) Assinale a opção que contempla todos os entes da 
organização político-administrativa da República Federativa do Brasil, nos 
termos da Constituição. 
a) União, Estados, Distrito Federal e Municípios, todos soberanos. 
b) União, Estados, Distrito Federal, Territórios Federais e Municípios, todos 
soberanos.
c) União, Estados, Distrito Federal, Territórios Federais e Municípios, todos 
independentes. 
d) União, Estados, Distrito Federal, Territórios Federais e Municípios, todos 
autônomos.