124 questões de Direito Civil - Parte Geral
29 pág.

124 questões de Direito Civil - Parte Geral


DisciplinaDireito Civil I60.980 materiais665.745 seguidores
Pré-visualização11 páginas
117) Qual a diferença entre interrupção e suspensão de prazos? ...........................................................................................................................26 
118) Em que casos não correm prazos prescricionais? ...........................................................................................................................................27 
120) Quais os prazos prescricionais previstos no CC? ............................................................................................................................................27 
121) Qual o prazo para o advogado cobrar honorários devidos por um cliente? ................................................................................................28 
122) O que é decadência? ...........................................................................................................................................................................................28 
123) Citar 5 diferenças entre prescrição e decadência. ............................................................................................................................................29 
124) Dar exemplos de prazos decadenciais. .............................................................................................................................................................29 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Prof. Hercílio Belarmino \u2013 Direito Civil \u2013 Parte Geral \u2013 124 Questões Discursivas 5 
 
www.professorhercilio.com 
 
5 
 
PARTE GERAL DO CÓDIGO CIVIL 
 
1) Que matérias são reguladas pelo Código Civil (CC)? 
R.: Os direitos e as obrigações de ordem privada, concernentes às pessoas, aos 
bens e às suas relações. 
2) Que é pessoa natural? 
R.: O art. 1º do Código Civil, ao prescrever \u201ctoda pessoa é capaz de direitos e deveres\u201d, 
emprega o termo \u201cpessoa\u201d na acepção de todo ser humano, sem qualquer distinção 
de sexo, idade, credo ou raça. 
 
3) Quando começa a personalidade civil do homem e o que são direitos da 
personalidade? 
R.: A personalidade civil se inicia desde nascimento com vida. Integram os direitos da 
personalidade o direito à vida, à integridade físico-psíquica, à identidade, à honra, à 
imagem, à liberdade, à privacidade e outros reconhecidos à pessoa. Os direitos da 
personalidade são inatos, absolutos, intransmissíveis, indisponíveis, irrenunciáveis, 
ilimitados, imprescritíveis, impenhoráveis e inexpropriáveis. Os direitos da 
personalidade destinam-se a resguardar a dignidade humana, mediante sanções, que 
devem ser suscitadas pelo ofendido (lesado direto). Essa sanção deve ser feita por 
meio de medidas cautelares que suspendam os atos que ameacem ou desrespeitem a 
integridade físico-psíquica, intelectual e moral, movendo-se, em seguida, uma ação 
que irá declarar ou negar a existência da lesão, que poderá ser cumulada com ação 
ordinária de perdas e danos a fim de ressarcir danos morais e patrimoniais. (art. 12, 
CC) 
 
4) Que é nascituro? 
R.: É o ser já gerado, mas que ainda está por nascer. Ante as novas técnicas de 
fertilização in vitro e do congelamento de embriões humanos, houve quem levantasse 
o problema relativo ao momento em que se deve considerar juridicamente o 
nascituro, entendendo-se que a vida tem início, naturalmente, com a concepção no 
ventre materno. Assim sendo, na fecundação na proveta, embora seja a fecundação do 
óvulo, pelo espermatozoide, que inicia a vida, é a nidação do zigoto ou ovo que a 
garantirá; logo, para alguns autores, o nascituro só será \u201cpessoa\u201d quando o ovo 
fecundado for implantado no útero materno, sob a condição do nascimento com vida. 
O embrião humano congelado não poderia ser tido como nascituro, apesar de dever 
ter proteção jurídica como pessoa virtual, com uma carga genética própria. Embora a 
vida se inicie com a fecundação, e a vida viável com a gravidez, que se dá com a 
nidação, entendemos que na verdade o início legal da consideração jurídica da 
Prof. Hercílio Belarmino \u2013 Direito Civil \u2013 Parte Geral \u2013 124 Questões Discursivas 6 
 
www.professorhercilio.com 
 
6 
personalidade é o momento da penetração do espermatozoide no óvulo, mesmo fora 
do corpo da mulher. Por isso, a Lei n. 8.974/95, nos arts. 8º, II, III e IV, e 13, veio a 
reforçar, em boa hora, essa ideia não só ao vedar: 
a) manipulação genética de células germinais humanas; b) intervenção em material 
genético humano in vivo, salvo para o tratamento de defeitos genéticos; c) produção, 
armazenamento ou manipulação de embriões humanos destinados a servir como 
material biológico disponível, como também ao considerar tais atos como crimes, 
punindo-os severamente. Com isso, parece-nos que a razão está com a teoria 
Concepcionista, uma vez que o Código Civil resguarda desde a concepção os direitos 
do nascituro e, além disso, no art. 1.597, IV, presume concebido na constância do 
casamento o filho havido, a qualquer tempo, quando se tratar de embrião excedente, 
decorrente de concepção artificial heteróloga. 
5) O nascituro possui direitos? 
R.: Sim. Conquanto comece do nascimento com vida a personalidade civil do homem, a 
lei põe a salvo, desde a concepção, os direitos do nascituro (CC, arts.22, 1.609, 1.779, 
parágrafo único e 1.798), como o direito à vida (CF, art. 52, CP, arts.124 a 128, I e II), à 
filiação (CC, arts.1.596 e 1.597), à integridade física, a alimentos (RT 650/220; RJTJSP 
150/906), a uma adequada assistência pré-natal, a um curador que zele pelos seus 
interesses em caso de incapacidade de seus genitores, de receber herança (CC, 
arts.1.798 e 1.800, §3º), de ser contemplado por doação (CC, art.542), de ser 
reconhecido como filho, etc. Poder-se-ia até mesmo afirmar que, na vida intrauterina, 
tem o nascituro, e na vida extrauterina, tem o embrião, personalidade jurídica formal, 
no que atine aos direitos personalíssimos, ou melhor, aos da personalidade, visto ter a 
pessoa carga genética diferenciada desde a concepção, seja ela in vivo ou in vitro 
(Recomendação n.1.046/89, n. 7 do Conselho da Europa), passando a ter a 
personalidade jurídico material, alcançando os direitos patrimoniais, que permaneciam 
em estado potencial, somente com o nascimento com vida (CC, art.1.800, §3o). Se 
nascer com vida, adquire personalidade jurídica material, mas, se tal não ocorrer, 
nenhum direito patrimonial terá. 
6) A lei protege as expectativas de direito do nascituro? 
R.: Sim, a lei os protege. Nascendo com vida, confirmam-se esses direitos. O 
natimorto não os tem. É como se esses direitos jamais tivessem existido. 
 
7) Como são defendidos em juízo os direitos do nascituro? 
R.: Por meio dos pais ou do curador, podendo figurar o nascituro como sujeito 
ativo ou passivo de obrigações e direitos. 
 
8) Que é capacidade civil? 
R.: É a aptidão da pessoa natural para exercer direitos e assumir obrigações na 
Prof. Hercílio Belarmino \u2013 Direito Civil \u2013 Parte Geral \u2013 124 Questões Discursivas 7 
 
www.professorhercilio.com 
 
7 
ordem jurídica. 
 
9) Como termina a existência do homem? 
R.: Pela morte. Para fins patrimoniais, termina também pela declaração judicial de 
ausência. 
 
10) Morrendo alguém, cessam seus direitos? 
R.: Não. Cessa apenas sua capacidade civil, mas seus direitos se transmitem aos 
herdeiros. Há direitos, como, por exemplo, o direito à imagem, referentes ao 
próprio falecido, mas que podem, no entanto, ser pleiteados pelos herdeiros. 
 
11) Que pessoas são consideradas por lei como absolutamente incapazes para 
exercer os atos da vida civil? 
R.: Art. 3o São absolutamente incapazes de exercer pessoalmente os atos da vida civil: 
I\u2014 os menores de dezesseis anos; 
II \u2014 os que, por enfermidade ou deficiência mental, não tiverem o necessário 
discernimento para a prática desses atos; 
 III \u2014 os que, mesmo por causa transitória, não puderem exprimir