Carlos Alberto Marchi de Queiroz - Prática do Inquérito Policial
390 pág.

Carlos Alberto Marchi de Queiroz - Prática do Inquérito Policial


DisciplinaDireito Processual Penal I18.734 materiais138.481 seguidores
Pré-visualização50 páginas
as con-
siderações aduzidas pelo acareado). E mais não disse. Nada mais havendo a
tratar, mandou a autoridade encerrar este termo que, lido e achado confor-
me, assim com os acareados e comigo, .........., Escrivão que o datilografei.
A. ..............................
Ac. ..............................
Ac. ..............................
E. ..............................
\u2022 O termo de acareação, limitado, hoje, pelo direito constitucional ao silên-
cio, materializa ato procedimental a que são submetidas pessoas cujas
versões colidam a respeito de fatos e circunstâncias relevantes, momen-
to em que a autoridade policial deve insistir no esclarecimento das
divergências detectadas.
PRÁTICA DO INQUÉRITO POLICIAL 145
ACAREAÇÃO DE TESTEMUNHA AUSENTE POR PRECATÓRIA
(Art. 230 do CPP)
CARTA PRECATÓRIA
Nº .....
DO: Delegado de Polícia de ..........................................................................
(Autoridade deprecante)
PARA: O Delegado de Polícia de .................................................................
(Autoridade deprecada)
Nº do procedimento: ......................... Data de instauração: ...........................
Incidência penal: ................................ Data do fato: .....................................
Vítima(s): ............................................. e .........................................................
Indiciado(s)......................................... e .........................................................
O Bel. ................................................
Delegado de Polícia de ......................
FAZ SABER QUE
Tramita por esta Delegacia, sob sua presidência, o feito acima, no
qual figuram como vítima(s) e indiciado(s) o (s) supra nomeado(s), em
razão do que DEPRECA a Vossa Senhoria, que se digne determinar, após
exarar seu respeitável CUMPRA-SE, as seguintes diligências: comple-
mentação de diligência, ouvindo-se a testemunha .........., sob forma de aca-
reação, em razão dos pontos de divergência nesta consignados.
Em virtude do que expede a presente carta precatória do teor da qual
depreco a Vossa Senhoria, sendo-lhe esta apresentada, e depois de nela
exarar o seu respeitável CUMPRA-SE, se digne determinar.
ASSIM O DEPRECO
...................., ..... de .................... de .....
Eu, ........................................................................................................,
Escrivão, que o datilografei.
.................................
Delegado de Polícia
\u2022 A acareação de testemunha ausente por precatória é providência proces-
sual penal conhecida pela doutrina como acareação à distância, de resul-
tados discutíveis, posto que a autoridade policial deprecante não tem
oportunidade de insistir no esclarecimento das divergências eventual-
mente ocorrentes.
146 CARLOS ALBERTO MARCHI DE QUEIROZ
TERMO DE COMPROMISSO DE TRADUTOR
(Art. 236 do CPP)
TERMO DE COMPROMISSO
Aos ..... dias do mês de ............... de ....., nesta cidade (vila ou distri-
to) de ..........................., Estado de ..........., na Delegacia de Polícia, onde
se achava o Dr .........................., Delegado de Polícia, comigo Escrivão
abaixo assinado e nomeado, presente .................... (qualificação), nomeado
tradutor para verter para o idioma português o documento de fls. ......, que
é .................... (caracterizar o documento), e como o mesmo dissesse aceitar
o encargo, a autoridade lhe deferiu o compromisso de bem e fielmente
desempenhar as funções. E como prometeu cumpri-las sem dolo nem malí-
cia, mandou a autoridade lavrar este termo, que assina com o tradutor e
comigo, ...................., Escrivão que o escrevi (ou datilografei).
A. ..............................
T. ..............................
E. ..............................
\u2022 Os documentos escritos em língua estrangeira serão, se necessário, tra-
duzidos por tradutor público, mas, na sua falta, a versão poderá ser feita
por pessoa idônea e habilitada, nomeada pela autoridade policial, após
compromisso. Ultimada a versão, a autoridade proferirá despacho orde-
nando sua juntada aos autos.
PRÁTICA DO INQUÉRITO POLICIAL 147
DESPACHO DE DESENTRANHAMENTO
(Art. 238 do CPP)
CONCLUSÃO
Em seguida, faço estes autos conclusos à Autoridade Policial, do que,
para constar, lavro este termo. Eu, .............., Escrivão de Polícia que o lavrei.
Desentranhem-se do bojo deste inquérito policial as
peças de fls. ..... / ....., uma vez que pertinentes ao feito
nº ..... / ....., desta unidade policial e a este, inadvertida-
mente, juntadas, conforme despacho de fls. ....., ficando,
todavia, traslado nos autos.
Cumpra-se.
...................., ..... de .................... de .....
........................................
Delegado de Polícia
DATA E CERTIDÃO
Na mesma data recebi estes autos com o despacho supra e certifico
que dei inteiro cumprimento ao seu respectivo teor, conforme adiante se vê.
O referido é verdade e dou fé. O Escrivão de Polícia.
\u2022 O despacho de desentranhamento é ato privativo da autoridade policial
através do qual determina ao escrivão de Polícia de seu cargo a retirada
de peça procedimental indevidamente juntada aos autos, ocasião em que
este, cumprindo-o, certificará o incidente.
148 CARLOS ALBERTO MARCHI DE QUEIROZ
REPRESENTAÇÃO OBJETIVANDO BUSCA E APREENSÃO
(Art. 240 do CPP)
Ofício
...................., ..... de .................... de .....
Meritíssimo Juiz
À vista do boletim de ocorrência nº .... / .... elaborado aos .... / .... / ....,
nesta unidade, no dia .... / .... / ...., por volta das ..... horas, mediante arromba-
mento (ou rompimento, ou escalada, ou destruição, ou emprego de chave
falsa), foram subtraídos .......... (esclarecer o fato), do interior da (residência,
loja, clube, depósito, etc.), localizada à .......... (rua, avenida, praça, travessa)
nº ...., de propriedade de ..................., no bairro ................, nesta cidade.
Entretanto, segundo as declarações de ..............., e depoimento de
............... (testemunha), assim como através de investigações realizadas,
descobriu-se que o produto do crime (ou parte dele) encontra-se no ..........
(interior da residência, loja, fábrica, barracão, etc.) à .......... (rua, avenida,
estrada, praça) nº ...., no bairro ....................... (ou similar), nesta Comarca.
Em razão do exposto, e como medida cautelar necessária, esta autori-
dade policial, atendendo ao disposto pelo artigo 5º, inciso XI, da Constitui-
ção Federal, representa a Vossa Excelência objetivando a expedição de
competente MANDADO JUDICIAL DE BUSCA DOMICILIAR, no local
supra mencionado, ao abrigo dos artigos 240 e seguintes do Código de Pro-
cesso Penal, com vista à eventual apreensão dos objetos acima descritos.
........................................
Delegado de Polícia
À Sua Excelência o Senhor Doutor ...............................................................
Digníssimo Juiz de Direito da ........................................................................
(local) ............................................................................................................
\u2022 A representação da autoridade policial ao juiz de Direito, objetivando
busca e apreensão em interior de imóvel, atende ao disposto pelo artigo
5º, XI, da Constituição Federal, sob pena de cometimento dos crimes de
violação de domicílio e de abuso de autoridade.
PRÁTICA DO INQUÉRITO POLICIAL 149
REQUERIMENTO DE BUSCA DOMICILIAR
(Art. 242, in fine, do CPP)
Senhor Delegado
J. Defiro (ou Indefiro).
...................., ..... de .................... de .....
........................................
Delegado de Polícia
A (qualificação), vem à presença de Vossa Senhoria, nos termos do
artigo 242 do CPP requerer obtenção de competente mandado judicial de
busca domiciliar a fim de que
Oberdan
Oberdan fez um comentário
Obrigado
0 aprovações
Carregar mais