Freitas do Amaral - CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO
832 pág.

Freitas do Amaral - CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO


DisciplinaDireito Administrativo I50.163 materiais958.787 seguidores
Pré-visualização50 páginas
concepçöes. De facto, a evoluçäo
histórica
näo foi de sentido linear, antes apresenta avanços e
retrocessos, e
em qualquer caso näo começou no século XIX.
 Vamos procurar surpreender as principais fases da evoluçäo
histórica da Administraçäo Pública, em ligaçäo com os
diferentes
tipos históricos de Estado (2).
 8. A administraçäo pública no Estado oriental
 O Estado oriental é o tipo histórico de Estado característico
das civiliza-
çöes mediterrânicas e do Médio Oriente na Antiguidade oriental
- do ter-
ceiro ao primeiro milénio A. C.
 Os seus principais aspectos políticos säo: larga expressäo
territonal;
Estado unitário; monarquia teocrática; regime autoritário ou
totalitário; nulas
garantias do indivíduo face ao Poder.
 É com este tipo de Estado que verdadeiramente nascem as
primeiras administraçöes públicas dignas desse nome. Sabe-s
como as civilizaçöes da MesopotânUIa e do Egipto surgiram em
torno dos rios e do aproveitamento das suas águas pelas popu-
laçöes. Os detentores do poder político compreenderam bem a
necessidade vital das obras hidráulicas: e o Estado chamou a
si
vastos programas de obras públicas. Para as executar foi
necessário
 (1) V, por todos, entre nós, ESTEVES DE OLIVEIRA, Direito
Administrativo,
1, p. 30 e segs.; e SÉRVULO CORREIA, Noçöes de Direito
Administrativo, 1, p. 33
e segs.
 (2) Sobre os tipos históricos de Estado V. JELLINEK, Teoria
General del
Estado, trad., 1954, p. 215 e segs.; JORGE MIRANDA, Manual de
Direito
Constítudonal, I, 4.a ed., 1990, p. 49 e segs.; e DIOGo
FR.EITAS Do AmARAL,
Estado, in «Polis», II, col. 1156 e segs.
53
 cobrar impostos, que por sua vez eram igualmente
indispensáveis
 sustentaçäo dos exércitos para fins de carácter militar.
 a
 As primeiras administraçöes públicas da história nascem
 quando os imperadores constituem, sob a sua imediata
direcçäo,
 corpos de funcionários permanentes, pagos pelo tesouro
público,
 para cobrar impostos, executar obras públicas e assegurar a
defesa
 contra o inimigo externo(') A administraçäo pública, como
 actividade característica dos poderes públicos, surge assim
sob o
 signo do intervencionismo económico e social - e näo em
 nome de uma qualquer limitaçäo do poder para defesa ou pro-
 tecçäo dos particulares. Houve mesmo, sob a 18.a dinastia, um
 socialismo de Estado no Egipto(2), E por esta razäo, aliás,
que
 1 .
 Marx autonomizará, na sua análise dos sistemas econômicos, o
 «Modo de produçäo asiático»
 Ao lado dos fenômenos acima referidos, outros despontam
 1
 na mesma epoca histórica e apresentam o maior interesse para
 nós - a criaçäo de órgäos e serviços centrais 'unto do
impera-
 i
 dor; a divisäo do território em áreas ou zonas onde säo
instalados
 os delegados locais do poder central; a adopçäo de medidas e
 práticas fiscalizadoras da actividade dos particulares; e a
assunçäo
 pelos poderes públicos de responsabilidades directas no campo
 1 .
É económico, social e cultural.
 Os impérios burocráticos em que se traduz o Estado oriental
 proporcionam, assim, como se ve, quase todos os elementos
 essenci is que definem o modelo administrativo típico de um
país
 lai
 V. o excelente estudo de FERREL ~Y, Public adminístration,
2.1
 ed., p. 133 e segs. Aí se citam também, à mesma luz, os casos
da China impe-
 rial e da índia, no Oriente, bem como dos Mayas, Incas e
Aztecas, na América.
 Os chineses e os egípcios teräo sido, segundo este autor, «os
grandes criadores
 das mais impressionantes burocracias do mundo antigo» (p.
142).
Cfr. J. GAUDEMET, Institutíons de l'Antiquíté, Paris, 1967, p.
69.
 Cfr. em geral F. HEADY, ob. cit., p. 133-143. V. ainda K. A.
 WITTI`OGEL, oriental despotism: a comparativa study of total
posar, New Haven,
 1957; e S. N. EISENSTADT, ne political systems of empires,
Nova Iorque, 1963.
54
moderno. Näo se conhecem, porém, nessa época, fórmulas de
administraçäo local autárquica, nem existem garantias dos
parti-
culares face à Administraçäo.
 9. A a"nistraçäo pública no Estado grego
 O Estado g;rego é o tipo histórico de Estado característico
da civilizaçäo
grega, no quadrei da Antiguidade Clássica - em especial, do
século VI ao
século III A. C.
 Os seus principais aspectos políticos säo: reduzida expressäo
territorial
(os Estados säo, aqui, cidades-Estado, ou pólis); o povo, ou
conjunto dos cida-
däos, como centr,0 da vida política; surge pela primeira vez
na história o con-
ceito e a prática da democracia (sobretudo em Atenas, embora
em grande
contraste com a ôitadura de Esparta); nasce O pensamento
político e o Direito
Constitucional; c*s cidadäos gozam intensamente de direitos de
participaçäo
política, mas só Restritamente dispöem de liberdade pessoal;
säo reduzidas as
garantias individuais face ao Estado.
 Porque o Estado grego é do tamanho de uma pequena
cidade dos no@,sos dias, os problemas de administraçäo
territorial
näo se pöem @ií com a mesma aculdade que no Estado oriental.
E o funcionalismo näo chega a atingir as proporçöes que notá-
mos nos impérios burocráticos.
 Mas na ôirecta dependência da assembléia política, ou de
unia con-ússäo restrita, surgem as magistraturas, dotadas de
poderes
administrativos; e judiciais. E essas magistraturas, com o
tempo,
aumentam de número e especializam-se por assuntos: os arcontes
ocupam-se sobretudo de questöes legislativas, judiciais e
refigio-
sas; os estrategas comandam o exército e a &ota naval, e
também
negaceiam os tratados; os exegetas interpretam o direito
sacro;
outros tratam de arrecadar os impostos e de administrar o
tesouro
público; etc. (1).
 Um aspecto novo, e que marca um importante progresso, é
sem dúvida o regime de responsabilidade a que se acham
sujeitos
 (1) GAuDEMET, ob. cít., P. 167-170.
55
 unçöes, que normalmente
os magistrados: no termo das suas f
duram apenas um ano para evi ar abusos, os magistrados têm de
 it
prestar contas às logistai, comissöes de verificaçäo que
elaboram
relatórios sobre a gestäo que fiscalizaram. O tribunal dos
heliastas
exan-iina. essas contas e pode condenar penalmente os
magistra-
qualquer cidadäo o direito de formu-
dos. Contra estes tem ainda 1
lar críticas perante os enthynoí, que podem levar o caso a
tribunal.
o princípio do controle administrativo e judicial dos mais
impor-
tantes orgäos superiores da Admimistraçäo fica assim
consagrado.
 Sublínhe-se, enfim, que a vastidäo e complexidade de tarefas
a cargo dos magistrados, bem como a curta duraçäo dos seus
mandatos, obrigam a prever a existência de assessores, os pare
e podem legalmente substituir os magistrados no exercício das
qu
suas funçöes, e de um número crescente de funcionários auxi-
fiares, escribas e secretários, que exercem alguma influência
na
administraçäo (1).
 Mas tudo isto se passa em pequena escala, com poucos
funcionários no total, que exercem o poder por períodos muito
curtos, e sao mais amadores do que profissionais. Näo há um
fun-
cionalismo profissional permanente e pago pelo Estado.
 A medida que as exigências da administraçäo pública
aumentam e se tornam mais complexas, o Estado grego näo con-
segue dar-lhes resposta cabal. Muitos autores ligam a
decadência
da cidade-Estado e da civilizaçäo grega a essa incapacidade de
construir e fazer funcionar um sistema administrativo
eficiente
 10. A administraçäo pública no Estado romano
 O Estado romano é o tipo histórico de Estado característico
da civilizaçäo
romana no quadro da Antiguidade Clássica - em especial, do
século II A. C.
ao século IV D. C.
 (1) GAUDEMET, ob. cit., p. 169-170-
 (1) Neste sentido, F. HFADY, ob. cit., p. 145-146, e autores
aí men-
cionados.
56
 Os seus principais aspectos políticos säo: passagem da
pequena dimensäo
à grande extensäo territorial; colonizaçäo e ideia de império
mundial; primeira
noçäo de um poder político uno, pleno e forte (imperíum,
potestas,
Guilherme
Guilherme fez um comentário
Para quem não sabe, o Dr. Freitas do Amaral é um doutrinador português, pelo que, talvez, não possa ajudar muito aos colegas brasileiros (embora acredite que o bom estudante saberá sempre apreciar o conhecimento, especialmente vindo de um autor tão distinto). Abraço, bons estudos!
0 aprovações
Lara
Lara fez um comentário
É de que ano?
0 aprovações
Lara
Lara fez um comentário
Livro estranho...
0 aprovações
Hélder
Hélder fez um comentário
Não consigo baixar o livro de Curso de Direito Administrativo do Prof. Dr. Freitas do Amaral O que faço
2 aprovações
Carregar mais