ADM 08 - O Domínio Público
12 pág.

ADM 08 - O Domínio Público


DisciplinaDireito Administrativo I50.743 materiais964.291 seguidores
Pré-visualização4 páginas
arrendamento, etc. 
 
Autorização de Uso: 
Pela autorização, a Administração consente, a título precário, que o titular utilize o bem público com 
exclusividade. Serve para auxiliar interesses particulares em eventos ocasionais ou temporários, 
como o uso de um terreno público por um circo. É ato unilateral, discricionário, de título precário, 
podendo ser revogado a qualquer momento. Independe de licitação e de lei autorizadora. Pode ser em 
caráter gratuito ou oneroso. A autorização pode ser simples (sem prazo) ou qualificada (com prazo 
determinado). Havendo prazo determinado, pode caber indenização no caso de revogação 
injustificada, antes do vencimento. 
 
Permissão de Uso: 
A permissão de uso é o ato administrativo unilateral, discricionário e precário, gratuito ou oneroso, 
pela qual a Administração permite a utilização privativa de bem público, para fins de interesse 
público. É semelhante à autorização, é concedida, porém, no interesse público e tem grau menor de 
precariedade. Depende, em regra, de licitação e cria para o permissionário um dever de utilização, 
sob pena de revogação. Exemplo de permissão de uso é a instalação de uma banca de jornal na via 
pública. 
 
Autorização Permissão 
O usuário tem a faculdade de uso. O usuário é obrigado a fazer o uso previsto. 
A precariedade é maior. A precariedade é menor. 
O uso é privativo no interesse privado. O uso é privativo no interesse público. 
 
Concessão de Uso: 
É um contrato entre a administração e um particular, tendo por objeto uma utilidade pública de certa 
permanência e o exercício de atividade de utilidade pública de maior vulto, como, por exemplo, a 
instalação de um restaurante num zoológico municipal. Exige, em regra, autorização legislativa e 
licitação. 
 
Concessão de Direito Real de Uso: 
Aplica-se apenas a bens dominicais. É instituto de direito privado, de natureza contratual. Consiste na 
aquisição, pelo particular, de direito real resolúvel do uso de um terreno público, de modo gratuito ou 
remunerado, para fins de interesse social de certo vulto, como urbanização ou cultivo. Exige 
autorização legislativa e licitação. 
 
 
 
 
 www.concursosjuridicos.com.br pág. 4 
\uf8e9 Copyright 2003 \u2013 Todos os direitos reservados à CMP Editora e Livraria Ltda. 
É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila por qualquer processo eletrônico ou mecânico. 
 
 Bens do Patrimônio Público 
 
 
 Noções Gerais 
 
Noções Iniciais: 
Os bens públicos estão relacionados na Constituição e em várias leis, como o Decreto-lei 9.760/46 
(bens imóveis da União), o Estatuto da Terra (contém normas sobre as terras públicas situadas na 
zona rural), o Código Florestal, o Código de Águas (classifica as águas públicas em de uso comum e 
dominicais), o Código de Minas além de outras. 
 
Bens da União: 
 
1) De uso comum: 
a) os mares territoriais, os golfos, as enseadas, as baías e os portos; 
b) as praias, a plataforma submarina, lagos e rios navegáveis que banhem mais de um estado; 
c) as águas nos territórios; 
d) as margens dos rios navegáveis nos territórios e dos rios situados nas faixas fronteiriças; 
e) estradas ou rodovias públicas federais. 
 
2) De uso especial: 
a) os edifícios e terrenos que servem aos serviços públicos; 
b) os bens materiais entregues às Forças Armadas, fortificações e construções militares, como 
as diferentes áreas a elas reservadas; 
c) as terras utilizadas para a defesa das fronteiras e as terras devolutas. 
 
3) Bens dominicais: 
a) os terrenos não alienados; 
b) as ilhas marítimas, na zona fronteiriça, as fluviais ou lacustres; 
c) as estradas de ferro, instalações portuárias, telégrafos e telefones; 
d) os terrenos da marinha e as terras ocupadas pelos índios; 
e) as terras devolutas nos territórios e as reservadas à defesa nacional; 
f) os bens vagos ou perdidos, conforme a legislação específica. 
 
Bens dos Estados Federados: 
 
1) Bens de uso comum: 
a) os lagos e os rios do domínio público estadual; 
b) as margens dos rios e lagos navegáveis; 
c) as estradas públicas estaduais. 
 
2) De uso especial: 
a) os edifícios e terrenos que servem aos serviços públicos; 
b) o material bélico das organizações policiais estaduais. 
 
 www.concursosjuridicos.com.br pág. 5 
\uf8e9 Copyright 2003 \u2013 Todos os direitos reservados à CMP Editora e Livraria Ltda. 
É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila por qualquer processo eletrônico ou mecânico. 
3) Bens dominicais: 
a) as terras devolutas não pertencentes à União Federal; 
b) os bens vagos situados nos respectivos territórios; 
c) as ilhas fluviais e lacustres fora da zona fronteiriça. 
 
Bens dos Municípios: 
 
1) Bens de uso comum: 
a) as ruas, praças, jardins e logradouros públicos; 
b) as estradas públicas municipais. 
 
2) De uso especial: os edifícios e terrenos que servem aos serviços públicos; 
 
3) Bens dominicais: todos os valores não aplicados, dinheiro, títulos de crédito e terras incorporadas 
ao patrimônio municipal. 
 
 
 Modalidades Específicas de Bens Públicos 
 
As Terras Devolutas: 
As terras brasileiras que não possuem um proprietário definido são chamadas de devolutas ou vagas, 
pois não foram apossadas por ninguém, nem foram utilizadas para algum fim público. 
As terras devolutas não têm localização e limites claros. Por isso necessitam ser demarcadas e 
separadas das outras propriedades. A separação, ou discriminação, pode ser administrativa ou judicial 
(ação discriminatória, Lei 6.383/76) 
O processo discriminatório judicial será promovido sempre que a via administrativa se mostrar 
insuficiente para a obtenção dos fins desejados, como, por exemplo, no caso de não atendimento das 
partes às convocações administrativas. Após a discriminação, as terras devolutas deixam de ser 
devolutas e passam a ser simplesmente terras públicas. 
Certas terras devolutas pertencem à União. Por exclusão, as que não pertencem à União, pertencem 
aos estados. 
 
O Mar Territorial: 
O mar territorial estende-se numa faixa de 12 milhas marítimas (1.852m) da linha de baixa-mar do 
litoral continental e insular. Trata-se de águas públicas de uso comum, pertencentes à União, sobre as 
quais o Brasil exerce soberania. Depois do mar territorial, há uma zona contígua, com início a partir 
de 12 milhas do litoral, até 24 milhas. Nesta faixa o Brasil conserva o poder de fiscalização e polícia, 
embora sem soberania. No mesmo ponto em que começa a zona contígua (12 milhas), começa 
também a zona econômica exclusiva, que vai de 12 até 200 milhas. Nesta faixa tem o Brasil direitos 
exclusivos de exploração dos recursos naturais do mar. 
 
 
Continente e Ilhas Mar Territorial Zona Contígua Alto Mar 
 Zona Econômica Exclusiva 
 0 12 milhas 24 milhas 200 milhas 
 
 
 www.concursosjuridicos.com.br pág. 6 
\uf8e9 Copyright 2003 \u2013 Todos os direitos reservados à CMP Editora e Livraria Ltda. 
É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila por qualquer processo eletrônico ou mecânico. 
A Plataforma Continental: 
São bens da União os recursos naturais da plataforma continental, que consiste no prolongamento 
natural das terras continentais ou insulares, por baixo das águas do mar, em extensão variável, 
conforme a legislação de cada país. 
 
As Terras Tradicionalmente Ocupadas pelos Índios: 
São bens da União as terras tradicionalmente ocupadas pelos índios (art. 20, XI da Constituição 
Federal). Tais terras destinam-se à posse permanente dos índios, cabendo-lhes o usufruto exclusivo 
das riquezas do solo, dos rios e dos lagos nelas existentes. 
 
Os Terrenos da Marinha: 
Os terrenos da marinha são bens da União, assim considerados \u201cos que, banhados pelas águas do mar 
ou dos rios navegáveis, vão até 33m para a parte da terra, contados desde o ponto a que chega a 
preamar média\u201d. Estes terrenos têm a natureza de bens dominicais, uma vez que podem ser objeto de 
exploração pelo Poder Público para obtenção de renda. Os terrenos da marinha têm sido objeto de 
arrendamento perpétuo a particulares, mediante o pagamento de um foro anual. Tal