Aula_10
25 pág.

Aula_10


DisciplinaPropriedade Intelectual, Direito e Ética1.796 materiais3.707 seguidores
Pré-visualização2 páginas
PROPRIEDADE INTELECTUAL, DIRETO E ÉTICA
Aula 10 \u2013 NOÇÕES DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E ÉTICA. 
Professor: Álvaro Bastoni Junior
CE 
1
PROPRIEDADE INTELECTUAL, DIRETO E ÉTICA
Aula 10 \u2013 NOÇÕES DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E ÉTICA. 
Noções de Propriedade Industrial e Ética \u2013 aula 10
CDA
2
Resumo da aula passada:
 - Definir patente - interesse social e o desenvolvimento tecnológico e econômico do País - de novidade - licenciada compulsoriamente Definir Desenho Industrial - o conjunto ornamental de linhas e cores - estado da técnica.
PROPRIEDADE INTELECTUAL, DIRETO E ÉTICA
Aula 10 \u2013 NOÇÕES DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E ÉTICA. 
Art. 122. São suscetíveis de registro como marca os sinais distintivos visualmente perceptíveis, não compreendidos nas proibições legais.
Obs.: A lei proíbe o registro de sinais acessíveis apenas a outros sentidos humanos que não a visão, não abrangendo os conceitos de marcas olfativas, gustativas, sonoras e táteis.
3
Noções de Propriedade Industrial e Ética \u2013 aula 10
PROPRIEDADE INTELECTUAL, DIRETO E ÉTICA
Aula 10 \u2013 NOÇÕES DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E ÉTICA. 
Exemplo de marca visualmente perceptível \u2013 importante, que não se protege o significado da palavra.
4
Noções de Propriedade Industrial e Ética \u2013 aula 10
PROPRIEDADE INTELECTUAL, DIRETO E ÉTICA
Aula 10 \u2013 NOÇÕES DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E ÉTICA. 
Art. 123. Para os efeitos desta Lei, considera-se:
        I - marca de produto ou serviço: aquela usada para distinguir produto ou serviço de outro idêntico, semelhante ou afim, de origem diversa;
5
Noções de Propriedade Industrial e Ética \u2013 aula 10
PROPRIEDADE INTELECTUAL, DIRETO E ÉTICA
Aula 10 \u2013 NOÇÕES DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E ÉTICA. 
 II - marca de certificação: aquela usada para atestar a conformidade de um produto ou serviço com determinadas normas ou especificações técnicas, notadamente quanto à qualidade, natureza, material utilizado e metodologia empregada;
6
Noções de Propriedade Industrial e Ética \u2013 aula 10
PROPRIEDADE INTELECTUAL, DIRETO E ÉTICA
Aula 10 \u2013 NOÇÕES DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E ÉTICA. 
III - marca coletiva: aquela usada para identificar produtos ou serviços provindos de membros de uma determinada entidade.
pedido de registro n. 826.649.890 NCL(8) 29: coalho, creme batido, creme chantilly, iogurte, laticínios, leite, leite e seus derivados, manteiga, margarina, queijos e soro de leite Titular: Cooperativa Agropecuária de Boa Esperança Ltda.
7
CBA
Noções de Propriedade Industrial e Ética \u2013 aula 10
PROPRIEDADE INTELECTUAL, DIRETO E ÉTICA
Aula 10 \u2013 NOÇÕES DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E ÉTICA. 
Art. 195. Comete crime de concorrência desleal quem:
I - publica, por qualquer meio, falsa afirmação, em detrimento de concorrente, com o fim de obter vantagem;
II - presta ou divulga, acerca de concorrente, falsa informação, com o fim de obter vantagem; 
III - emprega meio fraudulento, para desviar, em proveito próprio ou alheio, clientela de outrem;
IV - usa expressão ou sinal de propaganda alheios, ou os imita, de modo a criar confusão entre os produtos ou estabelecimentos; 
V - usa, indevidamente, nome comercial, título de estabelecimento ou insígnia alheios ou vende, expõe ou oferece à venda ou tem em estoque produto com essas referências;
     
8
Noções de Propriedade Industrial e Ética \u2013 aula 10
PROPRIEDADE INTELECTUAL, DIRETO E ÉTICA
Aula 10 \u2013 NOÇÕES DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E ÉTICA. 
VI - substitui, pelo seu próprio nome ou razão social, em produto de outrem, o nome ou razão social deste, sem o seu consentimento;
VII - atribui-se, como meio de propaganda, recompensa ou distinção que não obteve;
VIII - vende ou expõe ou oferece à venda, em recipiente ou invólucro de outrem, produto adulterado ou falsificado, ou dele se utiliza para negociar com produto da mesma espécie, embora não adulterado ou falsificado, se o fato não constitui crime mais grave;
IX - dá ou promete dinheiro ou outra utilidade a empregado de concorrente, para que o empregado, faltando ao dever do emprego, lhe proporcione vantagem;
9
Noções de Propriedade Industrial e Ética \u2013 aula 10
PROPRIEDADE INTELECTUAL, DIRETO E ÉTICA
Aula 10 \u2013 NOÇÕES DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E ÉTICA. 
Exemplo de concorrência desleal
10
Noções de Propriedade Industrial e Ética \u2013 aula 10
PROPRIEDADE INTELECTUAL, DIRETO E ÉTICA
Aula 10 \u2013 NOÇÕES DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E ÉTICA. 
AmBev não está feliz com o modelito da concorrência e conseguiu na Justiça que a Petrópolis retire do mercado, em trinta dias, todas as latas da cerveja Itaipava com a embalagem vermelha. Na ação, a AmBev acusa a  rival de praticar concorrência desleal, induzindo o consumidor a erro, ao lançar uma lata de cor vermelha meses depois de a Brahma ter feito o mesmo.
11
Noções de Propriedade Industrial e Ética \u2013 aula 10
PROPRIEDADE INTELECTUAL, DIRETO E ÉTICA
Aula 10 \u2013 NOÇÕES DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E ÉTICA. 
12
Noções de Propriedade Industrial e Ética \u2013 aula 10
PROPRIEDADE INTELECTUAL, DIRETO E ÉTICA
Aula 10 \u2013 NOÇÕES DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E ÉTICA. 
INTERIOR DA LOJA
13
Noções de Propriedade Industrial e Ética \u2013 aula 10
PROPRIEDADE INTELECTUAL, DIRETO E ÉTICA
Aula 10 \u2013 NOÇÕES DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E ÉTICA. 
Noções de Propriedade Industrial e Ética \u2013 aula 10
INTERIOR DA LOJA
14
PROPRIEDADE INTELECTUAL, DIRETO E ÉTICA
Aula 10 \u2013 NOÇÕES DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E ÉTICA. 
Noções de Propriedade Industrial e Ética \u2013 aula 10
FRENTE DA LOJA
15
CAB
PROPRIEDADE INTELECTUAL, DIRETO E ÉTICA
Aula 10 \u2013 NOÇÕES DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E ÉTICA. 
Noções de Propriedade Industrial e Ética \u2013 aula 10
Códigos de ética 
Profissionais de TI \u2013 profissão não regulamentada.
Conflitos Éticos/legais em confronto a criação de novas tecnologias.
 
16
PROPRIEDADE INTELECTUAL, DIRETO E ÉTICA
Aula 10 \u2013 NOÇÕES DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E ÉTICA. 
CÓDIGO DE ÉTICA E DISCIPLINA DA OAB TÍTULO IDA ÉTICA DO ADVOGADO CAPÍTULO IDAS REGRAS DEONTOLÓGICAS FUNDAMENTAIS
São deveres do advogado: 
VII - aconselhar o cliente a não ingressar em aventura judicial;
17
Noções de Propriedade Industrial e Ética \u2013 aula 10
PROPRIEDADE INTELECTUAL, DIRETO E ÉTICA
Aula 10 \u2013 NOÇÕES DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E ÉTICA. 
LEI Nº 11.105, DE 24 DE MARÇO DE 2005. \u2013 lei de BIOSEGURANÇA.
Regulamenta os incisos II, IV e V do § 1o do art. 225 da Constituição Federal, estabelece normas de segurança e mecanismos de fiscalização de atividades que envolvam organismos geneticamente modificados \u2013 OGM e seus derivados, cria o Conselho Nacional de Biossegurança \u2013 CNBS...
18
Noções de Propriedade Industrial e Ética \u2013 aula 10
PROPRIEDADE INTELECTUAL, DIRETO E ÉTICA
Aula 10 \u2013 NOÇÕES DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E ÉTICA. 
19
Art. 5o -É permitida, para fins de pesquisa e terapia, a utilização de células-tronco embrionárias obtidas de embriões humanos produzidos por fertilização in vitro e não utilizados no respectivo procedimento, atendidas as seguintes condições:
        I \u2013 sejam embriões inviáveis; ou
        II \u2013 sejam embriões congelados há 3 (três) anos ou mais, na data da publicação desta Lei, ou que, já congelados na data da publicação desta Lei, depois de completarem 3 (três) anos, contados a partir da data de congelamento.
        § 1o Em qualquer caso, é necessário o consentimento dos genitores.
Noções de Propriedade Industrial e Ética \u2013 aula 10
PROPRIEDADE INTELECTUAL, DIRETO E ÉTICA
Aula 10 \u2013 NOÇÕES DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E ÉTICA. 
20
Noções de Ética x Jurídicos
Art. 6o Fica proibido:
    III \u2013 engenharia genética em célula germinal humana, zigoto humano e embrião humano;
        IV \u2013 clonagem humana;
Noções de Propriedade Industrial e Ética \u2013 aula 10
PROPRIEDADE INTELECTUAL, DIRETO E ÉTICA
Aula 10 \u2013 NOÇÕES DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL E ÉTICA. 
21
Noções de Ética x Jurídicos
Código de Ética Hacker
De WikiPapagallis \u2013 fonte - http://wiki.papagallis.com.br/C%C3%B3digo_de_%C3%89tica_Hacker 
O acesso a computadores 
O acesso a computadores - e qualquer outro meio que seja capaz de ensinar algo sobre como o mundo funciona - deve ser ilimitado