Buscar

PROVA 01 DE COMUNICAÇÃO E ORATÓRIA - POS GRADUAÇÃO

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 5 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

MODULO 1 
PROVA – COMUNICAÇÃO E ORATÓRIO 
1 - Quando, de repente, o microfone chega até você e não há qualquer roteiro preparado. O que fazer? Respire fundo, faça um roteiro mental, convide o público a participar (call to action), conte uma história (storytelling), seja criativo, divertido e o mais natural possível, seja breve. Essas são técnicas utilizadas principamente em uma apresentação preparada.
· E Errado
Errado
Essas são técnicas utilizadas para um improviso. A aplicação dessas técnicas poderá auxiliar o orador a construir seu raciocínio rápido e falar sobre o tema por alguns minutos. Mas, como disse: seja breve para não se enrolar.
2 - O uso de gírias e regionalismos deve ser evitados em uma comunicação oral. Porém, quando inevitáveis, devem ser sucedidos por uma explicação do seu significado.
· C Certo
Certo
Veja o exemplo: os amigos F.V.S., 17 anos, M.J.S., 18 anos, e J.S., 20 anos, moradores de Bom Jesus, cidade paraibana na divisa com o Ceará, trabalham o dia inteiro nas roças de milho e feijão. “Não ganhamos salário, é ‘de meia’. Metade da produção fica para o dono da terra e metade para a gente.” (Folha de São Paulo, 1° jun. 2002). Os jovens conversam com o repórter sobre sua relação de trabalho. Utilizam a expressão “é de meia” e, logo em seguida, explicam o que isso significa. Ao darem a explicação, eles:
a) alteram o sentido da expressão.
b) consideram que o repórter talvez não conheça aquele modo de falar.
c) dificultam a comunicação com o repórter.
d) desrespeitam a formação profissional do repórter.
3 - A língua falada é mais persuasiva que a língua escrita. Isso se dá por pelo menos três motivos: primeiro, em razão da melodia que se forma, a qual permite que a linguagem seja mais espontânea. Segundo, em razão da expressão corporal, porquanto demonstra toda a emoção do orador naquele momento. E terceiro, porque reflete o verdadeiro “estado de espírito” do orador naquele momento.
· C Certo
Certo
Na comunicação oral, leva-se em consideração não apenas a comunicação verbal, mas também a não verbal.
4 - A língua escrita é mais austera que a língua oral, mais disciplinada, exigente com as normas gramaticais impostas pelo padrão culto da comunicação, dela resultando um texto mais bem elaborado.
· C Certo
Certo
Na língua falada, a linguagem coloquial é mais utilizada geralmente pelo orador.
5 - A linguagem popular, muito usada no cotidiano pelas pessoas, deve obedecer rigorosamente às normas gramaticais.
E Errado
Errado
Ela justamente não precisa obedecer aos padrões gramaticais.
6 - Leia o texto a seguir.
Aí, galera
Jogadores de futebol podem ser vítimas de estereotipação. Por exemplo, você pode imaginar um jogador de futebol dizendo ‘estereotipação’? E, no entanto, por que não?
– Aí, campeão. Uma palavrinha pra galera.
– Minha saudação aos aficionados do clube aos demais esportistas, aqui presentes ou no recesso dos seus lares.
– Como é?
– Aí, galera.
– Quais são as instruções do técnico?
– Nosso treinador vaticinou que, com um trabalho de contenção coordenada, com energia otimizada, na zona de preparação, aumentam as probabilidades de, recuperado o esférico, concatenarmos um contragolpe agudo com parcimônia de meios e extrema objetividade, valendo-nos da desestruturação momentânea do sistema oposto, surpreendido pela reversão inesperada do fluxo da ação.
– Ahn?
– É pra dividir no meio e ir pra cima pra pegá eles sem calça.
– Certo. você quer dizer mais alguma coisa?
– Posso dirigir uma mensagem de caráter sentimental, algo banal, talvez mesmo previsível e piegas, a uma pessoa à qual sou ligado por razões, inclusive, genéticas?
– Pode.
– Uma saudação para a minha genitora.
– Como é?
– Alô, mamãe!
– Estou vendo que você é um, um...
– um jogador que confunde o entrevistador, pois não corresponde à expectativa de que o atleta seja um ser algo primitivo com dificuldade de expressão e assim sabota a estereotipação?
– Estereoquê?
– Um chato?
– Isso.
(Verissimo, Luis Fernando. In: Correio Brasiliense, 12/maio/1998.)
Acerca do texto acima, verificam-se duas situações que fogem à expectativa do público: o uso da expressão “galera”, por parte do entrevistador, e da expressão “progenitora”, por parte do jogador.
E Errado
Errado
As duas situações são: 1) a linguagem muito formal do jogador, inadequada à situação da entrevista; e 2) um jogador de futebol que fala, com desenvoltura, de modo muito rebuscado.
7 - Nas frases I, II, III a seguir, verifica-se a presença da oralidade em todas elas, ou seja, expressões típicas da linguagem falada:
I – Peraí, mãe. Já estou saindo.
II – Mas veja só que engraçadinho... Qual o seu nome menino?
III – O brasil apresenta uma imensa variedade de regionalismos na fala dos usuários nativos de cada uma de suas cinco regiões.
E Errado
Errado
Na frase III, a presença é de apenas da língua escrita.
8 - Leia o texto a seguir.
O idioma prático e inconfundível das gírias
A comunicação oral é algo que marca grupos de pessoas. Todos eles – sociais e profissionais – têm uma característica inerente à forma de linguagem. Funkeiros, futebolistas, sambistas e policiais são alguns exemplos que utilizam gírias próprias que definem bem um conjunto. Muitas delas, com origens no popular, ultrapassam as barreiras sociais e passam a ser utilizadas pelas multidões, aderindo, em certos casos, até ao dicionário. A gíria é um processo de comunicação rápido, fácil e que não se identifica pelo sentido literal.
RANGEL, Aline; VIEIRA, Vitor. O idioma prático e inconfundível das gírias. Disponível em: ecletica33_idioma_girias.pdf.
Na expressão “chega de nhenhenhém e blablablá, vamos trabalhar” verifica-se, sem dúvida, o emprego o fenômeno linguístico tratado no texto.
· C Certo
Certo
“Nhenhenhém” e “blablablá” são gírias, comunicação rápida, fácil e que não se identifica pelo sentido literal
9 - Em uma sustentação oral, o orador deve sempre se preocupar em impressionar o seu ouvinte e não deve, jamais, iniciar seu discurso desculpando-se pelo tempo escasso para apresentação da problemática ou justificando que o tempo é curto e que “vai tentar explicar”.
· C Certo
Certo
O comunicador deve estar preparado para eventuais situações que possam surpreendê-lo no momento da sustentação oral, mas jamais deve ir ao tribunal sem qualquer tipo de preparo ou treinamento prévio.
10 - Enquadramento da câmera, fones e microfones e indumentária adequada são requisitos fundamentais para uma teleconferência.
· E Errado
Errado
São fundamentais para uma videoconferência, já que a comunicação se dará tanto por áudio como por vídeo. Na teleconferência, apenas a voz dos interlocutores estará em evidência.

Outros materiais