Buscar

Diagnóstico laboratorial I

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 79 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 6, do total de 79 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 9, do total de 79 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Prévia do material em texto

DESCRIÇÃO
Principais bactérias de importância clínica e métodos de diagnóstico laboratorial para infecções
bacterianas do trato respiratório e trato urinário.
PROPÓSITO
Conhecer as espécies bacterianas que são importantes causadoras de infecções em humanos
e os métodos usados para seu diagnóstico a fim de que o profissional tenha domínio de suas
atividades exercidas no laboratório clínico, sendo capaz de realizá-la com segurança e
qualidade.
OBJETIVOS
MÓDULO 1
Reconhecer as principais espécies de bactérias causadoras de infecções em humanos e suas
características
MÓDULO 2
Descrever os métodos de diagnóstico laboratorial usados para infecções bacterianas do trato
respiratório
MÓDULO 3
Descrever os métodos de diagnóstico laboratorial usados para infecções bacterianas do trato
urinário
INTRODUÇÃO
As bactérias formam um grupo de microrganismos muito diverso. Dentro desse domínio,
encontramos espécies que estão adaptadas a diferentes ambientes, desde geleiras da
Antártida até o nosso próprio corpo. A grande maioria das bactérias que habitam o corpo
humano estão em equilíbrio e, muitas vezes, trazem benéficios para nossa saúde, fazendo
parte do que chamamos de microbiota normal. No entanto, existem também aquelas que
podem causar doenças (bactérias patogênicas) e, por isso, a presença dessas espécies deve
ser identificada.
Uma vez que a espécie responsável por uma doença é determinada, o tratamento pode ser
realizado de forma direcionada, e as chances de cura aumentam muito! Por isso, vamos
começar agora o nosso estudo sobre métodos laboratoriais de diagnóstico para bactérias de
importância clínica. Esses métodos têm como objetivo principal determinar a espécie
bacteriana encontrada em materiais obtidos de pacientes, como escarro, sangue e urina.
Agora falaremos um pouco sobre as características marcantes das espécies patogênicas aos
seres humanos e entraremos em detalhes sobre os métodos de diagnóstico de infecções
bacterianas do trato respiratório e urinário. Os métodos de diagnóstico laboratorial são
baseados nas particularidades de cada espécie e, por isso, é tão importante relacionar esses
temas.
MÓDULO 1
 Reconhecer as principais espécies de bactérias causadoras de infecções em
humanos e suas características
PRINCIPAIS BACTÉRIAS DE IMPORTÂNCIA
CLÍNICA
As espécies de bactérias possuem muitas diferenças entre si, mas destacaremos nesta
introdução aquelas que dizem respeito ao formato da célula, a cor que apresentam após a
coloração de Gram, a necessidade de oxigênio e o fato de formarem ou não esporos. Essas e
outras informações são muito valiosas, pois são como uma peça no quebra-cabeças, que, ao
final do processo, vão nos mostrar qual é a espécie responsável pela infecção.
As bactérias são seres unicelulares, e o formato de suas células é característico de cada
espécie. As instruções para a forma da célula estão guardadas no cromossomo bacteriano, e
assim bactérias “filhas” herdam essa informação da bactéria que lhe deu origem. Portanto,
saber a forma da célula de uma bactéria é uma grande dica para descobrir com qual espécie
estamos lidando. Existem alguns formatos possíveis, como cocos, bacilos e espirais.
A coloração de Gram nos permite definir uma cor e evidencia a forma para a maioria das
espécies de bactéria. A técnica diferencia esses microrganismos de acordo com a porção mais
externa da célula: uma camada espessa de peptideoglicano ou uma membrana de
fosfolipídeos.
As que têm o peptiodeoglicano na parte externa se coram de roxo pelo corante cristal violeta, e
mantém essa cor até o final do método. Por isso, são chamadas de Gram-positivas. Já as que
possuem uma membrana externa de fosfolipídeos, perdem a cor roxa em uma etapa do
método e depois são “recoradas” em vermelho, sendo chamadas Gram-negativas.
 
Fonte: Wikimedia
 Sequência de reagentes usados no método de coloração de Gram. A etapa 1
representa as células bacterinas antes de serem coradas e, ao final da etapa 5, observamos as
cores que as bactérias gram-positivas e gram-negativas adquirem após a técnica.
Além disso, quando as células são coradas, podemos identificar como elas se organizam, e, se
coloração de Gram for feita diretamente no material clínico, é possível a identificação de
leucócitos e outros tipos celulares úteis no diagnóstico.
Em relação à utilização do oxigênio, algumas espécies bacterianas usam essa molécula para
produzir energia, outras podem ou não utilizar, e ainda existem aquelas que nunca usam o
oxigênio. Baseado nisso, podemos chamar as bactérias de aeróbicas, facultativa ou
anaeróbicas, respectivamente.
Para algumas bactérias anaeróbicas o oxigênio é tóxico e, por isso, elas se transformam em
esporo quando entram em contato com ele. Também chamado de endósporo, essa estrutura é
uma forma de vida que a célula bacteriana assume permitindo sua sobrevivência em condições
inapropriadas para vida.
Depois de falar sobre as características bacterianas principais, precisamos pontuar o que é um
meio de cultura. Ele é um ambiente que proporciona condições ideais para o crescimento de
bactérias. Se o meio de cultura tiver consistência sólida, após um determinado período, nós
conseguimos visualizar colônias.
O ágar adicionado em meios de cultura sólidos é aquele mesmo da gelatina, que pode ser
comprado em lojas de alimentos. Cada colônia é um aglomerado visível de milhões de células
bacterianas.
 
Fonte: Pixnio
 Crescimento bacteriano em meio de cultura Ágar Sangue. Cada ponto no meio de
cultura é uma colônia que cresceu a partir da amostra clínica com bactéria que foi semeada
nesse ambiente.
 
Fonte: jkcDesign/Shutterstock
A temperatura para o crescimento em meio de cultura de bactérias que causam infeções em
seres humanos é quase sempre próxima de 36°C, já que essa é a nossa temperatura média
corporal. Por isso, quando queremos obter o crescimento de bactérias em laboratório,
costumamos deixar o meio de cultura dentro de estufas com temperaturas entre 35 e 37°C.
As bactérias de interesse clínico diferem sobre outras condições de crescimento, como
necessidade e utilização de nutrientes. Então, vamos falar de vários tipos de meio de cultura ao
longo da nossa conversa e algumas variações na condição de cultivo desses microrganismos.
Pronto! Agora, podemos entrar no mundo das principais bactérias agentes de doenças em
seres humanos.
 
Fonte: NatalieIme/Shutterstock
COCOS GRAM-POSITIVOS E GRAM-NEGATIVOS
Bactérias chamadas de cocos apresentam células redondas se observadas ao microscópio.
Os cocos costumam se organizar em arranjos característicos, e isso pode ser usado para sua
identificação laboratorial. Esses arranjos acontecem, pois, após a divisão, as células ainda
continuam bem próximas.
Quando a bactéria em forma de coco se divide para formar novas bactérias (“filhas”), o formato
redondo da célula possibilita que a divisão seja feita em diferentes direções, chamados de
planos de divisão.
Quando a divisão acontece em apenas um plano, os cocos podem ser organizar em fileira ou
em duplas e, quando ocorre em várias direções, a organização fica mais complexa, originando,
por exemplo, cachos de células bacterianas. Dois gêneros muito conhecidos de cocos são os
Staphylococcus e os Streptococcus, que possuem células organizadas em cachos e fileiras,
respectivamente.
 
Fonte: Wikimedia
 Fotografia da imagem observada ao microscópio óptico de uma espécie de
Staphylococcus. É possível observar aglomerados das células em formas de coco, que são
chamados de cachos. Perceba que essa espécie é gram-positiva, pois está corada em roxo.
 
Fonte: Wikimedia
 Fotografia da imagem observada ao microscópio óptico de uma espécie de
Streptococcus. É possível observar fileiras das células em formas de coco. Perceba que essa
espécie é gram-positiva pois está corada em roxo.
Staphylococcus é um gênero de bactérias gram-positivas. No laboratório, crescem bem em
diferentes tipos de meios de cultura, comconcentração normal a baixa de oxigênio. Eles são
capazes de fermentar carboidratos e, consequentemente, liberar substâncias ácidas, o que
pode mudar o pH do meio de cultura onde essa bactéria foi semeada. Uma característica
importante das espécies desse gênero é que elas produzem a enzima catalase, que
decompõe o peróxido de hidrogênio, liberando água e gás oxigênio.
Provavelmente, você já limpou algum ferimento com água oxigenada e viu o surgimento de
bolhas, essa é uma reação típica produzida pela catalase.
 
Fonte: Kopytin Georgy/Shutterstock
 
Fonte: Yayah_Ai/Shutterstock
 Fotografia mostrando um teste da catalase positiva. Em uma lâmina, uma gota de
peróxido de hidrogênio (H2O2) é colocada em contato com a colônia suspeita. A presença de
bolhas (como na imagem) indica que a bactéria pertence ao gênero Staphylococcus.
 
Fonte:Shutterstock
 Fotografia mostrando o teste da coagulase positivo. Na foto, verificamos a presença de
um coágulo, que aponta que a bactéria produz a enzima coagulase, indicando a presença de
S. aureus.
A espécie Staphylococcus aureus é um patógeno humano muito comum, causando desde
pequenas infecções de pele até síndromes tóxicas mais perigosas. Observadas em cultura,
suas colônias têm cor amarela característica, daí o nome da espécie “aureus”, que remete ao
ouro. Elas podem crescer em ambientes com concentração de sal mais elevada e, por isso, se
desenvolvem bem na nossa pele, mesmo o suor sendo “salgado”. S. aureus também produz o
fator de agregação (chamado de fator clumping) e a enzima coagulase, que levam á
coagulação sanguínea. O teste da coagulase é muito útil na identificação de S. aureus.
 VOCÊ SABIA
Essa espécie pode produz importantes toxinas como a leucocidina de Panton-Valentine, toxina
esfoliativa e a toxina da síndrome do choque tóxico, que contribuem para os quadros mais
graves de infecção.
As espécies de Staphylococcus coagulase negativas são comuns na nossa microbiota
normal e, em algumas situações específicas, podem causar doenças, como infecções
associadas a cateteres em pessoas com sistema imunológico enfraquecido. Esse grupo inclui
diferentes espécies, mas é comum nos referimos a elas em conjunto, usando para isso a
característica que as diferencia do S. aureus (não produzir a enzima coagulase).
Streptococcus é um outro gênero de cocos gram-positivos que utilizam o oxigênio de forma
facultativa. São considerados fastidiosos, pois precisam de nutrientes adicionais no meio de
cultura, como a adição de sangue. Ao contrário dos Staphylococcus, não produzem a enzima
catalase. Muitas espécies desse grupo são capazes de produzir enzimas que destroem
hemácias (hemolisinas). A atividade dessas enzimas varia entre destruição parcial e
destruição completa das hemácias quando testadas em laboratório.
 
Fonte: Wikimedia
 α: Hemólise parcial (ao redor da colônia o ágar fica cinza-esverdeado). β: Hemólise total,
ao redor das colônias observamos um halo claro. γ: Sem hemólise.
É comum separar os Streptococcus em grupos para facilitar o estudo desse gênero. Essa
separação pode se basear, tanto no tipo de hemólise que é produzida, quanto pela presença
de determinados açúcares na parede celular de espécies do gênero. A classificação dos
Streptococcus usando como critério os açúcares da parede celular deu origem aos grupos de
Lancefield (usamos letras para nomear cada grupo).
De particular importância por causar doenças em humanos, podemos citar as espécies
Streptococcus pyogenes (associados a infecções invasivas como erisipela), Streptococcus
agalactiae (importantes agentes de infecções em recém-nascidos) e Streptococcus
pneumoniae (agentes de pneumonia bacteriana). Para diferenciar essas espécies no
laboratório, podemos usar meio de cultura suplementado com sangue.
O sangue torna o meio mais nutritivo e permite identificar quando a bactéria gera hemólise
(lise/ruptura das hemácias). Sobre S. pneumoniae vale destacar que os pneumococos (como
também são chamados) costumam se organizar em pares quando observados ao microscópio
e que podem possuir cápsula. Essa cápsula pode ser formada por diferentes tipos de
polissacarídeos, sendo essa constituição usada na classificação da espécie.
DIFERENCIAÇÃO LABORATORIAL DE
BACTÉRIAS DE IMPORTÂNCIA MÉDICA DO
GÊNERO STREPTOCOCCUS
Bactérias do gênero Enterococcus também são gram-positivas e não produzem a enzima
catalase, assim como os Streptococcus. Destacam-se por crescer em ampla variação de
temperatura (10 a 45°C) e tolerar concentrações de sal um pouco elevadas. Enterococcus
faecalis é o principal enterococo causador de infecções humanas, seguido de longe pela
espécie Enterococcus faecium. Essas espécies são mais comuns como causa de infecções
em pacientes internados em hospitais, causando o que chamamos de Infecções
Relacionadas à Assistência à Saúde (IRAS).
 
Fonte: Pikist
Dentre as bactérias gram-negativas em forma de cocos que causam importantes infecções em
humanos, devemos citar, principalmente, o gênero Neisseria. Esse gênero inclui as espécies
Neisseria gonorrhoeae (responsável pela gonorreia) e Neisseria meningitidis (agente de
meningite bacteriana). Usando o microscópio óptico, observamos que essas espécies,
geralmente, se organizam aos pares, e é comum usarmos os nomes gonococo e meningococo
para referimo-nos a elas.
No laboratório, N. gonorrhoeae e N. meningitidis exigem determinados tipos de nutrientes para
crescer, por isso, as cultivamos em meios de cultura enriquecidos (“ricos”) desses fatores de
crescimento. O tempo para visualizarmos as colônias é um pouco maior que o normal (48
horas) e, mesmo sendo aeróbicas, é necessário que o ambiente tenha 5% de CO2
(conseguimos isso colocando as placas de meio de culturas em garrafas apropriadas).
BACILOS GRAM-POSITIVOS E GRAM-
NEGATIVOS
Se observarmos ao microscópio uma lâmina contendo bactérias conhecidas como bacilos
veremos células na forma de bastão, também chamados de bastonetes. Após a divisão da
célula, que acontece apenas no plano vertical, elas se separam e, por isso, não é comum
encontrar organizações celulares típicas como falamos para os cocos (cachos, fileiras ou
pares). Os bacilos gram-negativos são mais comumente identificados em laboratório como
agentes de infecções humanas quando comparados aos bacilos gram-positivos, portanto,
vamos começar por eles.
 
Fonte: Wikimedia
 Fotografia da imagem observada ao microscópio óptico de células de um bacilo
gram-negativo. Perceba que essa espécie é gram-negativa pois está corada em vermelho.
Vamos separar os bacilos gram-negativos (BGN) patogênicos em grupos para facilitar a
nossa compreensão da diversidade e importância clínica desses microrganismos.
Primeiro, vamos conhecer o grupo das enterobactérias e o dos BGN não fermentadores:
As enterobactérias vivem no nosso intestino, e algumas podem causar infecções.
Costumamos diferenciar esse grupo dos BGN não fermentadores pelo fato de serem capazes
de fermentar carboidratos. Isso é importante no laboratório, pois a fermentação produz ácido,
esse ácido modifica o pH do meio de cultura, e podemos detectar essa mudança usando meios
com corantes indicadores de pH.
 
Fonte: Wikimedia
 Crescimento de duas espécies de bactérias gram-negativas em meio de cultura Ágar
MacConkey.
Na imagem, esse meio possui o açúcar lactose na sua composição, e permite diferenciar entre
espécies que fermentam esse açúcar (a cor do meio fica rosa), e aquelas que não fermentam a
lactose (a cor do meio fica amarelada ou bege).
De modo geral, os BGNs não exigem nutrientes específicos para seu crescimento, por isso,
podem ser cultivadas em diferentes meios de cultura.
As enterobactérias são BGN fermentadores, capazes de produzir energia através da
respiração aeróbica e da fermentação e, por isso, crescem em ambientes com ou sem
oxigênio, consideradas facultativas. Algumas enterobactérias convivem em harmonia no nosso
intestino e causam doenças só em situações específicas,como é o caso da espécie
Escherichia coli.
Já enterobactérias como as dos gêneros Salmonella e Shigella causam doença sempre que
presentes em número suficiente. Outras enterobactérias destacam-se por causar infecções em
pessoas internadas em hospitais, como a espécie Klebsiella pneumoniae. Dentre as
infecções causadas pelas enterobactérias, podemos citar gastroenterites, pneumonia,
meningite e infecções do trato urinário.
Os BGN não fermentadores só crescem em ambiente com oxigênio, pois realizam apenas a
respiração aeróbica. Ao contrário das enterobactérias, não são comuns na nossa microbiota
normal, mas são amplamente distribuídas no ambiente. Os principais patógenos humanos
desse grupo são as espécies Pseudomonas aeruginosa e Acinetobacter baumannii,
causando infecções em pacientes hospitalares. Uma característica marcante e bastante
conhecida de P. aeruginosa é que suas colônias costumam ter uma cor esverdeada devido a
produção de pigmentos próprios. Já os A. baumannii destacam-se pela aparência de
cocobacilos, ou seja, quando olhamos suas células no microscópio, observamos bacilos bem
curtos, “achatados”.
 
Fonte: Wikimedia
 Pseudomonas P. aeruginosa.
 
Fonte: Kateryna Kon/Shutterstock
 Acinetobacter baumannii.
No grupo dos BGNs que não são enterobactérias, mas causam infecções gastrointestinais,
devemos lembrar do Vibrio cholerae. Sua célula possui formato de vírgula e, por esse motivo,
também é conhecida como vibrião colérico.
Essa bactéria é gram-negativa, e o lipopolissacarídeo “O” da sua membrana externa possui
muitas variações, sendo usado para nomear grupos específicos dentro dessa espécie. Apenas
alguns desses grupos são capazes de provocar a cólera.
Isso acontece por conta da produção de uma toxina, que provoca diarreia profusa, com grande
perda de água durante a evacuação. V. cholerae suporta concentrações elevadas de sal no
ambiente, e costuma crescer rapidamente em meios de cultura ricos em nutrientes.
Ainda dentro desse grupo, é importante citar a espécie Campylobacter jejuni, que também
possui célula curva ou em forma de vírgula. Essa bactéria é comum na microbiota do intestino
de animais, e causa infecções intestinais em seres humanos após ingestão de alimentos mal
cozidos e água contaminada. Para diagnosticar a presença dessa bactéria no nosso intestino,
basta cultivar fezes em meio de cultura apropriado, em um ambiente com 5 a 10% de oxigênio
e, portanto, são considerados microaerófilos.
 
Fonte: Kateryna Kon/Shutterstock
 Campylobacter jejuni.
Por último, vamos falar de BGN com células bem pequenas. Dentre eles, a espécie Bordetella
pertussis é importante como agente da coqueluche, uma infecção respiratória conhecida
também como tosse comprida. O diagnóstico dessa doença é feito, principalmente, com base
nos sinais clínicos do paciente. O crescimento da B. pertussis é lento, então, a placa de meio
de cultura deve ser mantida por até sete dias. Em caso de resultados positivos, podemos
coletar uma parte da colônia e visualizar ao microscópio pequenos bastonetes gram-negativos.
 
Fonte: Kateryna Kon/Shutterstock
 Bordetella pertussis.
Uma espécie bem parecida com a B. pertussis é o Haemophilus influenzae. Também se trata
de um pequeno bastonete gram-negativo que exige nutrientes específicos para o seu
crescimento, mas as colônias são vistas depois de um tempo padrão de 24 horas. Essa
bactéria faz parte da nossa microbiota normal do trato respiratório superior, mas pode causar
infecções respiratórias, como faringite e pneumonias e, nos piores casos, meningites. A
presença de uma cápsula de polissacarídeos (açúcares) envolvendo a célula dessa espécie é
usada para definir os “tipos” de H. influenzae, por exemplo, o H. influenzae tipo b, para qual já
existe vacina disponível.
 
Fonte: Kateryna Kon/Shutterstock
 Haemophilus influenzae.
Bacilos gram-positivos que causam doenças em humanos podem ser separados entre os
que formam e o os que não formam esporos. Dentre os formadores de esporos, destacam-se
as espécies do gênero Clostridium, como Clostridium botulinum (agente do botulismo),
Clostridium tetani (responsável pelo tétano) e Clostridium perfringens (causa infecções
invasivas como a gangrena gasosa).
Essas espécies são caracterizadas por produzir toxinas potentes que causam sintomas sérios,
como a toxina botulínica que leva a incapacidade de contração da musculatura do pulmão.
Essa toxina é produzida pela espécie C. botulinum, que pode se desenvolver em alimentos
bem vedados, como as conservas vegetais artesanais.
 
Fonte:Shutterstock
Bactérias do gênero Clostridium são desenvolvidas em ambientes vedados, pois não usam
oxigênio na produção de energia, sendo chamadas de anaeróbicas. Para cultivar essas
bactérias, você precisa garantir que o meio de cultura seja mantido em recipientes que
impeçam a entrada de oxigênio. A cultura não costuma ser necessária para o diagnóstico das
doenças causadas por esses microrganismos, pois ele costuma se basear no quadro clínico e
no histórico do paciente (botulismo e tétano), ou ainda no exame direto da amostra ao
microscópio (C. perfringens).
Um importante patógeno humano deve ser citado entre os bacilos gram-positivos não
formadores de esporos: Corynebacterium diphtheriae. Essa bactéria é o agente da difteria,
grave doença respiratória provocada pela toxina produzida por esse microrganismo. O formato
celular dessa espécie chama atenção: depois de corada, observamos um inchaço em uma
das extremidades da célula, além de grânulos escuros que se distribuem ao longo do bacilo.
Esse inchaço pode estar presente nas duas extremidades e, às vezes, não ser visível, por isso,
C. diphtheriae é uma das poucas espécies bacterianas pleomórficas, com formato celular
variável.
 
Fonte: Kateryna Kon/Shutterstock
 Corynebacterium diphtheriae.
 ATENÇÃO
O diagnóstico da difteria é feito baseado nos sinais clínicos característicos do paciente para
que logo se inicie o tratamento. Porém, cultivamos a amostra clínica em meio de cultura
seletivo e testamos se a bactéria produz toxina para que fique registrado e confirmado
ocorrência dessa doença. Esse registro é importante, pois já existe vacina contra a difteria, e
não é comum sua ocorrência.
ESPIROQUETÍDEOS
O próximo grupo de bactérias que vamos discutir apresenta uma aparência “diferenciada”.
Espiroquetas são bactérias com a célula longa e fina em formato espiral. Elas apresentam
estrutura celular incomum, que está super relacionada a sua intensa movimentação em
ambientes aquosos.
Na parte externa, existe uma bainha de glicosaminoglicana, seguida logo abaixo por camadas
de membranas semelhante ao que vemos em bactérias gram-negativas. Saindo das
extremidades da célula e fazendo um espiral em torno dela encontramos feixes de fibrila, que
recebem o nome de endoflagelos, estruturas que garantem a movimentação típica em torno do
próprio eixo, que lembra um saca-rolhas.
As principais espécies desse grupo que são agentes de doenças em humanos são Treponema
pallidum (responsável pela sífilis) e Leptospira interrogans (agente da leptospirose).
A célula do Treponema pallidum se assemelha a uma mola. O agente da sífilis, uma doença
sexualmente transmissível, é uma bactéria que não pode ser cultivada em meios de cultura.
Sendo assim, as técnicas de diagnóstico envolvem examinar diretamente o material clínico
usando um microscópio. A coloração usada é própria, que deixa os finos espirais mais
espessos ou marcados com fluorescência, para facilitar a observação.
 
Fonte: WIkimedia
 Diferentes técnicas usadas para visualização do Treponema pallidum. Na letra (A) a
bactéria é vista usando microscópio de campo escuro, na letra (B) na microscopia óptica após
coloração por impregnação pela prata.
 ATENÇÃO
A sífilis é uma doença com vários estágios, e os testes microscópicos são usados
principalmente na fase primária da doença. Depois dessa fase, o diagnóstico é feito através da
utilizaçãode anticorpos fabricados em laboratório para detectar alvos específicos da bactéria
no sangue da pessoa doente.
Além da sífilis, outra patologia causada por bactérias do grupo das espiroquetas é a
leptospirose. Essa doença é considerada uma zoonose, ou seja, animais contaminados por
bactérias dessa espécie, como a Leptospira interrogans, podem transmiti-la para seres
humanos. A L. interrogans possui uma célula fina e “ondulada”, com as extremidades formando
uma espécie de gancho, lembrando um símbolo de interrogação (por isso interrogans).
 
Fonte: Wikipedia
 Leptospira interrogans por micrografia eletrônica.
O crescimento da bactéria pode ser verificado em meio de cultura com a consistência
semissólida em presença de oxigênio, mas pode demorar até oito semanas. O método mais
usado para diagnóstico é identificar a infecção através da detecção de anticorpos específicos
contra L. interrogans no soro da pessoa doente. Diferentes anticorpos podem ser observados,
dependendo do tipo de lipopolissacarídeo (LPS) que a leptospira possui na sua bainha externa.
OUTRAS BACTÉRIAS
As bactérias que apresentam características distintas das espécies que já falamos até aqui
merecem um tópico a parte. Uma delas são bactérias com parede celular atípica e não
podem ser diferenciadas por Gram e, por isso, não se enquadram como gram-positivos ou
gram-negativos. Esse é o caso das micobactérias, conhecidas como agente etiológico de
doenças importantes, como a espécie Mycobacterium tuberculosis que é responsável pela
tuberculose.
Na parte externa de bactérias do gênero Mycobacterium, encontramos uma extensa camada
de ácido micólico, um tipo de lipídeo com pouquíssima afinidade pela água (hidrofóbico).
 
Fonte: Wikimedia
 Esquema da parede celular (8) das micobactérias. Os ácidos micólicos estão
representados pelo número 2, formando uma barreira hidrofóbica. As demais estruturas são
lipídios (1), polissacarídeos (3), peptidoglicano (4), membrana plasmática (5),
lipoarabinomanano (LAM) (6) e manosídeo de fosfatidilinositol (7).
 RECOMENDAÇÃO
Essa propriedade dificulta a penetração de muitos corantes aquosos na célula, incluindo
aqueles usados na coloração de Gram. Com isso, temos que usar um corante com adição de
fenol e ainda é necessário aquecer a lâmina para aumentar a sua penetração. Uma vez dentro
da célula, o corante não consegue ser retirado nem mesmo se a célula for exposta a uma
solução álcool-ácida.
Essa estratégia de coloração é chamada de técnica de Ziehl-Neelsen. Levando em conta as
características de coloração e o formato de bacilo, é comum nos referirmos às micobactérias,
como bacilos álcool-ácido resistentes (BAAR).
O principal agente da tuberculose é a espécie Mycobacterium tuberculosis, também
conhecida como Bacilo de Koch (BK). Um grupo de diferentes espécies de bactéria forma o
complexo Mycobacterium tuberculosis. Além da M. tuberculosis, esse grupo inclui M. bovis, M.
africanum, M. canetti, M. microti, M. pinnipedi e M. caprae. Essas outras espécies devem ser
consideradas, principalmente, se estamos lidando com pacientes imunodeficientes.
 
Fonte: Artemida-psy/Shutterstock
 Mycobacterium tuberculosis.
A tuberculose é um importante problema de saúde pública no Brasil, e as técnicas de
diagnóstico vem evoluindo para contribuir com a melhora desse cenário, pela detecção de
indivíduos que são fontes de infecção e do tratamento adequado.
Outro grupo atípico inclui bactérias que são parasitas intracelulares obrigatórias, ou seja, só
sobrevivem dentro da célula do seu hospedeiro. A espécie Chlamydia trachomatis é uma
delas, responsável por causar doenças como tracoma, uretrite, cervicite e pneumonia infantil.
Dentro das células humanas infectadas, essa bactéria produz inclusões citoplasmáticas
compactas, que, após coloração de Giemsa, são observadas como bolinhas bem coradas no
citoplasma da célula.
 
Fonte: Shutterstock
 Chlamydia trachomatis.
Para o diagnóstico, podemos verificar essas inclusões pela análise do material clínico ao
microscópio, ou ainda, a detecção de anticorpos específicos contra a C. trachomatis, que são
desenvolvidos pelo sistema imune do doente.
VERIFICANDO O APRENDIZADO
1. DEPOIS DE CONHECER AS PRINCIPAIS ESPÉCIES BACTERIANAS DE
IMPORTÂNCIA CLÍNICA, JULGUE AS FRASES ABAIXO E SELECIONE A
ALTERATIVA INCORRETA.
A) A forma da célula bacteriana pode variar bastante entre as espécies de importância clínica
estudadas.
B) Bactérias podem causar diferentes tipos de infecções como pneumonias, gastroenterites,
doenças de pele e sexualmente transmissíveis.
C) Todas as espécies bacterianas de importância clínica se enquadram como gram-negativas
ou gram-positivas.
D) Cultivar bactérias em meio de cultura é uma abordagem útil para diagnosticar muitas
doenças infecciosas.
2. VIMOS QUE EXISTEM UMA VARIEDADE DE ESPÉCIES DE
BASTONETES GRAM-NEGATIVOS DE IMPORTÂNCIA CLÍNICA QUE
PODEM CAUSAR INFECÇÕES INTESTINAIS. ACERCA DESSE ASSUNTO,
INDIQUE A AFIRMATIVA INCORRETA.
A) Todas são enterobactérias.
B) Algumas fazem parte da microbiota normal, mas em determinadas situações podem
provocar doenças.
C) Algumas são naturalmente patogênicas.
D) Diferem-se em relação necessidade de oxigênio para produção de energia.
GABARITO
1. Depois de conhecer as principais espécies bacterianas de importância clínica, julgue
as frases abaixo e selecione a alterativa INCORRETA.
A alternativa "C " está correta.
 
As bactérias de importância médica coram como gram-positivos e gram-negativos, mas a
espécies do gênero Mycobacterium não se enquadram nessa classificação devido à presença
da camada de ácido micólico, que dificulta sua coloração pela técnica de Gram, essas
bactérias são chamadas de BAAR e coradas pela técnica de Ziehl-Neelsen.
2. Vimos que existem uma variedade de espécies de bastonetes gram-negativos de
importância clínica que podem causar infecções intestinais. Acerca desse assunto,
indique a afirmativa INCORRETA.
A alternativa "A " está correta.
 
A Vibrio cholerae, um bacilo gram-negativo, causa gastroenterite, mas não pertence ao grupo
das enterobactérias.
MÓDULO 2
 Descrever os métodos de diagnóstico laboratorial usados para infecções bacterianas
do trato respiratório
INTRODUÇÃO
O nosso trato respiratório está em constante contato com o meio externo e, por isso, é alvo de
infecções por diferentes microrganismos, principalmente, vírus e bactérias. A frequência
dessas infecções é reduzida por conta das nossas defesas naturais, como cílios, muco,
sistema imunológico e bactérias da microbiota normal. O muco retém partículas de poeira e
microrganismos, que depois são “empurrados” pelos cílios em direção à boca. O nosso sistema
imune nos defende pela ação de macrófagos teciduais e anticorpos de mucosa, entre outras
estratégias. Já a microbiota tem o papel principal de competir por espaço e alimento com
microrganismos que podem causar doenças, impedindo que os “vilões” se sobressaiam.
Os microrganismos da microbiota são comumente encontrados no nosso trato respiratório
superior, mas pouco frequentes na porção inferior desse sistema. O trato respiratório superior é
composto por nariz, faringe e estruturas associadas, como orelha média e tubas auditivas. A
parte inferior conta com a traqueia e o pulmão, esse último formado por brônquios, alvéolos e
tecido pulmonar envolvidos pela membrana pleural.
 
Fonte: solar22/Shutterstock
 A principal função do sistema respiratório é conduzir o ar inalado até os alvéolos, onde
ocorre a troca de CO2 do sangue pele O2 trazido pelo ar e, por fim, o CO2 é eliminado na
atmosfera.
 VOCÊ SABIA
As infecções do trato respiratório superior costumam ser mais brandas, mas as que acometem
o trato inferior são mais perigosas, pois afetam diretamente a função do sistema respiratório.
TRATO RESPIRATÓRIO SUPERIOR:
FARINGITE, TONSILITE, OTITE E SINUSITE
A faringite é uma inflamação das membranas mucosas da garganta. Dentre as bactérias, a
principal espécie responsávelpela faringite é o Streptococcus pyogenes, um Streptococcus
do grupo A de Lancefield. Nesse caso, a faringite recebe o nome de faringite estreptocócica.
Uma consequência comum da faringite é o desenvolvimento de tonsilite, inflamação das
tonsilas. Em casos raros, quando o S. pyogenes adquiriu a capacidade de produzir a toxina
eritogênica, a infecção evolui para febre escarlate, provocando erupções cutâneas de
coloração avermelhada, febre alta e alterações na língua.
 
Fonte: Dimarion/Shutterstock
 Streptococcus pyogenes aumentada x1000 no microscópico.
Outra possível complicação é a glomerulonefrite, que pode se desenvolver entre uma até
quatro semanas após a faringite estreptocócica. Na glomerulonefrite, os anticorpos produzidos
pelo sistema imune do paciente se combinam com antígenos produzidos pela bactéria e depois
depositam na membrana dos glomérulos renais, levando a um processo inflamatório nesse
local.
Também por conta das complicações características da faringite provocada pelo S. pyogenes,
é importante identificar a bactéria a partir de um swab da garganta do paciente.
A forma mais rápida de liberar esse laudo é usando kits de testes rápidos para detecção de
antígenos específicos da bactéria. Esse antígeno é o açúcar da parede celular exclusivo do
grupo A de Lancefild. O antígeno é extraído do swab pela ação de uma enzima ou substância
química, e depois alguma técnica imunológica, como ensaio imunoenzimático ou aglutinação,
permite identificar o antígeno exclusivo de S. pyogenes.
Caso não seja possível a utilização dos kits ou, se o resultado desse teste for negativo, mas a
suspeita ainda persistir, podemos semear o swab em meio de cultura do tipo Ágar Sangue,
considerado o método diagnóstico de referência. A hemolisina produzida pelo S. pyogenes
destrói completamente as hemácias do sangue de carneiro presente nesse meio de cultura.
Onde ocorre o crescimento de colônias, a cor do Ágar Sangue passa de vermelha para
transparente, o que caracteriza β-hemólise, ou hemólise total.
 
Fonte: Wikimedia
 Meio de cultura Ágar Sangue com o crescimento da bactéria Streptococcus
pyogenes.
Na imagem, podemos notar que ao redor da colônia existe um halo translúcido (indicando que
o sangue do meio foi hemolisado), o que caracteriza a β-hemólise.
Depois de obter colônias, podemos fazer a coloração de Gram e confirmar que se trata de um
coco gram-positivo. Dois testes importantes caracterizam o S. pyogenes.
TESTE DO PYR (PYRROLIDONIL ARILAMIDASE)
Determina a atividade da enzima PYR, produzida por essa espécie bacteriana, que pode ser
detectada usando um reagente comercialmente disponível.

SENSIBILIDADE À BACITRACINA
É a sensibilidade ao antibiótico bacitracina, que inibe o crescimento dessa espécie.
 ATENÇÃO
A confirmação de faringite bacteriana é muito importante, pois, muitas vezes, os sinais clínicos
são parecidos com a faringite viral. Se o agente for uma bactéria, é necessário tratamento com
antimicrobianos.
A otite média é a infecção da orelha média, ou mais conhecida por dor de ouvido. Já a
sinusite é a infecção da membrana que recobre seios nasais, cavidades que se localizam ao
redor do nariz, maçãs do rosto e olhos. As principais bactérias capazes de causar essas duas
infecções são Streptococcus pneumoniae e Haemophilus influenzae.
Tanto para otite média quanto para sinusite, é difícil obter amostras clínicas válidas do
paciente. Nas sinusites e na otite média, o método de referência implica em um procedimento
invasivo, e muitas vezes nenhuma bactéria é detectada. Em ambos os casos, os sinais clínicos
e os sintomas do paciente são a base para o diagnóstico, e para sinusite os exames de
imagem são muito úteis.
 
Fonte: Maxx-Studio/Shutterstock
 Streptococcus pneumoniae.
 
Fonte: Kateryna Kon/Shutterstock
 Haemophilus influenzae.
TRATO RESPIRATÓRIO INFERIOR:
INFECÇÕES AGUDAS (COQUELUCHE,
BRONQUITE, BRONQUIOLITE E
PNEUMONIA) E CRÔNICAS
(TUBERCULOSE)
A coqueluche é uma doença infecciosa, causada pela espécie Bordetella pertussis, que pode
chegar a ser fatal. Normalmente, essa doença atinge crianças que não tomam as três doses de
vacina DTP, ou adultos nos quais a vacina perdeu o efeito ao longo dos anos. Os sintomas da
coqueluche apresentam-se em diferentes fases. A primeira delas é fase catarral, assemelha-se
muito com um resfriado, por isso, a suspeita de coqueluche é bem rara nessa fase. Com o
tempo, a bactéria adere e destrói os cílios da traqueia, o que leva ao acúmulo do muco. Nessa
fase, conhecida como fase paroxística, começam as tosses secas e fortes, na tentativa de
eliminar o muco e permitir que o ar chegue até os pulmões. A tosse vai progredindo, podendo
comprometer a respiração.
O esforço para a entrada do ar produz um som uivante na tosse, daí o nome popular “tosse
comprida” dessa doença. Ainda que os casos sejam pouco frequentes, saber o diagnóstico da
coqueluche é muito importante devido à gravidade que a infecção pode assumir.
Caso você se depare com uma suspeita de coqueluche no laboratório, o diagnóstico
bacteriológico deve feito pela cultura do swab colhido da nasofaringe do doente. A semeadura
da amostra precisa ser feita em meio de cultura suplementado com nutrientes especiais e
antibiótico, já que é uma bactéria com exigências nutricionais e precisamos impedir o
crescimento da microbiota nasal. Podemos usar meios como Ágar Regan-Lowe ou Ágar Bordet
& Gengou.
 
Fonte: Wikimedia
 Bordetella pertussis crescendo em Ágar Regan-Lowe. Isolado a partir de swab nasal de
paciente com coqueluche mostrado crescimento de 7 dias em 10% de CO2.
O crescimento da B. pertussis é lento , por isso, a incubação precisa ser feita por até sete
dias, em ambiente aeróbico e úmido. A célula bacteriana se cora fracamente pelo Gram, e, por
isso, é recomendado deixar o último corante por dois minutos. Depois da coloração,
visualizamos, usando um microscópio, pequenos bacilos gram-negativos corados em
vermelho.
Por conta de demora para cultivar B. pertussis em laboratório, é recomendando aplicar técnicas
que acelerem o diagnóstico. Dentre elas, estão o teste sorológico e o diagnóstico molecular
pela PCR (Reação em Cadeia da Polimerase).
 
Fonte: Perelygin Maksim/Shutterstock
O teste sorológico detecta anticorpos no sangue do paciente que foram produzidos contra a
bactéria, mas eles demoram algumas semanas para aparecer desde o início da infecção.
 
Fonte: bogdanhoda/Shutterstock
O teste molecular identifica o DNA da bactéria, e é considerado o método mais eficiente de
diagnóstico para coqueluche. A escolha do método dependerá das condições oferecidas pelo
laboratório clínico e o quadro do paciente.
 RECOMENDAÇÃO
Bronquite e bronquiolite são infecções limitadas a traqueia e aos brônquios. As formas agudas,
de início rápido, quase sempre são causadas por vírus. O diagnóstico microbiológico, com
cultivo de bactérias por exemplo, não é indicado para essas infecções.
O tratamento é voltado para reverter os sintomas, como o uso de broncodiladores. Pelo menos
nesses casos, você não precisa se preocupar em desvendar dentro do laboratório clínico o
agente etológico!
A pneumonia é a infecção aguda de todo o pulmão, que pode ser causada por diferentes
espécies de bactérias, além de outros microrganismos. O agente bacteriano mais frequente é a
espécie Streptococcus pneumoniae e, nesse caso, a doença recebe o nome de pneumonia
pneumocócica.
Considerada a pneumonia clássica, os sintomas como febre alta, dificuldade de respirar e dor
lombar surgem logo. A ocorrência desse tipo de pneumonia pode diminuir ao longo dos
próximos anos pelo acesso a vacinas disponíveis contra alguns sorotipos de pneumococos,
que têm como alvo o açúcar da cápsula bacteriana.
As pneumonias adquiridas após um período maior ou igual a 48 horas de admissão no hospital
costumam ser causadas por Staphylococcus auereus ou bacilos gram-negativos, como as
espécies Klebsiella pneumoniae e Pseudomonas aeruginosa,essa última muito associada a
situações em que o paciente está sob ventilação mecânica.
Pneumonias bacterianas atípicas são aquelas causadas por espécies como Mycoplasma
pneumoniae, Chlamydophila pneumoniae e Legionella pneumophila. O diagnóstico laboratorial
que define o agente da pneumonia é muito importante, porque é a base para a escolha do
tratamento adequado, diminuindo do risco de óbito.
O material usado para o diagnóstico de pneumonias pode ser escarro, aspirado traqueal,
lavado broncoalveolar, material de biópsia e sangue. Swab das vias aéreas superiores
geralmente não são úteis pois acabam refletindo a microbiota normal. Em relação ao escarro,
deve ser coletado logo pela manhã e encaminhado diretamente ao laboratório. O aspirado está
sujeito a contaminações por microrganismos que colonizam pacientes entubados ou com
ventilação mecânica. Já o lavado broncoalveolar é mais seguro nesse aspecto.
 RECOMENDAÇÃO
As biópsias são mais indicadas para imunocomprometidos e crianças que não reagem bem ao
tratamento. A cultura de sangue é usada quando existe suspeita de que a bactéria tenha
atingido no sangue do paciente. Todas as amostras respiratórias podem ser armazenadas por
até 2 horas em temperatura ambiente, e até 24 horas em geladeira.
COMO DEVE SER FEITA UMA COLETA E
TRATAMENTO DE AMOSTRA DE ESCARRO
PARA DIAGNÓSTICOS DE INFECÇÕES
RESPIRATÓRIAS DO TRATO INFERIOR?
Se a pneumonia não é de origem hospitalar, primeiramente, devemos investigar a possibilidade
de pneumonia pneumocócica, por ser a mais prevalente. O material clínico deve ser
semeado em Ágar Sangue e incubado na presença de 5% de CO2. A hemólise parcial aponta
para o Streptococcus pneumoniae, já que essa espécie é α-hemolítica. A partir desse
crescimento, a coloração de Gram pode ser realizada, com a intenção de confirmar a presença
de cocos gram-positivos.
Outros dois testes confirmatórios são a solubilidade em bile e a sensibilidade a optoquina.
A célula do S. pneumoniae sofre lise pela ação dos sais biliares e é sensível ao antimicrobiano
optoquina, o que não acontece com outros cocos gram-positivos α-hemolíticos.
 
Fonte: Wikimedia
 Crescimento de Streptococcus pneumoniae em Ágar Sangue.
Na imagem, podemos observar a hemólise parcial onde a bactéria cresce, pois a cor do meio
fica esverdeada. Além disso, vemos um disco impregnado com optoquina (OP) que foi
colocado logo após a semeadura e, com isso, inibiu o crescimento bacteriano no seu entorno, o
que indica sensibilidade.
 RECOMENDAÇÃO
O teste mais atual para detecção de pneumococos é identificar um antígeno específico dessa
bactéria na urina do paciente, de forma muito rápida e prática. No entanto, o resultado negativo
precisa ser confirmado por cultura do material, como já foi mencionado anteriormente.
Se a causa da pneumonia não for a espécie S. pneumoniae, a próxima suspeita deve ser a
bactéria Haemophilus influenzae. A coloração de Gram direto do escarro é capaz de diferenciar
H. influenzae de S. pneumoniae, pois o primeiro é um cocobacilo gram-negativo, enquanto o
segundo é um coco gram-positivo. Para cultura e observação das colônias, usamos o meio de
cultura Ágar Chocolate, que tem na sua composição hemácias lisadas, uma rica fonte de
nutrientes para bactérias exigentes. Outro teste importante é verificar a necessidade da
bactéria pelo fator X (hemina ou hematina) e pelo fator V (NAD ou coenzima I). Se a espécie
isolada do material for realmente H. influenzae, ela irá crescer na presença desses fatores,
porque precisa deles.
 
Fonte: Wikimedia
 Teste dos fatores X e V para Haemophilus influenzae.
Na imagem, a bactéria foi semeada em meio de cultura simples, mas foram colocados discos
impregnados com os fatores X e/ou V. Perceba que o Haemophilus influenzae só cresce
quando o disco possui os dois fatores ao mesmo tempo.
 VOCÊ SABIA
As pneumonias causadas por H. influenzae de S. pneumoniae são geralmente adquiridas na
comunidade, durante o dia a dia, logo, são chamadas de pneumonias comunitárias.
Para diagnóstico de pneumonias hospitalares, são encaminhados para cultura diferentes
tipos do amostras, que já foram citadas aqui. O escarro pode ser corado pela coloração de
Gram e visto ao microscópio, um recurso simples e que pode direcionar as próximas ações. Se
forem amostras de aspirado traqueal e lavado broncoalveolar, semeamos em meios de cultura
como Ágar MacConkey e Ágar Sangue para checar o aparecimento de colônias. Se o agente
for o S. aureus, vamos observar hemólise total em Ágar Sangue, e nenhum crescimento em
Ágar MacConkey. Em casos de bacilos gram-negativos, teremos crescimento nos dois meios, e
o Ágar MacConkey ainda vai nos dar dicas sobre a fermentação.
Quando confirmada a presença de bastonetes gram-negativos, podemos suspeitar de
espécies como Klebsiella pneumoniae, Pseudomonas aeruginosa e Acinetobacter baumannii.
Vários testes sobre as características bioquímicas dessas espécies são necessários para
chegar ao verdadeiro agente etiológico.
 
Fonte: Wikimedia
 Resultados de teste bioquímico de TSI (Triplo Açúcar e Ferro) para diferentes
espécies de bacilos gram-negativos. Da esquerda para direita: 1- Nenhuma bactéria foi
semeada. 2- Resultado para espécies como Pseudomonas aeruginosa e Acinetobacter
baumanni. 3- Resultado para espécies como Escherichia coli e Klebsiella pneumoniar. 4-
Resultado para a espécie Salmonella Typhimurium. 5- Resultado para a espécie Shigella
flexneri.
 ATENÇÃO
Fique atento e sempre verifique a sensibilidade dessas bactérias aos antimicrobianos
disponíveis para o tratamento, pois existe uma grande chance de elas serem resistentes a
ação da maioria deles! Além disso, tanto para casos de pneumonias comunitárias como
hospitalares, precisamos estar certos de que a bactéria cultivada a partir de amostras do
sistema respiratório seja realmente agente de infecção, e não só colonizadora desses órgãos.
Na colonização, o microrganismo não causa doença, enquanto nos casos de infecção, a
bactéria altera o estado de saúde do paciente, provocando sinais e sintomas. Se o material
clínico for escarro, é importante checar sua qualidade por microscopia. Quando se trata de
infecção, observaremos um número elevado de leucócitos, baixa contagem de células epiteliais
(provenientes da saliva) e um único tipo morfotintorial se destacará após coloração de Gram
(coco gram-positivo OU bacilos gram-negativos, por exemplo).
Para materiais que foram coletados de forma invasiva e estéril, como lavado broncoalveolar e
aspirado traqueal, devemos contar o número de colônias que apareceram no meio de cultura.
Para que a infecção seja confirmada, esse número deve ser superior ao limite mínimo
estipulado pelas normas da ANVISA. Chamamos essa técnica de cultura quantitativa, e será
abordada com mais detalhes no tópico Urinocultura.
Bactérias que causam pneumonias atípicas não podem ser detectadas por métodos de
diagnóstico microbiológicos convencionais, como a cultura. Dentre as limitações, podemos citar
o fato de não se corarem pelo método de Gram ou o difícil cultivo em meios de cultura
tradicionalmente usados no laboratório.
Em casos suspeitos, a confirmação pode ser feita através de técnicas imunológicas, que
detectam o anticorpo produzido pelo sistema imune do doente contra a bactéria ou algum
antígeno específico do microrganismo. Podemos contar também com o diagnóstico
molecular, como a PCR, que identifica o material genético da bactéria.
 
Fonte: Pikist
 Diagnóstico molecular.
A tuberculose é uma infecção crônica do trato respiratório inferior, diferente das outras
infecções discutidas até aqui. A doença se inicia quando a bactéria começa a invadir e se
multiplicar dentro dos macrófagos presentes nos alvéolos pulmonares. A doença avança
lentamente, à medida que mais macrófagos são destruídos, o que gera inflamação e lesão do
tecido pulmonar.
O papel do sistema imune é essencial e determina se a doença seguirá para fases mais
graves.A tuberculose passou a se tornar um problema ainda maior com a epidemia de HIV.
Por conta da baixa imunidade desses pacientes, a tuberculose pode evoluir de forma mais
rápida e perigosa. Nesses pacientes, existe mais chance da ocorrência de tuberculose
extrapulmonar, quando outros órgãos além do pulmão são atingidos, através da disseminação
da bactéria pelo sistema linfático e sanguíneo.
Diferentes materiais clínicos podem ser enviados ao laboratório para o diagnóstico de
tuberculose. Para tuberculose pulmonar, o principal é o escarro, mas também podem ser
enviados líquido pleural, biópsia, entre outros. Esteja atento aos cuidados com a manipulação
desse material. As medidas de proteção aumentam de acordo com o tipo de análise que será
realizada. As mais básicas envolvem o exame direto do material ao microscópio, quando é
necessário, por exemplo, tratar a amostra com hipoclorito de sódio a 5% antes de preparar a
lâmina, para inativar a bactéria. Além disso, existem outros detalhes que envolvem cultivo da
bactéria e a avaliação da sensibilidade aos antimicrobianos, que exigem um ambiente
laboratorial adaptado.
A inviabilização com hipoclorito de sódio 5% é uma opção quando o laboratório não tem cabine
de segurança biológica.
Para tuberculose pulmonar, a primeira análise a ser feita é o exame microscópio do escarro
após coloração, conhecido como baciloscopia. O escarro pode ser distendido diretamente na
lâmina ou anteriormente podem sem usados agentes mucolíticos que o tornam mais fluido,
como NaOH. O método de coloração mais usado é Ziehl-Neelsen, onde os bacilos álcool-ácido
resistentes (BAAR), como as micobactérias, adquirem coloração rosa forte, e outras células
ficam coradas em azul, quando vistos ao microscópio óptico.
 
Fonte:Shutterstock
 Baciloscopia de escarro corado por Ziehl-Neelsen mostrando BAAR. A Mycobacterium
tuberculosis aparece em cor vermelha e as outras células do escarro se coram em azul.
Também é possível usar a coloração com auramina como triagem, onde os BAAR coram em
amarelo alaranjado e o restante da lâmina fica escura, mas, nesse caso, é necessário um
microscópio de fluorescência. O resultado da microscopia pode mostrar ausência de BAAR ou
presença. A presença é registrada de acordo com a quantidade de dessas células por campo
de visão, variado de raros (+) até numerosos (++++). A microscopia é simples, rápida e de
baixo custo, mas alguns casos podem não ser detectados por esse método. Por isso, a
confirmação de resultados negativos para casos suspeitos vem através da cultura do
microrganismo, considerado o padrão-ouro para tuberculose pulmonar. Também usamos a
cultura para o diagnóstico de tuberculose extrapulmonar.
A cultura de Mycobacterium é trabalhosa, porque essa bactéria possui um crescimento lento e
exige condições específicas. Além disso, algumas amostras, como escarro e lavado
broncoalveolar, precisam ser tratadas antes de serem semeadas no meio de cultura, para
eliminar microrganismos contaminantes.
 
Fonte: Kateryna Kon/Shutterstock
 Mycobacterium.
Entre os meios de cultura usados, podemos destacar o Lowenstein-Jensen e Middlebrook.
Os meios devem ser incubados em estufa com 5 a 10% de CO2 por até 8 semanas, e
precisamos verificar se ocorreu o crescimento de colônias duas vezes nas duas primeiras
semanas, e depois, uma vez por semana. Se forem observadas colônias, seguimos com a
identificação da espécie de Mycobacterium. Essa discriminação baseia-se no tempo necessário
para o crescimento visível, na aparência das colônias, na produção de pigmento quando as
colônias são expostas à luz e na realização de certas análises bioquímicas.
 
Fonte: Shutterstock
 Meio de cultura Lowenstein-Jensen com crescimento de colônias características de
Mycobacterium tuberculosis. As colônias típicas dessa espécie são secas, amontoadas e
amareladas.
Uma outra opção de diagnóstico são os testes automatizados e métodos moleculares, que
são mais rápidos, porém mais caros. O BACTEC é um exemplo de teste automatizado que
identifica a espécie M. tuberculoses através da sua inibição pelo composto NAP (ρ-nitro-α-
acetylamino-β-hydroxypropiophenone), liberando o resultado em aproximadamente cinco dias.
Os testes moleculares incluem a utilização de sondas que se ligam ao RNAr da espécie alvo,
ou ainda a amplificação de determinadas regiões do DNA da bactéria pela técnica de PCR.
Tudo depende dos recursos disponíveis, mas devemos estar preparados e conhecer todas as
possibilidades.
Se o objetivo for rastrear possíveis doentes em uma população de risco para tuberculose,
podemos aplicar o teste imunológico da prova tuberculínica. Chamado de PPD (Purified
Protein Derivative), esse exame verifica se casos suspeitos apresentam reação imunológica
contra uma proteína purificada da M. tuberculosis, que é injetada nas camadas superficiais da
pele do indivíduo.
 
Fonte: Pixabay
 Teste de PPD.
Se ocorrer reação positiva, a área em torno da injeção ficará endurecida e vermelha após
aproximadamente 72 horas. Esse teste não significa que a doença está ativa, e sim um contato
anterior com a bactéria. Por isso, pessoas que já se vacinaram com a vacina BCG apresentam
PPD positivo. O PPD como indicativo de casos ativo de tuberculose é mais usado para
pacientes positivos para o vírus HIV e crianças bem novas, com imunidade baixa.
Testar a suscetibilidade de M. tuberculosis aos antimicrobianos usados para o tratamento é de
particular importância clínica. A tuberculose é uma infecção adquirida fora do ambiente
hospitalar, mas que, mesmo assim, apresenta altas taxas de falhas terapêuticas devido à
resistência bacteriana ao tratamento. O teste é feito para os antimicrobianos que são as
primeiras opções terapêuticas, como isoniazida e rifampicina. Esse teste pode ser feito através
de forma tradicional, verificando o crescimento bacteriano no meio de cultura Lowenstein-
Jensen com antimicrobiano, ou ainda utilizando métodos comerciais e técnicas moleculares.
Em todos os casos, o resultado indicará se a bactéria isolada do doente é resistente ou
sensível à ação de determinada droga. Se o resultado for resistente, a indicação de tratamento
passa a ser antimicrobianos de segunda linha, como aminoglicosídeos e etionamida.
VERIFICANDO O APRENDIZADO
1. APRENDEMOS QUE AS ESPÉCIES STREPTOCOCCUS PNEUMONIAE E
STREPTOCOCCUS PYOGENES SÃO IMPORTANTES AGENTE DE
INFECÇÕES DO TRATO RESPIRATÓRIO. ESCOLHA A AFIRMATIVA QUE
DESCREVA UMA AFIRMAÇÃO VERDADEIRA SOBRE ESSAS BACTÉRIAS.
A) Streptococcus pneumoniae quando semeado em meio de cultura Ágar Sangue não realiza
hemólise das hemácias, deixando o meio com coloração esverdeada.
B) Streptococcus pneumoniae é mais importante por causar infecções respiratória do trato
inferior, como a faringite estreptocócica.
C) Streptococcus pyogenes é mais importante por causar infecções respiratória do trato
superior, como a pneumonia pneumocócica.
D) Streptococcus pyogenes quando semeado em meio de cultura Ágar Sangue realiza
hemólise total das hemácias, deixando halo transparente ao redor da colônia.
2. ESTUDAMOS QUE A TUBERCULOSE É UMA INFECÇÃO CRÔNICA DO
TRATO RESPIRATÓRIO INFERIOR. ELA É CAUSADA PELA ESPÉCIE
MYCOBACTERIUM TUBERCULOSIS , QUE APRESENTA ALGUMAS
PARTICULARIDADES EM RELAÇÃO À MAIORIA DAS BACTÉRIAS.
ESCOLHA A OPÇÃO QUE RESUME ESSAS CARACTERÍSTICAS
CORRETAMENTE.
A) A Mycobacterium tuberculosis cresce em 24 horas, não é corada pelo método de Gram, e
tem grandes chances de ser resistente aos antimicrobianos de primeira linha usados no
tratamento da doença.
B) A Mycobacterium tuberculosis cresce em até uma semana, não é corada pelo método de
Gram, e raramente apresenta-se resistente aos antimicrobianos de primeira linha usados no
tratamento da doença.
C) A Mycobacterium tuberculosis cresce lentamente, não pode ser diferenciada pelo método de
Gram, e tem grandes chances de ser resistente aos antimicrobianos de primeira linha usados
no tratamento da doença.
D) A Mycobacteriumtuberculosis cresce lentamente, é corada pelo método de Gram, e
raramente apresenta-se resistente aos antimicrobianos de primeira linha usados no tratamento
da doença.
GABARITO
1. Aprendemos que as espécies Streptococcus pneumoniae e Streptococcus pyogenes
são importantes agente de infecções do trato respiratório. Escolha a afirmativa que
descreva uma afirmação verdadeira sobre essas bactérias.
A alternativa "D " está correta.
 
Streptococcus pyogenes produz hemolisinas muito potentes, capazes de realizar β-hemólise.
Enquanto Streptococcus pneumoniae produz hemolisinas mais fracas, ocorrendo uma perda
parcial de hemoglobinas pelas hemácias, gerando uma zona esverdeada em torno da colônia.
2. Estudamos que a tuberculose é uma infecção crônica do trato respiratório inferior. Ela
é causada pela espécie Mycobacterium tuberculosis , que apresenta algumas
particularidades em relação à maioria das bactérias. Escolha a opção que resume essas
características corretamente.
A alternativa "C " está correta.
 
Essa bactéria pode levar até 24 para se dividir, não pode ser diferenciada pelo Gram devido às
extensas camadas externas de ácido micólico e uma preocupação com a resistência é
verdadeira.
MÓDULO 3
 Descrever os métodos de diagnóstico laboratorial usados para infecções bacterianas
do trato urinário
PATOGÊNESE DAS INFECÇÕES DO TRATO
URINÁRIO
Estudar a patogênese de uma doença é entender como ela agride o nosso corpo e como ele
reage a essa agressão. Aqui, iremos nos concentrar na patogênese das infecções bacterianas
no sistema urinário. Para isso, vamos falar sobre como as bactérias têm acesso a esses
órgãos, de que forma cada espécie pode alterar seu funcionamento, e as consequências das
ações desses pequenos seres vivos.
A função do sistema urinário é formar a urina, armazená-la e, posteriormente, eliminá-la. Tudo
começa nos rins, onde o sangue é filtrado, através de aglomerados de pequenos vasos
sanguíneos, para formar a urina. Os ureteres levam a urina formada para a bexiga, onde ela
fica armazenada até o momento de sua eliminação. A liberação da urina ocorre pela uretra.
 
Fonte: La Gorda/Shutterstock
 Esquema do sistema urinário.
Na imagem, de cima para baixo, vemos dois rins, por onde chegam os vasos sanguíneos,
depois, os rins se conectam com a bexiga pelos ureteres e esses desembocam na bexiga. A
bexiga se comunica com o meio externo através da uretra.
Esse funcionamento é muito importante pois elimina substâncias tóxicas ao nosso organismo e
mantém uma quantidade de água suficiente para o nosso corpo. As patologias que afetam
esses órgãos podem, por exemplo, provocar o acúmulo de substâncias indesejáveis ou a
eliminação inadequada de componentes importantes, além de alterações da pressão
sanguínea. Dentre essas patologias, estão as infecções do trato urinário (ITU).
As ITUs são definidas como a presença e multiplicação de microrganismos nos órgãos
desse sistema. Devido a sua organização, o sistema urinário está em constante contato com o
meio externo, facilitando a entrada dos agentes infecciosos. Provavelmente, você conhece
alguém que já passou por uma infecção urinária baixa, que acomete a uretra e bexiga, muito
comuns, especialmente, em mulheres, durante a vida sexual ativa.
Algumas características do trato urinário dificultam o desenvolvimento de microrganismos
causadores de doença. A força com que eliminamos a urina é uma barreira mecânica, que
“empurra” para fora a bactéria patogênica. Os lactobacilos, bactérias da microbiota genital de
mulheres, produzem ácido lático através do seu metabolismo e mudam o pH da região. O pH
ácido, tanto da região genitália, quanto da urina, é impróprio para a reprodução de muitos
microrganismos, dificultado sua sobrevivência. Qualquer condição que altere as proteções
naturais do nosso organismo pode facilitar o desenvolvimento de infecção. Você já deve ter
ouvido falar que não é recomendado realizar higiene íntima muitas vezes ao dia ou com
sabonetes básicos. Essas ações podem alterar o pH ou eliminar os lactobacilos da microbiota.
O uso prolongado, desnecessário ou errado de antimicrobianos também altera a microbiota
genital.
A maioria das infecções do sistema urinário é causada por bactérias. No entanto, outros
microrganismos podem se desenvolver, como, por exemplo, fungos e protozoários. Um
exemplo importante é o fungo da espécie Candida albicans. Esse microrganismo faz parte da
microbiota normal de algumas mulheres, mas pode crescer de forma descontrolada, causando
a candidíase. Quando não tratada, essa infecção da genitália externa tem chances de evoluir
para uma infecção urinária.
 
Fonte: Kateryna Kon/Shutterstock
 Candida albicans.
As bactérias podem provocar infecções nos diferentes órgãos do sistema urinário, dependendo
da sua porta de entrada. Elas podem acessar os rins pelo sangue, por exemplo, a partir de
uma infecção que se originou em outra parte do corpo e se espalhou, chamada de infecção
sistêmica. Um exemplo é a leptospirose, causada pela bactéria Leptospira interrogans.
Essa bactéria pode ser liberada pela urina de animais e contaminar a água, penetrando no
nosso organismo através de pequenas lesões ou por membranas mucosas, como a cavidade
oral em caso de ingestão. Portanto, sempre lave bem produtos que serão colocados
diretamente na boca, como latas de bebidas.
 
Fonte: Shutterstock
Uma vez dentro do nosso organismo, a L. interrogans penetra dentro das nossas células. Ali
elas encontram “abrigo” para fugir do nosso sistema imune, além de conseguirem acessar
diferentes órgãos. Com isso, a bactéria ganha tempo para se multiplicar e, em algumas raras
vezes, os rins podem ser atingidos gravemente. Essa forma mais grave é conhecida como
Doença de Weil, que pode atingir também o fígado da pessoa doente.
 VOCÊ SABIA
A maior causa de mortes por leptospirose é a insuficiência renal aguda, quando os rins perdem
a sua função.
Além do acesso pelo sangue, é importante falarmos da maneira mais comum pela qual
bactérias atingem o sistema urinário: uma fonte externa que entra pelo uretra, chamada de via
ascendente. Devido à proximidade entre o ânus e o início do uretra, bactérias da microbiota
intestinal são famosas agentes de uretrites. Se o tratamento não for feito de forma correta, é
possível que a bactéria tenha acesso a partes mais altas do sistema urinário, podendo chegar
até aos rins. Isso justifica a recomendação de usar o papel higiênico no sentindo da vulva
(popular vagina) para o ânus, diminuindo a chance de contaminação.
O sufixo “ite” é usado para nomear os diferentes tipos de infecções do sistema urinário.
Portanto, usamos uretrite, cistite, ureterite e pielonefrite para nos referirmos a infeções na
uretra, bexiga, ureteres e rins, respectivamente. Em mulheres, a cistite é mais comum, pois o
comprimento da uretra é curto, além de se localizar muito próxima ao ânus, facilitando o
acesso das bactérias a esse órgão. Tanto em homens quanto em mulheres, a espécie mais
comum nesse tipo de infecção é a Escherichia coli, um microrganismo da microbiota
intestinal.
 
Fonte: Kateryna Kon/Shutterstock
 Escherichia coli.
Um tipo especial de E. coli, chamada de uropatogênica, está muito relacionada às ITU por
possuir fatores que facilitam sua aderência à mucosa urinária. Com menos frequência ocorrem
casos de infecção por Staphylococcus coagulase negativo, como S. saprophyticus, que são
integrantes da microbiota da pele. Existem ainda outras espécies possíveis, como bactérias
envolvidas com infecções genitais e o gênero Proteus , uma enterobactéria assim como a E.
coli.
 
Fonte: OneMashi/Shutterstock
 S. saprophyticus.
Os casos mais graves de ITU são aqueles em que a bactéria atinge os rins. Uma vez nesse
órgão, o acesso desse microrganismo à corrente sanguínea é facilitado, o que pode provocar
bacteremia, ou, infecção da corrente sanguínea. Quando existe chance de bacteremia, é
preciso fazer a cultura do sangue dopaciente para verificar a existência de qualquer
crescimento bacteriano. Pielonefrites crônicas são um risco para o funcionamento renal, pois
provoca pequenas lesões nos rins. Se você, ou alguma pessoa conhecida, desconfiar de
infecção urinária, procure atendimento médico para evitar a evolução da doença e os riscos
associados.
COLETA, TRANSPORTE E ARMAZENAMENTO
DE URINA
Agora que você já sabe como funciona o sistema urinário e como as bactérias podem atingi-lo,
vamos começar a discutir de que forma detectamos alterações das funções renais e a
presença de bactérias nesses órgãos. Além da avaliação dos sintomas e dos sinais clínicos do
paciente, a composição da urina pode ajudar muito na hora do diagnóstico. Já que o nosso
foco é a questão laboratorial, chegou a hora de avaliar o material clínico mais usado para trazer
informação sobre o sistema urinário: a urina!
Antes do exame propriamente dito (etapa analítica), precisamos nos atentar para condições
anteriores, que fazem parte da etapa pré-analítica. Se a primeira fase é realizada de forma
incorreta, todas as demais serão afetadas. No exame de urina, precisamos nos importar com a
forma correta de coletar, transportar e armazenar esse material clínico, pois ele é muito instável
e pode sofrer transformações de seus elementos a todo tempo.
A coleta ideal depende do tipo de exame que será realizado e das características do paciente.
Para suspeitas de ITU pode ser necessário apenas a verificação de componentes da urina
através de testes rápidos, mas a melhor forma de confirmar o diagnóstico é identificando o
crescimento bacteriano a partir da urina. Em relação ao paciente, condições associadas à
idade e ao estado de saúde podem impedir que um determinado tipo de coleta seja feito. Cada
uma dessas situações tem suas particularidades, e devemos estar atentos para recomendar a
forma mais adequada, para que isso não afete o resultado que será liberado. Os métodos de
coleta podem variar entre as seguintes opções:
Amostra de jato médio de urina colhida em frascos coletores.
Uso de bolsa coletora em pacientes que não controlam o momento de eliminar a urinar,
como crianças.
Cateteres vesicais, que são procedimentos feitos usando cateteres inseridos através da
uretra até a bexiga. São usados quando o paciente não consegue urinar
espontaneamente ou outras situações que dificultem a coleta tradicional usando frascos.
Punção suprapúbica, feita pela introdução de uma agulha no interior da bexiga pela
parede do abdômen.
 Atenção! Para visualização completa da tabela utilize a rolagem horizontal
De todas essas formas, provavelmente, você já realizou pelo menos uma vez na vida a coleta
de jato médio por frascos coletores, já que esse tipo de coleta faz parte de um check-up
médico de rotina. A primeira urina da manhã coletada em frascos é usada, por exemplo, para
checar “Elementos Anormais e Sedimentos”, exame conhecido como EAS. O EAS permite
analisar imediatamente vários componentes desse material clínico, como hemácias, leucócitos
e proteínas.
O exame de escolha para confirmação da ITU deve ser a urinocultura, ou cultura de urina.
Queremos com esse exame verificar o crescimento em meio de cultura da bactéria responsável
pela infecção, usando para isso a amostra de urina.
 ATENÇÃO
É muito importante que material clínico não seja contaminado com microrganismos externos ao
sistema urinário durante a coleta, porque isso irá confundir a interpretação do exame. Se
bactérias da microbiota da pele ou da região genitália crescem no meio de cultura, elas se
confundem com a verdadeira espécie responsável pela infecção.
Quando o objetivo é realizar uma urinocultura, a urina pode ser coletada por jato médio, pela
utilização de bolsas coletoras, através de cateter urinário ou punção suprapúbica. Em
todos os casos, deve-se diminuir ao máximo as chances de contaminação. A punção
suprapúbica, apesar de invasiva, é o método padrão-ouro para garantir maior esterilidade da
amostra. Dentre as opções não invasivas, a coleta de jato urinário médio usando frasco estéril
é o método mais usado.
É importante recomendarmos ao paciente ou profissionais responsáveis pela coleta os
seguintes cuidados específicos para cada método:
JATO MÉDIO ESTÉRIL
Realizar limpeza com água e sabão neutro da região genitália, tanto feminina, quanto
masculina.
Para homens, retrair o prepúcio e fazer higiene da glande.
Para mulheres, afastar os lábios vulvares durante a coleta.
Usar um frasco coletor estéril fornecido pelo laboratório ou adquirido em farmácia.
Descartar o primeiro jato de urina.
Colher preferencialmente a primeira urina da manhã e, se não for possível, coletar a urina
após 2 horas da última micção.
Se possível, coletar a urina quando já estiver no laboratório.
 
Fonte: Doro Guzenda/Shutterstock
SACO COLETOR
Realizar a limpeza de toda região que terá contato com o saco coletor usando água e
sabão, e após secar adequadamente.
Trocar o saco com intervalos regulares (o tempo recomendado pode variar).
Se o resultado for positivo, deve-se fazer punção suprapúbica em crianças.
 
Fonte: g0d4ather/Shutterstock
CATETER VESICAL
Higienizar a entrada da vagina.
Desprezar o primeiro jato de urina cateterizada.
 
Fonte: meboonstudio/Shutterstock
PUNÇÃO SUPRAPÚBICA
Higienizar a pele com substâncias antissépticas antes da coleta.
A bexiga deve estar cheia.
Para realizar a maioria dos exames de urina, é preciso que ela seja encaminhada rapidamente
ao laboratório quando a coleta for feita em casa. Nesses casos, é importante proteger a
amostra da luz solar direta, e evitar que durante o transporte ela seja exposta a temperaturas
maiores que 25°C. O primeiro motivo é que esse material é rico em nutrientes que possibilitam
o rápido crescimento bacteriano após a coleta. Além disso, os componentes da urina podem
sofrer alterações, como se precipitarem ou mudarem sua composição química. Por isso, a
urina deve ser preferencialmente coletada quando o paciente já estiver no laboratório.
 RECOMENDAÇÃO
O profissional responsável pelas análises no laboratório deve processar a amostra em até 2
horas após a coleta. Se não for possível, a urina deve ser armazenada em geladeira, entre 2 e
8°C. Mas atenção, NUNCA congele a urina, pois isso destrói elementos urinários, como
células. Na impossibilidade de usar refrigerador, são utilizados conservantes químicos, que
permitem que a urina fique em temperatura ambiente.
Existem diferentes tipos de conservantes, mas todos têm seus pontos fracos, portanto, devem
ser a última opção. Um exemplo é o ácido bórico, que pode matar algumas espécies de
microrganismos patogênicos, impossibilitando que eles sejam detectados pela cultura. O tempo
que a urina pode permanecer em geladeira ou sob a ação de conservantes pode variar entre o
tipo de exame que será realizado ou de acordo com a norma padronizada para cada
laboratório, mas, em geral, esse período não pode ser superior a 24 horas.
TESTES RÁPIDOS
O EAS ou urina do tipo I são sinônimos para um método indireto de diagnóstico ITU. Isso quer
dizer que alguns componentes avaliados indicam a presença de bactérias ou de uma resposta
inflamatória, mas não é possível confirmar a infecção bacteriana só com essa etapa.
Trata-se de um exame muito solicitado pelos médicos, porque permite a liberação rápida do
resultado, considerado que o método de coleta e os testes feitos são simples de serem
executados.
Dentre as características da urina que podem ser rapidamente avaliadas, estão as
propriedades físicas, presença de substâncias químicas e a visualização de componentes da
urina. Vamos falar um pouco de cada uma dessas análises voltadas para o diagnóstico de ITU,
mas é importante ter em mente que elas também auxiliam na confirmação de outras doenças,
como cálculos renais e diabetes.
As propriedades físicas da urina incluem sua cor, cheiro e aparência. Em relação a cor, nos
indivíduos sadios ela varia entre diferentes tons deamarelo dependendo da quantidade de
água ingerida. Não existe uma cor característica de ITU, mas em alguns casos pode estar
vermelha devido a presença de hemácias. O cheiro da urina de um paciente com ITU pode ter
aromas característicos, mas a origem do odor não é clara. Considerando a aparência, uma
pessoa saudável deve ter urina com aspecto transparente, porém, em casos de ITU ela pode
ser tornar turva por conta do excesso de alguns elementos.
Os componentes químicos mais sugestivos de ITU são esterase leucocitária e nitritos.
Enzimas do grupo das esterases são comuns no interior de leucócitos, que são as células de
defesa do nosso corpo. Detectar uma grande quantidade dessas enzimas aponta para uma
intensa atividade dos leucócitos, que é característica de um estado de infecção.
O nitrito é um composto produzido por algumas espécies de bactérias, como a E.coli e, por
isso, detectar a sua presença nos leva a acreditar que existem bactérias em intensa atividade
naquele sistema urinário.
 ATENÇÃO
Nem toda espécie de bactéria que pode causar ITU produz nitrito, como aquelas causadas por
cocos gram-positivos, portanto, o resultado negativo não descarta esse diagnóstico. Os testes
para a presença de esterase e nitrito são feitos usando fitas com marcadores que reagem à
presença desses componentes através da mudança de cor.
As fitas usadas nos testes de componentes químicos da urina são chamadas de fitas
reagentes. É importante armazenar esse material da forma sugerida pelo fabricante, por isso,
sempre leia antes os rótulos e instruções técnicas. Essas condições incluem temperatura, luz e
exposição ao ar. Nesses rótulos, você também encontra informações sobre quanto tempo a fita
deve ficar em contato com a urina, o que é determinante para muitos testes. Além disso, para
relacionar a alteração de cor com um determinado resultado, usamos uma espécie de escala
comparativa que vem na embalagem das fitas reagentes.
 
Fonte: Lothar Drechsel/Shutterstock
 Teste da fita reativa para EAS de urina.
Na imagem, cada quadradinho de papel filtro que está preso à fita possui um reagente químico
diferente, que irá alterar de cor de acordo com a concentração de uma determinada substância
na urina. Um desses quadradinhos detecta nitrito, e outro esterase leucocitária.
Outra característica importante que pode ser facilmente analisada é a composição da urina.
Para ITU, focamos na identificação de leucócitos e bactérias, que serão vistos usando um
microscópio óptico e, nesses casos, não centrifugamos a urina. Lembrando que, normalmente,
a sedimentoscopia é feita após centrifugação, mas, para ITU, essa não é uma técnica indicada.
Durante a pesquisa por leucócitos, podemos colocar uma pequena quantidade de urina sobre
uma lâmina de vidro e por cima uma lamínula. Usando a lente objetiva de 40x, se forem vistos
mais de cinco leucócitos por campo de visão, informamos a presença de leucocitúria ou piúria.
Para a identificação de bactérias, usamos 10 µl de urina medida por uma alça bacteriológica
calibrada.
Essa pequena quantidade será colorida através do método de Gram. Depois disso, a presença
de uma ou mais células de bactérias por campo usando a objetiva de 100x, será relatado
bacteriúria.
 
Fonte: Wikimedia
 Bacterúria e piúria observadas em um exame microscópico da urina. Os leucócitos
são as células grandes e arredondadas, enquanto as bactérias são os pequenos traços finos
(bastões).
A leucocitúria e a bacteriúria não são 100% confiáveis para o diagnóstico de ITU. A
leucocitúria positiva acontece na grande maioria nos casos de ITU, mas também pode estar
presente em casos de cálculos renais, lúpus eritematoso sistêmico, tumor de bexiga, dentre
outras patologias. Exercício físico exaustivo ou contaminação da urina com fluidos vaginais
também podem gerar leucocitúria.
Por outro lado, a bacteriúria é bastante específica para ITU, ainda que bactérias da microbiota
possam causar confusão em alguns casos. Um outro ponto negativo é a difícil observação da
bactéria e, por isso, casos confirmados de ITU podem ter bacteriúria negativa no exame
microscópico.
URINOCULTURA
Por conta das limitações dos testes rápidos, a urinocultura é o exame de referência para
confirmar infecções do trato urinário (ITU). Diferentes meios de cultura podem ser usados para
urinocultura, mas todos com consistência sólida, porque só assim é possível visualizar
colônias.
Os três principais meio de cultura são Ágar Sangue de Carneiro, Ágar MacConkey (ou Ágar
Eosina Azul de Metileno -EMB-, que tem as mesmas propriedades) e Ágar Cistina Lactose
Eletrólito Deficiente (CLED). Podemos destacar algumas diferenças importantes entre esses
meios de cultura:
 
Fonte: Pixnio
O Ágar Sangue tem como qualidade marcante a presença de hemácias inteiras, que são
fontes ricas em nutrientes e podem ser usados para o cultivo de diferentes espécies
bacterianas. Outra vantagem é a visualização de hemólise por ação de certas espécies de
bactérias, como alguns Streptococcus e o Staphylococcus aureus.
javascript:void(0)
 
Fonte: AnaLysiSStudiO/Shutterstock
Sobre o Ágar MacConkey, é importante saber que se trata de um meio seletivo para bactérias
gram-negativas, portanto, gram-positivos não crescem nesse ambiente. Além disso, o Ágar
MacConkey possui corantes na sua composição que diferenciam, através da cor, bactérias que
realizam ou não a fermentação do açúcar lactose.
 
Fonte: Zaharia Bogdan Rares/Shutterstock
javascript:void(0)
javascript:void(0)
Já o Ágar CLED é muito usado porque, além de ser diferencial para a fermentação de lactose,
como o MacConkey, ele também impede que certas espécies de bactéria (como as do gênero
Proteus) cresçam se espalhando por toda placa, e assim, conseguimos observar colônias mais
definidas.
Apesar de mais caros, não podemos esquecer dos meios cromogênicos, que permitem a
identificação presuntiva de alguns agentes de ITU pela sua coloração característica após
crescimento, graças à ação de certos substratos do meio.
Uma abordagem possível é semear a amostra de urina em dois tipos de meio, um seletivo e
outro não seletivo, porque direciona a identificação da espécie bacteriana responsável pela
infecção. Por exemplo, se houver crescimento em MacConkey já sabemos que é um gram-
negativo e elimina a necessidade do Gram. Por outro lado, se não ocorre crescimento de
colônias no Ágar MacConkey mas elas aparecem em CLED ou Ágar Sangue, provavelmente, a
espécie bacteriana é um gram-positivo. Se o responsável pela ITU for um Staphylococcus
coagulase negativo, não veremos colônias no Ágar MacConkey, mas sim em Ágar Sangue e
em Ágar CLED. Se a bactéria isolada for uma Escherichia coli, veremos colônias em qualquer
um desses meios, além do que as colônias terão uma coloração rosa pink em MacConkey,
devido à fermentação da lactose.
No entanto, o gasto com meios de cultura aumenta muito, e usar o meio seletivo associados ao
resultado da coloração de Gram é a opção mais comum e de menor custo.
Depois de conhecer os meios de cultura, precisamos falar das principais técnicas de cultivo de
bactérias usando amostras de urina: contagem de colônias por técnica de semeadura
superficial, contagem de colônias por técnica de semeadura em profundidade e o
lamino-cultivo.
As técnicas de contagem de colônia oferecem resultados quantitativos, definindo um
número de bactérias por mL de urina. Esse resultado é importante para o diagnóstico de ITU e
para o acompanhamento do sucesso da terapia antimicrobiana. Já o lamino-cultivo é útil para
definir a presença ou ausência de microrganismos, mas por não ser exato em relação ao
número de bactéria é considerado semiquantitativo.
Para contagem de colônias por técnica de semeadura superficial, utilizamos uma alça
calibrada, que já foi citada na parte de microscopia da urina.
 
Fonte: Douglas Olivares/Shutterstock
 Profissional manipulando uma alça bacteriológica. Na foto, a alça não é descartável.
Essa alça serve

Continue navegando