Buscar

Apostila_TopInvest_CNPI-CB-da-Apimec

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 182 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 182 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 9, do total de 182 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

Julho de 2023
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil?sub_confirmation=1
https://simulados.topinvest.com.br/
https://t.me/topinvest_oficial
Sumário
Módulo 0 12
0 Conhecendo a prova 13
0.1 CB - Conteúdo Brasileiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
0.2 CG1 - Conteúdo Global 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
0.3 CT1 - Conteúdo Técnico 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
Módulo 1 15
1 Conceitos Básicos do Sistema Financeiro Nacional 16
1.1 Normativas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
1.2 Supervisoras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.3 Operacionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.4 Considerações Finais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.5 Conceitos Básicos do Sistema Financeiro Internacional . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
1.6 Conselho Monetário Nacional - CMN . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
1.7 Principais Atribuições do CMN . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
1.8 Banco Central do Brasil - Bacen . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
1.8.1 Suas principais atribuições? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
1.9 Comissão de Valores Mobiliários - CVM . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
1.9.1 Atribuições: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
1.9.2 Considerações Finais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
1.10 Banco do Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
1.11 Caixa Econômica Federal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
1.12 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
1.13 Conselho de Recursos do SFN . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
1.14 Participantes: Bancos Comerciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
1.15 Principais operações ativas dos Bancos Comerciais: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
1.16 Participantes: Múltiplos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
1.17 Participantes: De Investimento e Desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
1.17.1 Bancos de Investimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
1.18 Bancos de Desenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
1.19 Participantes: Cooperativas e Sociedades de Crédito Imobiliário . . . . . . . . . . . . 28
1.19.1 Cooperativas de Crédito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
1.20 Sociedades de Crédito Imobiliário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
1.21 Participantes: Companhias Hipotecárias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
1.22 Participantes: Corretoras e Distribuidoras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
1.23 Corretoras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
1.24 Distribuidoras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
1.25 Participantes: Sociedades de Arrendamento Mercantil . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
1.26 Desenho do Novo SPB -- Conceitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
1.27 Características Importantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
1.28 Clearing Houses . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
Módulo 2 35
2 Riscos e Retorno 36
2.1 Introdução ao Mercado de Capitais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
2.2 Introdução às Finanças Corporativas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
2.3 Definições de Risco e Retorno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
2.4 Teoria do Portfólio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
2.5 Beta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
2.6 CAPM . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
2.7 APM . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
2.8 B3: Ativos Negociados e Características . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
2.8.1 Brasil, Bolsa e Balcão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
2.9 Os Ativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
2.10 Operações em Bolsa -- Margem de Garantia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
2.11 Operações em Bolsa -- Liquidação Financeira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
2.12 Operações em Bolsa -- Taxas de Corretagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
2.13 Operações em Bolsa -- Custódia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
2.14 Operações em Bolsa -- Entrega de Ativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
2.15 Operações em Bolsa -- Emolumentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
2.16 Tipos de Operação -- Day Trade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
2.17 Maiores vantagens são: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
2.18 Tipos de Operação -- Compra e Venda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
2.19 Índices de Ações - IBOVESPA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
2.20 Índices de Ações -- IbrX e FGV-100 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
2.21 FGV-100 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
2.22 Índices de Ações -- Índices Setoriais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
2.23 Ações Preferenciais (PN) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
2.24 Ações Ordinárias (ON) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
2.25 PN x ON . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
2.26 Controle e Acordo de Acionistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
2.27 Deveres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
2.28 Responsabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
2.29 Acordo de Acionistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
2.30 ADR e BDR, Definições e Características . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
2.30.1 Brazilian Depositary Receipts -- BDR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
2.30.2 American Depositary Receipts -- ADR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
2.31 Remuneração do Acionista -- Dividendos, Juros Sobre Capital Próprio e Bonificação --
parte 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
2.31.1 Dividendos . . . . .. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
2.32 Remuneração de Acionistas -- Dividendos, Juros Sobre Capital Próprio e Bonificação --
pt 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
2.32.1 Juros Sobre Capital Próprio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
2.32.2 Bonificações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
2.33 Recompra de Ações e Direito de Retirada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
2.33.1 Recompra de Ações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
2.33.2 Direito de Retirada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
2.34 Direito dos Minoritários de Ações Ordinárias e Preferenciais . . . . . . . . . . . . . . 58
2.35 Base de Cálculo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
2.36 Pagamento de Imposto de Pessoas Físicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
2.37 Pagamento de Imposto de Pessoas Jurídicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
2.37.1 Pessoa jurídica "simples nacional": . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
2.38 Pessoa jurídica "lucro presumido": . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
2.39 Pessoa jurídica "lucro real": . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
2.40 Incidência de Outros Impostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
2.40.1 Debêntures e Notas Promissórias ("Commercial Papers") . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
2.41 Debêntures . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
2.42 Notas Promissórias ou "Commercial Papers" . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
2.43 Tipos de Debêntures . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
2.43.1 Debênture Simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
2.43.2 Debêntures Conversíveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
2.43.3 Sistema Nacional de Debêntures (SND) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
2.43.4 Funcionamento: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
2.44 Negociação com Debêntures e Notas Promissórias ("Commercial Papers") . . . . . . . 63
2.44.1 Debêntures . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
2.44.2 Notas Promissórias ou "Commercial Papers" . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
2.45 Agente Fiduciário e Assembleia de Debenturistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
2.45.1 Agente Fiduciário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
2.46 Assembleia de Debenturistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
2.47 Bônus de Subscrição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
2.48 Diluição e Preferência do Bônus de Subscrição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
2.49 Alíquota de Debêntures . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
2.50 Tributação em Operações com Debêntures, Notas Promissórias e Bônus de Subscrição . 67
2.50.1 Fato Gerador e Base de Cálculo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
2.51 Tributação em Operações com Debêntures, Notas Promissórias e Bônus de Subscrição . 67
2.51.1 Incidência de Outros Impostos nas Operações com Debêntures . . . . . . . . . . . . . . . 67
2.52 Companhias Abertas e Fechadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
2.52.1 Diferenças entre Companhias Abertas e Fechadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
2.53 Divulgação de Informações ao Mercado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
2.54 Abertura de Capital . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
2.55 Registro na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Divulgação de Informações . . . 70
2.55.1 Registro na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
2.56 Divulgação de Informações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
2.57 Ofertas Públicas: Distribuição Primária e Secundária de Valores Mobiliários . . . . . 71
2.57.1 Ofertas Públicas de Valores Mobiliários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
2.58 Distribuição Primária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
2.59 Distribuição Secundária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
2.60 Oferta Pública "Initial Public Offering" (IPO) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
2.61 Papel do Coordenador da Oferta e das Demais Instituições . . . . . . . . . . . . . . . . 72
2.61.1 Descrição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
2.62 Obrigações, Responsabilidades, Análises e Tratamento das Informações . . . . . . . . 72
2.63 Tipos de Oferta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
2.63.1 Oferta de Garantia Firme . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
2.63.2 Oferta de Garantia de Melhores Esforços . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
2.63.3 Sistemas de Ofertas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
2.64 Leilões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
2.64.1 Rateio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
2.65 Fechamento de Capital e Oferta Pública de Compra de Ações (OPA) . . . . . . . . . . . . 75
2.66 Recuperação Judicial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
2.66.1 Definição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
2.67 Preferência dos Credores e Acionistas em Recuperações Judiciais . . . . . . . . . . . . 78
2.68 Conceitos de "Rating" . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
2.69 Agências de "Rating" . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
2.70 Tipos de "Rating" . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
2.70.1 "Rating" Soberano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
2.70.2 "Rating" de Crédito Corporativo e Operações Estruturadas . . . . . . . . . . . . . . . . 79
2.71 Fundos de Investimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
2.71.1 Conceitos de Fundos de Investimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 80
2.72 Tipos de Fundos de Investimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
2.73 Administração de Recursos de Terceiros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
Módulo 3 83
3 Regimes de Capitalização: Contínua e Descontínua 84
3.1 Regimes de Capitalização: Contínua e Descontínua . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
3.2 Capitalização Contínua . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
3.3 Capitalização Descontínua . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
3.4 Juros Simples versus Juros Compostos: Valor Atual e Valor Futuro. . . . . . . . . . . 85
3.4.1 Juros Simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
3.4.2 Juros Compostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
3.5 Taxas Proporcionais e Taxas Equivalentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
3.5.1 Taxas Proporcionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
3.6 Taxas Equivalentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
3.7 Taxa Nominal e Taxa Real . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
3.7.1 Taxa Nominal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
3.7.2 Taxa Real . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
3.8 Anuidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
3.9 Rendas ou anuidades antecipadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
3.10 Rendas ou anuidades postecipadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
3.11 Rendas ou anuidades diferidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
3.12 Resolução com HP-12C: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
3.13 Taxa Interna de Retorno e Valor Presente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
3.14 Valor Presente Líquido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
3.15 Taxa Interna de Retorno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
3.16 Medidas de Retorno: Média Aritmética e Média Geométrica . . . . . . . . . . . . . . . . 93
3.16.1 Média Aritmética . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
3.16.2 Fórmula: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
3.16.3 Média Geométrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
3.17 Medidas de Dispersão: Desvio Padrão e Variância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
3.17.1 Desvio Padrão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
3.18 Variância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
3.19 Cálculo de Correlação e Covariância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
3.19.1 Covariância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
3.20 Correlação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
3.21 Títulos Públicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
3.22 Mercado Primário e Mercado Secundário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
3.23 Tesouro Direto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
3.24 Títulos Privados: Características e Cálculo da Rentabilidade . . . . . . . . . . . . . . 100
3.24.1 Certificado de Depósito Bancário (CDB) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
3.24.2 Letra de Câmbio (LC) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
3.24.3 Letras Hipotecárias (LH) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
3.24.4 Rentabilidade dos Títulos Privados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
3.24.5 Carregamento Diário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
3.24.6 Marcação a Mercado: Metodologia e Curva do Papel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
3.24.7 Marcação a Mercado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
3.25 Curva do Papel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
3.26 Precificação de Títulos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
3.27 Estrutura a Termo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
3.27.1 Estrutura a Termo de Taxas de Juros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
3.28 Fatores Geradores de Tributação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
Módulo 4 108
4 Aspectos Gerais sobre a Negociação no Mercado de Derivativos 109
4.1 Função Econômica e Conceituação do Mercado Derivativo . . . . . . . . . . . . . . . . 109
4.2 Contratos a Termo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
4.3 Contratos a Futuro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
4.4 Contrato de Opções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
4.5 Precificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
4.6 Contratos de "Swaps" . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
4.7 Derivativos de Derivativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
4.7.1 Conceitos e Definições Fundamentais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
4.8 Os Participantes do Mercado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
4.8.1 "Hedgers" . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
4.8.2 Especuladores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
4.8.3 Arbitradores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
4.8.4 Captadores e Aplicadores de Recursos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
4.8.5 "Market Makers" . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
4.8.6 Manipuladores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
Módulo 5 117
5 Base Monetária, Meios de Pagamentos, Metas de Inflação e COMPOM 118
5.1 Base Monetária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
5.1.1 Meios de Pagamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
5.1.2 Metas de Inflação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
5.2 Comitê de Política Monetária (COPOM) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
5.3 Balanço de Pagamentos e Regimes Cambiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
5.3.1 Balanço de Pagamentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
5.3.2 Conta Corrente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
5.3.3 Conta de Capitais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
5.3.4 Conta Financeira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
5.3.5 Regimes Cambiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
5.4 Superávit Primário e Superávit Nominal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
5.4.1 Superávit primário . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
5.4.2 Superávit nominal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
5.5 Dívidas Interna e Externa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
5.5.1 Dívida Pública Federal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
5.5.2 Dívida Externa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . . . . . . 124
5.5.3 Dívida Interna . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
5.6 Indicadores de Atividade Econômica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
5.6.1 Produto Interno Bruto (PIB) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
5.7 Inflação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
5.8 Contas Nacionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
5.9 Conceitos Básicos de Microeconomia e Macroeconomia . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
5.9.1 Microeconomia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
5.9.2 Demanda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
5.9.3 Oferta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
5.10 Curvas de Oferta e de Demanda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
5.10.1 Equilíbrio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
5.11 Concorrência Perfeita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
5.12 Concorrência Monopolística . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
5.13 Monopólio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
5.14 Elasticidade de Preço e de Renda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
5.14.1 Bens Substitutos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
5.14.2 Bens Complementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
5.14.3 Externalidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
5.15 Índices de Preços . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
5.15.1 Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
5.16 Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
5.17 Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
5.18 Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Getúlio Vargas (IPC/FGV) . . . . . . . . . 133
5.19 Índice Nacional de Custos da Construção (INCC) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
5.20 Índice de Preços por Atacado (IPA) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
5.21 Índice de Preços da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE) . . . . . . . . . 134
5.21.1 PIB pela Demanda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
5.22 Produção Industrial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
5.23 Índices de Referência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
5.24 Taxa do Certificado de Depósitos Interbancários (CDI) . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136
5.25 Taxa do Sistema Especial de Liquidação e Custódia (SELIC) . . . . . . . . . . . . . . . . 136
5.26 Taxa de Referência (TR) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136
5.27 Taxa de Juros a Longo Prazo (TJLP) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136
5.28 PTAX . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
Módulo 6 138
6 Código de Conduta 139
6.1 Conflitos de Interesse . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140
6.2 Risco de Imagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
6.3 Manejo e Divulgação de Informações Privilegiadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
6.3.1 Relacionamento com Clientes, Lavagem de Dinheiro e Uso de Informações Privilegiadas . . . 141
6.4 Segregação de Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
6.5 Crime de Lavagem de Dinheiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
6.6 Relacionamento da Instituição com o Cliente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
6.7 A Atividade do Analista de Valores Mobiliários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
6.8 Normas de Conduta: Responsabilidade e Vedações da Instrução 498/18 da Comissão de
Valores Mobiliários (CVM) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
6.9 Fiscalização e Supervisão da Atividade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
Módulo 7 149
6.10 Governança Corporativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
6.10.1 Conceitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
6.11 Características dos Níveis ou Segmentos Especiais de Governança . . . . . . . . . . . 150
6.11.1 Características das ações emitidas: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150
6.12 Composição do conselho de administração: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
6.13 Obrigações do conselho administrativo: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
6.13.1 Demonstrações financeiras: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
6.13.2 Divulgação adicional de informações: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
6.14 Saída do segmento e oferta pública de aquisição de ações: . . . . . . . . . . . . . . . . 153
6.15 Adesão à câmara de arbitragem do mercado: . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
6.16 Comitê de auditoria, auditoria interna e "compliance": . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
6.17 Índices de Governança Corporativa e de "Tag Along" . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
6.17.1 Índices de Governança Corporativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154
6.17.2 Índice de "Tag Along" . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154
6.18 Relação com Investidores: Princípios e Práticas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 154
Módulo 8 155
7 Evolução das Questões ASG no Ambiente Corporativo 156
7.1 Principais Desafios Socioambientais e de Governança . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
7.2 Conceitos de Responsabilidade Corporativa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
7.3 Drivers de Risco e Oportunidades de Negócio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158
7.4 Integração ASG no Mercado de Investimentos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
7.5 Os Princípios para o Investimento Responsável . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160
7.6 Acordos Voluntários e Iniciativas da Indústria de Investimentos . . . . . . . . . . . . 160
7.7 Índices de Sustentabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
7.8 Regulação das Questões ASG . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
7.9 O Dever Fiduciário e as Questões ASG . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
7.10 Resoluçõese Instruções (Resolução4.661/2017, 4.327/2014, InstruçãoCVM552/2015,
587/2017) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
7.11 Estratégia de Investimento Responsável . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
Glossário 164
11
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficialhttps://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
Módulo 0
Conhecendo a Prova
Este módulo foi criado e dedicado especialmente para você poder conhecer
basicamente como a prova da CNPI funciona e conhecer algumas técnicas de
estudos.
Conhecendo a prova
OProgramadeCertificaçãodaApimecéumprogramadequalificaçãoparaprofis-
sionais de investimentos orientados para os mercados financeiro e de capitais no
Brasil. De uma maneira geral, os participantes deste programa possuem, ou pre-
tendem desenvolver, experiência profissional nas seguintes áreas:
• Administração de Recursos
• Consultoria
• Análise e Pesquisa Financeira
• Investment Banking
• Finanças Corporativas
• Administração de Riquezas
• Relações com Investidores
• Vendas e Operações nos Mercados Financeiros e de Capitais
Os exames são oferecidos pela Apimec, em geral em tempo contínuo, e são real-
izados nos Centros de Testes da FGV distribuídos em praticamente todo território
nacional. A certificação está dividida em três categorias: CNPI para o analista
fundamentalista, CNPI-T para o analista técnico e CNPI-P para o analista pleno
(fundamentalista e técnico). Para obtenção da certificação o profissional deve ser
aprovado nos seguintes exames:
0.1. CB - Conteúdo Brasileiro
fase comumpara o analista fundamentalista, técnico e pleno. Uma prova de duas
horas de duração com 60 questões de múltipla escolha contendo as seguintes
matérias: Sistema Financeiro Nacional, Mercado de Capitais, Mercado de Renda
Fixa, Mercado de Derivativos, Conceitos Econômicos, Conduta e Relacionamento,
Governança Corporativa, Relações com Investidores e Sustentabilidade.
13
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
0.2. CG1 - Conteúdo Global 1
fase para o analista fundamentalista. Uma prova de duas horas de duração com
60 questões de múltipla escolha contendo as seguintes matérias:
• Análise e Avaliação de Ações e Finanças Corporativas: 30 questões;
• Contabilidade Financeira e Análise de Relatórios Financeiros: 30 questões
0.3. CT1 - Conteúdo Técnico 1
faseparaoanalista técnico. Umaprovadeduashorasdeduraçãocom60questões
de múltipla escolha contendo as seguintes matérias: Fundamentos da Análise
Técnica; Teoria de Dow, Conceito de Tendência, Figuras Gráficas, Teoria das Ondas
de Elliott, Padrões Candlestick; Indicadores, Gerenciamento de Risco, Estratégias
Operacionais e Trading Systems.
• O profissional aprovado no CB e CG1 será certificado com o CNPI (recomen-
dações através de relatórios de análise fundamentalista).
• Oprofissional aprovado no CB e CT1 será certificado comoCNPI-T (recomen-
dações através de relatórios de análise gráfica).
• Oprofissional aprovado no CB, no CG1 e no CT1 será certificado comoCNPI-P
(reco- mendações através de relatórios de análise fundamentalista e/ou grá-
fica.
O candidato poderá se inscrever separadamente em qualquer dos exames pelo
site LINK
<www.fgv.br/certapimec>
O candidato terá o prazo de 12 (doze) meses, contados da data da reali- zação
do primeiro exame em que foi aprovado, para ser aprovado no outro exame. A
perda deste prazo implicará em nova inscrição e aprovação nos exames. Os ex-
ames poderão ser agendados em diferentes datas.
14
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
 www.fgv.br/certapimec
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
Módulo 1
Conceitos Básicos do Sistema
Financeiro Nacional
Conceitos Básicos do Sistema Financeiro Nacional
SFN, oumelhor, Sistema Financeiro Nacional é o tema que será apresentado hoje.
Falamos de toda a rede de instituições e entidades presentes no governo que nos
permitirão o controle e tambéma integração daquilo que tem relação comomer-
cado financeiro.
Não obstante, o seu objetivo é integrar omercado financeiro com a economia, re-
alizando todo o controle, regulamentação e fiscalização. São vários entes e várias
partesque integramessas "instituições eentidades" visando funcionardemaneira
adequada dentro do sistema nacional.
Essa estrutura surgiu e foi regulamentada no de 1964, em lei, chamada de Lei da
Reforma Bancária, sendo responsável por direcionar tudo que envolve a relação
do mercado financeiro com a economia.
Sua estrutura pode ser subdividida em entidades:
1. Normativas;
2. Supervisoras;
3. Operacionais.
1.1. Normativas
Falamos da entidade responsável pelas políticas e diretrizes gerais do sistema fi-
nanceiro. Define quais são as políticas e o direcionamento necessário. São enti-
dades colegiadas, comatribuições específicas e utilizam-se de estruturas técnicas
de apoio para a tomada de decisões.
- Conselho Monetário Nacional -- CMN;
- Conselho Nacional de Seguros Privados -- CNSP;
- Conselho Nacional de Previdência Complementar -- CNPC.
16
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
1.2. Supervisoras
Essas assumemas funções executivas, tais como fiscalização das instituições, reg-
ulamentação das decisões tomadas pelas entidades normativas ou atribuições
outorgadas a elas diretamente pela lei.
- Banco Central do Brasil -- BCB;
- Comissão de Valores Mobiliários -- CVM;
- Superintendência de Seguros Privados -- SUSEP;
- Superintendência Nacional de Previdência Complementar -- PREVIC.
1.3. Operacionais
Referimos a todas as demais instituições financeiras, monetárias ou não, oficiais
ou não, como também demais instituições auxiliares, responsáveis, entre outras
atribuições, pelas intermediações de recursos, entre poupadores e tomadores ou
pela prestação de serviços.
- Bancos Comerciais;
- Cooperativas de Créditos;
- Corretoras de Valores Mobiliários.
1.4. Considerações Finais
Oconceito necessário a ser aprendidonessa aula équeoSFNéumconjuntode in-
stituições financeiras e de instrumentos financeiros, que visam transferir recursos
dos agentes econômicos -- sendo esses agentes, as pessoas, as empresas e o gov-
erno -, fazendo essa transferência entre agentes superavitários para os deficitários,
sendo essa a relação comum.
Esse sistema financeiro foi instituído e organizado por lei, como já mencionado.
Essas informações precisam estar emmente na hora da prova.
Exemplo:
Quem são os entes desse sistema? Nós, os bancos e o governo. A característica
17
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
desse grupo é a de movimentar dinheiro. Se temos uma empresa de fabricar
chinelos, por exemplo, somos um agente movimentador de dinheiro, localizados
em Caxias do Sul, e no RJ existe uma empresa de lanches, qual será a nossa re-
lação para com essa empresa? Se somos um agente superavitário e o lanche foi
deficitário, então, as instituições financeiras irão fazer essa integração entre as em-
presas por meio de um investimento nas instituições financeiras que irá nos pa-
gar, já a empresa do RJ, terá de pegar dinheiro emprestado para tentar equalizar
a sua situação, eles pagando taxas e nós recebemos uma taxa por emprestarmos
à instituição.
1.5. Conceitos Básicos do Sistema Financeiro InternacionalBasicamente, o SFI é o sistema financeiro nacional atuando em conjunto com
entidades internacionais. Logo, falamos das relações de troca ou negócios en-
tre moedas, atividades, fluxos monetários, financeiros, empréstimos, pagamen-
tos, aplicações financeiras internacionais, entre bancos, bancos centrais, governos,
empresas ou organismos internacionais.
Foi criado em 1944, com uma conferência realizada e intitulada "Bretton Woods",
se tornando o símbolo na organização econômica mundial. Onde foi criado duas
instituições importantes:
- Fundo Monetário Internacional (FMI);
- Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD).
O FMI é uma instituição de grande projeção que influencia todo o sistema finan-
ceiro internacional. Sendo suas funções:
- Garantir a estabilidade do mercado de câmbio;
- Evitar grandes oscilações na cotação entre as moedas;
- Passa a desenvolver essa atividade a partir do padrão dólar-ouro (manutenção
dos fluxos de comércio).
O BIRD, criado em 1944 e começou a atuar em 1947, tendo as suas principais
funções em:
- Inicialmente, prover a reconstruçãodaEuropa, sua recuperação econômica. Tem
papel secundário devido à presença do Plano Marshall;
- Promoção do desenvolvimento internacional. É onde ganha a sua maior pro-
18
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
jeção.
1.6. Conselho Monetário Nacional - CMN
Falamos do órgão deliberativo máximo do Sistema Financeiro Nacional, essa é
a melhor definição do CMN. Ele aconselha e não executa, apenas tem funções
normativas. Vale lembrar que ele foi criado pela Lei 4.595/1964, iniciando efetiva-
mente em 31 de março de 1965.
Sendo composto por três membros:
- Ministro da Economia (Paulo Guedes);
- Presente do Banco Central (Roberto Campos Neto);
- Secretário Especial da Fazendo (Waldery Rodrigues Junior).
É importante saber que são três membros e de onde eles vêm.
Esse órgão cria e regulamenta as principais diretrizes do funcionamento do SFN,
isso significa que essas instituições estão sob essa direção.
1.7. Principais Atribuições do CMN
1. Adequar o volume dos meios de pagamento às necessidades de economia;
2. Regular o valor interno da moeda através da definição da meta da inflação,
para evitar o desequilíbrio que reflete no poder de compra do consumidor;
3. Equilibrar o valor externo da moeda para utilizar de forma adequada os re-
cursos estrangeiros;
4. Direcionar o emprego do capital em instituições financeiras públicas e pri-
vadas para oferecer desenvolvimento às diferentes regiões do país;
5. Incentivar o aprimoramento de instrumentos do sistema e mobilidade de
recursos apropriadamente;
6. Prezar pela liquidez, que é a capacidade de sacar o dinheiro a qualquer mo-
mento;
7. Coordenar as políticas de crédito,monetária, orçamentária, da dívida pública
e fiscal;
19
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
8. Aprova os orçamentos elaborados pelo Banco Central;
9. Disciplinar crédito para evitar o endividamento excessivo do consumidor;
10. Limitar descontos, taxas de juros, comissões e mais;
11. Regulamentar as operações.
1.8. Banco Central do Brasil - Bacen
Falamos de uma autarquia federal que tem como principal missão institucional
assegurar a estabilidade do poder de compra da moeda nacional e um sistema
financeiro sólido e eficiente. O Bacen foi criado em 1964, com a promulgação da
Lei de Reforma Bancária (Lei n. 4.595 de 31/12/64).
Para a prova precisamos saber o que o Bacen faz, se aconselha ou executa, se
dá diretrizes. Por exemplo, se o CMN nos diz que a meta de inflação será de 5%
para 2022, logo o Bacen irá buscar atingir essa meta inflacionária. Outra coisa
importante, é saber que o Bacen é conhecido como o banco dos bancos.
A partir da constituição de 1988, a emissão de moeda ficou a cargo exclusivo do
Bacen. O presidente do Bacen e os seus diretores são nomeados pelo Presidente
da República após a aprovação prévia do Senado Federal, que é feita por uma
arguição pública e posterior votação secreta.
1.8. Suas principais atribuições?
- Assegurar a estabilidade do poder de compra damoeda nacional e da solidez do
SFN;
- Executar a políticamonetáriamediante utilização de títulos do TesouroNacional;
- Fixar a taxa de referência para as operações compromissadas de um dia, con-
hecidas como taxa SELIC;
- Controlar as operações de crédito das instituições que compõem o SFN;
- Formular, executar e acompanhar a política cambial e de relações financeiras
com o exterior;
- Fiscalizar as instituições financeiras;
- Emitir papel-moeda, tendo autonomia para decidir o volume e o momento;
20
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
- Executar os serviços do meio circulante para atender à demanda de dinheiro
necessária às atividades econômicas;
- Manter o nível de preços (inflação) sob controle;
- Manter sob controle a expansão da moeda e do crédito e a taxa de juros;
- Operar no mercado aberto, de recolhimento compulsório e de redesconto;
- Executar o sistema de metas para a inflação;
- Divulgar as decisões do CMN;
- Manter ativos de ouro e de moedas estrangeiras para atuação nos mercados de
câmbio;
- Administrar as reservas internacionais brasileiras;
- Zelar pela liquidez e solvência das instituições financeiras nacionais;
- Conceder autorização para o funcionamento das instituições financeiras.
1.9. Comissão de Valores Mobiliários - CVM
Basicamente, a CVM atua livremente, seguindo uma diretriz normativa apenas.
Falamos de umaentidade autárquica em regime especial, vinculada aoMinistério
da Economia, compersonalidade jurídica e patrimônio próprios, dotadade autori-
dadeadministrativa independente, ausênciade subordinaçãohierárquica,mandato
fixo e estabilidade de seus dirigentes, e autonomia financeira e orçamentária.
Com isso em mente, precisamos saber que ela foi criada em 07/12/1976 pela Lei
6.385/76, com o objetivo de fiscalizar, normatizar, disciplinar e desenvolver o mer-
cado de valores mobiliários no Brasil.
É administrada por um presidente e quatro diretores, nomeados pelo Presidente
da República e aprovados pelo Senado. Formando um colegiado, onde os inte-
grantes têm mandato de cinco anos. Esse colegiado define as políticas e estab-
elece as práticas a serem implantadas e desenvolvidas pelas superintendências,
as instâncias executoras.
1.9. Atribuições:
- Estimular a formação de poupança e sua aplicação em valores mobiliários;
21
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
- Assegurar e fiscalizar o funcionamento eficiente das bolsas de valores, do mer-
cado de balcão e das bolsas de mercadorias e futuros;
- Proteger os titulares de valores mobiliários e os investidores do mercado contra
emissões irregulares de valor mobiliários e contra atos ilegais de administradores
de companhias abertas ou de carteira de valores mobiliários;
- Evitar ou coibir modalidade de fraude ou de manipulação que criem condições
artificiais dedemanda, oferta oupreçodos valoresmobiliários negociadosnomer-
cado;
- Assegurar o acessodo público a informações sobre os valores mobiliários nego-
ciados e sobre as companhias que os tenham emitido;
- Assegurar o cumprimentodepráticas comerciais equitativas nomercado valores
mobiliários;
- Assegurar o cumprimento, no mercado, das condições de utilização de crédito
fixadas pelo CMV;
- Realizar atividadesdecredenciamentoefiscalizaçãodeauditores independentes,
administradores de carteiras de valores mobiliários, agentes autônomos, entre
outros;
- Fiscalizar e inspecionar as companhias abertas e os fundos de investimento;
- Apurarmediante inquérito administrativo, atos ilegais e práticas não-equitativas
de administradores de companhias abertas e de quaisquer participantes domer-
cado de valores mobiliários, aplicando as penalidades previstas em lei;
- Fiscalizar e disciplinar as atividades dos auditores independentes, consultores e
analistas de valores mobiliários.
1.9. Considerações Finais
NósprecisamosentenderqueaCVMéquemfiscaliza as empresas e instituições fi-
nanceiras, para que nós, os investidores, tenhamos a segurança para investir. Essa
fiscalização nos protegerá de fraudes e manipulações de valores, para que nosso
dinheiro não seja perdido; com isso, entendemos que o objetivo principal da CVM
é que haja a possibilidade de colocar, com segurança, dinheiro nos valores mobil-
iários.
22
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
1.10. Banco do Brasil
Falamos do mais antigo banco comercial do Brasil, que foi criado em 12 de out-
ubro de 1808, pelo príncipe D. João. Sendo uma sociedade de economiamista de
capitais públicos e privados. Uma empresa aberta que possui ações cotadas na
Bolsa de Valores de SP (BM&FBOVESPA).
Ele opera como agente financeiro do Governo Federal e é o principal executor
das políticas de crédito rural, industrial e de banco comercial do Governo. Basica-
mente, ele possui três funções principais, sendo a primeira delas a de ser agente
financeira; a segunda, a função de ser um banco comercial; e, por fim, a terceira
função, que é ser um banco de investimento em desenvolvimento.
Possui conceituados programas nas áreas da saúde, previdência, capitalização e
seguros. Atendendo as pessoas de baixa renda com a criação do BPB (Bancopop-
ular do Brasil) à partir de 2003, oferecendo uma conta corrente simplificada, em-
préstimos a juros reduzidos, cartões de débito, poupança e cartões de crédito.
Está presente em diversos segmentos culturais e artísticos, e até esportivos.
1.11. Caixa Econômica Federal
A Caixa é uma empresa, ao contrário do Banco do Brasil, completamente pública
e não possui ações em bolsa. Foi criada em 12 de janeiro de 1861, por Dom Pedro
ll, com o propósito de incentivar poupança e de conceder empréstimos sob pen-
hor. É a instituição financeira responsável pela operacionalização das políticas do
Governo Federal (Minha Casa Minha Vida) para habitação popular e saneamento
básico.
Além dessas atividades, precisamos saber que a Caixa também atende crédito
educativo, financiamento habitacional, pagamento do FGTS (Fundo de Garantia
do Tempo de Serviço), PIS (Programa de Integração Social) e seguro-desemprego
e aos beneficiários de programas sociais e apostadores das Loterias -- das quais
detém omonopólio desde 1961.
Por exemplo, a Caixa cuidará dos pagamentos de FGTS e seguro-desemprego
para quem foi demitido sem justa causa. E também, daqueles que querem jogar
nas loterias.
23
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
1.12. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social
BNDES, ou melhor, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Foi
criado em 1952, como autarquia federal, hoje é uma empresa pública vinculada ao
Ministério doDesenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, compersonalidade
jurídica de direito privado e patrimônio próprio.
Sendo ele o responsável pela política de investimento a longo prazo do Governo
Federal necessário ao fortalecimento da empresa privada nacional. Conta com al-
gumas linhas de apoio para financiamento de longo prazo a custos competitivos,
para o desenvolvimento de projetos de investimentos e para a comercialização
de máquinas e equipamentos novos, fabricados no país, bem como para incre-
mento das exportações brasileiros, com o objetivos de fortalecer a estrutura de
capital das empresas privadas e desenvolvimento do mercado de capitais.
Ou seja, ele faz uma gestão de apoio para o desenvolvimento econômico e social
do Brasil.
Não obstante, ele conta comduas subsidiárias integrais, a FINAME (Agência Espe-
cial de Financiamento Industrial) e a BNDESPAR t(BNDES Participações), criadas
com o objetivo de financiar a comercialização demáquinas e equipamentos: e de
possibilitar a subscrição de valores mobiliários no mercado de capitais brasileiro.
As três empresas, juntas, compreendem o chamado "Sistema BNDES".
1.13. Conselho de Recursos do SFN
Falamos de um órgão colegiado, de segundo grau, integrante da estrutura do
Ministério da Economia, servindo para julgar em última instância administrativa,
os recursos contra as sanções aplicadas pelo BACEN e CVM, nos processos de
lavagem de dinheiro, as sanções aplicadas pelo COAF, SUSEP e demais autori-
dades competentes. É procedimento de recorrer às decisões, não tendo nada de
penal e judiciária.
Constituído por:
- Um representante do Ministério da Economia;
- Um representante do Banco Central do Brasil;
- Um representante da Secretaria de Comércio Exterior;
24
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
- Um representante da Comissão de Valores Mobiliários (CVM);
- Quatro representantes das entidades de classe dos mercados afins, por estas
indicados em lista tríplice.
Totalizando, então, oito representantes que formam o Conselho de Recursos do
Sistema Nacional Financeiro.
Entidades de classe que integram o CRSFN:
- Abrasca (Associação Brasileira das Companhias Abertas);
- Anbid (Associação Nacional dos Bancos de Investimento);
- CNBV (Comissão de Bolsas de Valores);
- Febraban (Federação Brasileira das Associações de Bancos);
- Abel (Associação Brasileira das Empresas de Leasing);
- Adeval (Associação das Empresas Distribuidoras de Valores);
- AEB (Associação de Comércio Exterior do Brasil).
Logo, as quatro primeiras entidades têm assento no Conselho como membros-
titulares. Sendo nomeadas pelo Ministro da Economia. Essas informações caem
na hora da prova, nossa sugestão é para que saibamaquantidade de conselheiros
e as entidades de cabeça.
1.14. Participantes: Bancos Comerciais
Falamos de uma instituição financeira constituída obrigatoriamente sob a forma
de Sociedade Anônima; exceto o Banco do Brasil.
Sendo o seu objetivo proporcionar o suprimento oportuno e adequado dos re-
cursos necessários para financiar a curto e médio o comércio, a indústria, as em-
presas prestadoras de serviço e as pessoas físicas. Em suma, são intermediários
financeiros que recebem recursos de quem tem e distribuem através do crédito
seletivo a quem necessita de recursos.
As prestações de serviços dos Bancos Comerciais:
- Pagamentos;
- Recebimentos;
25
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB- Transferências de Fundos e de Ordem de Pagamento;
- Cobranças Diversas;
- Tributos Públicos: imposto e tarifa;
- Aluguel de Cofre e Custódia de Valores;
- Serviços de Câmbio (troca de moeda).
1.15. Principais operações ativas dos Bancos Comerciais:
- Concessão de Créditos: pessoal, rural e empresarial;
- Recursos para as instituições de: assistência financeira, operação de câmbio e
spread bancário.
Lembrando, emtodaconcessãooBancocobra jurosparao conceber, dessamaneira
o banco vai ganhandodinheiro e arrecadando valores para si. Os bancos oferecem
diversos produtos, de diversas modalidades para captar clientes.
1.16. Participantes: Múltiplos
São instituições financeiras que realizam as operações e acessórias das diversas
instituições financeiras, por meio das:
- Carteiras Comerciais;
- De investimento;
- De crédito imobiliário;
- De arrendamento mercantil;
- De crédito;
- De financiamento.
Assim, é claro, por meio destas instituições é possível obter todos os serviços que
um banco tradicional oferece. Esses bancos podem oferecer diversas modali-
dades de carteiras e produtos, a ideia é de ter multiplicidade de possibilidades.
No Brasil, temos como principais bancos múltiplos:
- Santander;
26
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
- Banco do brasil;
- Itaú;
- Bradesco;
- Caixa Econômica Federal.
Lembrando, em dois desses bancos, nós possuímos a presença do governo em
sua atuação. Para a prova, se faz necessário entender que para ser múltiplo ele
terá de ter algodebanco comercial e de investimento, e queeles visamaeficiência
operacional e redução de custos.
Existe, também, a questão da publicação de balanços, onde um banco múltiplo
nos proporciona uma redução de custos na hora dessa publicação de balanços.
Sendo mais fácil quando os bancos não são tão segmentados.
1.17. Participantes: De Investimento e Desenvolvimento
1.17. Bancos de Investimento
De acordo com o Banco Central, são aquelas instituições financeiras de caráter
privado que possuem especialização em participação societária em caráter tem-
porário em outras empresas.
Estas empresas têmcomofinalidade básica o financiamento de atividades produ-
tivas através de empréstimos de capital fixo ou de giro. Também realizam ainda
a administração de recursos de terceiros.
Não obstante, elas devem também ser obrigatoriamente constituídas sob forma
de sociedadeanônima (sociedadepor ações). Alémdisso, énecessárioqueadotem
em seu nome a denominação "Banco de Investimento". Só será umBanco de De-
senvolvimento se estiver disposto em seu nome essa classificação.
Os Bancos de Investimento são diferentes dos bancos comerciais, pois não pos-
suem captação de depósitos à vista (contas correntes). Não é possível depositar
em conta corrente.
Principais serviços:
- Oferta Inicial de Ações;
- Administração de Fundos de Investimentos;
27
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
- Administração de Recursos;
- Debêntures;
- Leasing Financeiro;
- Assessoria Financeira;
- Clubes de Investimento.
1.18. Bancos de Desenvolvimento
São instituições financeiras controladas pelos governos estaduais. Por exemplo, o
BNDES é considerado umbanco de desenvolvimento, mas é organizado por uma
empresa pública federal, portanto não é de desenvolvimento.
Eles têm como função fornecer linhas de crédito para programas e projetos que
visam promover o desenvolvimento econômico e social do respectivo Estado.
Devem ser constituídos sob a forma de sociedade anônima, com sede na cap-
ital do Estado. Logo, obrigatoriamente deve ter em sua denominação social a
expressão "Banco de Desenvolvimento".
Fazem operações ativas que são empréstimos e financiamentos, dirigidos priori-
tariamente ao setor privado.
Principais Bancos de Desenvolvimento:
- Bandes (Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo);
- BDMG (Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais);
- BRDE (Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul).
Percebam que todos eles possuem sua classificação no nome, então, não tem
como errar na hora da prova!
1.19. Participantes: Cooperativas e Sociedades de Crédito Imobiliário
1.19. Cooperativas de Crédito
Nada mais são do que instituições financeiras sem fins lucrativos, fundadas pela
associação voluntária de umprojeto. Uma cooperativa pode fazermuita coisa que
28
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
um banco comum faz. Ela pode realizar TEDs, DOCs, aplicações financeiras, ou
seja, tudo o que um banco comum pode fazer. Não é porque ela não possui fins
lucrativos que ela não terá resultados, seu lucro é substituído por superávit, e o
seu prejuízo será déficit.
Não obstante, por serem ummodelo de negócio, as cooperativas se tornam atra-
tivas frente às outras instituições financeiras, visto que, podem apresentar taxas
mais baratas, atendimentos personalizados,maior automação e omais legal: bus-
cam o desenvolvimento regional junto com a participação dos associados.
Principais delas:
- Sicred;
- Unicred;
- Cresol.
1.20. Sociedades de Crédito Imobiliário
Falamos de instituições das quais o seu foco consiste no financiamento para con-
strução de habitações, na abertura de crédito para compra ou construção de casa
própria e no financiamento de capital de giro a empresas incorporadoras, produ-
toras e distribuidoras de material de construção.
Uma vez que, podem conceder recursos a uma pequena parte dos participantes,
ela possui uma atuaçãomais discreta, concentrando o seu foco em operações em
programas habitacionais como "Minha Casa, Minha Vida" -- ou seja, nada mais é
do que um programa de uma sociedade de crédito.
Características de uma Sociedade de Crédito Imobiliário:
- Devem ser constituídas sob forma de sociedade anônima;
- Devem ter em seu nome a denominação "Crédito Imobiliário";
- Devem ser integrantes do SBPE (SistemaBrasileiro de Poupança e Empréstimo);
- Devem seguir as regras do Banco Central do Brasil (BACEN);
- Normalmente, estão ligadas a um Banco Múltiplo;
- São integrantes do Sistema Financeiro de Habitação.
Suas funções principais são a captação de recursos e o fornecimento desses re-
29
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
cursos aos agentes deficitários para, como mencionado, viabilizar a construção
da casa própria. Além disso, as principais formas de captação de recursos de uma
delas se dá por:
- Cadernetas de Poupança;
- Letras de Cédulas Hipotecarias (LH);
- Depósitos Interfinanceiros (DI): empréstimos que vemde outra instituição finan-
ceira;
- Repasses de financiamento de fundos nacionais, dinheiro subsidiado através do
BNDES pelo Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social;
- Empréstimo provindos do exterior.
1.21. Participantes: Companhias Hipotecárias
Elas foram as primeiras instituições financeiras a serem criadas a partir da res-
olução 2.122, do Conselho Monetário Nacional, isso no ano de 1994. Estas institu-
ições têm o intuito de estimular e promover os financiamentos imobiliários além
dos limites do SFN.
As companhias hipotecáriastêmcomoobjetivo a captação e concessãode crédito
por financiamento imobiliário, podem ser comerciais ou residenciais, e são carac-
terizadas por apresentar uma garantia forte. Isso acontece porque este financia-
mento estará atrelado a uma.
Então, caso o sujeito não pague e se torne inadimplente, a instituição poderá re-
tomar o bem para si, como pagamento do crédito. Essas instituições captam re-
cursos em Letras Hipotecárias, Debêntures emitidas no mercado financeiro, Le-
tras de Crédito Imobiliário (LCI), empréstimos e financiamentos do país e do exte-
rior. Mas atenção, as CHs não captam recursos por poupança.
A hipoteca acontece quandoum indivíduo devedor entrega, ou devolve seus bens
ao credor, como formadepagamentodadívida. Isso ocorre nodia-a-dia, pois seria
a mesma situação se estivéssemos devendo para o banco e colocássemos nossa
casa/carro como garantia do compromisso que estamos assinando com o banco,
caso contrário, esses bens nos serão retirados. Se hipotecamos um carro, teremos
de preencher um registro comos nomes do credor e os dados dobemhipotecado
e financiado.
Por exemplo, se solicitamos um empréstimo e não conseguimos mais pagar, en-
30
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
tão, hipotecamos nosso carro como garantia, se não pagarmos a hipoteca, o carro
nos será retirado também. No direito brasileiro, é contra a lei qualquer ente tomar
a moradia, pois fere nossa garantia de moradia garantida em constituição.
1.22. Participantes: Corretoras e Distribuidoras
Vale lembrar, que os conteúdos desta aula e das anteriores, são baseadas nos ed-
itais que foram liberados para as suas provas.
1.23. Corretoras
Falamos de instituições financeiras que efetuam a intermediação financeira nos
pregões das bolsas de valores. Podendo elas realizar:
- Promoção ou participação de lançamentos públicos de ações;
- Administram e custodiam as carteiras de títulos e valores mobiliários;
- Organizar e administrar fundos e clubes de investimentos;
- Efetuar operações de intermediação de títulos e valores mobiliários, por conta
própria e de terceiros;
- Efetuar operações de compra e venda de metais preciosos;
- Operar, como intermediadora, na compra e venda de moeda estrangeira (oper-
ação de câmbio);
- Prestar serviço de assessoria técnica em operações inerentes ao mercado finan-
ceiro.
Basicamente, essas são as atividades que essas corretoras podem realizar. Nahora
da prova, temos de ter as atividades emmente.
1.24. Distribuidoras
São também instituições intermediadoras de títulos e valores mobiliários, cujos
objetivos básicos se assemelham bastante aos das corretoras. Entre as operações
típicas dessas distribuidoras, destacam-se:
31
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
- Aplicação em títulos e valores mobiliários de renda fixa e variável;
- Operação no mercado aberto;
- Participação em lançamento público de ações.
1.25. Participantes: Sociedades de Arrendamento Mercantil
Também conhecido como "Leasing". As sociedades de arrendamento mercantil
são constituídas sob forma de sociedade anônima, devendo constar obrigatoria-
mente na sua denominação social a expressão "Arrendamento Mercantil". Facili-
tando possíveis diferenciações.
Elas são supervisionadaspeloBACEN, conforme resoluçãodacomissãomonetária,
número 2.309/96. Logo, ela realiza arrendamento de bens móveis adquiridos por
ela, segundo as especificações das arrendatárias (cliente), para fins de uso próprio
desta.
Não são consideradas instituições financeiras, mas sim entidades equiparadas a
instituições financeiras. Nãoobstante, o arrendamentomercantil, permiteusufruir
de determinado bem sem ser proprietário dele. É um contrato de aluguel com
opção de compra no final.
Exemplo: aspartesdesse contrato sãodenominadas "arrendador" e "arrendatário",
conforme sejam, de um lado umbanco ou sociedade de arrendamentomercantil,
e o do outro lado, o cliente. O objeto do contrato é a aquisição, por parte do arren-
dador, de bem escolhido pelo arrendatário para sua utilização. O arrendador é,
portanto, o proprietário do bem, sendo que a posse e o usufruto durante a vigên-
cia do contrato, são do arrendatário. O contrato de arrendamentomercantil pode
prever ou não a opção de compra, pelo arrendatário, do bem de propriedade do
arrendador.
Vale lembrar, quepropriedadeédiferentedeposse. Alguémpode ter apropriedade
de um bem, mas não ter a sua posse, a posse pode estar sob a responsabilidade
de outra pessoa.
1.26. Desenho do Novo SPB -- Conceitos
Em primeiro lugar, SPB, se refere ao Sistema de Pagamento Brasileiro. Ele com-
preende o conjunto de regras, procedimentos e operações financeiras e de valores
32
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
mobiliários que, integrada eletronicamente possibilitam a movimentação de re-
cursos entre os mais variados agentes econômicos em território nacional. Sejam
estes emmoeda nacional ou moeda estrangeira.
Não obstante, aqui estão inclusas as mais variadas operações financeiras como
TED, DOC, compras com cartões de crédito, saques, depósitos, pagamentos de
títulos, assim como as operações realizadas na Bolsa de Valores e muitas outras.
Basicamente, existe um funil de todos os variáveis agentes econômicos em ter-
ritório nacional; tudo vai para um único lugar.
Essa estrutura de pagamento pensa na redução do prazo entre as transferências
de recursos, assim como a sua transparência e segurança. Por exemplo, o PIX, que
visa diminuir esse prazo de realização das transações.
Paraque tal objetivo torne-se viável háogerenciamentode riscos executadoatravés
das câmaras de liquidação (clearing houses) que atuam como uma contraparte
central minimizando os riscos através de operações multilaterais ou bilaterais.
Por sua vez, o sistema de pagamentos brasileiros está baseado no sistema de
transferência de reserva, o SRT. A principal característica do STR é o funciona-
mento através do Sistema Liquidação Bruta em Tempo Real, LBTR. Basicamente,
se trata de uma caixa e movimenta o valor para outra coisa em tempo real.
Esse sistema é integrado por serviços de:
- Compensação de cheques;
- Compensação e liquidação de ordens eletrônicas de débito e de crédito;
- Transferência de fundos e de outros ativos financeiros;
- Compensação e liquidação de operações com títulos e valores mobiliários;
- Compensação e liquidação de operações realizadas em bolsas demercadorias e
de futuros e outras entidades.
1.27. Características Importantes
O sistema de pagamento brasileiro apresenta altíssimo grau e automação, esta
eficiência decorre principalmente de quase a totalidade dos títulos negociados
no Brasil serem de forma escritural, ou seja, eletronicamente.
Logo, este sistema é viabilizado através da conta de reservas bancárias que rep-
resenta a movimentação de recursos das instituições financeiras monetárias ou
33
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
não junto ao BACEN.
É o conjunto de entidades, sistemas emecanismos relacionados com o processa-
mentoe a liquidação de operações de transferência de fundos, de operações com
moeda estrangeira ou com ativos financeiros e valores mobiliários.
Com a reforma do SPB em 2002, houve a interligação dos sistemas dos partici-
pantes domercado. Sendo que pessoas físicas, empresas, governos e instituições
financeiras passaram a poder realizar transferências de dinheiro para pagamen-
tos, cobertura de saldos, aplicações e outras finalidades com muito mais segu-
rança e rapidez.
1.28. Clearing Houses
Falamos dos sistemas de câmaras de liquidação, onde as coisas funcionam do
jeito certo e ninguém será roubado. Podemos definir como sistemas e câmaras
de liquidação e compensação. São os responsáveis por trazer segurança para o
mercado financeiro e de capitais.
Elas são responsáveis desde o cálculo do valor das obrigações dos ativos adquiri-
dos, até o repasse dos ativos aos novos adquirentes e o crédito dos valores aos
vendedores.
Não obstante, viabiliza o SPB. E tem como objetivo garantir a segurança, veloci-
dade e transparência nas operações do mercado financeiro e de capitais. Atual-
mente, temos dois sistemas independentes, responsáveis por custodiar e liquidar
as transações.:
- SELIC: Sistema Especial de Liquidação e Custódia, responsável pela custódia e
liquidação de títulos públicos federais negociados no mercado interbancário ou
mercado de balcão;
- Clearing da B3: responsável por custodiar a liquidar ativos negociados no ambi-
ente daBolsa deValores, bemcomoo registro de títulos de renda fixa e derivativos
no mercado de balcão.
Basicamente, esse "guardar"mantémumlugar confiável, ondeas coisas funcionem
do jeito certo, viabilizando o Sistema de Pagamento Brasileiro.
34
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
Módulo 2
Mercado de Capitais
Riscos e Retorno
2.1. Introdução ao Mercado de Capitais
Antes de tudo, precisamos compreender a ideia de mercado de capitais, do con-
trário, será impossível a compreensãode riscoe retorno, propriamenteditos. Falamos
de um segmento do sistema financeiro, voltado à capitalização de empresas e é
responsável por intermediar as negociações entre quem precisa obter recursos e
quem quer investir.
Não obstante, é através domercado de capitais que as empresas captam recursos
para financiar projetos e que o investidor, investe nas empresas e compra os seus
títulos de crédito privado.
Um de seus objetivos para o funcionamento do mercado de capitais é a disponi-
bilização de recursos financeiros, para a indústria, comércios e outras atividades
econômicas. Omais conhecido dos seus objetivos é a negociação de ações, onde
ele acabamovimentando capital e fomentando desenvolvimento econômico. Ele
movimenta a riqueza. Lembrando que esse processo é feito via Bolsa de Valores.
Ele é constituído por:
• Corretora de Valores;
• Bolsas de Valores;
• Instituições financeiras autorizadas.
Quais são os principais ativosmobiliários negociados nomercadode capitais? Em
primeiro lugar, as ações que são títulos que representam uma participação em
uma empresa de capital aberto; quem a compra, torna-se sócio de determinado
negócio. Em segundo lugar, temos os Debêntures que são conhecidos como tí-
tulos de dívida, eles são emitidos por sociedades anônimas para captar recursos
como objetivo de proporcionar investimento ou financiamento de capital de giro;
onde esse investidor receberá uma remuneração. Temos também, os Commer-
cial Papers, que são títulos privados de curto prazo, emitidos por empresas para
36
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
captar recursos, sendo o direito advindo dos bancos; com seu retorno entre 30
dias no mínimo e 360 dias no máximo.
2.2. Introdução às Finanças Corporativas
Falamos da área responsável por tomar todas as decisões financeiras de umnegó-
cio, utilizando ferramentas e análises para isto. Basicamente, entre os seus obje-
tivos está maximizar o valor de uma empresa para seus acionistas e administrar
comeficiência todosos riscos envolvidosnaadministraçãofinanceiradeumnegó-
cio.
2.3. Definições de Risco e Retorno
Risco se refere àquilo que implica nas chances que se tem de perder ou ganhar
dinheiro. Isso será proporcional ao valor investido, assim como, o tipo de ativo em
que pretende investir. Já o retorno refere-se à rentabilidade que se tem expecta-
tiva de obter com os seus investimentos. Os retornos podem variar bastante de
um ativo para outro.
Ambos são diferentes, porém, estão interligados em alguma medida. O risco de
um ativo também pressupõe uma rentabilidade, sendo essa rentabilidade o re-
torno, por assim dizer.
Por exemplo, não há risco quando existe a probabilidade 100% de que o evento
ocorra, mas quando temos um evento totalmente seguro, não há risco. Mas se
houver 1% de probabilidade de que o evento não ocorra, aí nós já temos o risco.
O equilíbrio entre risco e retorno do investimento é fundamental para que o in-
vestidor tenha sucesso em suas aplicações, para ter uma rentabilidademaior, de-
verá, correr um risco mais elevado também. Logo, uma carteira de investimentos
é uma combinação de ativos, por exemplo: títulos públicos federais, ações, com-
modities, fundos de investimento, que pertence a um investidor.
A funcionalidade de uma carteira é reduzir os riscos através da diversificação, e
pela aplicação da relação entre risco e retorno é possível.
37
https://www.youtube.com/c/Topinvestbrasil
https://www.facebook.com/TopInvestBrasil/
https://t.me/topinvest_oficial
https://www.instagram.com/topinvest_oficial/?hl=pt-br
https://www.topinvest.com.br/cursos/preparatorio-para-certificacao-cnpi/?utm_source=rodape&utm_medium=banner&utm_campaign=apostila_cnpiCB
2.4. Teoria do Portfólio
Nascida em 1995, iniciada por Harry Markowitz, denominando sua teoria como
Teoria Moderna do Portfólio, que trata da diversificação de ativos emostra porque
diversificar é fundamental para minimizar riscos.
É um modelo de definição de portfólios, por meio da análise de grandes quanti-
dades de dados,mas principalmente dos riscos e da correlação entre os diferentes
ativos disponíveis.
O conceito de TPMébaseado na análise dos riscos, nadamais do que formar port-
fólios de ativos que maximizam a possibilidade de retorno para um dado nível de
risco. Onde seu modelo matemático identifica, entre infinitas possibilidades de
combinações de diversos ativos, aqueles ativos mais eficientes, uma espécie de
curva que unifica as carteiras eficientes -- que se refere a determinado nível de
risco.
Alguns conceitos importantes:
Retorno esperado: é quanto um investidor espera receber de acordo com um
dado nível de risco que ele assume. Por exemplo, o retorno esperado ao investir
emações émaior doqueo esperado ao investir em títulos de renda fixa, pois ações
são mais arriscadas e historicamente apresentam resultados superiores.
Risco: por sua vez,mede essa variável comoodesvio padrãode cada componente
da carteira em relação ao seu retorno médio. Logo, ativos mais arriscados são
aqueles que apresentamummaior nível de volatilidade, ou seja, que oscilammais
em relação à média.
Correlação: mede como os ativos se movem de forma conjunta, podendo variar
de -1 até 1. Onde uma correlação próxima a -1 que os ativos têm comportamentos
opostos, quandoumse valoriza o outro desvaloriza e vice-versa. Já umacorrelação
próxima a 1 indica que se movem conjuntamente.
Para aplicar a TPMéprecisodiversificar os recursosdo investidordediversasmaneiras,
e obter amelhor correlaçãoentre os componentesda carteira. Temoscomoopções
as ações, moedas estrangeiras,

Materiais relacionados

Perguntas relacionadas

Materiais recentes

Perguntas Recentes