Buscar

Trabalho_de_Conclusão_de_Curso_Odontologia_Thamires

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 31 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 31 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 9, do total de 31 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA 
CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE 
DEPARTAMENTO DE ODONTOLOGIA 
CURSO DE ODONTOLOGIA 
 
 
 
 
Thamires Oliveira Paz 
 
 
 
 
 Correlação entre doença periodontal e doenças pulmonares: uma revisão de 
literatura 
 
 
 
 
 
Florianópolis 
 2021 
 
 
 
 
 
 Thamires Oliveira Paz 
 
 
 
 
 Correlação entre doença periodontal e doenças pulmonares: uma revisão de 
literatura 
 
 
 
 
Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação em 
Odontologia, da Universidade Federal de Santa 
Catarina, como requisito parcial para aprovação. 
Orientador: Prof. Dr. Cesar Augusto Magalhães 
Benfatti 
 
 
 
 
 
 
Florianópolis 
 
2021 
 
 
 
 
 
Thamires Oliveira Paz 
 
 
Correlação entre Doença Periodontal e Doenças Pulmonares: uma revisão de 
literatura 
 
 
Este Trabalho Conclusão de Curso foi julgado adequado para obtenção do Título de 
“cirurgiã dentista” e aprovado em sua forma final pelo Curso de Odontologia. 
 
Florianópolis, 29 de Julho de 2021. 
 
 
 
________________________ 
Prof.a , Dra . Gláucia Santos Zimmermann 
Coordenador (a) do Curso 
 
Banca Examinadora: 
 
 
 
________________________ 
Prof., Dr. Cesar Augusto Magalhães Benfatti 
Orientador 
Universidade Federal de Santa Catarina 
 
 
 
________________________ 
Prof., Dr. Ricardo de Souza Magini 
Avaliador 
Universidade Federal de Santa Catarina 
 
 
 
________________________ 
Dr. Gabriel Leonardo Magrin 
Avaliador 
Universidade Federal de Santa Catarina 
 
 
 
 
 
 
 
AGRADECIMENTOS 
 
Primeiramente gostaria de agradecer a Deus, pois se não fosse por ele nada 
disso seria possível. Ele esteve comigo nos momentos de fraqueza, quando eu estava 
sozinha no meu quarto triste e quando eu estava feliz. 
Agradeço a minha mãe Elizara por esse exemplo de mulher guerreira e forte. 
Por estar do meu lado sempre, me apoiando me dizendo o que é certo e o que é 
errado. Por fazer o possível e o impossível para que eu sempre tivesse tudo. Eu te 
amo muito, obrigada por tudo. 
Agradeço também ao meu pai Volmir por me incentivar a sempre buscar o 
melhor para a minha vida, por ter me proporcionado um estudo de qualidade quando 
estava no ensino médio. Por estar do meu lado quando eu preciso. E a sua esposa 
Lurdes por me ajudar sempre que eu preciso, com dicas e conselhos. Amo vocês 
também, obrigada. 
Agradeço ao meu irmão Fabrício e a minha cunhada Luana por tudo o que 
fizeram por mim quando cheguei a Florianópolis, por me darem um teto para morar e 
por se preocuparem comigo, amo muito vocês. 
Agradeço a minha metade, minha 50%, minha irmã gêmea Thainá, por me 
aguentar por esses 24 anos. Ela me escuta, me xinga, me dá conselhos, obrigada por 
ser essa mulher incrível, de coração tão bom. Tenho muito orgulho de você. Eu te amo 
demais. 
Agradeço ao meu namorado Levi que entrou na minha vida no meio de uma 
pandemia e me mudou completamente. Obrigada por ver coisas em mim que nem eu 
mesma consigo enxergar, por ser além de meu namorado meu melhor amigo. Eu te 
amo infinito. 
Agradeço aos meus amigos que me ajudaram nessa trajetória e que me 
deram apoio quando precisava, obrigada pelas festas, risadas e diversão. Quero 
agradecer especialmente a minha dupla Daniela Oldra por me aturar todos esses 
anos, por ser uma amiga/irmã incrível, por me ajudar sempre que era necessário. Eu 
amo muito vocês. 
Por fim, quero agradecer aos meus familiares, avós, tios, primos, mas 
especialmente a Lisiane, Leandro, Gustavo e Naiane por terem me ajudado quando 
precisei, por terem me dado abrigo e carinho. Eu amo muito todos vocês. 
 
 
Se eu esqueci de alguém, desculpa, é tanta emoção que me faltam palavras 
para descrever. Obrigada a todos. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
RESUMO 
A doença periodontal acomete os tecidos de suporte do dente, causando um 
distúrbio inflamatório. A causa principal é o acúmulo de biofilme bacteriano sobre as 
superfícies dentárias. A comunicação entre a cavidade bucal e a traqueia é um dos 
motivos para a correlação entre doença periodontal e doenças pulmonares, uma vez 
que os pulmões são colonizados pelos mesmos patógenos presentes na cavidade 
oral. Esses patógenos se estabelecem nos pulmões através da microaspiração ou por 
disseminação sistêmica. Desse modo, o objetivo do presente estudo foi verificar se há 
correlação entre a doença periodontal e doenças respiratórias. A pesquisa foi 
realizada através de uma busca pela base de dados do Pubmed. Os seguintes 
descritores foram utilizados, “periodontal diseases", “respiratory disease” 
,''pneumonia” e ''chronic obstructive pulmonary disease”, onde foram selecionados 
artigos que continham no título o assunto relacionado ao tema do trabalho, os resumos 
que eram interessantes e os artigos que possuíam acesso integral à pesquisa. De 
acordo com os resultados encontrados na literatura, existem mecanismos que 
explicam a conexão entre a doença periodontal e as doenças pulmonares. Artigos 
afirmam que a má higiene oral e o fumo são fatores de riscos muito importantes para 
essas duas doenças, e que uma boa higiene bucal e uma boa saúde periodontal 
auxiliam na prevenção e no tratamento tanto da doença periodontal quanto nas 
doenças respiratórias. 
Palavras-chave: Doença Periodontal. Doença Respiratória. Pneumonia. DPOC. 
Revisão de Literatura. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
ABSTRACT 
Periodontal disease affects the supporting tissues of the tooth, causing an 
inflammatory disorder. The main cause is the accumulation of bacterial biofilm on 
dental surfaces. The communication between the oral cavity and the trachea is one of 
the reasons for the correlation between periodontal disease and lung diseases, since 
the lungs are colonized by the same pathogens present in the oral cavity. These 
pathogens are established in the lungs through microaspiration or by systemic 
dissemination. Thus, the objective of the present study was to verify whether there is 
a correlation between periodontal disease and respiratory diseases. The research was 
carried out through a search on Pubmed database. The following descriptors were 
used: “periodontal diseases", “respiratory disease”, '' pneumonia ”and '' chronic 
obstructive pulmonary disease”, Articles were selected according to the title the subject 
related to the topic of this review, abstracts that had an interesting content and full 
access to the articles. According to the results found in the literature, there are 
mechanisms that explain the connection between periodontal disease and lung 
diseases. Articles claim that poor oral hygiene and smoking are very important risk 
factors for these two diseases, and that good oral hygiene and good periodontal health 
help in the prevention and treatment of both periodontal disease and respiratory 
diseases. 
Keywords: Periodontal disease. Respiratory disease. Pneumonia. COPD. Literature 
Review. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
LISTA DE FIGURAS 
Figura 1 - Fluxograma da metodologia empregada……………………………………31 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
LISTA DE TABELAS 
Tabela 1 - Estratégia de busca……………………………………………………………30 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 LISTAS DE ABREVEATURAS E SIGLAS 
DPOC - doença pulmonar obstrutiva crônica 
IL6 - interleucina 6 
UTI - unidade de terapia intensiva 
FEV1%- - volume expiratório forçado em um segundo 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
SUMÁRIO 
1 INTRODUÇÃO ............................................................................................. 21 
2 REVISÃO DE LITERATURA ....................................................................... 23 
2.1 DOENÇA PERIODONTAL .....................................................................................23 
2.2 DOENÇAS PULMONARES ................................................................................... 24 
2.3 CORRELAÇÃO DA DOENÇA PERIODONTAL E DOENÇAS PULMONARES
 .................................................................................................................................................. 26 
3 OBJETIVO ................................................................................................... 29 
4 MATERIAIS E MÉTODOS ........................................................................... 30 
5 RESULTADOS ............................................................................................. 32 
6 DISCUSSÃO ................................................................................................ 33 
7 CONCLUSÃO .............................................................................................. 36 
 REFERÊNCIAS ....................................................................................................... 37 
 ANEXO A – ATA DE DEFESA ............................................................................. 39 
 
 
 
 
21 
 
1 INTRODUÇÃO 
 
As doenças periodontais são definidas como qualquer distúrbio dos tecidos 
que circundam e sustentam os dentes. São distúrbios inflamatórios chamados de 
gengivite e periodontite (Shen TC, Chang PY, Lin CL, Chen CH, Tu CY, Hsia TC, Shih 
CM, Hsu WH, Sung FC & Kao CH, 2015). Essas doenças são de alta prevalência e 
podem afetar até 90% da população mundial. São causados principalmente pelo 
biofilme bacteriano que se acumula nos dentes, mas outros fatores genéticos e 
ambientais também contribuem para as condições (Shen TC et al., 2015). 
A relação entre a saúde periodontal e respiratória não é bem compreendida, 
mas sabemos que os pulmões são habitados por bactérias que se originam na 
cavidade oral (Pérez Barrionuevo AM, Gómez Real F, Igland J, Johannessen A, 
Omenaas E, Franklin KA, Pérez Barrionuevo L, Åstrøm AN, Svanes C & Bertelsen RJ, 
2018). A cavidade oral é próxima e contínua à traqueia e, portanto, um portal lógico 
para a colonização de patógenos respiratórios (Muthu, Muthanandam & Mahendra, 
2016). A bactéria entra nos pulmões por microaspiração ou por disseminação 
bacteriana sistêmica. Além disso, mediadores inflamatórios podem ser transferidos no 
sangue do epitélio gengival inflamado para outros órgãos, como os pulmões 
(Barrionuevo et al., 2018). 
A patogênese da pneumonia depende da aspiração de microrganismos da 
região orofaríngea ou oronasal para os pulmões. O trato respiratório superior foi 
frequentemente contaminado por microrganismos da região orofaríngea, ao passo 
que o trato respiratório inferior está relativamente livre deles. Uma vez infectado por 
esses microrganismos, em circunstâncias normais, o mecanismo de defesa do 
hospedeiro eliminará a infecção. Mas em um estado de comprometimento 
imunológico, a resposta do hospedeiro torna-se destrutiva e resulta em infecção 
pulmonar (Verghese A & Berk SL, 1983). 
A Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) e a doença periodontal 
compartilham fatores de risco, como uso de tabaco, maior idade e condição social 
(Hobbins S, Chapple IL, Sapey E & Stockley RA, 2017). A doença periodontal por si 
só não é a causa de DPOC, mas a doença periodontal associada a outros fatores de 
risco pode acelerar a progressão ou a exacerbação da doença. Do ponto de vista da 
saúde pública, isso é relevante, pois sugere que a intervenção oral precoce para 
prevenir a evolução da doença periodontal também pode ter um efeito benéfico na 
22 
 
função pulmonar (Prasanna SJ, 2011). 
A boa higiene oral e a saúde periodontal poderiam desempenhar um papel 
importante na prevenção e tratamento das doenças pulmonares ( Parashar P, 
Parashar A, Saraswat N, Pani P, Pani N & Joshi S, 2018). 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
23 
 
2 REVISÃO DE LITERATURA 
2.1 DOENÇA PERIODONTAL 
 
A doença periodontal é a segunda patologia bucal mais prevalente no mundo, 
podendo atingir 90% da população mundial (Zeng XT, Tu M-L, Liu D-Y, Zheng D, 
Zhang J & Leng W, 2012). O tecido de sustentação dos dentes é chamado de tecido 
periodontal (Moghadam, Shirzaiy, & Risbaf, 2017). Bactérias presentes no biofilme 
dentário são a maior causa da doença periodontal, na qual essas bactérias iniciaram 
uma série de eventos inflamatórios (Muthu et al., 2016). Esse processo inflamatório 
que envolve o periodonto é chamado de gengivite ou periodontite e pode levar à perda 
progressiva do osso alveolar ao redor do dente com mobilidade e subsequente perda 
dos dentes (Moghadam et al., 2017). 
 A periodontite é uma doença inflamatória multifatorial crônica, associada 
a biofilmes de placa disbiótica e caracterizada pela destruição progressiva do aparelho 
de suporte dentário. Suas características principais incluem a perda de suporte do 
tecido periodontal, manifestada por meio de perda de inserção clínica e perda óssea 
alveolar avaliada radiograficamente, presença de bolsa periodontal e sangramento 
gengival (Papapanou PN, Sanz M, et al., 2018). Os fatores que contribuem para a 
instalação dessa doença são: má higiene oral, tabagismo, abuso de drogas, acúmulo 
crônico de placa bacteriana que causa cárie dentária, mecanismo imunológico 
alterado, envelhecimento, diabetes, entre outros (Moghadam et al., 2017). É 
principalmente um processo inflamatório mediado por neutrófilos. Desse modo, o 
excesso de reação dos neutrófilos nos tecidos periodontais ativa o foco inflamatório 
no periodonto devido à quantidade máxima de enzimas neutrofílicas levando ao 
inchaço, congestão, sangramento e, muitas vezes, mobilidade dos dentes, causando 
a perda dos mesmos. Esse processo ocorre devido a vários fatores, incluindo acúmulo 
de bactérias, acúmulo de partículas de alimentos, controle mecânico do biofilme 
ineficaz, fatores genéticos e, às vezes, estados imunossuprimidos (Moghadam et al., 
2017). Agressão bacteriana nos tecidos periodontais altera o mecanismo de 
homeostasia da resposta do hospedeiro e com isso tem a liberação de citocinas pró 
inflamatórias, a IL-6 que será responsável por ativar e estimular proteínas da fase 
aguda, alterando o equilíbrio de remodelação óssea, causando a reabsorção óssea 
(Son, Shin, & Hong, 2015). 
24 
 
O tratamento da doença periodontal é baseado no controle do biofilme dental, 
dado por uma boa instrução de higiene oral (Zeng et al., 2012). A periodontite pode 
se relacionar com doenças sistêmicas, incluindo doenças pulmonares (Moghadam et 
al., 2017). Em uma revisão de literatura realizada por Moghadam et. al. 2017 foi 
mencionado que pacientes que apresentam má higiene oral e tabagismo são fatores 
de risco importantes para periodontite e doença pulmonar. 
 2.2 DOENÇAS PULMONARES 
 
A cavidade oral é próxima e contínua à traqueia e, portanto, um portal lógico 
para a colonização de patógenos respiratórios. A patogênese da pneumonia depende 
de aspiração de microrganismos orofaríngeos ou da região oronasal para os pulmões. 
Em condições normais, quando o hospedeiro é infectado por esses microrganismos 
seu mecanismo de defesa elimina a infecção. Porém, em um sistema imune 
comprometido, a resposta do hospedeiro torna-se destrutiva e resulta em infecção 
pulmonar (Muthu et al., 2016). A pneumonia é uma infecção do parênquima pulmonar, 
causada por fungos, vírus, infecção parasitária ou bacteriana, e que se inicia através 
de colonização da cavidade oral e da mucosa da faringe, por aspiração de patógenos 
respiratórios potenciais pelo trato aéreo inferior e pelo fracasso dos mecanismos de 
defesa do hospedeiro. A pneumonia bacteriana pode ser classificada em dois tipos: 
adquirida na comunidade ou hospitalar, chamada também de nosocomial (Macedo, 
Saba-Chujfi, Pereira, Costa, & Melo Neto,2010). 
A pneumonia adquirida na comunidade é causada pela aspiração de bactérias 
que residem na orofaringe, como Streptococcus pneumoniae, Haemophilus influenzae 
e Mycoplasma pneumoniae (Macedo et al., 2010). Até o presente momento nenhuma 
relação entre doenças periodontais e pneumonia adquirida na comunidade foi 
encontrada (Muthu et al., 2016). A pneumonia nosocomial é uma infecção que 
acomete o parênquima pulmonar e se desenvolve nas 48-72 horas após a internação 
hospitalar, essa infecção não está presente ou incubada no paciente no momento em 
que este é internado no hospital. A infecção é resultado do desequilíbrio entre os 
mecanismos imunes do hospedeiro e o patógeno, podendo se constituir de uma 
significativa morbidade e mortalidade, especialmente em idosos e 
imunocomprometidos (Cagnani A, Barros A, Sousa L, Zanin L, Bergamaschi C, 
Peruzzo D & Flório F, 2016). 
25 
 
Acomete principalmente indivíduos institucionalizados, como pacientes em 
terapia intensiva e que estão em casas de repouso, e responde por 10% a 15% de 
todas as infecções hospitalares, com uma taxa de mortalidade de 25%, sendo 
causadas por Pseudomonas aeruginosa, Staphylococcus aureus e bactérias entéricas 
Gram-negativas como Klebsiella pneumoniae, Escherichia coli e espécies de 
Enterobacter, que normalmente não colonizam a orofaringe (Macedo et al., 2010). O 
risco de desenvolvimento de pneumonia nosocomial é de 10 a 20 vezes maior em 
pacientes internados na unidade de terapia intensiva (UTI), sendo que o 
desenvolvimento em pacientes ventilados mecanicamente varia de 7% a 40%, além 
de prolongar, em média, por cinco a nove dias o tempo de internação dos pacientes 
(Souto, Silva-Boghossian, & Colombo, 2014). Pacientes na UTI possuem higiene 
bucal deficientes isso leva a um aumento do índice da placa bacteriana tanto na 
cavidade bucal como da orofaríngea. A colonização da orofaringe por bactérias Gram-
negativas entéricas pode estar associada a infecções como pneumonia adquirida na 
comunidade. A frequência da periodontite grave generalizada apresenta afinidade 
com estas doenças pulmonares, quando avaliada nos parâmetros de extensão e 
gravidade (Macedo et al., 2010). 
A DPOC é uma condição em que há obstrução crônica ao fluxo de ar, com 
produção excessiva de expectoração como resultado de uma doença crônica ou 
enfisema (Vadiraj, Nayak, Choudhary, Kudyar, & Spoorthi, 2013). A bronquite crônica 
é uma condição inflamatória que está associada com a produção de muco suficiente 
para causar tosse com expectoração por no mínimo três meses ao ano, por dois ou 
três anos. O enfisema pulmonar é uma doença que destrói as paredes alveolares 
pulmonares, onde os espaços aéreos para o bronquíolo terminal ficam com 
ampliações anormais. Possui características inflamatórias com participação ativa de 
macrófagos, neutrófilos e linfócitos em sua patogênese (Macedo et al., 2010). 
Associada aos estímulos oxidantes diretos das estruturas pulmonares, que 
desencadeiam reações bioquímicas, levam a progressiva desorganização das 
pequenas vias aéreas e ao remodelamento estrutural não reversível. A liberação de 
substâncias provenientes das células recrutadas e do estresse oxidativo pode levar, 
também, ao desequilíbrio inicialmente temporário dos mecanismos de defesa 
pulmonar. A permanência desse desequilíbrio é uma das chaves da fisiopatogenia 
atual (Macedo et al., 2010). 
A DPOC é medida pelo volume expiratório forçado em um segundo (FEV1%) 
26 
 
(Tan, Tang, Pan, Wang, & Pan, 2019). O fator de risco mais importante estabelecido 
para a DPOC é uma história de tabagismo prolongado. Exposições crônicas a 
poluentes atmosféricos tóxicos também podem contribuir para a doença. Condições 
genéticas, incluindo um gene defeituoso de alfa 1-antitripsina, variante 1-
antiquimotripsina, alfa 2-macroglobulina, proteína de ligação à vitamina D e genes de 
antígenos de grupo sanguíneo também podem predispor os indivíduos à DPOC 
(Vadiraj et al., 2013). Como a periodontite e a DPOC são ambas crônicas, com 
condições progressivas, caracterizadas por inflamação neutrofílica com subsequente 
destruição proteolítica do tecido conjuntivo, foi proposto que eles compartilhem um 
processo patológico comum (Tan et al., 2019). 
 2.3 CORRELAÇÃO DA DOENÇA PERIODONTAL E DOENÇAS PULMONARES 
 
Alguns mecanismos de plausibilidade biológica têm sido propostos na 
literatura para justificar a associação entre as doenças periodontais e a pneumonia 
nosocomial: (1) os periodontopatógenos podem ser aspirados para o pulmão e causar 
infecção; (2) a atividade enzimática hidrolítica aumentada em indivíduos com 
periodontite, pode facilitar a adesão de patógenos as estruturas da mucosa bucal, 
modificando os padrões de colonização da orofaringe; (3) a doença periodontal pode 
afetar a adesão de patógenos respiratórios ao epitélio de revestimento do trato 
respiratório inferior. E em resposta a essa adesão, as células epiteliais secretam 
quimiocinas que atraem células de defesa, as quais liberam enzimas proteolíticas que 
danificam o epitélio e aumentam a suscetibilidade à infecção respiratória; (4) as 
citocinas originadas dos tecidos periodontais inflamados podem alterar o epitélio 
respiratório e promover a infecção por agentes patogênicos respiratórios 
(Scannapieco FA, 2005). 
Muthu et al., 2016 também apresentou os mesmos mecanismos para explicar 
a conexão entre periodontite e infecções respiratórias: (1) patógenos orais aspirados 
para os pulmões para causar infecção; (2) enzimas associadas à doença periodontal 
na saliva pode modificar as superfícies da mucosa para promover a adesão e 
colonização por patógenos respiratórios; (3) enzimas associadas à doença periodontal 
podem destruir películas salivares em bactérias patogênicas; (4) citocinas 
provenientes de tecido periodontal pode alterar o epitélio respiratório para promover 
infecção por patógenos respiratórios. 
27 
 
As bactérias da placa dentária são susceptíveis de serem eliminadas na 
saliva. Quando estas são aspiradas, as bactérias são translocadas para as vias 
respiratórias inferiores e causam infecções. A saliva contém muitas enzimas 
hidrolíticas. Essas enzimas agem sobre o epitélio da mucosa e expõem o “receptor de 
adesão”. Isso facilita a adesão e colonização de patógenos respiratórios Gram 
negativos (Muthu et al., 2016). As enzimas hidrolíticas na saliva também destroem os 
componentes protetores do hospedeiro (por exemplo, mucinas), assim diminuindo a 
defesa inespecífica do hospedeiro contra os patógenos das vias respiratórias. Em 
resposta aos patógenos, as células epiteliais e células do tecido conjuntivo produzem 
uma grande variedade de citocinas. Essas citocinas alteram as moléculas de adesão 
no epitélio e iniciam a adesão bacteriana à superfície epitelial. (Muthu et al., 2016). 
Um dos mecanismos propostos para ligar a periodontite e a DPOC envolve 
aspiração mecânica de conteúdo para o trato respiratório, mais de 750 táxons de 
bactérias podem ser detectados na cavidade oral. Destes, três espécies Gram-
negativos conhecidas coletivamente como o complexo vermelho, incluindo 
Porphyromonas gengivalis (Pg), Tannerella forsythia (Tf), e Treponema denticola (Td) 
exibe fortes associações com periodontite. Patógenos periodontais foram identificados 
no fluido pulmonar infectado (Tan et al., 2019). Tan L, 2019 descobriu que as espécies 
indistinguíveis entre a placa subgengival emparelhada e as amostras de aspirado 
traqueal incluíam patógenos da placa dentária (Pg, Tf e Td) e patógenos pulmonares 
incluindo Klebsiella pneumoniae (Kp), Pseudomonas aeruginosa (Pa) e Streptococcus 
pneumoniae (Sp). Porém, essas espécies não são comumente associadas a 
infecções respiratórias inferiores na população em geral ou em indivíduos com DPOC, 
e não há estudos em participantes de DPOC que associaram diretamente patógenos 
orais à DPOC. 
Outro mecanismo para ligar a periodontitee a DPOC foi proposto por Muthu 
et al. em 2016 onde os numerosos estudos sugerem que fumar pode atuar como um 
importante modificador de efeito na relação entre periodontite e DPOC, e que é um 
fator de risco bem conhecido para DPOC visto que 80% dos casos eram atuais ou 
anteriores fumantes. Fumar também é um fator de risco para o desenvolvimento de 
periodontite. Em seguida ele disserta sobre o papel dos neutrófilos, onde a célula-
chave no início da inflamação são os neutrófilos e são encontrados em maior número 
em DPOC e periodontite. Neutrófilos hiper-responsivos e funções anormais de 
neutrófilos na periodontite influenciam o dano oxidativo mediado por espécies reativas 
28 
 
de oxigênio. Essas espécies reativas resultam em dano à mucosa e destruição do 
tecido conjuntivo (Muthu et al., 2016). 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
29 
 
3 OBJETIVO 
 
A presente revisão de literatura tem como objetivo verificar se há correlação 
entre doença periodontal e doenças pulmonares. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
30 
 
4 MATERIAIS E MÉTODOS 
 
A presente pesquisa foi realizada através de uma busca na base de dados 
online PubMed, livros e revistas científicas. Foram usados como descritores: 
“periodontal diseases", “respiratory disease” ,''pneumonia” e ''chronic obstructive 
pulmonary disease”. Foram encontrados mais de mil artigos relacionados ao assunto 
do trabalho. Como critérios de inclusão foram selecionados os artigos que continham 
no título o assunto relacionado ao tema do trabalho, os resumos que eram 
congruentes com o objetivo e os artigos que disponibilizaram textos completos. Como 
critérios de exclusão foram excluídos do trabalho os artigos que não continham no 
título o assunto relacionado ao tema do trabalho, os resumos que não eram 
pertinentes ao tema, e os artigos que não disponibilizaram textos completos. Após a 
busca dos artigos, das leituras dos resumos e dos textos completos, foram 
selecionados, então, apenas os artigos pertinentes ao tema desta revisão. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
31 
 
Tabela 1 - Estratégia de busca em base de dados 
 
 Etapas 
 
Estratégia de busca 
Itens 
encontrados 
 
 
 
1 
Periodontal Disease OR Respiratory 
Disease AND Correlation 
 
Periodontal Disease AND Respiratory 
Disease AND Correlation 
 
108.364 
 
 
125 
 
 
2 
Periodontal Disease AND COPD AND 
Correlation 
 
Periodontal Disease AND COPD 
22 
 
 
165 
 
 
3 
Periodontal Disease AND Respiratory 
Disease 
 
Periodontal Disease 
 
Periodontal Disease AND Pneumonia 
2.251 
 
 
101.150 
 
435 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
32 
 
5 RESULTADOS 
 
Dos 747 artigos encontrados no banco de dados da PubMed, 84 artigos foram 
selecionados seguindo os critérios de inclusão e exclusão. Por fim, as 17 referências 
presentes na pesquisa incluem artigos da busca em livros e revistas científicas e do 
banco de dados da PubMed. Desse modo, o resultado desta revisão está disposto no 
item 2 deste trabalho. A seleção dos artigos está disposta na Figura 1. 
Figura 1 - Fluxograma da metodologia empregada 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
33 
 
6 DISCUSSÃO 
 
Após realização da revisão de literatura, pesquisa e análise sobre a doença 
periodontal e pulmonar, foi possível compreender os diferentes pontos de vista e 
posicionamentos dos autores que discorrem sobre o assunto. É importante ressaltar 
que segundo Papapanou PN, Sanz M, et al., 2018 definiram periodontite como uma 
doença inflamatória multifatorial crônica, associada a biofilmes de placa disbiótica e 
caracterizada pela destruição progressiva do aparelho de suporte dentário. Para 
Moghadam et al., 2017 a periodontite pode estar relacionada a doenças sistêmicas, 
incluindo doenças pulmonares. A pneumonia é uma infecção do parênquima 
pulmonar, causada por fungos, vírus, infecção parasitária ou bacteriana e que se inicia 
através de colonização da cavidade oral e da mucosa da faringe, por aspiração de 
patógenos respiratórios em potenciais pelo trato aéreo inferior e pelo fracasso dos 
mecanismos de defesa do hospedeiro. A pneumonia bacteriana pode ser classificada 
em adquirida na comunidade ou hospitalar, chamada também de nosocomial 
(Macedo, Saba-Chujfi, Pereira, Costa & Melo Neto, 2010). Muthu et. Al., 2016 assim 
como Macedo, Saba-Chujfi, Pereira, Costa, & Melo Neto, 2010 definem a patogênese 
da pneumonia quando ocorre a aspiração de microorganismo pelas regiões orofaringe 
e oronasal para os pulmões, resultando em uma infecção pulmonar ou a não infecção, 
dada a condição do mecanismo de defesa do hospedeiro. 
Também foi possível verificar neste estudo, que Macedo et al, 2010 afirmaram 
que pacientes que estão na UTI possuem higiene bucal deficiente, sendo assim há 
um aumento do índice de placa bacteriana tanto na cavidade bucal como na 
orofaríngea. Desse modo a colonização da orofaringe por bactérias gram-negativas 
entéricas pode estar associada a infecções como pneumonia adquirida na 
comunidade. Contrapondo o que Macedo et al, 2010 afirmaram em seu estudo, Muthu 
et al, 2016 disseram que não foi encontrada até o presente momento nenhuma relação 
entre doença periodontal e pneumonia adquirida na comunidade. 
O interessante nessa revisão foi que mesmo com intervalo de tempo entre as 
publicações dos estudos de Scannapieco FA, 2005 e Muthu et al., 2016, ambos 
concordam sobre os mecanismos que explicam a conexão entre a doença periodontal 
e doenças pulmonares. Para eles, patógenos orais aspirados para os pulmões podem 
causar infecção, as enzimas encontradas na saliva que estão associadas à doença 
34 
 
periodontal podem modificar a superfície da mucosa bucal promovendo assim, a 
adesão e colonização de patógenos respiratórios. Afirmam ainda que a doença 
periodontal pode afetar a adesão de patógenos respiratórios ao epitélio de 
revestimento do trato respiratório inferior e que, em resposta a essa adesão, as células 
epiteliais secretam quimiocinas que atraem células de defesa. Por fim estas liberam 
enzimas proteolíticas que danificam o epitélio e aumentam a suscetibilidade à infecção 
respiratória. Assim, as citocinas que são originadas dos tecidos periodontais 
inflamados podem alterar o epitélio respiratório e promover a infecção por agentes 
patogênicos respiratórios. Esses dois autores estão certos no meu ponto de vista, 
visto que já se tem toda uma explicação científica, que Muthu et al., disserta em seu 
artigo. 
No estudo de Tan et al., 2019 afirma-se que a ligação entre a doença 
periodontal e a DPOC está na aspiração mecânica de conteúdo para o trato 
respiratório, e diz ainda que bactérias podem ser detectadas na cavidade oral, citando 
três espécies gram-negativas que exibem fortes associações com a periodontite. Ele 
ainda afirma que patógenos periodontais foram identificados no fluido pulmonar 
infectado. Tan et al., 2019 encontraram entre a placa subgengival emparelhada e as 
amostras de aspirado traqueal patógenos da placa dentária e patógenos pulmonares, 
porém, ele afirma que essas espécies encontradas não são comumente associadas a 
infecções respiratórias inferiores, nem na população em geral nem em indivíduos com 
DPOC, e também diz que não há estudos que associam diretamente patógenos orais 
à DPOC em pacientes com DPOC. Muthu et al., 2016 associam a periodontite e a 
DPOC pelo fator de risco em comum, o fumo. Onde estudos numerosos sugerem que 
fumar pode atuar como um importante modificador de efeito na relação entre 
periodontite e DPOC. Moghadam et al., 2017 afirmam que a má higiene oral e o fumo 
são fatores de risco muito importantes para a periodontite e doença pulmonar. 
Através da revisão de literatura foi possível verificar a relevância e a 
importância de uma boa e correta aplicação da higieneoral, a fim de obter um 
resultado satisfatório na qualidade da saúde periodontal, com isso o papel do cirurgião 
dentista é fundamental para a prevenção de doenças pulmonares diretamente 
relacionadas a saúde bucal. Sugere-se, por fim, incessantes discussões e realizações 
de novas pesquisas para compreender melhor a relação entre doença periodontal e 
doenças pulmonares, pois ainda existe uma carência de entendimento e compreensão 
sobre o assunto. 
35 
 
Este trabalho por ser uma revisão narrativa possui algumas limitações, como 
por exemplo, a seleção arbitrária dos artigos, visto que não foi feito através de uma 
metodoligia como uma revisão sistemática. Desse modo, alguns artigos importantes 
podem ter ficado de fora. É importante ressaltar que este trabalho é apenas um recorte 
da literatura, não abrange tudo o conteúdo sobre a relação entre a doença periodontal 
e as doenças pulmonares, portanto, algumas corelações podem ter sido deixadas de 
lado. Para trabalhos futuros é interessante a inclusão de revisões sistemáticas, pois 
elas têm um nível mais alto de evidência. Já existem revisões sistemáticas sobre esse 
assunto, porém não foram o foco neta revisão de literarua, visto que se buscou discutir 
de uma forma mais livre o tema, incluindo artigos originais. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
36 
 
7 CONCLUSÃO 
 
Com base nas evidências encontradas nesta revisão de literatura podemos 
concluir que há uma correlação entre doença periodontal e doenças pulmonares, 
porém não é muito compreendida. O papel do cirurgião dentista é fundamental já que 
uma boa higiene oral e uma boa saúde periodontal auxiliam na prevenção da doença 
periodontal e podem consequentemente prevenir repercussões nas doenças 
pulmonares. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
37 
 
REFERÊNCIAS 
 
1. Shen TC, Chang PY, Lin CL, Chen CH, Tu CY, Hsia TC, Shih CM, Hsu WH, Sung 
FC, Kao CH. Risk of Periodontal Diseases in Patients With Chronic Obstructive 
Pulmonary Disease: A Nationwide Population-based Cohort Study. Medicine 
(Baltimore). 2015 Nov;94(46). 
2. Pérez Barrionuevo AM, Gómez Real F, Igland J, Johannessen A, Omenaas E, 
Franklin KA, Pérez Barrionuevo L, Åstrøm AN, Svanes C, Bertelsen RJ. Periodontal 
health status and lung function in two Norwegian cohorts. PLoS One. 2018 Jan 
19;13(1). 
3. Parashar P, Parashar A, Saraswat N, Pani P, Pani N, Joshi S. Relationship 
between Respiratory and Periodontal Health in Adults: A Case-Control Study. J 
Int Soc Prev Community Dent. 2018 Nov-Dec;8(6):560-564. 
4. Muthu J, Muthanandam S, Mahendra J. Mouth the mirror of lungs: where does 
the connection lie? Front Med. 2016 Dec;10(4):405-409. 
5. Moghadam SA, Shirzaiy M, Risbaf S. The Associations between Periodontitis 
and Respiratory Disease. J Nepal Health Res Counc. 2017 Jan;15(1):1-6. 
6. Vadiraj S, Nayak R, Choudhary GK, Kudyar N, Spoorthi BR. Periodontal 
pathogens and respiratory diseases- evaluating their potential association: a 
clinical and microbiological study. J Contemp Dent Pract. 2013 Jul 1;14(4):610-5. 
7. Tan L, Tang X, Pan C, Wang H, Pan Y. Relationship among clinical periodontal, 
microbiologic parameters and lung function in participants with chronic 
obstructive pulmonary disease. J Periodontol. 2019 Feb;90(2):134-140. 
8. Son A, Shin DM, Hong JH. Peptidoglycan Induces The Production of Interleukin-
8 via Calcium Signaling in Human Gingival Epithelium. Korean J Physiol 
Pharmacol. 2015; 19: 51-57. 
9. Macedo, Fabiano & Saba-Chujfi, Eduardo & Santos-Pereira, Silva & Costa, Elton & 
Neto, José. Association Between Periodontitis and Lung Disease. RGO: Revista 
Gaúcha de Odontologia, Porto Alegre, v 58, n. 1, p.47-53, jan./mar. 2010. 
10. Cagnani A, Barros A, Sousa L, Zanin L, Bergamaschi C, Peruzzo D, Flório F. 
Periodontal disease as a risk factor for aspiration pneumonia: a systematic 
review. Biosci J 2016; (32): 813-21. 
11. Souto R, Boghossian C, Colombo A. Prevalence of pseudomonas aeruginosa 
and acinetobacter spp, in subgingival biofilm and saliva of subjects with chronic 
periodontal infection. Brazilian Journal of Microbiology 2014; 45:495-501 
12. ScannapiecoFA. Oral inflammation and respiratory diseases. Colgate White 
Papers: Oral Inflammation, 2005. 
13. Highfield J. Diagnosis and classification of periodontal disease. Aust Dent J. 
2009 Sep;54 Suppl 1:S11-26. doi: 10.1111/j.1834-7819.2009.01140.x. PMID: 
38 
 
19737262. 
14. Hobbins S, Chapple IL, Sapey E, Stockley RA. Is periodontitis a comorbidity of 
COPD or can associations be explained by shared risk factors/behaviors? Int J 
Chron Obstruct Pulmon Dis. 2017 May 4;12:1339-1349. doi: 
10.2147/COPD.S127802. PMID: 28496317; PMCID: PMC5422335. 
15. Prasanna SJ. Causal relationship between periodontitis and chronic 
obstructive pulmonary disease. J Indian Soc Periodontol. 2011 Oct;15(4):359-65. 
doi: 10.4103/0972-124X.92570. PMID: 22368360; PMCID: PMC3283933. 
16. Verghese A, Berk SL. Bacterial pneumonia in the elderly. Medicine (Baltimore). 
1983 Sep;62(5):271-85. doi: 10.1097/00005792-198309000-00002. PMID: 6353130. 
17. Zeng XT, Tu ML, Liu DY, Zheng D, Zhang J, Leng W. Periodontal disease and 
risk of chronic obstructive pulmonary disease: a meta-analysis of observational 
studies. PLoS One. 2012;7(10):e46508. doi: 10.1371/journal.pone.0046508. Epub 
2012 Oct 19. PMID: 23094025; PMCID: PMC3477163. 
18. Papapanou PN, Sanz M, et al. Periodontitis: Consensus report of Workgroup 
2 of the 2017 World Workshop on the Classification of Periodontal and Peri-
Implant Diseases and Conditions. J Periodontol. 2018;89(Suppl 1):S173–S182. 
 
 
 
 
 
 
 
39 
 
ANEXO A – ATA DE DEFESA

Materiais relacionados

Perguntas relacionadas

Materiais recentes

Perguntas Recentes