Buscar

Reumato- Febre Reumática

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

Luana Mascarenhas Couto 18.2- EBMSP
1
Reumato- Febre Reumática
Introdução
Representa uma doença inflamatória sistêmica que ocorre após uma infecção da faringe por Streptococcus pyogenes (Streptococcus beta hemolítico do grupo A). O organismo, por mimetismo molecular, combate a si mesmo por autoanticorpos e imunocomplexos. Ou seja, não existe uma febre reumática concomitante à febre reumática (período de incubação 2-4 semanas). É uma doença previnível, basta realização de um diagnóstico precoce.
Acomete todas as faixas etárias, porém é mais comum em crianças de 5-15 anos.
PRINCIPAL CAUSA DE DOENÇA REUMÁTICA NA INFÂNCIA/SEGUNDA CAUSA: KAWASAKI.
Fatores de risco:
Os principais fatores de risco são:
- História de febre reumática principal fator de risco.
OBS: POLIMIALGIA REUMÁTICA: doença inflamatória que costuma afetar pessoas > 50 anos e preferencialmente do sexo feminino. A doença causa rigidez pior pela manhã, dor no pescoço, quadril e ombros. Outros sintomas são: fadiga, perda de peso, febre baixa e depressão. O início dos sintomas é abrupto. O diagnóstico é clínico e de exclusão, e a base do tratamento envolve corticoide (porém não previne arterite).
Manifestações clínicas
Os principais achados clínicos são:
- Febre;
- Anemia de doença crônica;
- Achados mais específicos: é visto pelo ataque no órgão alvo, sendo eles: articulação, coração, pele, SNC;
· Articulações:
· Poliartrite assimétrica migratória, acometendo principalmente grandes articulações;
· Não há deformidade óssea.
· Coração: 2º alvo maior morbidade;
· Cardite: podendo acometer todas as camadas do coração (pericardite; miocardite; IC aguda), mas acomete principalmente o endocárdio (alterações valvares Acometem MITRAL e Depois AÓRTICA SOPRO DE INSUFICIÊNCIA MITRAL/AÓRTICA – SOPRO SISTÓLICO REGURGITATIVO, ou seja, a valva não consegue fechar direito, o que reflui o sangue na sístole); 
OBS: FASE AGUDA: INSUFICIÊNCIA MITRAL/AÓRTICA; FASE CRÔNICA: ESTENOSE MITRAL/AÓRTICA (aumento o risco de fibrilação atrial).
· Pele: geralmente quando acomete a pele, provavelmente o coração também está acometido;
· Eritema marginado/anelar: lesão com centro pálido e periferia hiperemiada;
· Nódulos subcutâneos: principalmente em áreas extensoras diagnóstico diferencial de artrite juvenil;
· SNC:
· Coreia de Sydenham: o paciente se apresenta com movimentos rápidos, flacidez Desaparece com o sono e piora com estresse Coreia mais comum na infância.
OBS: A coreia aparece de maneira mais tardia (1-6 meses após) e pode ocorrer de maneira isolada.
Diagnóstico
O diagnóstico de febre reumática se dá por meio de:
- Critérios de Jones: 2 MAIORES + OBRIGATÓRIO OU 1 MAIOR + 2 MENORES + OBRIGATÓRIO.
· Critérios obrigatórios: infecção pelo Streptococcus;
· Cultura;
· Teste rápido;
· Anticorpo: ASLO E ANTI- DNASE B ANTICORPOS REDUZEM COM O TEMPO.
OBS: Como a coreia é um achado tardio da doença, e há uma coreia isolada é febre reumática, mesmo que não complete os critérios.
Tratamento
O tratamento da febre reumática é feito por meio de:
- Erradicação do S. pyogenes: é o tratamento inicial para todos os achados clínicos;
· Penicilina Benzatina: 1.200.000 UI, dose única;
· Eritromicina em alérgicos.
- Medidas específicas:
· Artrite:
· AINES: principalmente AAS Possui uma resposta dramática ao AINES;
· Cardite:
· Corticoide: Prednisona 1-2 mg/kg/dia;
· Coreia:
· Sedativos: benzodiazepínicos, fenobarbital, Haloperidol, por exemplo;
· Pode associar a corticoide: Prednisona 1-2 mg/kg/dia.
Prevenção:
As principais medidas profiláticas são:
- Primária (quando nunca aconteceu a doença):
· Tratar faringite de maneira precoce, podendo fazer até o 9º dia de doença.
- Secundária (evitar recorrência): FEITA PARA TODOS OS PACIENTES!
· Penicilina benzatina a cada 21 dias;
· Sem cardite: até 21 anos ou 5 anos após o último surto (o que for mais longo);
· Cardite leve/Sem lesão residual ou Insuficiência mitral leve: até 25 anos OU 10 anos após o último surto (o que for mais longo);
· Cardite moderada/Lesão residual moderada: até 40 anos OU para vida toda;
· Cardite grave/troca valvar: para vida toda.