Buscar

peelings quimicos

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 11 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 11 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 9, do total de 11 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

Vamos iniciar com uma breve retomada de anatomofisiologia da pele humana, tecido que recebe os peelings químicos. Inicialmente, lembro que o tegumento é formado por três camadas: epiderme, derme e hipoderme. 
É importante a retomada sobre a anatomofisiologia tegumentar, porque os peelings químicos agem nesse tecido – na epiderme e na derme, especificamente. Não existem ácidos químicos com potencial suficientemente abrasivo para atingir a hipoderme. Devido às concentrações, ao pH e ao veículo utilizado, a epiderme é o tecido em que os peelings mais exercem efeito. 
A epiderme se trata de um tecido epitelial estratificado, pavimentoso e altamente queratinizado. É formada por uma proteína específica chamada queratina, e é nela que se encontram os queratinócitos. 
A renovação celular é a característica base do tecido epidermal. Todas as camadas da epiderme, considerando da mais profunda à mais superficial (ou seja, germinativa basal, espinhosa, granulosa e córnea), renovam-se constantemente.
💡 Um dos grandes objetivos dos peelings químicos magistrais é normalizar as taxas de renovação celular! 
A derme trata-se de um tecido conjuntivo, e é caracterizada como a segunda grande camada da pele humana. De acordo com a concentração, o pH e o tipo de veiculação, algumas formulações de peelings químicos magistrais podem penetrar na derme e desencadear determinados mecanismos de ação. 
Então, a epiderme, com seu caráter protetivo e renovador, e a derme, tecido conjuntivo onde encontramos o colágeno, a elastina, o ácido hialurônico e demais glicosaminoglicanos, além de toda a matriz extracelular responsável pela sustentação e pela elasticidade da nossa pele, são as camadas que recebem os efeitos dos peelings químicos. 
Na epiderme, os queratinócitos epidermais estão em constante renovação celula (maturação), saindo do queratinócito germinativo basal e se tornando corneócitos na camada mais superficial da pele.
Lembrem que a renovação celular é cíclica, e que um queratinócito germinativo ainda é uma célula anatomicamente volumosa porque carrega, no seu interior, uma grande quantidade de água – 90-95% do peso do queratinócito germinativo basal. Trata-se de uma célula blástica, com altíssimo potencial de mitose e de renovação celular, e é justamente através desse mecanismo de mitose que ocorre a replicação e a diferenciação da célula, levando aos estados de maturação celular. 
Quando em um estado mais maduro, se torna um queratinócito espinhoso, que está na camada de cima; esse, por sua vez, vira um queratinócito granuloso; por fim, um queratinócito granuloso, que já perdeu o seu núcleo e está extremamente queratinizado, se torna um corneócito/queratinócito córneo, chegando à parte mais superficial da pele. 
O corneócito é a célula mais queratinizada e com um conteúdo hídrico praticamente inexistente (menos de 5% do seu conteúdo é água); o restante é composto por queratina, hialina, uma célula anucleada que, por ser altamente queratinizada, é rígida (motivo pelo qual confere proteção). É chamada, também, de célula morta. 
Todo esse processo cíclico de renovação, em que um queratinócito germinativo se torna um corneócito, leva 21-28 dias. O que acontece no envelhecimento? Tanto no intrínseco (cronológico) quanto no extrínseco (causados por fatores externos), tem-se um aumento no tempo para que a renovação celular ocorra. 
👉 É através da remoção das camadas mais superficiais da pele que o peeling químico consegue reativar e trazer a renovação celular para o tempo médio (21-28 dias). Peeling = potencial queratolítico, esfoliativo, descamativo.
Os queratinócitos, que acabam ficando presos à pele com o decorrer do processo de envelhecimento, são células altamente ligadas umas às outras, já que possuem ligações de hidrogênio (grande força de interação molecular). covalentes
Além disso, existe uma proteína que aumenta ainda mais a ligação das células córneas: a filagrina. Então, as pontes de hidrogênio e a filagrina fixam os corneócitos uns aos outros e oferecem proteção mecânica, que impede que a pele sofra a ação de agressores.
O primeiro obstáculo dos peelings químicos é romper a camada córnea por meio do seu potencial queratolítico, esfoliativo e descamativo, diminuindo a coesão entre os queratinócitos. Com a remoção de camadas córneas, ocorre o aumento da permeabilidade para que o peeling faça a esfoliação química, trazendo os resultados clínicos esperados.  
A presença da filagrina não é apenas para compactar as células; ela é precursora, também, do Fator de Hidratação Natural. Trata-se de uma proteína formada por unidades estruturais, chamadas aminoácidos, que têm grande função hidratante e estruturante. O Fator de Hidratação Natural, por sua vez, é o conjunto de substâncias higroscópicas (retentoras de umidade na pele) que lubrificam e hidratam a pele.
No Fator de Hidratação Natural, temos:
Então, os peelings químicos removem as camadas superficiais da pele para diminuir a coesão entre os queratinócitos córneos, aumentando permeabilidade e, aí sim, exercendo os efeitos esperados.
Acima da camada córnea há o manto hidrolipídico, que se trata da união do sebo e do suor das glândulas anexas. Lembro que a pele humana é formada por anexos, dentre os quais os anexos glandulares apresentam uma grande importância fisiológica. 
São funções do manto hidrolipídico:
✓ Lubrificar
✓ Hidratar
✓ Proteger
✓ Manter a acidez do pH cutâneo
Lembro que todo ser humano possui pH cutâneo ácido, em torno de 4-6. O pH ácido tem a função de proteger o nosso organismo, porque muitos dos microrganismos que fazem parte da flora bacteriana local não colonizam e não causam infecções a nível de pele porque são sensíveis ao pH ácido. O que não queremos é uma remoção completa de manto hidrolipídico e, muito menos, a sua alcalinização.
Os peelings químicos magistrais removem o manto hidrolipídico, mas o que nós não podemos esquecer é que o manto hidrolipídico deve ser reposto no período pós-peeling químico. Manto hidrolipídico e camada córnea servem como uma barreira de proteção epidermal contra agentes biológicos e químicos. 
Outra grande função dos peelings químicos é a remoção de manchas cutâneas. Para falar sobre isso, precisamos rever o funcionamento de uma importante célula: o melanócito. Epidérmico e localizado na camada basal ou germinativa, é o grande responsável pela produção de melanina a partir da melanogênese. 
Existe um precursor de melanina (um aminoácido não essencial) chamado tirosina; e há a tirosinase, que converte por etapas oxidativas a tirosina em melanina. Essa, quando produzida em excesso, resulta em hiperpigmentação cutânea. 
Para bloquear a melanogênese, os peelings químicos têm propriedades clareadoras e despigmentantes. 
Ácidos com potencial clareador inibem a tirosinase, impedindo a melanogênese dentro do citoplasma do melanócito. Ácidos despigmentantes impedem a pigmentação através do aumento da capacidade de desativação da melanina ou do bloqueio do transporte desse pigmento. Ácidos com potencial clareador e despigmentante são as melhores escolhas para o tratamento de peles hiperpigmentadas, devido à redução e à prevenção das manchas.
 peelings químicos.
Trata-se de um protocolo manual que é realizado por um profissional qualificado para a aplicação tópica dos ácidos químicos, na face ou no corpo do paciente. O objetivo primário é promover uma esfoliação química, removendo a camada mais superficial da pele. Lembro que, no geral, a penetração dos ativos é epidérmica, mas é possível que atinja a derme, também.
👉Tratamentos com peelings químicos referem-se à aplicação tópica de ácidos químicos que promovem alterações tegumentares.
O primeiro objetivo dessa conduta terapêutica é, sem dúvida nenhuma, readequar os níveis de renovação celular nos queratinócitos epidermais (21-28 dias). Esse efeito é proporcionado pela remoção das células mortas da camada mais externa da pele.
Além da normalização das taxas de renovação celular, os peelings químicos também possuem o propósito de reduzir hipercromias. É por issoque, na aula anterior, nós fizemos uma revisão sobre a fisiologia do melanócito, célula especializada na produção de melanina, pigmento que dá origem às manchas. Os potenciais clareadores e despigmentantes dos peelings químicos têm a capacidade de reduzir hiperpigmentações cutâneas.
🔹 Peelings clareadores: Causam a inativação da tirosinase, impedindo que a melanina se deposite, ou que dispersem a melanina já depositada, promovendo a sua granulação através da esfoliação química.
🔹 Peelings despigmentantes: Inibem a tirosinase, impedindo a melanogênese dentro do citoplasma do melanócito.
Outro grande objetivo dos peelings químicos é promover o rejuvenescimento tecidual, efeito proporcionado pela normalização do tempo de renovação celular. Por isso, não é necessário que esses ácidos tenham grande potencial de penetração tegumentar; basta que ativem a renovação celular e tenham potencial hidratante. 
Porém, ressalto que ácidos com potencial lesivo também podem promover o rejuvenescimento, já que, quando penetram na derme, realizam uma vasodilatação da região, melhorando a passagem de sangue. Quanto mais vascularização, mais oxigenação e nutrição tecidual, o que torna o tecido atrativo para a renovação blástica.
É por meio de um mecanismo que chamamos de ativação da mitose dos fibroblastos ou dos fibrócitos (fibroblastos já maduros) que temos a produção de novo colágeno, nova elastina e nova matriz extracelular. Mas apenas hidratando, nutrindo, oxigenando, renovando as células ou vasodilatando a derme, os peelings já apresentam alta eficácia para o rejuvenescimento, tratando linhas de expressão, rugas profundas, sulcos marcados, estrias cutâneas, flacidez e demais sinais clínicos do fotoenvelhecimento.
Porém, a maior alteração gerada pela aplicação dos peelings químicos é a hiperplasia dos queratinócitos basais (aumento da quantidade de queratinócitos basais). Lembro que tratam-se das células blásticas, com maior potencial de diferenciação celular e que são encontradas na epiderme germinativa. Por meio da hiperplasia dos queratinócitos basais, o potencial de renovação celular se torna muito maior.
Além disso, os peelings químicos promovem o aumento da permeabilidade cutânea através da esfoliação química. Por meio dessa técnica, diminui-se a fixação dos corneócitos germinativos, o que leva as células a se abrirem (maior permeabilidade cutânea).
⚠️Por isso, tomem muito cuidado com a aplicação de dermocosméticos após peeling químico, uma vez que a pele dos pacientes fica mais fragilizada. A escolha correta dos ativos tópicos, como veremos em aulas subsequentes, é capaz de definir o êxito do tratamento.
Em síntese, as quatro alterações geradas pelos peelings químicos são:
🔹 Remoção de manchas.
🔹 Rejuvenescimento.
🔹 Hiperplasia dos queratinócitos basais.
🔹 Aumento da permeabilidade cutânea.
Então, a diminuição da coesão dos queratinócitos basais, através da esfoliação química, aumenta a permeabilidade cutânea e a hidratação da derme e da epiderme.
Peelings químicos também são capazes de aumentar as taxas de água, tanto a nível de epiderme quanto de derme, visto que alguns ativos possuem potencial hidratante e de hidroscopia. Além disso, podem estimular a produção de matriz extracelular (elastina e colágeno), rejuvenescendo o tegumento.
Levando em conta os efeitos dos peelings químicos de renovação celular, aumento de hidratação, estímulo de colágeno e redução de manchas, são vastas as possibilidades terapêuticas utilizando ácidos químicos. 
Os peelings são classificados, quanto à profundidade, em três tipos:
🔹 Superficiais: Atuação restrita às camadas epidermais. Não penetram a lâmina basal.
🔹 Médios: Ácidos químicos que penetram na derme papilar, não atingindo, porém, a derme reticular.
🔹 Profundos: Expõem a camada superficial da derme reticular (que está logo acima do tecido adiposo). 
Os peelings profundos são apenas liberados legalmente aos profissionais formados em Medicina. Os peelings médios podem ser aplicados por biomédicos, enfermeiros e farmacêuticos, e quem trabalha na área da Estética está apto a atuar com todos os protocolos de peelings superficiais.
São muitas as indicações dos peelings superficiais e médios. Com eles, tratamos hiperpigmentações (melasma, efélides, cloasma e manchas senis), envelhecimento (rugas em qualquer parte do corpo, linhas de expressão, rugas finas, sulcos marcados, flacidez de pele), estrias rubras e albas, acne, cicatrizes de acne e quadros de hiperceratoses.
Algumas das contraindicações de aplicação dos peelings químicos são pacientes com:
🔹 Exposição constante à radiação solar.
🔹 Exposição a fontes de calor.
🔹 Imunodeficiência.
🔹 Doenças crônicas.
🔹 Uso de medicamentos fototóxicos.
🔹 Uso de antibióticos (tetraciclinas).
🔹 Histórico grave de herpes.
🔹 Histórico de queimaduras.
🔹 Infecções ativas na pele.
Pacientes lactantes e gestantes também são contraindicadas. Qualquer pessoa com alterações de saúde deve, primeiro, tratar o seu quadro; depois, está liberada a utilizar peelings químicos. ✅
Para finalizar essa aula, vamos falar sobre padronização de aplicação dos peelings químicos magistrais. Lembro que existem aplicadores e itens corretos para manuseio. Apenas manuseia-se ácidos em grals de porcelana ou em dappens de vidro, e só aplica-se ácidos com pincéis específicos de uso único (exemplo, rosa autoclavável, ou o laranja de cerdas comuns). Utilizar em apenas um paciente, durante o período em que ele comparece às sessões (8-15 consultas). 
Usar swab descartável, torundas, gaze e algodão caso desejem realizar um esfregaço na região. Porém, ressalto que os dappens de vidro e os grals de porcelana são obrigatórios em qualquer protocolo de peeling químico. ⚠️
Para aplicação facial, deve-se seguir a padronização mundial dos quadrantes da face:
1º: Quadrante frontal
2º: Quadrantes temporomandibulares
3º: Quadrante nasal
4º: Quadrante mentoniano
5º: Quadrantes zigomático malares
6º: Pálpebras inferiores e/ou superiores
Assim, garante-se uniformidade na aplicação dos ácidos químicos. Após aplicar em toda a face do paciente, é preciso iniciar a contagem de tempo em que a substância fica em contato com a pele. 
👉Não esqueçam dessas dicas para trabalhar com segurança, responsabilidade e cautela. Lembrem-se de utilizar os aparatos certos e de padronizar a aplicação para obter sucesso no tratamento com peelings químicos.

Materiais relacionados

Perguntas relacionadas

Materiais recentes

Perguntas Recentes