Buscar

APOSTILA noções de direito

Prévia do material em texto

51
a solução para o seu concurso!
Editora
NOÇÕES DE DIREITO
I – DIREITO E GARANTIAS FUNDAMENTAIS: DIREITOS E 
DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS; DIREITO À VIDA, À 
LIBERDADE, À IGUALDADE, À SEGURANÇA E À PROPRIE-
DADE; DIREITOS SOCIAIS; NACIONALIDADE; CIDADANIA; 
GARANTIAS CONSTITUCIONAIS INDIVIDUAIS; GARAN-
TIAS DOS DIREITOS COLETIVOS, SOCIAIS E POLÍTICOS
Distinção entre Direitos e Garantias Fundamentais
Pode-se dizer que os direitos fundamentais são os bens jurídi-
cos em si mesmos considerados, de cunho declaratório, narrados 
no texto constitucional. Por sua vez, as garantias fundamentais são 
estabelecidas na mesma Constituição Federal como instrumento de 
proteção dos direitos fundamentais e, como tais, de cunho assecu-
ratório.
Evolução dos Direitos e Garantias Fundamentais
– Direitos Fundamentais de Primeira Geração
Possuem as seguintes características:
a) surgiram no final do século XVIII, no contexto da Revolução 
Francesa, fase inaugural do constitucionalismo moderno, e domina-
ram todo o século XIX;
b) ganharam relevo no contexto do Estado Liberal, em oposição 
ao Estado Absoluto;
c) estão ligados ao ideal de liberdade;
d) são direitos negativos, que exigem uma abstenção do Estado 
em favor das liberdades públicas;
e) possuíam como destinatários os súditos como forma de pro-
teção em face da ação opressora do Estado;
f) são os direitos civis e políticos.
– Direitos Fundamentais de Segunda Geração
Possuem as seguintes características:
a) surgiram no início do século XX;
b) apareceram no contexto do Estado Social, em oposição ao 
Estado Liberal;
c) estão ligados ao ideal de igualdade;
d) são direitos positivos, que passaram a exigir uma atuação 
positiva do Estado;
e) correspondem aos direitos sociais, culturais e econômicos.
– Direitos Fundamentais de Terceira Geração
Em um próximo momento histórico, foi despertada a preocu-
pação com os bens jurídicos da coletividade, com os denominados 
interesses metaindividuais (difusos, coletivos e individuais homogê-
neos), nascendo os direitos fundamentais de terceira geração.
Direitos Metaindividuais
Natureza Destinatários
Difusos Indivisível Indeterminados
Coletivos Indivisível
Determináveis 
ligados por uma relação 
jurídica
Individuais 
Homogêneos Divisível
Determinados 
ligados por uma situação 
fática
Os Direitos Fundamentais de Terceira Geração possuem as se-
guintes características:
a) surgiram no século XX;
b) estão ligados ao ideal de fraternidade (ou solidariedade), 
que deve nortear o convívio dos diferentes povos, em defesa dos 
bens da coletividade;
c) são direitos positivos, a exigir do Estado e dos diferentes 
povos uma firme atuação no tocante à preservação dos bens de 
interesse coletivo;
d) correspondem ao direito de preservação do meio ambiente, 
de autodeterminação dos povos, da paz, do progresso da humani-
dade, do patrimônio histórico e cultural, etc.
– Direitos Fundamentais de Quarta Geração
Segundo Paulo Bonavides, a globalização política é o fator his-
tórico que deu origem aos direitos fundamentais de quarta gera-
ção. Eles estão ligados à democracia, à informação e ao pluralismo. 
Também são transindividuais.
– Direitos Fundamentais de Quinta Geração
Paulo Bonavides defende, ainda, que o direito à paz represen-
taria o direito fundamental de quinta geração.
Características dos Direitos e Garantias Fundamentais
São características dos Direitos e Garantias Fundamentais:
a) Historicidade: não nasceram de uma só vez, revelando sua 
índole evolutiva;
b) Universalidade: destinam-se a todos os indivíduos, indepen-
dentemente de características pessoais;
c) Relatividade: não são absolutos, mas sim relativos;
d) Irrenunciabilidade: não podem ser objeto de renúncia;
e) Inalienabilidade: são indisponíveis e inalienáveis por não 
possuírem conteúdo econômico-patrimonial;
f) Imprescritibilidade: são sempre exercíveis, não desparecen-
do pelo decurso do tempo.
NOÇÕES DE DIREITO
5252
a solução para o seu concurso!
Editora
Destinatários dos Direitos e Garantias Fundamentais
Todas as pessoas físicas, sem exceção, jurídicas e estatais, são 
destinatárias dos direitos e garantias fundamentais, desde que 
compatíveis com a sua natureza.
Eficácia Horizontal dos Direitos e Garantias Fundamentais
Muito embora criados para regular as relações verticais, de su-
bordinação, entre o Estado e seus súditos, passam a ser emprega-
dos nas relações provadas, horizontais, de coordenação, envolven-
do pessoas físicas e jurídicas de Direito Privado.
Natureza Relativa dos Direitos e Garantias Fundamentais
Encontram limites nos demais direitos constitucionalmente 
consagrados, bem como são limitados pela intervenção legislativa 
ordinária, nos casos expressamente autorizados pela própria Cons-
tituição (princípio da reserva legal).
Colisão entre os Direitos e Garantias Fundamentais
O princípio da proporcionalidade sob o seu triplo aspecto (ade-
quação, necessidade e proporcionalidade em sentido estrito) é a 
ferramenta apta a resolver choques entre os princípios esculpidos 
na Carta Política, sopesando a incidência de cada um no caso con-
creto, preservando ao máximo os direitos e garantias fundamentais 
constitucionalmente consagrados.
Os quatro status de Jellinek
a) status passivo ou subjectionis: quando o indivíduo se encon-
tra em posição de subordinação aos poderes públicos, caracterizan-
do-se como detentor de deveres para com o Estado;
b) status negativo: caracterizado por um espaço de liberdade 
de atuação dos indivíduos sem ingerências dos poderes públicos;
c) status positivo ou status civitatis: posição que coloca o indi-
víduo em situação de exigir do Estado que atue positivamente em 
seu favor;
d) status ativo: situação em que o indivíduo pode influir na for-
mação da vontade estatal, correspondendo ao exercício dos direi-
tos políticos, manifestados principalmente por meio do voto.
Os direitos individuais estão elencados no caput do Artigo 5º 
da CF. São eles:
Direito à Vida
O direito à vida deve ser observado por dois prismas: o direito 
de permanecer vivo e o direito de uma vida digna.
O direito de permanecer vivo pode ser observado, por exemplo, 
na vedação à pena de morte (salvo em caso de guerra declarada).
Já o direito à uma vida digna, garante as necessidades vitais 
básicas, proibindo qualquer tratamento desumano como a tortura, 
penas de caráter perpétuo, trabalhos forçados, cruéis, etc.
Direito à Liberdade
O direito à liberdade consiste na afirmação de que ninguém será 
obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa, senão em virtude de 
lei. Tal dispositivo representa a consagração da autonomia privada.
Trata-se a liberdade, de direito amplo, já que compreende, 
dentre outros, as liberdades: de opinião, de pensamento, de loco-
moção, de consciência, de crença, de reunião, de associação e de 
expressão.
Direito à Igualdade
A igualdade, princípio fundamental proclamado pela Constitui-
ção Federal e base do princípio republicano e da democracia, deve 
ser encarada sob duas óticas, a igualdade material e a igualdade 
formal.
A igualdade formal é a identidade de direitos e deveres conce-
didos aos membros da coletividade por meio da norma.
Por sua vez, a igualdade material tem por finalidade a busca 
da equiparação dos cidadãos sob todos os aspectos, inclusive o 
jurídico. É a consagração da máxima de Aristóteles, para quem o 
princípio da igualdade consistia em tratar igualmente os iguais e 
desigualmente os desiguais na medida em que eles se desigualam.
Sob o pálio da igualdade material, caberia ao Estado promover 
a igualdade de oportunidades por meio de políticas públicas e leis 
que, atentos às características dos grupos menos favorecidos, com-
pensassem as desigualdades decorrentes do processo histórico da 
formação social.
Direito à Privacidade
Para o estudo do Direito Constitucional, a privacidade é gênero, 
do qual são espécies a intimidade, a honra, a vida privada e a ima-
gem. De maneira que, os mesmos são invioláveis e a eles assegura-
-se o direito àindenização pelo dano moral ou material decorrente 
de sua violação.
Direito à Honra
O direito à honra almeja tutelar o conjunto de atributos perti-
nentes à reputação do cidadão sujeito de direitos, exatamente por 
tal motivo, são previstos no Código Penal.
Direito de Propriedade
É assegurado o direito de propriedade, contudo, com 
restrições, como por exemplo, de que se atenda à função social da 
propriedade. Também se enquadram como espécies de restrição do 
direito de propriedade, a requisição, a desapropriação, o confisco 
e o usucapião.
Do mesmo modo, é no direito de propriedade que se assegu-
ram a inviolabilidade do domicílio, os direitos autorais (propriedade 
intelectual) e os direitos reativos à herança.
Destes direitos, emanam todos os incisos do Art. 5º, da CF/88, 
conforme veremos abaixo:
TÍTULO II
DOS DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS
CAPÍTULO I
DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS
Artigo 5º - Todos são iguais perante a lei, sem distinção de 
qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros 
residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à 
igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
I- homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações, nos 
termos desta Constituição;
II- ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coi-
sa senão em virtude de lei;
III- ninguém será submetido à tortura nem a tratamento desu-
mano ou degradante;
IV- é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o ano-
nimato;
NOÇÕES DE DIREITO
53
a solução para o seu concurso!
Editora
V- é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, 
além da indenização por dano material, moral ou à imagem;
VI- é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo 
assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na for-
ma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;
VII - é assegurada, nos termos da lei, a prestação de assistência 
religiosa nas entidades civis e militares de internação coletiva;
VIII- ninguém será privado de direitos por motivo de crença re-
ligiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para 
eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir 
prestação alternativa, fixada em lei;
IX - é livre a expressão de atividade intelectual, artística, cientí-
fica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;
X - são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a ima-
gem das pessoas, assegurado o direito à indenização por dano ma-
terial ou moral decorrente de sua violação;
XI- a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém nela podendo 
penetrar sem consentimento do morador, salvo em caso de flagran-
te delito ou desastre, ou para prestar socorro, ou, durante o dia, por 
determinação judicial;
XII- é inviolável o sigilo da correspondência e das comunica-
ções telegráficas, de dados e das comunicações telefônicas, salvo, 
no último caso, por ordem judicial, nas hipóteses e na forma que a 
lei estabelecer para fins de investigação criminal ou instrução pro-
cessual penal;
XIII- é livre o exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, 
atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer;
XIV- é assegurado a todos o acesso à informação e resguardado 
o sigilo da fonte, quando necessário ao exercício profissional;
XV- é livre a locomoção no território nacional em tempo de paz, 
podendo qualquer pessoa, nos termos da lei, nele entrar, permane-
cer ou dele sair com seus bens;
XVI- todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em lo-
cais abertos ao público, independentemente de autorização, desde 
que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o 
mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade com-
petente;
XVII- é plena a liberdade de associação para fins lícitos, vedada 
a de caráter paramilitar;
XVIII- a criação de associações e, na forma da lei, a de coope-
rativas independem de autorização, sendo vedada a interferência 
estatal em seu funcionamento;
XIX- as associações só poderão ser compulsoriamente dissolvi-
das ou ter suas atividades suspensas por decisão judicial, exigindo-
-se, no primeiro caso, o trânsito em julgado;
XX- ninguém poderá ser compelido a associar-se ou a perma-
necer associado;
XXI- as entidades associativas, quando expressamente autori-
zadas, têm legitimidade para representar seus filiados judicial ou 
extrajudicialmente;
XXII- é garantido o direito de propriedade;
XXIII- a propriedade atenderá a sua função social;
XXIV- a lei estabelecerá o procedimento para desapropriação 
por necessidade ou utilidade pública, ou por interesse social, me-
diante justa e prévia indenização em dinheiro, ressalvados os casos 
previstos nesta Constituição;
XXV- no caso de iminente perigo público, a autoridade com-
petente poderá usar de propriedade particular, assegurada ao pro-
prietário indenização ulterior, se houver dano;
XXVI- a pequena propriedade rural, assim definida em lei, des-
de que trabalhada pela família, não será objeto de penhora para 
pagamento de débitos decorrentes de sua atividade produtiva, dis-
pondo a lei sobre os meios de financiar o seu desenvolvimento;
XXVII - aos autores pertence o direito exclusivo de utilização, 
publicação ou reprodução de suas obras, transmissível aos herdei-
ros pelo tempo que a lei fixar;
XXVIII- são assegurados, nos termos da lei:
a) a proteção às participações individuais em obras coletivas e 
à reprodução da imagem e voz humanas, inclusive nas atividades 
desportivas;
b) o direito de fiscalização do aproveitamento econômico das 
obras que criarem ou de que participarem aos criadores, aos intér-
pretes e às respectivas representações sindicais e associativas;
XXIX- a lei assegurará aos autores de inventos industriais privi-
légio temporário para sua utilização, bem como às criações indus-
triais, à propriedade das marcas, aos nomes de empresas e a outros 
signos distintivos, tendo em vista o interesse social e o desenvolvi-
mento tecnológico e econômico do País;
XXX- é garantido o direito de herança;
XXXI- a sucessão de bens de estrangeiros situados no País será 
regulada pela lei brasileira em benefício do cônjuge ou dos filhos 
brasileiros, sempre que não lhes seja mais favorável à lei pessoal 
do de cujus; 
XXXII- o Estado promoverá, na forma da lei, a defesa do con-
sumidor;
XXXIII- todos têm direito a receber dos órgãos públicos informa-
ções de seu interesse particular, ou de interesse coletivo ou geral, 
que serão prestadas no prazo da lei, sob pena de responsabilidade, 
ressalvadas aquelas cujo sigilo seja imprescindível à segurança da 
sociedade e do Estado;
XXXIV- são a todos assegurados, independentemente do paga-
mento de taxas:
a) o direito de petição aos Poderes Públicos em defesa de direi-
tos ou contra ilegalidade ou abuso de poder;
b) a obtenção de certidões em repartições públicas, para defe-
sa de direitos e esclarecimento de situações de interesse pessoal;
XXXV- a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão 
ou ameaça a direito;
XXXVI- a lei não prejudicará o direito adquirido, o ato jurídico 
perfeito e a coisa julgada;
XXXVII- não haverá juízo ou tribunal de exceção;
XXXVIII- é reconhecida a instituição do júri, com a organização 
que lhe der a lei, assegurados:
a) a plenitude da defesa;
b) o sigilo das votações;
c) a soberania dos veredictos;
d) a competência para o julgamento dos crimes dolosos contra 
a vida;
XXXIX- não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena 
sem prévia cominação legal;
XL- a lei penal não retroagirá, salvo para beneficiar o réu;
XLI- a lei punirá qualquer discriminação atentatória dos direitos 
e liberdades fundamentais;
XLII- a prática do racismo constitui crime inafiançável e impres-
critível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei;
NOÇÕES DE DIREITO
5454
a solução para o seu concurso!
Editora
XLIII- a lei considerará crimes inafiançáveis e insuscetíveis de 
graça ou anistia a prática de tortura,o tráfico ilícito de entorpecen-
tes e drogas afins, o terrorismo e os definidos como crimes hedion-
dos, por eles respondendo os mandantes, os executores e os que, 
podendo evitá-los, se omitirem;
XLIV- constitui crime inafiançável e imprescritível a ação de gru-
pos armados, civis ou militares, contra a ordem constitucional e o 
Estado Democrático;
XLV- nenhuma pena passará da pessoa do condenado, poden-
do a obrigação de reparar o dano e a decretação do perdimento de 
bens ser, nos termos da lei, estendidas aos sucessores e contra eles 
executadas, até o limite do valor do patrimônio transferido;
XLVI- a lei regulará a individualização da pena e adotará, entre 
outras, as seguintes:
a) privação ou restrição de liberdade;
b) perda de bens;
c) multa;
d) prestação social alternativa;
e) suspensão ou interdição de direitos;
XLVII- não haverá penas:
a) de morte, salvo em caso de guerra declarada, nos termos do 
artigo 84, XIX;
b) de caráter perpétuo;
c) de trabalhos forçados;
d) de banimento;
e) cruéis;
XLVIII- a pena será cumprida em estabelecimentos distintos, de 
acordo com a natureza do delito, a idade e o sexo do apenado;
XLIX- é assegurado aos presos o respeito à integridade física e 
moral;
L- às presidiárias serão asseguradas condições para que possam 
permanecer com seus filhos durante o período de amamentação;
LI- nenhum brasileiro será extraditado, salvo o naturalizado, em 
caso de crime comum, praticado antes da naturalização, ou de com-
provado envolvimento em tráfico ilícito de entorpecentes e drogas 
afins, na forma da lei;
LII- não será concedida extradição de estrangeiro por crime po-
lítico ou de opinião;
LIII- ninguém será processado nem sentenciado senão por au-
toridade competente;
LIV- ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o 
devido processo legal;
LV- aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos 
acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla defesa, 
com os meios e recursos a ela inerentes;
LVI- são inadmissíveis, no processo, as provas obtidas por 
meios ilícitos;
LVII- ninguém será considerado culpado até o trânsito em julga-
do da sentença penal condenatória;
LVIII- o civilmente identificado não será submetido à identifica-
ção criminal, salvo nas hipóteses previstas em lei;
LIX- será admitida ação privada nos crimes de ação pública, se 
esta não for intentada no prazo legal;
LX- a lei só poderá restringir a publicidade dos atos processuais 
quando a defesa da intimidade ou o interesse social o exigirem;
LXI- ninguém será preso senão em flagrante delito ou por or-
dem escrita e fundamentada de autoridade judiciária competente, 
salvo nos casos de transgressão militar ou crime propriamente mi-
litar, definidos em lei;
LXII- a prisão de qualquer pessoa e o local onde se encontre 
serão comunicados imediatamente ao juiz competente e à família 
ou à pessoa por ele indicada;
LXIII- o preso será informado de seus direitos, entre os quais o 
de permanecer calado, sendo-lhe assegurada a assistência da famí-
lia e de advogado;
LXIV- o preso tem direito a identificação dos responsáveis por 
sua prisão ou por seu interrogatório policial;
LXV- a prisão ilegal será imediatamente relaxada pela autorida-
de judiciária;
LXVI- ninguém será levado à prisão ou nela mantido, quando a 
lei admitir a liberdade provisória, com ou sem fiança;
LXVII- não haverá prisão civil por dívida, salvo a do responsável 
pelo inadimplemento voluntário e inescusável de obrigação alimen-
tícia e a do depositário infiel;
LXVIII- conceder-se-á habeas corpus sempre que alguém sofrer 
ou se achar ameaçado de sofrer violência ou coação em sua liberda-
de de locomoção, por ilegalidade ou abuso de poder;
LXIX- conceder-se-á mandado de segurança para proteger di-
reito líquido e certo, não amparado por habeas corpus ou habe-
as data, quando o responsável pela ilegalidade ou abuso de poder 
for autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no exercício de 
atribuições de Poder Público;
LXX- o mandado de segurança coletivo pode ser impetrado por:
a) partido político com representação no Congresso Nacional;
b) organização sindical, entidade de classe ou associação legal-
mente constituída e em funcionamento há pelo menos um ano, em 
defesa dos interesses de seus membros ou associados;
LXXI- conceder-se-á mandado de injunção sempre que a falta 
de norma regulamentadora torne inviável o exercício dos direitos e 
liberdades constitucionais e das prerrogativas inerentes à nacionali-
dade, à soberania e à cidadania;
LXXII- conceder-se-á habeas data:
a) para assegurar o conhecimento de informações relativas à 
pessoa do impetrante, constantes de registros ou bancos de dados 
de entidades governamentais ou de caráter público;
b) para a retificação de dados, quando não se prefira fazê-lo 
por processo sigiloso, judicial ou administrativo;
LXXIII- qualquer cidadão é parte legítima para propor ação 
popular que vise a anular ato lesivo ao patrimônio público ou de 
entidade de que o Estado participe, à moralidade administrativa, 
ao meio ambiente e ao patrimônio histórico e cultural, ficando o 
autor, salvo comprovada má-fé, isento de custas judiciais e do ônus 
da sucumbência;
LXXIV- o Estado prestará assistência jurídica integral e gratuita 
aos que comprovarem insuficiência de recursos;
LXXV- o Estado indenizará o condenado por erro judiciário, as-
sim como o que ficar preso além do tempo fixado na sentença;
LXXVI- são gratuitos para os reconhecidamente pobres, na for-
ma da lei:
a) o registro civil de nascimento;
b) a certidão de óbito.
LXXVII- são gratuitas as ações de habeas corpus e habeas data 
e, na forma da lei, os atos necessário ao exercício da cidadania;
LXXVIII- a todos, no âmbito judicial e administrativo, são asse-
gurados a razoável duração do processo e os meios que garantam a 
celeridade de sua tramitação.
LXXIX - é assegurado, nos termos da lei, o direito à proteção dos 
dados pessoais, inclusive nos meios digitais. (Incluído pela Emenda 
Constitucional nº 115, de 2022)
NOÇÕES DE DIREITO
55
a solução para o seu concurso!
Editora
§1º As normas definidoras dos direitos e garantias fundamentais 
têm aplicação imediata.
§2º Os direitos e garantias expressos nesta Constituição não 
excluem outros decorrentes do regime e dos princípios por ela 
adotados, ou dos tratados internacionais em que a República 
Federativa do Brasil seja parte.
§3º Os tratados e convenções internacionais sobre direitos 
humanos que forem aprovados, em cada Casa do Congresso 
Nacional, em dois turnos, por três quintos dos votos dos respectivos 
§4º O Brasil se submete à jurisdição de Tribunal Penal 
Internacional a cuja criação tenha manifestado adesão.
O tratado foi equiparado no ordenamento jurídico brasileiro às 
leis ordinárias. Em que pese tenha adquirido este caráter, o men-
cionado tratado diz respeito a direitos humanos, porém não possui 
característica de emenda constitucional, pois entrou em vigor em 
nosso ordenamento jurídico antes da edição da Emenda Constitu-
cional nº 45/04. Para que tal tratado seja equiparado às emendas 
constitucionais deverá passar pelo mesmo rito de aprovação destas
Os direitos sociais são prestações positivas proporcionadas 
pelo Estado direta ou indiretamente, enunciadas em normas cons-
titucionais, que possibilitam melhores condições de vida aos mais 
fracos, direitos que tendem a realizar a igualização de situações so-
ciais desiguais. São, portanto, direitos que se ligam ao direito de 
igualdade. Estão previstos na CF nos artigos 6 a 11. Vejamos:
CAPÍTULO II
DOS DIREITOS SOCIAIS
Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, 
o trabalho, a moradia, o transporte, o lazer, a segurança, a previ-
dência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência 
aos desamparados, na forma desta Constituição. (Redação dada 
pela Emenda Constitucional nº 90, de 2015)
Parágrafo único. Todo brasileiro em situação de vulnerabilidade 
social terá direito a uma renda básica familiar, garantidapelo poder 
público em programa permanente de transferência de renda, cujas 
normas e requisitos de acesso serão determinados em lei, observa-
da a legislação fiscal e orçamentária. (Incluído pela Emenda Consti-
tucional nº 114, de 2021)
Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de 
outros que visem à melhoria de sua condição social:
I - relação de emprego protegida contra despedida arbitrária 
ou sem justa causa, nos termos de lei complementar, que preverá 
indenização compensatória, dentre outros direitos;
II - seguro-desemprego, em caso de desemprego involuntário;
III - fundo de garantia do tempo de serviço;
IV - salário mínimo , fixado em lei, nacionalmente unificado, 
capaz de atender a suas necessidades vitais básicas e às de sua fa-
mília com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, 
higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos 
que lhe preservem o poder aquisitivo, sendo vedada sua vinculação 
para qualquer fim;
V - piso salarial proporcional à extensão e à complexidade do 
trabalho;
VI - irredutibilidade do salário, salvo o disposto em convenção 
ou acordo coletivo;
VII - garantia de salário, nunca inferior ao mínimo, para os que 
percebem remuneração variável;
VIII - décimo terceiro salário com base na remuneração integral 
ou no valor da aposentadoria;
IX – remuneração do trabalho noturno superior à do diurno;
X - proteção do salário na forma da lei, constituindo crime sua 
retenção dolosa;
XI – participação nos lucros, ou resultados, desvinculada da re-
muneração, e, excepcionalmente, participação na gestão da empre-
sa, conforme definido em lei;
XII - salário-família pago em razão do dependente do trabalha-
dor de baixa renda nos termos da lei;
XIII - duração do trabalho normal não superior a oito horas di-
árias e quarenta e quatro semanais, facultada a compensação de 
horários e a redução da jornada, mediante acordo ou convenção 
coletiva de trabalho;
XIV - jornada de seis horas para o trabalho realizado em turnos 
ininterruptos de revezamento, salvo negociação coletiva;
XV - repouso semanal remunerado, preferencialmente aos do-
mingos;
XVI - remuneração do serviço extraordinário superior, no míni-
mo, em cinquenta por cento à do normal;
XVII - gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, um 
terço a mais do que o salário normal;
XVIII - licença à gestante, sem prejuízo do emprego e do salário, 
com a duração de cento e vinte dias;
XIX - licença-paternidade, nos termos fixados em lei;
XX - proteção do mercado de trabalho da mulher, mediante in-
centivos específicos, nos termos da lei;
XXI - aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, sendo no 
mínimo de trinta dias, nos termos da lei;
XXII - redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de 
normas de saúde, higiene e segurança;
XXIII - adicional de remuneração para as atividades penosas, 
insalubres ou perigosas, na forma da lei;
XXIV - aposentadoria;
XXV - assistência gratuita aos filhos e dependentes desde o nas-
cimento até 5 (cinco) anos de idade em creches e pré-escolas;
XXVI - reconhecimento das convenções e acordos coletivos de 
trabalho;
XXVII - proteção em face da automação, na forma da lei;
XXVIII - seguro contra acidentes de trabalho, a cargo do empre-
gador, sem excluir a indenização a que este está obrigado, quando 
incorrer em dolo ou culpa;
XXIX - ação, quanto aos créditos resultantes das relações de 
trabalho, com prazo prescricional de cinco anos para os trabalha-
dores urbanos e rurais, até o limite de dois anos após a extinção do 
contrato de trabalho;
a) (Revogada).
b) (Revogada).
XXX - proibição de diferença de salários, de exercício de fun-
ções e de critério de admissão por motivo de sexo, idade, cor ou 
estado civil;
XXXI - proibição de qualquer discriminação no tocante a salário 
e critérios de admissão do trabalhador portador de deficiência;
XXXII - proibição de distinção entre trabalho manual, técnico e 
intelectual ou entre os profissionais respectivos;
XXXIII - proibição de trabalho noturno, perigoso ou insalubre a 
menores de dezoito e de qualquer trabalho a menores de dezesseis 
anos, salvo na condição de aprendiz, a partir de quatorze anos;
NOÇÕES DE DIREITO
5656
a solução para o seu concurso!
Editora
XXXIV - igualdade de direitos entre o trabalhador com vínculo 
empregatício permanente e o trabalhador avulso.
Parágrafo único. São assegurados à categoria dos trabalhado-
res domésticos os direitos previstos nos incisos IV, VI, VII, VIII, X, 
XIII, XV, XVI, XVII, XVIII, XIX, XXI, XXII, XXIV, XXVI, XXX, XXXI e XXXIII 
e, atendidas as condições estabelecidas em lei e observada a sim-
plificação do cumprimento das obrigações tributárias, principais e 
acessórias, decorrentes da relação de trabalho e suas peculiarida-
des, os previstos nos incisos I, II, III, IX, XII, XXV e XXVIII, bem como 
a sua integração à previdência social.
Art. 8º É livre a associação profissional ou sindical, observado 
o seguinte:
I - a lei não poderá exigir autorização do Estado para a fundação 
de sindicato, ressalvado o registro no órgão competente, vedadas 
ao Poder Público a interferência e a intervenção na organização sin-
dical;
II - é vedada a criação de mais de uma organização sindical, em 
qualquer grau, representativa de categoria profissional ou econô-
mica, na mesma base territorial, que será definida pelos trabalha-
dores ou empregadores interessados, não podendo ser inferior à 
área de um Município;
III - ao sindicato cabe a defesa dos direitos e interesses coleti-
vos ou individuais da categoria, inclusive em questões judiciais ou 
administrativas;
IV - a assembleia geral fixará a contribuição que, em se tratan-
do de categoria profissional, será descontada em folha, para custeio 
do sistema confederativo da representação sindical respectiva, in-
dependentemente da contribuição prevista em lei;
V - ninguém será obrigado a filiar-se ou a manter-se filiado a 
sindicato;
VI - é obrigatória a participação dos sindicatos nas negociações 
coletivas de trabalho;
VII - o aposentado filiado tem direito a votar e ser votado nas 
organizações sindicais;
VIII - é vedada a dispensa do empregado sindicalizado a par-
tir do registro da candidatura a cargo de direção ou representação 
sindical e, se eleito, ainda que suplente, até um ano após o final do 
mandato, salvo se cometer falta grave nos termos da lei.
Parágrafo único. As disposições deste artigo aplicam-se à orga-
nização de sindicatos rurais e de colônias de pescadores, atendidas 
as condições que a lei estabelecer.
Art. 9º É assegurado o direito de greve, competindo aos tra-
balhadores decidir sobre a oportunidade de exercê-lo e sobre os 
interesses que devam por meio dele defender.
§1º A lei definirá os serviços ou atividades essenciais e disporá 
sobre o atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade.
§2º Os abusos cometidos sujeitam os responsáveis às penas 
da lei.
Art. 10. É assegurada a participação dos trabalhadores e em-
pregadores nos colegiados dos órgãos públicos em que seus inte-
resses profissionais ou previdenciários sejam objeto de discussão 
e deliberação.
Art. 11. Nas empresas de mais de duzentos empregados, é as-
segurada a eleição de um representante destes com a finalidade 
exclusiva de promover-lhes o entendimento direto com os empre-
gadores.
Os direitos sociais regem-se pelos princípios abaixo:
– Princípio da proibição do retrocesso: qualifica-se pela impos-
sibilidade de redução do grau de concretização dos direitos sociais 
já implementados pelo Estado. Ou seja, uma vez alcançado deter-
minado grau de concretização de um direito social, fica o legislador 
proibido de suprimir ou reduzir essa concretização sem que haja 
a criação de mecanismos equivalentes chamados de medias com-
pensatórias.
– Princípio da reserva do possível: a implementação dos di-
reitos e garantias fundamentais de segunda geração esbarram no 
óbice do financeiramente possível.
– Princípio do mínimo existencial: é um conjunto de bens e 
direitosvitais básicos indispensáveis a uma vida humana digna, 
intrinsecamente ligado ao fundamento da dignidade da pessoa 
humana previsto no Artigo 1º, III, CF. A efetivação do mínimo 
existencial não se sujeita à reserva do possível, pois tais direitos se 
encontram na estrutura dos serviços púbicos essenciais.
Os direitos sociais são divididos em:
Direitos relativos aos trabalhadores
Direitos relativos ao salário, às condições de trabalho, à liber-
dade de instituição sindical, o direito de greve, entre outros (CF, ar-
tigos 7º a 11).
Direitos relativos ao homem consumidor
Direito à saúde, à educação, à segurança social, ao desenvolvi-
mento intelectual, o igual acesso das crianças e adultos à instrução, 
à cultura e garantia ao desenvolvimento da família, que estariam no 
título da ordem social.
Os direitos referentes à nacionalidade estão previstos dos Ar-
tigos 12 a 13 da CF. Vejamos:
CAPÍTULO III
DA NACIONALIDADE
Art. 12. São brasileiros:
I - natos:
a) os nascidos na República Federativa do Brasil, ainda que de 
pais estrangeiros, desde que estes não estejam a serviço de seu 
país;
b) os nascidos no estrangeiro, de pai brasileiro ou mãe brasilei-
ra, desde que qualquer deles esteja a serviço da República Federa-
tiva do Brasil;
c) os nascidos no estrangeiro de pai brasileiro ou de mãe bra-
sileira, desde que sejam registrados em repartição brasileira com-
petente ou venham a residir na República Federativa do Brasil e 
optem, em qualquer tempo, depois de atingida a maioridade, pela 
nacionalidade brasileira;
II - naturalizados:
a) os que, na forma da lei, adquiram a nacionalidade brasileira, 
exigidas aos originários de países de língua portuguesa apenas resi-
dência por um ano ininterrupto e idoneidade moral;
b) os estrangeiros de qualquer nacionalidade, residentes na 
República Federativa do Brasil há mais de quinze anos ininterrup-
tos e sem condenação penal, desde que requeiram a nacionalidade 
brasileira.
NOÇÕES DE DIREITO
57
a solução para o seu concurso!
Editora
§1º Aos portugueses com residência permanente no País, se 
houver reciprocidade em favor de brasileiros, serão atribuídos 
os direitos inerentes ao brasileiro, salvo os casos previstos nesta 
Constituição.
§2º A lei não poderá estabelecer distinção entre brasileiros 
natos e naturalizados, salvo nos casos previstos nesta Constituição.
§3º São privativos de brasileiro nato os cargos:
I - de Presidente e Vice-Presidente da República;
II - de Presidente da Câmara dos Deputados;
III - de Presidente do Senado Federal;
IV - de Ministro do Supremo Tribunal Federal;
V - da carreira diplomática;
VI - de oficial das Forças Armadas.
VII - de Ministro de Estado da Defesa.
§4º - Será declarada a perda da nacionalidade do brasileiro que:
I - tiver cancelada sua naturalização, por sentença judicial, em 
virtude de fraude relacionada ao processo de naturalização ou de 
atentado contra a ordem constitucional e o Estado Democrático; 
(Redação dada pela Emenda Constitucional nº 131, de 2023)
II - fizer pedido expresso de perda da nacionalidade brasileira 
perante autoridade brasileira competente, ressalvadas situações 
que acarretem apatridia. (Redação dada pela Emenda Constitucio-
nal nº 131, de 2023)
a) revogada; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 
131, de 2023)
b) revogada. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 
131, de 2023)
§5º A renúncia da nacionalidade, nos termos do inciso II do §4º 
deste artigo, não impede o interessado de readquirir sua nacionali-
dade brasileira originária, nos termos da lei. (Incluído pela Emenda 
Constitucional nº 131, de 2023)
Art. 13. A língua portuguesa é o idioma oficial da República Fe-
derativa do Brasil.
§1º São símbolos da República Federativa do Brasil a bandeira, 
o hino, as armas e o selo nacionais.
§2º Os Estados, o Distrito Federal e os Municípios poderão ter 
símbolos próprios.
A Nacionalidade é o vínculo jurídico-político de Direito Público 
interno, que faz da pessoa um dos elementos componentes da di-
mensão pessoal do Estado (o seu povo).
Considera-se povo o conjunto de nacionais, ou seja, os brasilei-
ros natos e naturalizados.
Espécies de Nacionalidade
São duas as espécies de nacionalidade:
a) Nacionalidade primária, originária, de 1º grau, involuntá-
ria ou nata: é aquela resultante de um fato natural, o nascimento. 
Trata-se de aquisição involuntária de nacionalidade, decorrente do 
simples nascimento ligado a um critério estabelecido pelo Estado 
na sua Constituição Federal. Descrita no Artigo 12, I, CF/88.
b) Nacionalidade secundária, adquirida, por aquisição, de 2º 
grau, voluntária ou naturalização: é a que se adquire por ato voliti-
vo, depois do nascimento, somado ao cumprimento dos requisitos 
constitucionais. Descrita no Artigo 12, II, CF/88.
O quadro abaixo auxilia na memorização das diferenças entre 
as duas:
Nacionalidade
Primária Secundária
Nascimento + Requisitos 
constitucionais
Ato de vontade + Requisitos 
constitucionais
Brasileiro Nato Brasileiros Naturalizado
• Critérios para Adoção de Nacionalidade Primária
O Estado pode adotar dois critérios para a concessão da nacio-
nalidade originária: o de origem sanguínea (ius sanguinis) e o de 
origem territorial (ius solis).
O critério ius sanguinis tem por base questões de hereditarie-
dade, um vínculo sanguíneo com os ascendentes.
O critério ius solis concede a nacionalidade originária aos nas-
cidos no território de um determinado Estado, sendo irrelevante a 
nacionalidade dos genitores.
A CF/88 adotou o critério ius solis como regra geral, possibili-
tando em alguns casos, a atribuição de nacionalidade primária pau-
tada no ius sanguinis.
Portugueses Residentes no Brasil
O §1º do Artigo 12 da CF confere tratamento diferenciado aos 
portugueses residentes no Brasil. Não se trata de hipótese de natu-
ralização, mas tão somente forma de atribuição de direitos.
Portugueses Equiparados
Igual os Direitos 
dos Brasileiros 
Naturalizados
Se houver 1) Residência 
permanente no 
Brasil;
2) Reciprocidade 
aos brasileiros em 
Portugal.
Distinção entre Brasileiros Natos e Naturalizados
A CF/88 em seu Artigo 12, §2º, prevê que a lei não poderá fa-
zer distinção entre brasileiros natos e naturalizados, com exceção às 
seguintes hipóteses:
Cargos privativos de brasileiros natos → Artigo 12, §3º, CF;
Função no Conselho da República → Artigo 89, VII, CF;
Extradição → Artigo 5º, LI, CF; e
Direito de propriedade → Artigo 222, CF.
Perda da Nacionalidade
O Artigo 12, §4º da CF refere-se à perda da nacionalidade, que 
apenas poderá ocorrer nas duas hipóteses taxativamente elencadas 
na CF, sob pena de manifesta inconstitucionalidade.
Dupla Nacionalidade
O Artigo 12, §4º, II da CF traz duas hipóteses em que a opção 
por outra nacionalidade não ocasiona a perda da brasileira, passan-
do o nacional a possuir dupla nacionalidade (polipátrida).
Polipátrida → aquele que possui mais de uma nacionalidade.
NOÇÕES DE DIREITO
5858
a solução para o seu concurso!
Editora
Heimatlos ou Apátrida → aquele que não possui nenhuma na-
cionalidade.
Idioma Oficial e Símbolos Nacionais
Por fim, o Artigo 13 da CF elenca o Idioma Oficial e os Símbolos 
Nacionais do Brasil.
Os Direitos Políticos têm previsão legal na CF/88, em seus Arti-
gos 14 a 16. Seguem abaixo:
CAPÍTULO IV
DOS DIREITOS POLÍTICOS
Art. 14. A soberania popular será exercida pelo sufrágio univer-
sal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos, e, nos 
termos da lei, mediante:
I - plebiscito;
II - referendo;
III - iniciativa popular.
§1º O alistamento eleitoral e o voto são:
I - obrigatórios para os maiores de dezoito anos;
II - facultativos para:
a) os analfabetos;
b) os maiores de setenta anos;
c) os maiores de dezesseis e menores de dezoito anos.
§2º Não podem alistar-se como eleitores os estrangeiros e, 
durante o período do serviço militar obrigatório, os conscritos.
§3º São condições de elegibilidade, na forma da lei:
I - a nacionalidade brasileira;
II - o pleno exercício dos direitos políticos;
III - o alistamentoeleitoral;
IV - o domicílio eleitoral na circunscrição;
V - a filiação partidária;
VI - a idade mínima de:
a) trinta e cinco anos para Presidente e Vice-Presidente da Re-
pública e Senador;
b) trinta anos para Governador e Vice-Governador de Estado e 
do Distrito Federal;
c) vinte e um anos para Deputado Federal, Deputado Estadual 
ou Distrital, Prefeito, Vice-Prefeito e juiz de paz;
d) dezoito anos para Vereador.
§4º São inelegíveis os inalistáveis e os analfabetos.
§5º O Presidente da República, os Governadores de Estado e 
do Distrito Federal, os Prefeitos e quem os houver sucedido, ou 
substituído no curso dos mandatos poderão ser reeleitos para um 
único período subsequente.
§6º Para concorrerem a outros cargos, o Presidente da 
República, os Governadores de Estado e do Distrito Federal e os 
Prefeitos devem renunciar aos respectivos mandatos até seis 
meses antes do pleito.
§7º São inelegíveis, no território de jurisdição do titular, o 
cônjuge e os parentes consanguíneos ou afins, até o segundo grau 
ou por adoção, do Presidente da República, de Governador de 
Estado ou Território, do Distrito Federal, de Prefeito ou de quem os 
haja substituído dentro dos seis meses anteriores ao pleito, salvo se 
já titular de mandato eletivo e candidato à reeleição.
§8º O militar alistável é elegível, atendidas as seguintes 
condições:
I - se contar menos de dez anos de serviço, deverá afastar-se 
da atividade;
II - se contar mais de dez anos de serviço, será agregado pela 
autoridade superior e, se eleito, passará automaticamente, no ato 
da diplomação, para a inatividade.
§9º Lei complementar estabelecerá outros casos de 
inelegibilidade e os prazos de sua cessação, a fim de proteger a 
probidade administrativa, a moralidade para exercício de mandato 
considerada vida pregressa do candidato, e a normalidade e 
legitimidade das eleições contra a influência do poder econômico ou 
o abuso do exercício de função, cargo ou emprego na administração 
direta ou indireta.
§10. O mandato eletivo poderá ser impugnado ante a Justiça 
Eleitoral no prazo de quinze dias contados da diplomação, instruída 
a ação com provas de abuso do poder econômico, corrupção ou 
fraude.
§11. A ação de impugnação de mandato tramitará em segredo 
de justiça, respondendo o autor, na forma da lei, se temerária ou 
de manifesta má-fé.
§12. Serão realizadas concomitantemente às eleições 
municipais as consultas populares sobre questões locais aprovadas 
pelas Câmaras Municipais e encaminhadas à Justiça Eleitoral até 
90 (noventa) dias antes da data das eleições, observados os limites 
operacionais relativos ao número de quesitos. (Incluído pela 
Emenda Constitucional nº 111, de 2021)
§13. As manifestações favoráveis e contrárias às questões 
submetidas às consultas populares nos termos do §12 ocorrerão 
durante as campanhas eleitorais, sem a utilização de propaganda 
gratuita no rádio e na televisão. (Incluído pela Emenda Constitucional 
nº 111, de 2021)
Art. 15. É vedada a cassação de direitos políticos, cuja perda ou 
suspensão só se dará nos casos de:
I - cancelamento da naturalização por sentença transitada em 
julgado;
II - incapacidade civil absoluta;
III - condenação criminal transitada em julgado, enquanto du-
rarem seus efeitos;
IV - recusa de cumprir obrigação a todos imposta ou prestação 
alternativa, nos termos do art. 5º, VIII;
V - improbidade administrativa, nos termos do art. 37, §4º.
Art. 16. A lei que alterar o processo eleitoral entrará em vigor 
na data de sua publicação, não se aplicando à eleição que ocorra até 
um ano da data de sua vigência.
De acordo com José Afonso da Silva, os direitos políticos, rela-
cionados à primeira geração dos direitos e garantias fundamentais, 
consistem no conjunto de normas que asseguram o direito subjetivo 
de participação no processo político e nos órgãos governamentais.
São instrumentos previstos na Constituição e em normas infra-
constitucionais que permitem o exercício concreto da participação 
do povo nos negócios políticos do Estado.
Capacidade Eleitoral Ativa
Segundo o Artigo 14, §1º da CF, a capacidade eleitoral ativa é 
o direito de votar nas eleições, nos plebiscitos ou nos referendos, 
cuja aquisição se dá com o alistamento eleitoral, que atribui ao na-
cional a condição de cidadão (aptidão para o exercício de direitos 
políticos).
NOÇÕES DE DIREITO
59
a solução para o seu concurso!
Editora
Alistamento Eleitoral e Voto
Obriga-
tório
Faculta-
tivo Inalistável – Artigo 14, §2º
Maio-
res de 18 e 
menores de 
70 anos
Maio-
res de 16 e 
menores de 
18 anos
Maiores 
de 70 anos
Analfa-
betos
Estrangeiros (com exceção 
aos portugueses equiparados, 
constantes no Artigo 12, §1º da 
CF)
Conscritos (aqueles con-
vocados para o serviço militar 
obrigatório)
– Características do Voto
O voto no Brasil é direito (como regra), secreto, universal, com 
valor igual para todos, periódico, personalíssimo, obrigatório e livre.
Capacidade Eleitoral Passiva
Também chamada de Elegibilidade, a capacidade eleitoral pas-
siva diz respeito ao direito de ser votado, ou seja, de eleger-se para 
cargos políticos. Tem previsão legal no Artigo 14, §3º da CF.
O quadro abaixo facilita a memorização da diferença entre as 
duas espécies de capacidade eleitoral. Vejamos:
Capacidade Eleitoral 
Ativa
Capacidade Eleitoral 
Passiva
Alistabilidade Elegibilidade
Direito de votar Direito de ser votado
Inelegibilidades
A inelegibilidade afasta a capacidade eleitoral passiva (direito 
de ser votado), constituindo-se impedimento à candidatura a man-
datos eletivos nos Poderes Executivo e Legislativo.
– Inelegibilidade Absoluta
Com previsão legal no Artigo 14, §4º da CF, a inelegibilidade ab-
soluta impede que o cidadão concorra a qualquer mandato eletivo 
e, em virtude de natureza excepcional, somente pode ser estabele-
cida na Constituição Federal.
Refere-se aos Inalistáveis e aos Analfabetos.
– Inelegibilidade Relativa
Consiste em restrições que recaem à candidatura a determi-
nados cargos eletivos, em virtude de situações próprias em que se 
encontra o cidadão no momento do pleito eleitoral. São elas:
– Vedação ao terceiro mandato sucessivo para os Chefes do Po-
der Executivo (Artigo 14, §5º, CF);
– Desincompatibilização para concorrer a outros cargos, aplica-
da apenas aos Chefes do Poder Executivo (Artigo 14, §6º, CF);
– Inelegibilidade reflexa, ou seja, inelegibilidade relativa por mo-
tivos de casamento, parentesco ou afinidade, uma vez que não incide 
sobre o mandatário, mas sim perante terceiros (Artigo 14, §7º, CF).
Condição de Militar
O militar alistável é elegível, desde que atenda as exigências 
previstas no §8º do Artigo 14, da CF, a saber:
I – se contar menos de dez anos de serviço, deverá afastar-se 
da atividade;
II – se contar mais de dez anos de serviço, será agregado pela 
autoridade superior e, se eleito, passará automaticamente, no ato 
da diplomação, para a inatividade.
Observa-se que a norma restringe a elegibilidade aos militares 
alistáveis, logo, os conscritos, que são inalistáveis, são inelegíveis. O 
quadro abaixo serve como exemplo:
Militares – Exceto os Conscritos
Menos de 10 anos Registro da candidatura → Inatividade
Mais de 10 anos
Registro da candidatura → 
Agregado
Na diplomação → Inativi-
dade
Privação dos Direitos Políticos
De acordo com o Artigo 15 da CF, o cidadão pode ser privado 
dos seus direitos políticos por prazo indeterminado (perda), sendo 
que, neste caso, o restabelecimento dos direitos políticos depende-
rá do exercício de ato de vontade do indivíduo, de um novo alista-
mento eleitoral.
Da mesma forma, a privação dos direitos políticos pode se dar 
por prazo determinado (suspensão), em que o restabelecimento se 
dará automaticamente, ou seja, independentemente de manifesta-
ção do suspenso, desde que ultrapassado as razões da suspensão. 
Vejamos:
Privação dos Direitos Políticos
Perda Suspensão
Privação por prazo 
indeterminado
Privação por prazo 
determinado
Restabelecimento dos 
direitos políticosdepende 
de um novo alistamento 
eleitoral
Restabelecimento 
dos direitos políticos se dá 
automaticamente
A previsão legal dos Partidos Políticos de dá no Artigo 17 da CF. 
Vejamos:
CAPÍTULO V
DOS PARTIDOS POLÍTICOS
Art. 17. É livre a criação, fusão, incorporação e extinção de 
partidos políticos, resguardados a soberania nacional, o regime de-
mocrático, o pluripartidarismo, os direitos fundamentais da pessoa 
humana e observados os seguintes preceitos:
I - caráter nacional;
II - proibição de recebimento de recursos financeiros de entida-
de ou governo estrangeiros ou de subordinação a estes;
III - prestação de contas à Justiça Eleitoral;
IV - funcionamento parlamentar de acordo com a lei.
§1º É assegurada aos partidos políticos autonomia para definir 
sua estrutura interna e estabelecer regras sobre escolha, formação 
e duração de seus órgãos permanentes e provisórios e sobre sua 
organização e funcionamento e para adotar os critérios de escolha 
e o regime de suas coligações nas eleições majoritárias, vedada a 
sua celebração nas eleições proporcionais, sem obrigatoriedade 
NOÇÕES DE DIREITO
6060
a solução para o seu concurso!
Editora
de vinculação entre as candidaturas em âmbito nacional, estadual, 
distrital ou municipal, devendo seus estatutos estabelecer normas 
de disciplina e fidelidade partidária. (Redação dada pela Emenda 
Constitucional nº 97, de 2017)
§2º Os partidos políticos, após adquirirem personalidade 
jurídica, na forma da lei civil, registrarão seus estatutos no Tribunal 
Superior Eleitoral.
§3º Somente terão direito a recursos do fundo partidário e 
acesso gratuito ao rádio e à televisão, na forma da lei, os partidos 
políticos que alternativamente: (Redação dada pela Emenda 
Constitucional nº 97, de 2017)
I - obtiverem, nas eleições para a Câmara dos Deputados, no 
mínimo, 3% (três por cento) dos votos válidos, distribuídos em pelo 
menos um terço das unidades da Federação, com um mínimo de 2% 
(dois por cento) dos votos válidos em cada uma delas; ou (Incluído 
pela Emenda Constitucional nº 97, de 2017)
II - tiverem elegido pelo menos quinze Deputados Federais dis-
tribuídos em pelo menos um terço das unidades da Federação. (In-
cluído pela Emenda Constitucional nº 97, de 2017)
§4º É vedada a utilização pelos partidos políticos de organização 
paramilitar.
§5º Ao eleito por partido que não preencher os requisitos 
previstos no §3º deste artigo é assegurado o mandato e 
facultada a filiação, sem perda do mandato, a outro partido que 
os tenha atingido, não sendo essa filiação considerada para fins 
de distribuição dos recursos do fundo partidário e de acesso 
gratuito ao tempo de rádio e de televisão. (Incluído pela Emenda 
Constitucional nº 97, de 2017)
§6º Os Deputados Federais, os Deputados Estaduais, os 
Deputados Distritais e os Vereadores que se desligarem do partido 
pelo qual tenham sido eleitos perderão o mandato, salvo nos 
casos de anuência do partido ou de outras hipóteses de justa 
causa estabelecidas em lei, não computada, em qualquer caso, a 
migração de partido para fins de distribuição de recursos do fundo 
partidário ou de outros fundos públicos e de acesso gratuito ao 
rádio e à televisão. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 111, 
de 2021)
§7º Os partidos políticos devem aplicar no mínimo 5% (cinco 
por cento) dos recursos do fundo partidário na criação e na 
manutenção de programas de promoção e difusão da participação 
política das mulheres, de acordo com os interesses intrapartidários. 
(Incluído pela Emenda Constitucional nº 117, de 2022)
§8º O montante do Fundo Especial de Financiamento de 
Campanha e da parcela do fundo partidário destinada a campanhas 
eleitorais, bem como o tempo de propaganda gratuita no rádio e na 
televisão a ser distribuído pelos partidos às respectivas candidatas, 
deverão ser de no mínimo 30% (trinta por cento), proporcional 
ao número de candidatas, e a distribuição deverá ser realizada 
conforme critérios definidos pelos respectivos órgãos de direção e 
pelas normas estatutárias, considerados a autonomia e o interesse 
partidário. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 117, de 2022)
De acordo com os ensinamentos de José Afonso da Silva, o par-
tido político é uma forma de agremiação de um grupo social que 
se propõe a organizar, coordenar e instrumentar a vontade popular 
com o fim de assumir o poder para realizar seu programa de go-
verno.
Os partidos são a base do sistema político brasileiro, pois a filia-
ção a partido político é uma das condições de elegibilidade.
Trata-se de um privilégio aos ideais políticos, que devem estar 
acima das características pessoais do candidato.
Segundo Dirley da Cunha Júnior, entende-se por partido polí-
tico uma pessoa jurídica de Direito Privado que consiste na união 
ou agremiação voluntária de cidadãos com afinidades ideológicas e 
políticas, organizada segundo princípios de disciplina e fidelidade.
Tal conceito vai ao encontro das disposições acerca dos parti-
dos políticos trazidas pelo Artigo 1º da Lei nº 9296/1995, para quem 
o partido político, pessoa jurídica de Direito Privado, destina-se a 
assegurar, no interesse do regime democrático, a autenticidade do 
sistema representativo e a defender os direitos fundamentais defi-
nidos na Constituição Federal.
A Constituição confere ampla liberdade aos partidos políticos, 
uma vez que são instituições indispensáveis para concretização do 
Estado democrático de direito, muito embora restrinja a utilização 
de organização paramilitar.
Remédios e Garantias Constitucionais
As ações constitucionais dispostas no Artigo 5º da CF também 
são conhecidas como remédios constitucionais, porque servem 
para “curar a doença” do descumprimento de direitos fundamen-
tais.
Em outras palavras, são instrumentos colocados à disposição 
dos indivíduos para garantir o cumprimento dos direitos fundamen-
tais.
– Habeas Corpus
O habeas corpus é a ação constitucional que tutela o direito 
fundamental à liberdade ambulatorial, ou seja, o direito de ir, vir e 
estar/permanecer em algum lugar.
De acordo com o texto constitucional, o habeas corpus pode 
ser:
– Preventivo: “sempre que alguém se achar ameaçado de so-
frer”;
– Repressivo: “sempre que alguém sofrer”.
Ambos em relação a violência ou coação em sua liberdade de 
locomoção, por ilegalidade ou abuso de poder.
– Habeas Data
O habeas data é a ação constitucional impetrada por pessoa 
física ou jurídica, que tenha por objetivo assegurar o conhecimento 
de informações sobre si, constantes de registros ou banco de dados 
de entidades governamentais ou de caráter público, ou para retifi-
cação de dados, quando não se prefira fazê-lo por processo sigiloso, 
judicial ou administrativo.
Esse remédio constitucional está regulamentado pela Lei 
9.507/97, que disciplina o direito de acesso a informações e o rito 
processual do habeas data.
– Mandado de Segurança
O mandado de segurança individual é a ação constitucional im-
petrada por pessoa física ou jurídica, ou ente despersonalizado, que 
busca a tutela de direito líquido e certo, não amparado por habeas 
corpus ou habeas data, quando o responsável pela ilegalidade ou 
abuso de poder for autoridade pública ou agente de pessoa jurídica 
no exercício de atribuições do Poder Público.
Observa-se, portanto, que o mandado de segurança tem cabi-
mento subsidiário. É disciplinado pela Lei 12.016/09.
NOÇÕES DE DIREITO
61
a solução para o seu concurso!
Editora
– Mandado de Segurança Coletivo
O mandado de segurança coletivo é a ação constitucional im-
petrada por partido político com representação no Congresso Na-
cional, organização sindical, entidade de classe ou associação legal-
mente constituída e em funcionamento há pelo menos um ano (em 
defesa dos interesses de seus membros ou associados), que busca 
a tutela de direito líquido e certo, não amparado por habeas corpus 
ou habeas data, quando o responsável pela ilegalidade ou abuso 
de poder for autoridade pública ou agente de pessoa jurídica no 
exercício de atribuiçõesdo Poder Público.
– Mandado de Injunção
O mandado de injunção é a ação constitucional impetrada por 
pessoa física ou jurídica, ou ente despersonalizado, que objetive sa-
nar a falta de norma regulamentadora que torne inviável o exercício 
dos direitos e liberdades constitucionais e das prerrogativas ineren-
tes à nacionalidade, à soberania e à cidadania.
Basicamente, pode-se dizer que o mandado de injunção é ajui-
zado em face das normas de eficácia limitada, que são aquelas que 
possuem aplicabilidade indireta, mediata e reduzida (não direta, 
não imediata e não integral), pois exigem norma infraconstitucio-
nal, que, até hoje, não existe.
É regulado pela Lei 13.300/2016.
– Ação Popular
A ação popular é o remédio constitucional ajuizado por qual-
quer cidadão, que tenha por objetivo anular ato lesivo ao patrimô-
nio público ou de entidade de que o Estado participe, à moralida-
de administrativa, ao meio ambiente e ao patrimônio histórico e 
cultural, ficando o autor, salvo comprovada má-fé, isento de custas 
judiciais e do ônus da sucumbência.
A ação popular será regulamentada infraconstitucionalmente 
pela Lei 4.717/65.
Direitos Constitucionais-Penais e Garantias Constitucionais do 
Processo
– Direitos Constitucionais Penais
A Constituição Federal de 1988, no capítulo referente aos direi-
tos e deveres individuai e coletivos, definiu vários princípios consti-
tucionais penais, garantidores de garantias aos cidadãos quando o 
Estado é obrigado a colocar em prática o jus puniendi, para que não 
existam arbitrariedades e nem regimes de exceção1. São eles:
Dignidade da pessoa humana, Igualdade ou isonomia, Legali-
dade e anterioridade, Irretroatividade da lei penal, Personalidade 
da pena, Individualização da pena, Humanidade, Intervenção míni-
ma, Alteridade, Culpabilidade, Proporcionalidade, Ofensividade ou 
lesividade, Insignificância e Adequação social.
Tais princípios são norteadores da atuação Estatal no campo 
penal, para a garantia de um processo imparcial e justo, afastando 
qualquer punição exacerbada e desmedida quando da aplicação da 
pena e garantidor do devido processo legal, amparado no contradi-
tório e na ampla defesa. Fundamentos de um Estado Democrático 
de Direito.
Assim, a observância dos princípios constitucionais penais é de 
suma importância para a garantia dos direitos fundamentais e para 
a aplicação da lei penal, sendo, pois, repetido no Código Penal e nas 
demais leis, como forma de concretização da Justiça.
1 http://iccs.com.br/dos-principios-constitucionais-penais-rodrigo-o-
tavio-dos-reis-chediak/
– Garantias Constitucionais do Processo
No art. 5º da Constituição da República, entre os direitos fun-
damentais, estão estabelecidos os princípios constitucionais básicos 
do processo justo, quais sejam: a garantia de pleno acesso à justiça, 
a garantia do juiz natural (não haverá juízo ou Tribunal de exceção), 
ninguém será processado nem sentenciado senão pela autoridade 
competente, a garantia do devido processo legal, do contraditório e 
da ampla defesa, a vedação das provas ilícitas, a garantia de publici-
dade dos atos processuais (exigência de fundamentação de todas as 
decisões judiciais), o dever de assistência jurídica integral e gratuita 
a todos que comprovarem insuficiência de recursos, a garantia de 
duração razoável do processo e da adoção de meios para assegurar 
a celeridade de sua tramitação2.
Possível, ainda, apontar-se outros princípios constitucionais do 
processo justo, como o direito à representação técnica e à paridade 
de armas.
O modelo mínimo de processo, no Estado Democrático de Di-
reito, portanto, somente pode ser buscado na Constituição. A fiel 
observância do direito ao processo justo é condição indispensável 
para produzir decisões justas, ou seja, trata-se de elemento neces-
sário, embora não único e suficiente, para se assegurar justiça ao 
caso concreto.
O direito ao processo justo, portanto, constitui direito à orga-
nização de um processo justo, tarefa do legislador infraconstitucio-
nal, do administrador da justiça e do órgão jurisdicional. Assim, a 
consecução do direito ao processo justo depende de sua própria 
viabilização pelo Estado Democrático de Direito, mediante a edição 
de normas, a administração da estrutura judicante e pela própria 
atuação jurisdicional.
II – A ORGANIZAÇÃO DO ESTADO: ADMINISTRAÇÃO PÚ-
BLICA (ARTIGOS DE 37 A 41, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL 
DE 1988)
Disposições gerais e servidores públicos
A expressão Administração Pública em sentido objetivo traduz 
a ideia de atividade, tarefa, ação ou função de atendimento ao inte-
resse coletivo. Já em sentido subjetivo, indica o universo dos órgãos 
e pessoas que desempenham função pública.
Conjugando os dois sentidos, pode-se conceituar a Administra-
ção Pública como sendo o conjunto de pessoas e órgãos que de-
sempenham uma função de atendimento ao interesse público, ou 
seja, que estão a serviço da coletividade.
Princípios da Administração Pública
Nos termos do caput do Artigo 37 da CF, a administração públi-
ca direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, 
do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de 
legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência.
As provas de Direito Constitucional exigem com frequência a 
memorização de tais princípios. Assim, para facilitar essa memori-
zação, já é de praxe valer-se da clássica expressão mnemônica “LIM-
PE”. Observe o quadro abaixo:
2 COSTA, Miguel do Nascimento. Das garantias constitucionais e o devido 
processo no Estado liberal aos direitos fundamentais e o processo justo no Estado 
Democrático de Direito. Revista da AJURIS – Porto Alegre, v. 42, n. 139, dezem-
bro, 2015.
NOÇÕES DE DIREITO
6262
a solução para o seu concurso!
Editora
Princípios da Administração Pública
L Legalidade
I Impessoalidade
M Moralidade
P Publicidade
E Eficiência
LIMPE
Passemos ao conceito de cada um deles:
– Princípio da Legalidade
De acordo com este princípio, o administrador não pode agir 
ou deixar de agir, senão de acordo com a lei, na forma determinada. 
O quadro abaixo demonstra suas divisões.
Princípio da Legalidade
Em relação à 
Administração Pública
A Administração Pública 
somente pode fazer o que a lei 
permite → Princípio da Estrita 
Legalidade
Em relação ao Particular O Particular pode fazer tudo 
que a lei não proíbe
– Princípio da Impessoalidade
Em decorrência deste princípio, a Administração Pública deve 
servir a todos, sem preferências ou aversões pessoais ou partidá-
rias, não podendo atuar com vistas a beneficiar ou prejudicar de-
terminadas pessoas, uma vez que o fundamento para o exercício de 
sua função é sempre o interesse público.
– Princípio da Moralidade
Tal princípio caracteriza-se por exigir do administrador público 
um comportamento ético de conduta, ligando-se aos conceitos de 
probidade, honestidade, lealdade, decoro e boa-fé.
A moralidade se extrai do senso geral da coletividade represen-
tada e não se confunde com a moralidade íntima do administrador 
(moral comum) e sim com a profissional (ética profissional).
O Artigo 37, §4º da CF elenca as consequências possíveis, devi-
do a atos de improbidade administrativa:
Sanções ao cometimento de atos de improbidade administra-
tiva
Suspensão dos direitos políticos (responsabilidade política)
Perda da função pública (responsabilidade disciplinar)
Indisponibilidade dos bens (responsabilidade patrimonial)
Ressarcimento ao erário (responsabilidade patrimonial)
– Princípio da Publicidade
O princípio da publicidade determina que a Administração Pú-
blica tem a obrigação de dar ampla divulgação dos atos que pratica, 
salvo a hipótese de sigilo necessário.
A publicidade é a condição de eficácia do ato administrativo e 
tem por finalidade propiciar seu conhecimento pelo cidadão e pos-
sibilitar o controle por todos os interessados.
– Princípio da Eficiência
Segundo o princípio da eficiência, a atividade administrativa 
deve ser exercida com presteza, perfeição erendimento funcional, 
evitando atuações amadorísticas.
Este princípio impõe à Administração Pública o dever de agir 
com eficiência real e concreta, aplicando, em cada caso concreto, a 
medida, dentre as previstas e autorizadas em lei, que mais satisfaça 
o interesse público com o menor ônus possível (dever jurídico de 
boa administração).
Em decorrência disso, a administração pública está obrigada a 
desenvolver mecanismos capazes de propiciar os melhores resul-
tados possíveis para os administrados. Portanto, a Administração 
Pública será considerada eficiente sempre que o melhor resultado 
for atingido.
Disposições Gerais na Administração Pública
O esquema abaixo sintetiza a definição de Administração Pú-
blica:
Administração Pública
Direta Indireta
Federal
Estadual
Distrital
Municipal
Autarquias (podem ser 
qualificadas como agências 
reguladoras)
Fundações (autarquias 
e fundações podem ser 
qualificadas como agências 
executivas)
Sociedades de economia 
mista
Empresas públicas
Entes Cooperados
Não integram a Administração Pública, mas prestam 
serviços de interesse público. Exemplos: SESI, SENAC, SENAI, 
ONG’s
As disposições gerais sobre a Administração Pública estão elen-
cadas nos Artigos 37 e 38 da CF. Vejamos:
CAPÍTULO VII
DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
SEÇÃO I
DISPOSIÇÕES GERAIS
Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer 
dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Muni-
cípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, mo-
ralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte:
I - os cargos, empregos e funções públicas são acessíveis aos 
brasileiros que preencham os requisitos estabelecidos em lei, assim 
como aos estrangeiros, na forma da lei;
II - a investidura em cargo ou emprego público depende de 
aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e 
títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou em-
prego, na forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações para car-
go em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração;
NOÇÕES DE DIREITO
63
a solução para o seu concurso!
Editora
III - o prazo de validade do concurso público será de até dois 
anos, prorrogável uma vez, por igual período;
IV - durante o prazo improrrogável previsto no edital de convo-
cação, aquele aprovado em concurso público de provas ou de pro-
vas e títulos será convocado com prioridade sobre novos concursa-
dos para assumir cargo ou emprego, na carreira;
V - as funções de confiança, exercidas exclusivamente por ser-
vidores ocupantes de cargo efetivo, e os cargos em comissão, a se-
rem preenchidos por servidores de carreira nos casos, condições e 
percentuais mínimos previstos em lei, destinam-se apenas às atri-
buições de direção, chefia e assessoramento;
VI - é garantido ao servidor público civil o direito à livre asso-
ciação sindical;
VII - o direito de greve será exercido nos termos e nos limites 
definidos em lei específica;
VIII - a lei reservará percentual dos cargos e empregos públicos 
para as pessoas portadoras de deficiência e definirá os critérios de 
sua admissão;
IX - a lei estabelecerá os casos de contratação por tempo de-
terminado para atender a necessidade temporária de excepcional 
interesse público;
X - a remuneração dos servidores públicos e o subsídio de que 
trata o §4º do art. 39 somente poderão ser fixados ou alterados por 
lei específica, observada a iniciativa privativa em cada caso, asse-
gurada revisão geral anual, sempre na mesma data e sem distinção 
de índices;
XI - a remuneração e o subsídio dos ocupantes de cargos, fun-
ções e empregos públicos da administração direta, autárquica e 
fundacional, dos membros de qualquer dos Poderes da União, dos 
Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, dos detentores de 
mandato eletivo e dos demais agentes políticos e os proventos, 
pensões ou outra espécie remuneratória, percebidos cumulativa-
mente ou não, incluídas as vantagens pessoais ou de qualquer ou-
tra natureza, não poderão exceder o subsídio mensal, em espécie, 
dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, aplicando-se como li-
mite, nos Municípios, o subsídio do Prefeito, e nos Estados e no 
Distrito Federal, o subsídio mensal do Governador no âmbito do 
Poder Executivo, o subsídio dos Deputados Estaduais e Distritais no 
âmbito do Poder Legislativo e o subsidio dos Desembargadores do 
Tribunal de Justiça, limitado a noventa inteiros e vinte e cinco cen-
tésimos por cento do subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do 
Supremo Tribunal Federal, no âmbito do Poder Judiciário, aplicável 
este limite aos membros do Ministério Público, aos Procuradores e 
aos Defensores Públicos;
XII - os vencimentos dos cargos do Poder Legislativo e do Poder 
Judiciário não poderão ser superiores aos pagos pelo Poder Execu-
tivo;
XIII - é vedada a vinculação ou equiparação de quaisquer es-
pécies remuneratórias para o efeito de remuneração de pessoal do 
serviço público;
XIV - os acréscimos pecuniários percebidos por servidor públi-
co não serão computados nem acumulados para fins de concessão 
de acréscimos ulteriores;
XV - o subsídio e os vencimentos dos ocupantes de cargos e 
empregos públicos são irredutíveis, ressalvado o disposto nos inci-
sos XI e XIV deste artigo e nos arts. 39, §4º, 150, II, 153, III, e 153, 
§2º, I;
XVI - é vedada a acumulação remunerada de cargos públicos, 
exceto, quando houver compatibilidade de horários, observado em 
qualquer caso o disposto no inciso XI:
a) a de dois cargos de professor;
b) a de um cargo de professor com outro técnico ou científico;
c) a de dois cargos ou empregos privativos de profissionais de 
saúde, com profissões regulamentadas;
XVII - a proibição de acumular estende-se a empregos e fun-
ções e abrange autarquias, fundações, empresas públicas, socieda-
des de economia mista, suas subsidiárias, e sociedades controladas, 
direta ou indiretamente, pelo poder público;
XVIII - a administração fazendária e seus servidores fiscais te-
rão, dentro de suas áreas de competência e jurisdição, precedência 
sobre os demais setores administrativos, na forma da lei;
XIX – somente por lei específica poderá ser criada autarquia e 
autorizada a instituição de empresa pública, de sociedade de eco-
nomia mista e de fundação, cabendo à lei complementar, neste úl-
timo caso, definir as áreas de sua atuação;
XX - depende de autorização legislativa, em cada caso, a criação 
de subsidiárias das entidades mencionadas no inciso anterior, assim 
como a participação de qualquer delas em empresa privada;
XXI - ressalvados os casos especificados na legislação, as obras, 
serviços, compras e alienações serão contratados mediante pro-
cesso de licitação pública que assegure igualdade de condições a 
todos os concorrentes, com cláusulas que estabeleçam obrigações 
de pagamento, mantidas as condições efetivas da proposta, nos ter-
mos da lei, o qual somente permitirá as exigências de qualificação 
técnica e econômica indispensáveis à garantia do cumprimento das 
obrigações.
XXII - as administrações tributárias da União, dos Estados, do 
Distrito Federal e dos Municípios, atividades essenciais ao funcio-
namento do Estado, exercidas por servidores de carreiras específi-
cas, terão recursos prioritários para a realização de suas atividades 
e atuarão de forma integrada, inclusive com o compartilhamento 
de cadastros e de informações fiscais, na forma da lei ou convênio.
§1º A publicidade dos atos, programas, obras, serviços e 
campanhas dos órgãos públicos deverá ter caráter educativo, 
informativo ou de orientação social, dela não podendo constar 
nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal 
de autoridades ou servidores públicos.
§2º A não observância do disposto nos incisos II e III implicará a 
nulidade do ato e a punição da autoridade responsável, nos termos 
da lei.
§3º A lei disciplinará as formas de participação do usuário na 
administração pública direta e indireta, regulando especialmente:
I - as reclamações relativasà prestação dos serviços públicos 
em geral, asseguradas a manutenção de serviços de atendimento 
ao usuário e a avaliação periódica, externa e interna, da qualidade 
dos serviços;
II - o acesso dos usuários a registros administrativos e a infor-
mações sobre atos de governo, observado o disposto no art. 5º, X 
e XXXIII;
III - a disciplina da representação contra o exercício negligente 
ou abusivo de cargo, emprego ou função na administração pública.
§4º - Os atos de improbidade administrativa importarão a 
suspensão dos direitos políticos, a perda da função pública, a 
indisponibilidade dos bens e o ressarcimento ao erário, na forma e 
gradação previstas em lei, sem prejuízo da ação penal cabível.
§5º A lei estabelecerá os prazos de prescrição para ilícitos 
praticados por qualquer agente, servidor ou não, que causem 
prejuízos ao erário, ressalvadas as respectivas ações de 
ressarcimento.
NOÇÕES DE DIREITO
6464
a solução para o seu concurso!
Editora
§6º As pessoas jurídicas de direito público e as de direito 
privado prestadoras de serviços públicos responderão pelos 
danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, 
assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos 
de dolo ou culpa.
§7º A lei disporá sobre os requisitos e as restrições ao ocupante 
de cargo ou emprego da administração direta e indireta que 
possibilite o acesso a informações privilegiadas.
§8º A autonomia gerencial, orçamentária e financeira dos 
órgãos e entidades da administração direta e indireta poderá 
ser ampliada mediante contrato, a ser firmado entre seus 
administradores e o poder público, que tenha por objeto a fixação 
de metas de desempenho para o órgão ou entidade, cabendo à lei 
dispor sobre:
I - o prazo de duração do contrato;
II - os controles e critérios de avaliação de desempenho, direi-
tos, obrigações e responsabilidade dos dirigentes;
III - a remuneração do pessoal.”
§9º O disposto no inciso XI aplica-se às empresas públicas e às 
sociedades de economia mista, e suas subsidiárias, que receberem 
recursos da União, dos Estados, do Distrito Federal ou dos 
Municípios para pagamento de despesas de pessoal ou de custeio 
em geral.
§10. É vedada a percepção simultânea de proventos de 
aposentadoria decorrentes do art. 40 ou dos arts. 42 e 142 com a 
remuneração de cargo, emprego ou função pública, ressalvados os 
cargos acumuláveis na forma desta Constituição, os cargos eletivos 
e os cargos em comissão declarados em lei de livre nomeação e 
exoneração.
§11. Não serão computadas, para efeito dos limites 
remuneratórios de que trata o inciso XI do caput deste artigo, as 
parcelas de caráter indenizatório previstas em lei.
§12. Para os fins do disposto no inciso XI do caput deste artigo, 
fica facultado aos Estados e ao Distrito Federal fixar, em seu âmbito, 
mediante emenda às respectivas Constituições e Lei Orgânica, 
como limite único, o subsídio mensal dos Desembargadores do 
respectivo Tribunal de Justiça, limitado a noventa inteiros e vinte 
e cinco centésimos por cento do subsídio mensal dos Ministros 
do Supremo Tribunal Federal, não se aplicando o disposto neste 
parágrafo aos subsídios dos Deputados Estaduais e Distritais e dos 
Vereadores.
§13. O servidor público titular de cargo efetivo poderá 
ser readaptado para exercício de cargo cujas atribuições e 
responsabilidades sejam compatíveis com a limitação que 
tenha sofrido em sua capacidade física ou mental, enquanto 
permanecer nesta condição, desde que possua a habilitação e o 
nível de escolaridade exigidos para o cargo de destino, mantida 
a remuneração do cargo de origem. (Incluído pela Emenda 
Constitucional nº 103, de 2019)
§14. A aposentadoria concedida com a utilização de tempo 
de contribuição decorrente de cargo, emprego ou função pública, 
inclusive do Regime Geral de Previdência Social, acarretará o 
rompimento do vínculo que gerou o referido tempo de contribuição. 
(Incluído pela Emenda Constitucional nº 103, de 2019)
§15. É vedada a complementação de aposentadorias de 
servidores públicos e de pensões por morte a seus dependentes 
que não seja decorrente do disposto nos §§14 a 16 do art. 40 ou que 
não seja prevista em lei que extinga regime próprio de previdência 
social. (Incluído pela Emenda Constitucional nº 103, de 2019)
§16. Os órgãos e entidades da administração pública, individual 
ou conjuntamente, devem realizar avaliação das políticas públicas, 
inclusive com divulgação do objeto a ser avaliado e dos resultados 
alcançados, na forma da lei. (Incluído pela Emenda Constitucional 
nº 109, de 2021)
Art. 38. Ao servidor público da administração direta, autárquica 
e fundacional, no exercício de mandato eletivo, aplicam-se as se-
guintes disposições:
I - tratando-se de mandato eletivo federal, estadual ou distrital, 
ficará afastado de seu cargo, emprego ou função;
II - investido no mandato de Prefeito, será afastado do cargo, 
emprego ou função, sendo-lhe facultado optar pela sua remune-
ração;
III - investido no mandato de Vereador, havendo compatibili-
dade de horários, perceberá as vantagens de seu cargo, emprego 
ou função, sem prejuízo da remuneração do cargo eletivo, e, não 
havendo compatibilidade, será aplicada a norma do inciso anterior;
IV - em qualquer caso que exija o afastamento para o exercício 
de mandato eletivo, seu tempo de serviço será contado para todos 
os efeitos legais, exceto para promoção por merecimento;
V - na hipótese de ser segurado de regime próprio de previdência 
social, permanecerá filiado a esse regime, no ente federativo de ori-
gem. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 103, de 2019)
Servidores Públicos
Os servidores públicos são pessoas físicas que prestam serviços 
à administração pública direta, às autarquias ou fundações públi-
cas, gerando entre as partes um vínculo empregatício ou estatutá-
rio. Esses serviços são prestados à União, aos Estados-membros, ao 
Distrito Federal ou aos Municípios.
As disposições sobre os Servidores Públicos estão elencadas 
dos Artigos 39 a 41 da CF. Vejamos:
SEÇÃO II
DOS SERVIDORES PÚBLICOS
Art. 39. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios 
instituirão, no âmbito de sua competência, regime jurídico único 
e planos de carreira para os servidores da administração pública 
direta, das autarquias e das fundações públicas.
Art. 39. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios 
instituirão conselho de política de administração e remuneração de 
pessoal, integrado por servidores designados pelos respectivos Po-
deres.
§1º A fixação dos padrões de vencimento e dos demais 
componentes do sistema remuneratório observará:
I - a natureza, o grau de responsabilidade e a complexidade dos 
cargos componentes de cada carreira;
II - os requisitos para a investidura;
III - as peculiaridades dos cargos.
§2º A União, os Estados e o Distrito Federal manterão escolas 
de governo para a formação e o aperfeiçoamento dos servidores 
públicos, constituindo-se a participação nos cursos um dos 
requisitos para a promoção na carreira, facultada, para isso, a 
celebração de convênios ou contratos entre os entes federados.
§3º Aplica-se aos servidores ocupantes de cargo público o 
disposto no art. 7º, IV, VII, VIII, IX, XII, XIII, XV, XVI, XVII, XVIII, XIX, 
XX, XXII e XXX, podendo a lei estabelecer requisitos diferenciados 
de admissão quando a natureza do cargo o exigir.
NOÇÕES DE DIREITO
65
a solução para o seu concurso!
Editora
§4º O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo, os 
Ministros de Estado e os Secretários Estaduais e Municipais serão 
remunerados exclusivamente por subsídio fixado em parcela única, 
vedado o acréscimo de qualquer gratificação, adicional, abono, 
prêmio, verba de representação ou outra espécie remuneratória, 
obedecido, em qualquer caso, o disposto no art. 37, X e XI.
§5º Lei da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos 
Municípios poderá estabelecer a relação entre a maior e a menor 
remuneração dos servidores públicos, obedecido, em qualquer

Outros materiais

Materiais relacionados

Perguntas relacionadas

Materiais recentes

Perguntas Recentes