Buscar

OBESIDADE INFANTIL

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 7 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 7 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

PALESTRA CLINICA DIA 19/02/2024
OBESIDADE INFANTIL 
 Habilidades a serem adquiridas nessa aula.
1. Diagnosticar obesidade na criança
2. Identificar fatores de risco na vida da criança para que ela desenvolva obesidade.
3. Identificar as consequências da obesidade na criança.
4. Saber orientar a família acerca de como prevenir a obesidade infantil.
5. Escolher a propedêutica adequada para detectar complicações metabólicas na criança obesa.
6. Orientar o tratamento adequado à criança obesa.
CASO CLÍNICO 
Adolescente, de 9 anos e 10 meses, é trazida ao ambulatório. Segundo a mãe, a criança está bem e sem queixas. Quer apenas um encaminhamento para o psicólogo uma vez que a filha vem caindo o rendimento escolar nos últimos 3 anos. Por causa disso mudou a menor de escola no último ano, mas ela piorou ainda mais e agora se nega a ir à escola
Responda
Com base nos dados elencados no caso clínico, responda às seguintes questões:
· Qual a principal queixa?
Queda no rendimento escolar nos últimos 3 anos e recusa em frequentar a escola.
· Qual a história da doença atual?
A criança, uma adolescente de 9 anos e 10 meses, está bem e sem queixas físicas aparentes. No entanto, a mãe relata uma queda progressiva no rendimento escolar nos últimos 3 anos, o que levou à mudança de escola no último ano. Infelizmente, a situação piorou e agora a adolescente se recusa a ir à escola.
· Avalie a situação. Qual seria sua atitude diante desse pedido da mãe?
Acolhimento a adolescente, consulta com os responsáveis e depois com a adolecente sozinha, na tentativa de entender a história e encaminhar ao caps 
· Explique a sua conduta.
A consulta com um psicólogo permitiria uma avaliação mais aprofundada das questões emocionais ou psicológicas que podem estar contribuindo para o problema da adolescente. Através dessa avaliação, poderíamos identificar possíveis fatores estressores, como problemas de adaptação, bullying, dificuldades de aprendizado, entre outros. Com base nessa avaliação, poderíamos desenvolver um plano de tratamento adequado, que poderia incluir terapia individual, terapia familiar, intervenções escolares e possivelmente medicamentos, se necessário. O objetivo seria ajudar a adolescente a lidar com suas dificuldades emocionais e desenvolver estratégias para melhorar seu bem-estar psicológico e seu desempenho acadêmico.
História gestacional
A mãe fez 10 consultas no pré natal, apresentou hipertensão discreta e ganho de peso acima do ideal, sem outras anormalidades. A criança nasceu a termo, parto cirúrgico por "exigência da mãe", com 3.100g, 50cm. Chorou logo que nasceu. Foi iniciada fórmula láctea na maternidade e ao chegar em casa manteve dieta mista, que a partir dos 4 meses passou a ser feita exclusivamente com fórmula.
• Faça a crítica acerca da história obstétrica dessa criança em relação ao pré-natal.
O número de consultas pré-natais foi adequado, o que é positivo para o acompanhamento da gestação. No entanto, a presença de hipertensão discreta e ganho de peso acima do ideal são preocupantes e sugerem a necessidade de uma vigilância mais rigorosa durante a gestação. A hipertensão leve pode evoluir para quadros mais graves, como pré-eclâmpsia, e o ganho de peso excessivo pode estar associado a complicações maternas e fetais, como diabetes gestacional e macrossomia fetal. Portanto, mesmo que não tenha havido outras anormalidades durante o pré-natal, esses fatores requerem uma atenção especial e um acompanhamento mais próximo por parte da equipe médica.
· Avalie as condições de nascimento dessa criança
Apesar do parto cirúrgico por "exigência da mãe", as condições de nascimento da criança parecem ter sido boas. Ela nasceu a termo, com um peso e comprimento dentro dos padrões esperados, e chorou logo que nasceu, o que são sinais positivos de vitalidade e adaptação ao ambiente extrauterino.
· Analise o cardápio alimentar nos primeiros meses de vida
A alimentação nos primeiros meses de vida dessa criança foi desastrosa. A iniciativa de oferecer fórmula láctea na maternidade e a manutenção dessa dieta mista em casa não estão de acordo com as recomendações de aleitamento materno exclusivo nos primeiros seis meses de vida preconizadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS). A partir dos quatro meses, a transição para a alimentação exclusivamente com fórmula láctea também é inadequada, pois a introdução precoce de alimentos sólidos ou substitutos do leite materno pode aumentar o risco de alergias alimentares, doenças crônicas e deficiências nutricionais. Portanto, essa prática alimentar representa uma falha significativa no cuidado com a saúde e nutrição da criança nos primeiros meses de vida.
 Padrão de resposta 
Pré natal adequado - 10 consultas
• Complicações: mãe apresentou hipertensão leve e ganho de peso acima do adequado
• Condições de nascimento: boas, apesar do parto cirúrgico
• Alimentação nos primeiros meses de vida: desastrosa
Outros dados de anamnese
· Ao ser questionada a mãe informa que ela se nega a ir à escola porque as colegas a chamam de gorda, não a convidam para as brincadeiras e lhe põe apelidos.
· Segundo os professores, é muito desatenta nas aulas.
· A mãe também relata que a criança prefere ver televisão e ficar no celular do que fazer atividades físicas.
· Quando questionada a mãe queixa que a criança ronca a noite, tem sono agitado
Com base nas novas informações fornecidas:
Problemas de relacionamento na escola: A criança está enfrentando bullying por parte de suas colegas, sendo chamada de gorda, excluída das brincadeiras e alvo de apelidos. Isso pode ter um impacto significativo em sua autoestima, bem-estar emocional e motivação para frequentar a escola.
Desatenção nas aulas: A desatenção relatada pelos professores pode ser um reflexo dos problemas emocionais enfrentados pela criança, como resultado do bullying e possivelmente de outros fatores que afetam seu estado psicológico.
Preferência por atividades sedentárias: O fato de a criança preferir assistir televisão e usar o celular em vez de se envolver em atividades físicas pode contribuir para um estilo de vida sedentário, o que pode afetar negativamente sua saúde física e bem-estar geral.
Problemas respiratórios durante o sono: O fato de a criança roncar durante a noite e ter um sono agitado levanta preocupações sobre a possibilidade de distúrbios respiratórios do sono, como apneia obstrutiva do sono, que podem afetar sua qualidade de vida e seu desempenho diurno.
Diante dessas informações, minha conduta seria:
· Encaminhar a criança para uma avaliação psicológica e apoio emocional para lidar com o bullying e melhorar sua autoestima e habilidades de enfrentamento.
· Realizar uma avaliação médica para investigar os problemas respiratórios durante o sono e, se necessário, encaminhá-la para um especialista em distúrbios do sono.
· Envolvimento dos pais em estratégias para promover um estilo de vida mais ativo e saudável, incluindo a redução do tempo de tela e o incentivo à participação em atividades físicas.
· Comunicar-se com a escola para implementar medidas de prevenção e intervenção contra o bullying e oferecer apoio acadêmico para ajudar a criança a lidar com suas dificuldades de atenção nas aulas.
· Monitorar de perto a evolução da criança e ajustar o plano de intervenção conforme necessário para garantir seu bem-estar físico, emocional e acadêmico.
ANAMNESE 
ISDA: A única informação mais relevante é que menstruou com 9 anos e 2 meses.
História social, filha única, classe média de média para alta, mãe sempre trabalhou fora de casa, tendo retornado ao trabalho desde o terceiro mês de vida da filha, tendo deixado a mesma aos cuidados de uma babá.
História familiar: pais obesos.
Cardápio atual:
Leite com Nescau várias vezes ao dia, raramente almoça. quase sempre come sanduíches com refrigerante e janta o mesmo cardápio. Frutas ocasionais (até os 3 anos ainda ingerida na forma de "vitaminas") e não aceita nenhum tipo de legumes e verduras. Nos intervalos das refeições costuma comer bolo, biscoitoe guloseimas trazidas para casa pelos pais.
Exame físico:
· Peso 48.300g*
· Estatura de 147 cm. *
· IMC: p *
· Tanner M5, P4.
· PA: 140/90 mmHg.
Tratamento
· Idealmente é necessário um acompanhamento multidisciplinar (nutricionista, psicoterapeuta, educador físico)
· Programa de reeducação alimentar da família e da criança
· Programa de atividade física adequado à idade e ao gosto da criança.
· Afastar o máximo possível das telas.
· Acompanhamento pediátrico
Propedêutica
· Glicemia e insulinemia de jejum
· Lipidograma
· Dosagem de T4 livre e TSH TGO e TGP.
· US hepático

Outros materiais