Buscar

Literatura II -8

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 5 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Prévia do material em texto

34 VestCursos – Especialista em Preparação para Vestibulares de Alta Concorrência 
CURSO ANUAL DE LITERATURA – (Prof. Steller de Paula) 
O comentário de Pablo Picasso, em relação à sua obra Guernica, 
refere-se 
a) à separação entre manifestações artísticas e realidade histórica. 
b) ao bombardeio alemão da cidade basca em apoio ao general 
Franco. 
c) aos massacres cometidos pelos nazistas durante a Segunda 
Guerra Mundial. 
d) à denúncia da anexação do território espanhol pelas tropas 
nazistas. 
e) à aliança dos nazistas com os comunistas no início da Segunda 
Guerra Mundial. 
 
Questão 06 
A obra “Guernica” de Pablo Picasso retrata, em linguagem cubista, 
os horrores da guerra por ocasião no bombardeio alemão (nazista) 
à cidade natal do artista em apoio ao general Francisco Franco na 
fase final da Guerra Civil Espanhola (1936-1938). 
 
A obra-prima de Picasso, Guernica, é considerada por muitos a 
maior pintura do século XX. Pintada no contexto da ascensão das 
ditaduras nazistas e fascistas e do período imediatamente anterior 
à Segunda Guerra mundial, a obra é ainda hoje é impactante e nos 
lembra a capacidade destrutiva do homem. 
Seu caráter vanguardístico pode ser observado: 
a) graças à imponência com que trata o tema histórico, num grande 
painel monocromático que retrata realisticamente os horrores da 
guerra. 
b) pelo uso de formas irregulares e fragmentadas e rostos 
distorcidos com grande efeito, criando uma atmosfera de pânico e 
terror, numa confusão de planos narrativos. 
c) pela geometrização das formas, explorando com perfeição a 
noção de profundidade ao dar forma exata e volume aos seres e 
objetos representados tridimensionalmente. 
d) pelo aspecto monocromático e pela bidimensionalidade, criando 
uma pintura não figurativa que abre mão de linhas e contornos na 
composição dos planos. 
e) pela forma como une o clássico e o moderno, ao retratar a 
realidade de forma fragmentada, mas respeitando os princípios de 
equilíbrio e harmonia na composição. 
 
Questão 07 (Enem 2011) 
 
 
 
O pintor espanhol Pablo Picasso (1881-1973), um dos mais 
valorizados no mundo artístico, tanto em termos financeiros quanto 
históricos, criou a obra Guernica em protesto ao ataque aéreo à 
pequena cidade basca de mesmo nome. A obra, feita para integrar 
o Salão Internacional de Artes Plásticas de Paris, percorreu toda a 
Europa, chegando aos EUA e instalando-se no MoMA, de onde 
sairia apenas em 1981. Essa obra cubista apresenta elementos 
plásticos identificados pelo 
a) painel ideográfico, monocromático, que enfoca várias dimensões 
de um evento, renunciando à realidade, colocando-se em plano 
frontal ao espectador. 
b) horror da guerra de forma fotográfica, com o uso da perspectiva 
clássica, envolvendo o espectador nesse exemplo brutal de 
crueldade do ser humano. 
c) uso das formas geométricas no mesmo plano, sem emoção e 
expressão, despreocupado com o volume, a perspectiva e a 
sensação escultórica. 
d) esfacelamento dos objetos abordados na mesma narrativa, 
minimizando a dor humana a serviço da objetividade, observada 
pelo uso do claro-escuro. 
e) uso de vários ícones que representam personagens 
fragmentados bidimensionalmente, de forma fotográfica livre de 
sentimentalismo. 
Texto 
De um modo geral, todos esses movimentos da vanguarda 
europeia de fins do século XIX e início do século XX estavam sob o 
signo da desorganização do universo artístico de sua época. A 
diferença é que uns, como o futurismo e o dadaísmo, queriam a 
destruição do passado e a negação total dos valores estéticos 
presentes; e outros, como o expressionismo e o cubismo, viam na 
destruição a possibilidade de construção de uma nova ordem 
superior. No fundo eram, portanto, tendências também 
organizadoras de uma nova estrutura política e social. 
(TELES, Gilberto Mendonça, Vanguarda europeia e modernismo 
brasileiro. Rio de Janeiro: Vozes, 1972, p. 10) 
 
Questão 08 (Puccamp 2016) 
Alguns artistas reconhecidos e certos movimentos de vanguarda, 
do início do século XX, aproximaram-se publicamente de partidos e 
ideologias políticas. Essa proximidade pode ser verificada entre 
alguns 
a) dadaístas e anarquistas, a exemplo da atuação política de 
Tristán Tzara, que propôs a criação de um partido e uma 
internacional anarquista durante o entreguerras. 
b) futuristas e fascistas, a exemplo de Filippo Marinetti, que lutou 
ao lado do exército italiano na II Guerra e militou no Partido 
Nacional Fascista. 
c) integralistas e nazistas, a exemplo do apoio dos modernistas 
brasileiros Plínio Salgado e Cassiano Ricardo ao Eixo, durante o 
Estado Novo. 
d) surrealistas e comunistas ortodoxos, a exemplo do “Manifesto 
por uma Arte Revolucionária Independente”, redigido por André 
Breton e León Trotski, na URSS. 
e) expressionistas e republicanos, caso de Francisco de Goya, que 
lutou contra os franquistas e pintou os horrores da Guerra Civil 
Espanhola. 
 
Questão 09 (FGV-RJ 2016) 
A cidade do Rio de Janeiro recebeu a exposição “Picasso e a 
Modernidade” em 2015, para comemorar os 40 anos do fim do 
regime franquista. Em uma das salas, um vídeo apresentava o 
Aula 23 – Impressionismo e Vanguardas I 
 
 
 
 
 
 
35 VestCursos – Especialista em Preparação para Vestibulares de Alta Concorrência 
 
processo de criação do quadro Guernica, reproduzido a seguir. 
Com relação ao quadro Guernica, assinale V para a afirmação 
verdadeira e F para a falsa. 
( ) O touro, figura representativa da cultura espanhola, simboliza 
o terror e a violência das forças que apoiavam o ditador Francisco 
Franco, responsáveis pelo bombardeio da cidade de Guernica, no 
País Basco. 
( ) A iconografia da figura feminina, com uma criança nos braços, 
que urra em direção ao alto, remete à dor das mães que perdem 
seus filhos na guerra. 
 
( ) A composição das figuras em formas geométricas produz uma 
imagem realista que, em perspectiva, busca uma semelhança com 
a natureza. 
As afirmações são, respectivamente, 
a) F - V - F. b) F - V - V. c) V - F - F. 
d) V - V - F. e) F - F - V. 
 
Questão 10 
A máscara na África negra 
 
Na África, o artífice, antes de começar a esculpir uma máscara, 
passa por um processo de purificação, com reza aos espíritos 
ancestrais e às forças divinas. Tal prática faria com que a força 
divina fosse transferida para a máscara durante o processo de 
manufatura. 
Se no passado era prática generalizada, o uso de máscaras teve 
um enorme declínio nas últimas décadas. Entretanto, a manufatura 
e o emprego destes objetos continuam sendo um aspecto 
fundamental na identidade de vários grupos étnicos africanos. Por 
isso, já existem pessoas que trabalham pela preservação deste 
hábito milenar. 
Observando a figura e o texto, podemos afirmar que: 
a) o uso de máscaras é um costume ultrapassado e reflete o atraso 
cultural e econômico da África Negra. 
b) na África, pelo seu modo de produção, a máscara, além de ser 
um elemento de diferenciação racial, tem também um caráter 
místico. 
c) por ser um objeto ritualístico, ligado a religiões pagãs, a máscara 
não se configura como um objeto artístico. 
d) a máscara deve ser considerando um objeto puramente 
artístico/decorativo, pois sua utilização em rituais pagãos a 
desacreditam como elemento cultural. 
e) o valor ritualístico da máscara se manteve até os dias atuais; 
seu valor como elemento artístico representativo de uma cultura, 
porém, se perdeu. 
 
Questão 11 
A arte africana, principalmente a manufatura de máscaras, 
influenciou fortemente uma das principais vanguardas europeias do 
início do século XX. Observando a figura da questão anterior, 
assinale o item cuja vanguarda foi influenciada pela arte africana. 
a) Futurismo, cujas obras baseavam-se fortemente na velocidade e 
nos desenvolvimentos tecnológicos do final do século XIX. 
b) Expressionismo, que estava mais interessado na interiorização 
da criação artística do que em sua exteriorização.c) Surrealismo, que enfatiza o papel do inconsciente na atividade 
criativa. 
d) Dadaísmo, que prega a oposição a qualquer tipo de equilíbrio, 
através de um ceticismo absoluto e da improvisação. 
e) Cubismo, que tratava as formas da natureza por meio de figuras 
geométricas, representando todas as partes de um objeto no 
mesmo plano. 
 
Questão 12 (Enem PPL 2012) 
Em 1937, Guernica, na Espanha, foi bombardeada sob o comando 
da força aérea da Alemanha nazista, que apoiou os franquistas 
durante a Guerra Civil Espanhola (1936-1939). 
 
A pintura-mural de Picasso e a fotografia retratam os efeitos do 
bombardeio, ressaltando, respectivamente: 
a) Crítica social – conformismo político. 
b) Percepção individual – registro histórico. 
c) Realismo acrítico – idealização romântica. 
d) Sofrimento humano – destruição material. 
e) Objetividade artística – subjetividade jornalística. 
 
Questão 13 (Enem 2ª aplicação 2016) 
A obra Les demoiselles d’Avignon, do pintor espanhol Pablo 
Picasso, é um dos marcos iniciais do movimento cubista. Essa 
obra filia-se também ao Primitivismo, uma vez que sua composição 
recorre à manifestação cultural de um determinado grupo étnico, 
que se caracteriza por 
 
 
 
 
 36 VestCursos – Especialista em Preparação para Vestibulares de Alta Concorrência 
CURSO ANUAL DE LITERATURA – (Prof. Steller de Paula) 
a) produção de máscaras ritualísticas africanas. 
b) rituais de fertilidade das comunidades celtas. 
 
c) festas profanas dos povos mediterrâneos. 
d) culto à nudez de populações aborígenes. 
e) danças ciganas do sul da Espanha. 
 
Questão 14 (Enem 2014) 
 
 
Na criação do texto, o chargista lotti usa criativamente um 
intertexto: os traços reconstroem uma cena de Guernica, painel de 
Pablo Picasso que retrata os horrores e a destruição provocados 
pelo bombardeio a uma pequena cidade da Espanha. Na charge, 
publicada no período de carnaval, recebe destaque a figura do 
carro, elemento introduzido por lotti no intertexto. Além dessa 
figura, a linguagem verbal contribui para estabelecer um diálogo 
entre a obra de Picasso e a charge, ao explorar 
a) uma referência ao contexto, “trânsito no feriadão”, esclarecendo-
se o referente tanto do texto de Iotti quanto da obra de Picasso. 
b) uma referência ao tempo presente, com o emprego da forma 
verbal “é”, evidenciando-se a atualidade do tema abordado tanto 
pelo pintor espanhol quanto pelo chargista brasileiro. 
c) um termo pejorativo, “trânsito”, reforçando-se a imagem negativa 
de mundo caótico presente tanto em Guernica quanto na charge. 
d) uma referência temporal, “sempre”, referindo-se à permanência 
de tragédias retratadas tanto em Guernica quanto na charge. 
e) uma expressão polissêmica, “quadro dramático”, remetendo-se 
tanto à obra pictórica quanto ao contexto do trânsito brasileiro. 
Questão 15 (Enem 2ª aplicação 2016) 
Texto I 
 
 
Texto II 
A existência dos homens criadores modernos é muito mais 
condensada e mais complicada do que a das pessoas dos séculos 
precedentes. A coisa representada, por imagem, fica menos fixa, o 
objeto em si mesmo se expõe menos do que antes. Uma paisagem 
rasgada por um automóvel, ou por um trem, perde em valor 
descritivo, mas ganha em valor sintético. O homem moderno 
registra cem vezes mais impressões do que o artista do século 
XVIII. 
LEGÉR, F. Funções da pintura. São Paulo: Nobel, 1989. 
 
A vanguarda europeia, evidenciada pela obra e pelo texto, 
expressa os ideais e a estética do 
a) Cubismo, que questionava o uso da perspectiva por meio da 
fragmentação geométrica. 
b) Expressionismo alemão, que criticava a arte acadêmica, usando 
a deformação das figuras. 
c) Dadaísmo, que rejeitava a instituição artística, propondo a 
antiarte. 
d) Futurismo, que propunha uma nova estética, baseada nos 
valores da vida moderna. 
e) Neoplasticismo, que buscava o equilíbrio plástico, com utilização 
da direção horizontal e vertical. 
 
 
 
 
 
 
CURSO ANUAL DE LITERATURA 
Prof. Steller de Paula – VOLUME 2 
VestCursos – Especialista em Preparação para Vestibulares de Alta Concorrência 
 
 
AULA 24 - PÓS-IMPRESSIONISMO E VANGUARDAS II 
Paul Gauguin 
(1848-1903) - Depois de passar a infância no Peru, Gauguin voltou 
com os pais para a França, mais precisamente para Orléans. Em 
1887 entrou para a marinha e mais tarde trabalhou na bolsa de 
valores. Aos 35 anos tomou a decisão mais importante de sua vida: 
dedicar-se totalmente à pintura. Começou assim uma vida de 
viagens e boemia, que resultou numa produção artística singular e 
determinante das vanguardas do século XX. Sua obra, longe de 
poder ser enquadrada em algum movimento, foi tão singular como 
a de seus amigos Van Gogh ou Cézanne. 
Suas primeiras obras tentavam captar a simplicidade da vida no 
campo, algo que ele consegue com a aplicação arbitrária das 
cores, em oposição a qualquer naturalismo, como demonstra o seu 
famoso Cristo Amarelo. 
 
Yellow Christ - Paul Gauguin, 1888 
Nas obras de Gauguin, as cores se estendem planas e puras sobre 
a superfície, quase decorativamente. 
No ano de 1891, com o objetivo de libertar-se dos 
condicionamentos artísticos impostos na Europa, o pintor parte 
para o Taiti, em busca de novos temas. Suas telas incorporam a 
iconografia exótica do lugar, em cenas que mostram um erotismo 
natural, fruto de sua atração pelas nativas. A cor adquire mais 
preponderância representada pelos vermelhos intensos, amarelos, 
verdes e violetas. 
 
Nafea Faa Ipoipo (1892), de Gauguin 
Vincent van Gogh 
 
“No momento, estou absorvido pela floração das árvores frutíferas, 
róseos pessegueiros, pereiras amarelo e branco. 
Minha pincelada não tem qualquer sistema. Eu ataco a tela com 
toques irregulares do pincel, que deixo como saem. 
Empastes, pontos da tela ficam descobertos, aqui e ali pedaços 
absolutamente inacabados, repetições, brutalidades; em suma, 
estou inclinado a pensar que o resultado é demasiado 
intranquilizante e irritante para que isso não faça a felicidade 
dessas pessoas que têm ideias preconcebidas fixas sobre a 
técnica. 
Trabalhando diretamente no local, procuro fixar no desenho o que 
é essencial – mais tarde, encho os espaços delimitados pelos 
contornos – expressos ou não, mas de qualquer modo, sentidos – 
com tons que também são simplificados, no sentido de que tudo o 
que vai ser solo terá o mesmo tom parecido com violeta, que todo 
o céu terá um tom de azul, que a vegetação verde será verde 
azulada, ou verde amarelada, exagerando deliberadamente os 
amarelos e azuis nesse caso. 
Em suma, meu querido camarada, nada de ilusões de ótica.” 
Vincent van Gogh, em carta 
As pinceladas em redemoinho e a explosão de cores em telas 
como Trigal com ciprestes (1889) e Estrada com ciprestes e 
estrelas (1890) - isso para não falar nos célebres Girassóis e Noite 
estrelada, dessa mesma época - auxiliam a localizar o timbre 
expressionista da produção de Van Gogh. 
 
Girassóis, de Van Gogh 
 
 
 
 
 38 VestCursos – Especialista em Preparação para Vestibulares de Alta Concorrência 
CURSO ANUAL DE LITERATURA – (Prof. Steller de Paula) 
 
Estrada com ciprestes e estrelas, Van Gogh 
“Van Gogh intensificou a marca do pincel como recurso expressivo. 
O gesto criador foi valorizado principalmente pelos românticos 
(Delacroix, por exemplo), os quais evitavam o acabamento polido 
das superfícies das suas pinturas. Em seus últimos anos, Van 
Gogh chegou a empregar a tinta diretamente do tubo sobre a 
superfície da tela, o que ocasionava um espesso impaste de tinta. 
Aplicadas em cores puras, as pinceladas são justapostas lado a 
lado, em uma trama que, ao final de sua vida, ganha um ritmo 
alucinante. Como verdadeiros jorros de tinta espatulada, as 
pinceladas eletrizam a superfície da tela, movimentam os ciprestes, 
atormentam os autorretratos. Uma imaginação exasperada e uma 
urgência de sentimento move sua mão, o que atesta a imensa 
quantidade de quadros produzidos em pouco tempo. A superfície 
ruderesultante de tal técnica é, inesperadamente, o suporte ideal 
para uma alma tão apaixonada.” 
Fonte: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/termo891/pos-impressionismo 
Expressionismo 
O Expressionismo surgiu na Alemanha no início do século XX, 
pelas mãos de artistas preocupados em refletir as angústias e 
amarguras do homem numa sociedade moderna e industrializada. 
Tratava-se de uma pintura dramática, preocupada em expressar as 
emoções do indivíduo, dar forma plástica ao sentimento através de 
cores intensas, muitas vezes irreais, traços grossos e pinceladas 
violentas. 
Como se desenvolveu num período de guerra, predominam, nas 
obras, os sentimentos negativos: medo, solidão, desespero, raiva, 
tematizando a miséria humana. Com frequência o artista deforma a 
realidade para ressaltar o sentimento, a emoção que procura 
expressar. 
 
O grito - Edvard Munch 
“Passeava com dois amigos ao pôr do sol – o céu ficou de súbito 
vermelho-sangue – eu parei, exausto, e inclinei-me sobre a mureta 
– havia sangue e línguas de fogo sobre o azul escuro do fiorde e 
sobre a cidade -; os meus amigos continuaram, mas eu fiquei ali a 
tremer de ansiedade – e senti o grito infinito da natureza.” 
Trecho retirado do diário de Edvard Munch 
Depois da Primeira Guerra Mundial, o Expressionismo alcança 
outras manifestações artísticas, como o teatro e o cinema, 
chegando a manifestar-se, em alguns casos, na literatura. 
“A arte expressionista encontra suas fontes no romantismo alemão, 
em sua problemática do isolamento do homem frente à natureza, 
assim como na defesa de uma poética sensível à expressão do 
irracional, dos impulsos e paixões individuais. Combina-se a essa 
matriz, o pós-impressionismo de Vincent van Gogh e Paul 
Gauguin. Do primeiro, destacam-se a intensidade com que cria 
objetos e cenas, assim como o registro da emoção subjetiva em 
cores e linhas. Do segundo, um certo achatamento da forma, 
obtido com o auxílio da suspensão das sombras, o uso de grandes 
áreas de cor e atenção às culturas primitivas.” 
Fonte: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/ 
 
Ernst Ludwig Kirchner 
 
George Grosz 
 
Otto Dix 
	SEMANA 23 - LITERATURA - Impressionismo e Vanguardas I - STELLER
	A máscara na África negra
	SEMANA 24 - LITERATURA - Pós-Impressionismo e Vanguardas II - STELLER
	Ernst Ludwig Kirchner
	George Grosz
	Otto Dix

Outros materiais