Buscar

Fisica Pratica - Lei de hooke

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

Lei de Hooke 
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano, Licenciatura em Química, 
Turma 5AQ 
Discente: Julio Cesar, Paulo Ricardo e Sara Montalvão 
Professor Dr. Josenilton, disciplina Física I
Resumo: Neste experimento, realizamos uma série 
de medidas e análises para compreender e aplicar a Lei de 
Hooke, além de determinar a constante elástica da mola. Os 
resultados obtidos confirmaram a validade da lei e 
forneceram valores experimentais para a constante elástica 
da mola. 
Palavras-chave: Lei de Hooke, constante elástica, 
deformação, mola, força. 
 
 
INTRODUÇÃO 
A Lei de Hooke descreve o comportamento elástico 
de materiais, especialmente molas, quando submetidos a 
forças externas. Segundo essa lei, a força exercida por uma 
mola é diretamente proporcional à deformação que ela sofre. 
Essa relação é representada pela fórmula Fel = k∆x, onde 
Fel é a força elástica, k é a constante elástica da mola e ∆x é 
a deformação da mola. 
I. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 
Para realização do experimento foi utilizado os materiais: 
 
 Suporte para mola com tripé e escala graduada 
 Uma mola 
 Régua 
 Porta-pesos para massas 
 Conjunto de massas aferidas 
 Balança Analítica 
 
1. Iniciamos o experimento suspendendo uma mola 
sem nenhuma força externa aplicada, determinando a 
posição inicial da extremidade da mola (x0). 
2. Foi feito a pesagem das massas 
3. Penduramos no porta-pesos a uma massa medida 
no valor e anotamos o valor de x correspondente à 
deformação da mola. 
4. Repetimos a medida mais duas vezes, retirando o 
porta-pesos entre cada medida. 
5. Completamos a tabela 1 medindo as 
deformações causadas por outros dois valores diferentes de 
massa, realizando três medições em cada caso e evitando 
ultrapassar o limite elástico da mola. 
6. Observamos se houve variação na posição da 
extremidade da mola sem deformação (x0) ao retirar as 
massas. 
 
Imagem 1 – Realização do procedimento: 
 
 
 
II. CÁLCULOS 
MASSA (KG) PESO (N) X¹ (M) 
0,059 0,582 0,019 
0,106 1,038 0,032 
0,114 1,115 0,034 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
𝐹1 = 0,582𝑁 
𝐹2 = 1,038𝑁 
𝐹3 = 1,115𝑁 
𝑥0 = 123𝑚𝑚 
𝑥𝑓 = 142𝑚𝑚 
∆𝑥1 = 19𝑚𝑚 𝑜𝑢 0,019𝑚 
𝑥0 = 123𝑚𝑚 
𝑥𝑓 = 155𝑚𝑚 
∆𝑥2 = 32𝑚𝑚 𝑜𝑢 0,032𝑚 
𝑥0 = 124𝑚𝑚 
𝑥𝑓 = 157𝑚𝑚 
∆𝑥1 = 34𝑚𝑚 𝑜𝑢 0,034𝑚 
𝐹 = 𝐾 × 𝑥  Fórmula Força Elástica; 
𝑚 × 𝑔 = 𝐹  Fórmula da Força Gravitacional 
 
𝐹 = 𝐾 × 𝑥 
(𝑚 × 𝑔)1 = 𝐾 × 𝑥1 
0,582 = 𝐾 𝑥 0,019 
𝐾1 = 30,631𝑁/𝑚 
 
𝐹 = 𝐾 × 𝑥 
(𝑚 × 𝑔)3 = 𝐾 × 𝑥3 
1,115 = 𝐾 𝑥 0,034 
𝐾2 = 32,794𝑁/𝑚 
 
𝐹 = 𝐾 × 𝑥 
(𝑚 × 𝑔)2 = 𝐾 × 𝑥2 
1,038 = 𝐾 𝑥 0,032 
𝐾2 = 32,637𝑁/𝑚 
GRÁFICO 
 
 
Conforme a equação da Força Potencial Elástica: 
 𝐹 = 𝐾 × 𝑋; em que F é a força resultante; K é a 
constante elástica; X é a deformação sofrida pelo corpo. 
Sendo assim, percebe-se que a força é 
proporcionalmente crescente tanto à constante elástica 
quanto à deformação. Dessa forma, quando se relaciona os 
dados de F, K e x, percebemos um padrão de 
proporcionalidade. Como visto na fórmula acima, a Força é 
diretamente proporcional à constante elástica e à 
deformação. Assim, ao par que uma dessas variáveis 
aumenta, colinear a ela aumenta a força e o inverso é 
perceptível. Conclusivamente, no gráfico denota-se uma 
gradação nos números relacionados à K e x, o que 
proporcionam um aumento no valor da força. 
 
III. CONCLUSÃO 
A representação gráfica dos dados confirmou a 
natureza proporcional entre a força elástica, a constante 
elástica e a deformação, corroborando a equação F=K x X. 
A observação do gráfico enfatizou de maneira inequívoca o 
aumento sistemático da força elástica à medida que tanto a 
constante elástica quanto a deformação se elevam. 
Este experimento não apenas corroborou a validade 
da Lei de Hooke, mas também proporcionou uma análise 
quantitativa robusta da relação entre força e deformação em 
molas. A compreensão refinada desses parâmetros é 
essencial para a fundamentação teórica e aplicação prática 
em sistemas elásticos, consolidando assim a relevância e 
confiabilidade desta lei no domínio da física experimental. 
IV. REFERÊNCIAS 
1. HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J.; 
FUNDAMENTOS DE FÍSICA: MECÂNICA. 8A ED. RIO DE 
JANEIRO: LTC, 2009. V3.

Outros materiais