Buscar

Home office e a saude mental

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

HOME OFFICE E A SAÚDE MENTAL
A deterioração da saúde mental na pandemia, o colapso de uma geração que enfrenta tempos difíceis 
Devido à pandemia da Covid-19, desde 2020, empresas do Brasil a fora adotaram a modalidade home office, visando conter a disseminação do coronavírus e obedecer às medidas de distanciamento social. Porém, a iniciativa, embora eficaz, tem trazido discussões ao público devido ao estresse causado nos colaboradores. 
 O LinkedIn realizou uma pesquisa em abril de 2020, em que foram entrevistadas cerca de 2 mil pessoas, destas 62% alegaram estar mais estressadas e/ou ansiosas trabalhando de forma remota. Já a Fundação Getúlio Vargas, em um estudo, mostrou que o home office também afeta a parte física dos trabalhadores, trazendo sintomas como dor no corpo, fadiga e cefaleia. 
Desta forma, a barreira lar/trabalho foi bastante danificada nesse isolamento. Brigas familiares, rotinas quebradas e não saber estipular limites entre horário de trabalho e lazer foram a causa do aumento de ansiedade e desmotivação alegados por Letícia Lima, estudante de administração da Puc-Campinas, e Sálua Valente que trabalha no Centro de Linguagem e Comunicação da universidade.
“O isolamento social me fez engordar mais, ter mais ansiedade, porque você tem que ficar dentro de casa, sem saber o dia de amanhã.” explica Sálua. Com tantas mortes ocorrendo por culpa do Covid-19, acaba causando um terror que desgasta ainda mais a população, e a adição do excesso de contato com familiares e a mudança na rotina com o home office acabam criando um estresse inimaginável.
A psicóloga Cláudia Ramalho explica que o desamparo emocional, profissional e financeiro são os problemas encontrados. “Os depoimentos de pânico, ansiedade, angústia, foram elevados nesse período, porque essa crise despertou o sentimento de finitude”, termina a psicóloga.
Ela ainda recomenda que a cobrança seja deixada de lado, e a volta de uma rotina leve e saudável são as melhores maneiras de superarmos esses tempos difíceis.
- Entrevistas: Vanessa Marinho e Eliana de Paula 
- Áudio: André Menezes 
- Vídeo: Camille Heinzl 
- Introdução do texto (Lead): Kaio Lima
- Texto: Giovanna Sottero

Outros materiais

Materiais relacionados

Perguntas relacionadas

Materiais recentes

Perguntas Recentes