Buscar

2- Atencao primaria a saude da mulher

Esta é uma pré-visualização de arquivo. Entre para ver o arquivo original

1 
MISCO 
Flávia Demartine 
Atenção primária à saúde da mulher 
Saúde da mulher 
- O cuidado com a saúde da mulher esteve presente desde o 
início da atenção primária: 
 Na prevenção de doenças, promoção da saúde e no 
desenvolvimento saudável e sustentável do 
crescimento populacional. 
 No início do século XX, a saúde da mulher tinha foco 
materno-infantil e verticalizado nas ações públicas 
em saúde; 
- Com a industrialização e a mudança no papel social da 
mulher: 
 Ampliar direitos sexuais e reprodutivos 
 Reduzir as desigualdades entre homens e mulheres 
 O climatério e câncer 
 Enfoque nas vulnerabilidades 
- O desenvolvimento de estratégias em saúde pública começa 
pela mulher, incorpora a criança e o adulto e culmina em uma 
grande plataforma de melhorias nos índices de 
desenvolvimento humano. 
- Assim, a mulher tem destaque nos cuidados da saúde da 
criança, família, comunidade e sociedade como um todo. 
- Saúde da Mulher: cuidados às doenças ou às condições 
clínicas mais prevalentes que envolvam diferenças sexuais 
particulares e importantes: 
 Avaliar questões relacionadas aos órgãos sexuais, 
bem como ao sistema reprodutor e suas disfunções; 
 Gênero em que se respeitam os direitos sexuais e 
reprodutivos da mulher e se acrescem a redução das 
desigualdades social e econômica, além da 
educacional; 
 Qualidade de vida, aspectos culturais e do meio 
ambiente em que vive; 
 Bem-estar, a prevenção, a interdisciplinaridade, a 
promoção da saúde e as necessidades individuais 
nos diferentes períodos de vida. 
Atenção primária 
Atenção Básica 
Assistência às doenças mais prevalentes e cuidados 
essenciais à saúde durante todas as etapas da vida, desde o 
nascimento até a senectude. 
Incluem: prevenção, educação em saúde, promoção de 
saúde, imunização, acompanhamento do desenvolvimento 
dos caracteres sexuais, saúde reprodutiva e seu 
planejamento familiar, bem como hábitos de vida saudáveis. 
Longevidade, considerando os ciclos de vida, a identificação 
de fragilidades nas quais os riscos e a prevalência de doenças 
crônicas tornam a promoção à saúde uma ação permanente 
na vida da mulher. 
Promoção a Saúde 
 Capacitar o indivíduo e a comunidade para serem 
corresponsáveis na saúde, aptos a identificar, realizar e 
satisfazer suas necessidades adaptando-se ao meio em que 
vivem, no caso da Mulher inclui princípios fundamentais no 
cuidado à mulher, como empoderamento, intersetorialidade 
e participação social. 
A mulher participa desse processo como usuária, promotora 
e difusora do autocuidado. 
= 
Educação em saúde: planejamento familiar, climatério e 
violência contra a mulher. 
Fatores que influenciam a saúde da mulher 
1. Mortalidade 
 Causas variam por faixa etária 
15 a 34 anos: causas externas, seguidas por suicídio e câncer. 
35 a 64 anos: câncer, as doenças cardíacas e causas externas. 
Acima 65 anos: doença cardiovascular, câncer, acidente 
vascular encefálico, doenças respiratórias e outras. 
2. Influências hormonais 
3. Fatores sociais e culturais 
4. Genética 
5. Ciclos de Vida (infância, Adolescência, Menacme, 
vida Adulta, IST) 
 
Transição para menopausa e pós-menopausa 
 
1. Menopausa 
Período: entre 48 a 50 anos, precoce antes dos 40 e tardio 
após 55 anos. 
 
Precoce: 
- Ciclos menstruais regulares, 
- Mudança na duração do padrão regular da mulher (7 ou 
mais dias), 
- Concentração sérica de FSH com elevação gradual, 
apresentando valor acima de 10 mIU/mL, medido entre o 
segundo e o quinto dia do ciclo menstrual. 
 
 
 
Tardio: 
 
2 
MISCO 
Flávia Demartine 
- Ciclos menstruais mais irregulares e com intervalos longos 
(≥ 60 dias), 
- aumento mais acentuado de FSH, 
- diminuição discreta da concentração sérica de estradiol, 
que se mantém em torno de 80 pg/mL até o final do período 
reprodutivo (menopausa), que é o marco para o início da 
fase de pós-menopausa. É reconhecida após 12 meses de 
amenorreia. 
 
2. Pós Menopausa 
Precoce: período de cinco anos a partir da menopausa, níveis 
de FSH permanecem elevados, com o declínio progressivo do 
estradiol e maior aceleração da perda óssea. 
 
Tardia: inicia posteriormente, até a senectude. 
 
Diagnóstico 
- Anamnese e exame clínico 
História menstrual e reprodutiva: 
 Idade da menarca, 
 Caracterização do ciclo menstrual com duração, 
fluxo e intervalo menstrual, 
 Investigação de amenorreia, 
 História de contracepção, 
 Vida sexual, 
 Antecedentes ginecológicos e obstétricos. 
*identificar fatores de risco modificáveis e não modificáveis 
- Exame Físico 
Exame de mama: mulheres de 20 a 39 anos no intervalo de 
um a três anos. Acima de 40 anos ou mais devem ser 
examinadas anualmente. 
 
 
 
 
Exame pélvico ginecológico: inspeção, exame bimanual e 
especular. 
 
 
Afecções que necessitam de atenção especial: 
Câncer de mama :50 a 69 anos devem realizar bianualmente 
a mamografia para rastreamento do câncer de mama. 
 
 Câncer de colo de útero: 
Fatores de risco: a partir 25 anos até os 64 anos de idade 
 Infecções genitais e sexualmente transmissíveis 
concomitantes e de repetição; 
 Início precoce da atividade sexual; 
 Primeira gestação a termo antes dos 18 anos; 
 Multiparidade; 
 Uso de contraceptivo hormonal combinado oral por 
mais de cinco anos; 
 Tabagismo prévio ou atual; 
 Portador do vírus da imunodeficiência humana 
(hiv). 
Fatores preventivos: Tabagismo, retardo da primeira relação 
sexual e redução do número de parceiros sexuais. 
 
Síndrome metabólica e obesidade: interferem nas diferentes 
fases de vida. 
- Menacme: infertilidade, aborto, ovário policístico; 
- Transição menopausa e pós menopausa: aumento do risco 
de câncer de endométrio, câncer de cólon, depressão, 
disfunção urogenital e sexual. 
 
Sangramento na pós-menopausa: episódio de sangramento 
depois de 12 meses do último período menstrual, principal 
sinal de câncer de endométrio. 
Fatores de risco: 
Tamoxifeno; idade (maior que 60 anos); hereditariedade; 
obesidade, hipertensão e hiperestrogenismo exógeno ou 
endógeno. 
*O sangramento pode ser espontâneo ou induzido por 
terapia hormonal e uso de moduladores seletivos de 
receptores de estrogênio, porém deve ser sempre 
investigado e tido como anormal, principalmente 
persistente. 
 
Osteoporose: Doença multifatorial e osteometabólica que 
acomete o sistema ósseo, com diminuição da resistência do 
osso e aumento do risco de fraturas. 
Fatores de risco: 
 
 
3 
MISCO 
Flávia Demartine 
Fratura por fragilidade antes dos 40 anos; 
Sexo feminino com baixa densidade mineral óssea 
previamente avaliada; 
História familiar de osteoporose e fratura osteoporótica, 
menopausa precoce, uso de corticosteroide por mais de três 
meses consecutivos. 
Prevenção: 
Uma ingesta diária adequada para mulheres acima de 50 
anos de 1.200 mg de cálcio e 600 UI de vitamina D; 
Exposição solar de pelo menos 20 minutos em braços e 
exposição de maior área corpórea no sol e que cause leve 
vermelhidão cutânea, com produção de vitamina D3; 
Atividade física regular, previne quedas, e contribui para o 
equilíbrio. 
 
Vacinação - calendário vacinal da mulher 
Dividido em faixas etárias: 
-10 aos 19 anos; 
-20 aos 59 anos; 
-Acima de 60 anos, além de gestação e puerpério. 
 
 
Tríplice viral, hepatite B, HPV, varicela, influenza, dupla ou 
tríplice bacteriana, meningocócica C e conjugada, 
Pneumocócica, febre amarela.

Teste o Premium para desbloquear

Aproveite todos os benefícios por 3 dias sem pagar! 😉
Já tem cadastro?

Outros materiais

Materiais relacionados

Perguntas relacionadas

Perguntas Recentes