Buscar

Direito objetivo e direito subjetivo

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

Direito objetivo e direito subjetivo
Direito objetivo é o conjunto de normas impostas pelo Estado, de caráter geral, a cuja observância os indivíduos podem ser compelidos mediante coerção. Esse conjunto de regras jurídicas comportamentais (norma agendi) gera, para os indivíduos, a faculdade de satisfazer determinadas pretensões e de praticar os atos destinados a alcançar tais objetivos (facultas agendi). Encarado sob esse aspecto, denomina-se direito subjetivo, que nada mais é do que a faculdade individual de agir de acordo com o direito objetivo, de invocar a sua proteção. 
Direito subjetivo é, pois, “o poder que a ordem jurídica confere a alguém de agir e de exigir de outrem determinado comportamento”. É, portanto, o meio de satisfazer interesses humanos, derivado do direito objetivo, nascendo com ele. Se o direito objetivo é modificado, altera-se o direito subjetivo. Podemos dizer que há referência ao direito objetivo quando se diz, por exemplo, que “o direito impõe a todos o respeito à propriedade”; e que é feita alusão ao direito subjetivo quando se proclama que “o proprietário tem o direito de repelir a agressão à coisa que lhe pertence.
Direito objetivo e direito subjetivo
 
 
Direito objetivo é o conjunto de normas impostas pelo Estado, de caráter geral, a cuja 
observância os indivíduos podem ser compelidos mediante coerção. Esse conjunto de 
regras jurídicas comportamentais (norma agendi) gera, para os indivíduos, a faculdade d
e 
satisfazer determinadas pretensões e de praticar os atos destinados a alcançar tais 
objetivos (facultas agendi). Encarado sob esse aspecto, denomina
-
se direito subjetivo, que 
nada mais é do que a faculdade individual de agir de acordo com o direito objet
ivo, de 
invocar a sua proteção. 
 
 
Direito subjetivo é, pois, “o poder que a ordem jurídica confere a alguém de agir e de exigir 
de outrem determinado comportamento”
. É, portanto, o meio de satisfazer interesses 
humanos, derivado do direito objetivo, nascendo com ele. Se o direito objetivo é 
modificado, altera
-
se o direito subjetivo. Podemos dizer que há referência ao direito 
objetivo quando se diz, por exemplo, que “
o direito impõe a todos o respeito à 
propriedade”; e que é feita alusão ao direito subjetivo quando se proclama que “o 
proprietário tem o direito de repelir a agressão à coisa que lhe pertence
.
 
Direito objetivo e direito subjetivo 
 
Direito objetivo é o conjunto de normas impostas pelo Estado, de caráter geral, a cuja 
observância os indivíduos podem ser compelidos mediante coerção. Esse conjunto de 
regras jurídicas comportamentais (norma agendi) gera, para os indivíduos, a faculdade de 
satisfazer determinadas pretensões e de praticar os atos destinados a alcançar tais 
objetivos (facultas agendi). Encarado sob esse aspecto, denomina-se direito subjetivo, que 
nada mais é do que a faculdade individual de agir de acordo com o direito objetivo, de 
invocar a sua proteção. 
 
Direito subjetivo é, pois, “o poder que a ordem jurídica confere a alguém de agir e de exigir 
de outrem determinado comportamento”. É, portanto, o meio de satisfazer interesses 
humanos, derivado do direito objetivo, nascendo com ele. Se o direito objetivo é 
modificado, altera-se o direito subjetivo. Podemos dizer que há referência ao direito 
objetivo quando se diz, por exemplo, que “o direito impõe a todos o respeito à 
propriedade”; e que é feita alusão ao direito subjetivo quando se proclama que “o 
proprietário tem o direito de repelir a agressão à coisa que lhe pertence.

Outros materiais