Buscar

Histologia Respiratoria

Esta é uma pré-visualização de arquivo. Entre para ver o arquivo original

Histologia - respiratório 
 
➔ Composto por 2 pulmões e 1 sistema de tubos que levam ar para dentro e para fora dos pulmões ➔ a partir das cavidades nasais, as vias respiratórias se ramificam ➔ vão ficando menores ate alcançarem pequenos espaços aereos que são chamadas de alveolos ➔ quanto menor o diametro de tubos condutores mais numero de ramificações. 
Funções: 
· Condução e condicionamento do ar (filtração, aquecimento e umidificação)
· Troca gasosa 
· Olfação 
· Fonação
Dividido em duas porções: 
Porção condutora é por onde o ar entra e sai. Função: Filtrar, aquecer e umidificar o ar inspirado a fim de proteger os alvéolos. 
 é por onde o ar entra e sai, mas, além disso, essa porção condutora limpa, umedece e aquece o ar para proteger o delicado revestimento dos alvéolos quando o ar chegar lá alvéolo
Porção respiratória é responsável pela troca de gases que ocorrem nos pulmões para a oxigenação do sangue e liberação de CO2.
Após passar por condução ar chega na area respiratória ➔ nessa porção ocorrem as trocas gasosas nos alveolos ➔ basicamente todas as estruturas dessa região possuem alveolos. 
· Condicionamento do ar ➔ ar é filtrado, umidecido e aquecido para proteger alveolo. 
· Além da condução e filtração do ar e a troca gasosa que é a respiração, o ar que passa pela laringe é usado para produzir a fala enquanto o ar que passa sob a mucosa olfatória nas cavidades nasais transporta estímulos para o olfato. 
· O sistema respiratório também participa em menor grau de funções endócrinas como produção e secreção de hormônios, assim como a regulação da resposta imune antes nos inalados.
↬ Porção condutora: revestida por um epitélio respiratório, possuem células especializadas. Basicamente formado de:
(celulas calciformes)
Epitélio pseudoestratificado cilíndrico ciliado com células caliciformes.
Pseudo-estratificado: parece ter varias camadas porem na realidade só possui uma. Celulas possuem diferentes alturas. 
Principais células: 
➔ Célula colunar ciliada: transporte de muco (através do batimento ciliar)
➔ Célula caliciforme: produção de muco
➔ Célula basal: célula-tronco
➔ Célula granular: produção de hormônios (sist. Enteroendócrino)
➔ Célula em escova: função sensorial
Possui celulas especializadas em conduzir particulas inspiradas, conduzindo o ar para pulmões 
Suas celulas mais importantes são: celulas colunar ciliada, celula caliciforme, celula basal 
Celulas menos importantes: celulas granular (estão espalhadas pelo sistema, pouca quantidade, chamadas sistemaheteroendocrino, produzindo hormonio), e celulas em escova (função sensorial, percepção de tato quando ar esta transitando). 
Arvore Traqueobronquica
➔ Traqueia se divide em bronquios ➔ se dividindo em bronquiolos ➔ formando ramificações como se fossem galhos de arvore. 
· Sistema respiratório - parte da porção condutora 
Fossas ou cavidades nasais 
São divididas em 3 áreas: vestíbulo, área respiratória e área olfatória. A função desses locais das cavidades nasais é aquecer, filtrar e umedecer o ar para que ele possa passar para os demais compartimentos do Sistema Respiratório.
Cada cavidade se comunica por meio da sua porção anterior com ambiente externo por meio das narinas anteriores, posteriormente com a naso faringe por meio das coanas e lateralmente por meio dos seios paranasais e ducto lacrimonasal que drena lagrimas para dentro da cavidade. 
Vestíbulo
Faz parte da porção externa do nariz. 
É revestida por epitélio estratificado pavimentoso não-queratinizado. 
Possui vibrissas (pelos) que filtram grandes partículas externas
Glândulas sebáceas cujas secreções ajudam a aprisionar partículas
É responsavel por ser uma barreira contra particulas, porção mais anterior e dilatada, se comunicaanteriormente, conforme vai chegando em seu fim, seu epitelio termina, formando o epitelio pseudoestratificado caracterizando zona respira´toria. 
Área respiratória 
Revestida por epitélio respiratório pseudoestratificado cilíndrico ciliado 
Muitas células caliciformes e ciliadas (produtoras de mucos)
Batimento de células ciliadas (movimento do muco)
Glândulas seromucosas localizadas na lamina propria (aprissionamento de substancias)
Vasos sanguíneos e tecido conjuntivo (função no aquecimento do ar inspirado)
Conchas nasais (turbilhonamento do ar) localizado no septo nasal. 
Muito vascularizado. 
Área olfatória
Localizada no teto da cavidade nasal
Função de sensibilidade olfativa
Revestida por epitélio olfatório (contém quimiorreceptores de olfação) 
Célula basal: célula-tronco (das quais se originam novas células receptoras olfativas)
Célula de sustentação: produz OBP (Proteína de ligação de odorantes)
Neurônio olfatório: célula sensitiva
Glândula olfatória (Bowman): produz secreção solvente de moléculas odoríferas (varre moléculas odorantes)
➔ localizada perto da cavidade nasal (teto) ➔ possui epitelio diferente (neuroepitelio colunar pseudoestratificado cilios imoveis) com quimiorreceptores ➔ celulas que recebem moleculas odorantes estando ligadas a receptores ➔ eles levam estimulos para bulbo olfatorio ➔ celulas localizadas no osso etmoide (osso cribiforme) que se comunicam com neuronios do bulbo ➔ indo em direção ao snc. 
Histologicamente em imagens não conseguimos vizualizar celulas 
➔ as celulas olfatorias são sensitivas que se ligam a neuronios ➔ depois as celulas de sustentação que são as celulas colunares que produzem proteinas OBP ligando odorantes ➔ celulas basais que são as celulas tronco que originam celulas de sustentação e celulas olfatorias ➔ as galndulas olfatorias que produz secreção que ajuda a varrer moleculas odorantes que já cumpriram seu papel para percepção de novos cheiros. 
Seios paranasais 
Cavidades nos ossos: frontal, etmoide, esfenoide e maxilar.
São preenchidas por ar, ajudam na ressonância do som que sai
Pequenos orifícios (comunica com fossas nasais)
Revestido por epitélio respiratório que pode inflamar (gerando sinusite)
➔ região preenchida por epitelio respiratório ➔ ajudam na ressonancia ➔ elas podem inflamar gerando a sinusite pois o muco não é drenado durante inflamação para cavidade nasal causando a obstrução. 
Epitelio respiratorio x epitelio olfatorio 
- Epitélio Respiratório: epitélio pseudoestratificado cilíndrico ciliado com células caliciformes, vemos uma camada de células pseudoestratificada com células cilíndricas, células caliciformes produtoras de muco distribuídas nesse epitélio e os cílios das células epiteliais. 
- Epitélio Olfatório: epitélio pseudoestratificado cilíndrico, mas as células são mais longas, as células de sustentação, células olfatórias e células basais (células- tronco) embaixo e em cima temos os dendritos e prolongamentos desse epitélio olfatório.
↬ Faringe
Comunica cavidade nasal e oral à laringe e ao esôfago
Dividida em 3 regiões que resultam epitélios diferentes Nasofaringe (epitélio respiratório), Orofaringe (epitélio estratificado pavimentoso não queratinizado) e Laringofaringe (passam alimentos e ar)
Comunicam cavidade nasal com oral (laringe.)
Funciona como camara de ressonancia para fala
Nasofaringe e orofaringe são divididas pelo palato mole
Presença de Tonsilas (nódulos linfáticos) 
É uma estrutura em formato de anel, um aglomerado de tecido linfatico que ajuda na defesa. São divididas em palatina (amigdalas), lingual e faringea. 
Epitelio faringeo 
· Nasofaringe:
 epitelio respiratorio (celula ciliada, calciforme, tecido conjuntivo). 
· Orofaringe 
Epitelio estratificado pavimentoso não queratinizado 
Essa parte do sistema respiratório é diferente por ter muito atrito devido a passagem de alimento. 
 
↬ Laringe: 
É um tubo de forma irregular que une a faringe à traquéia e suas paredes contém cartilagens elásticas e de hialina (ajuda dar sustentação à parede dessa região)
Epiglote: 
é uma cartilagem elástica que fecha a passagem para a traquéia durante a deglutição. 
Músculos extrínsecos (deglutição)
Músculo intrínseco (fonação)
Laringite: inflamação da laringe 
Devido a movimentação (estreitamento) de muscuos intrinsecos nessa
regiao, as cordas vocais vibram dando origem a voz (som) nessa região há presença de tecido conjuntivo que ajudam a vibração. 
Região tambem produz muco, é uma cartilagem hialina (sustentação) que no local precisa ser elastico para efetuar fonação e deglutição. 
Dois pares de pregas nesta região: 
· Cordas vocais falsas também chamadas de pregas vestibulares não tem músculos e são imóveis que não geram som, mas geram ressonância do som. Formadas por epitélio respiratório
· Cordas vocais verdadeiras que se contraem com a passagem de ar, gerando sons a região é sujeita a atrito com a contração: epitélio pavimentoso estratificado não queratinizado. Músculos estriado esquelético que se estreita durante a passagem do ar, gerando a vibração das cordas vocais
➔ pregas vocais se juntam para estreitar a entrada de ar nos pulmões ➔ esse estreitamento provoca o som ➔ o ar que entra e provoca som faz a voz articulada formando palavra ➔ qualquer inchaço gera alteração na voz 
↬ Traqueia 
Tubo com vários anéis de cartilagem hialina, em forma de “C”. A cartilagem não fecha completamente a circunferência da traquéia, há um feixe de músculo liso posteriormente. Em seu interior há tecido conjuntivo, rico em fibras elásticas. 
A parede da traqueia tem quatro camadas bem definidas histologicamente:
Mucosa, mais interna: epitélio respiratório e lâmina própria com fibras elásticas
Submucosa: glândulas seromucosas
Cartilaginosa: anel de Cartilagem hialina em forma de “C”
Camada adventícia, mais externa: tecido adiposo, nervos, vasos sanguíneos e linfáticos
➔ aneis de cartilagens hialinas ➔ mucosa ➔ outra camada de tecido conjuntivo cobrindo ➔ depois possui camada cartilaginosa ➔ camada adventicia 
Árvore traqueobrônquica 
A traqueia vai se ramificando até chegar aos bronquíolos 
Ao chegar no bronquíolo o epitélio é cúbico, não há células caliciformes, cartilagens e há poucas células ciliadas para favorecer a troca gasosa nos alvéolos
Nos alvéolos há apenas fibras elásticas, epitélio simples pavimentoso
A mudança acontece de forma gradual conforme ocorre a ramificação 
➔ seu epitelio não é alto ➔ numero de celulas calciformes diminui ➔ chegando a bronquiolos não há glandula nem cartilagem nem celula ciliada nem celulas calciformes 
Nos alveolos há um epitelio simpes para que haja trocas gasosas. 
Diferença entre bronquio e traqueia: há musculo liso nos bronquios, placas de cartilagem dispostas irregularmente e na traqueia não há. 
Brônquios 
Epitélio respiratório e lâmina própria (epitélio cilíndrico simples em brônquios menores)
Feixes espirais de músculo liso envolvendo o brônquio 
Glândulas seromucosas
Placas de cartilagem hialina irregulares (diferentes da traqueia)
Bronquíolos 
Formados a partir da ramificação dos brônquios 
Epitélio cilíndrico a cúbico simples
Sem cartilagem hialina
Sem glândulas
Feixes de músculo liso
Grandes > celulas colunares
Pequenos > celulas cubicas 
Bronquíolo terminal 
Epitélio cúbico simples 
Luz estreita
Músculo liso
Células de Clara (Club cells)
Produzem substâncias anti inflamatórias
As regiões que o bronquíolo da origem são chamadas de lóbulos pulmonare
➔ bronquiolo terminal (já tem alveolos) ➔ bronquiolo respiratorio (trocas gasosas acontecem, ele é misto, possui epitelio cubico e epitelio simples) ➔ ducto alveolar (epitelio simples) ➔ saco alveolar ➔ alveolos
Bronquíolo asmático 
Secreção aumentada de muco
Hipertrofia músculo liso - broncoconstrição
Aumento anormal do número e tamanho das células do epitélio respiratório 
Ao gerar tampão do musculo liso pode gerar para respiratória. 
· Diferenças histológicas entre traquéia, brônquio e bronquíolo 
O brônquio apresenta uma musculatura lisa bem desenvolvida na camada mucosa, esta estrutura está ausente na traquéia. A traquéia apresenta anel de cartilagem hialina, nos brônquios observam-se as placas de cartilagem hialina, Os bronquíolos têm diâmetro menor que os brônquios e não possuem peças cartilaginosas em sua parede, tendo diametro variado. 
Vascularização pulmonar
Ramificação de um bronquíolo terminal é chamada de lóbulo terminal 
Artérias e veias pulmonar 
Artéria pulmonar dá origem a capilares que estarão presentes na região dos alvéolos 
Pleura
Camada parietal é a mais externa (folheto parietal da pleura)
Camada visceral da pleura reveste mais internamente o pulmão (mesotélio)
Epitélio simples pavimentoso (mesotélio)
Na parede alveolar há capilares sanguíneos que facilitam a troca gasosa
↬ Porção respiratória 
Regiões onde ocorre troca gasosa
Bronquíolos respiratórios 
Gerados pela ramificação de bronquíolos terminais
Início da porção respiratória
Epitélio cúbico simples
Camada de músculo liso delgada
Expansões com epitélio pavimentoso simples: alvéolos
Ductos alveolares
Ducto com paredes constituídas de alvéolos
Regiões delimitadas e esporádicas com nós de músculo liso (músculo liso recoberto por epitélio cúbico), que são as regiões com botões 
Maior parte do ducto constituídas de alvéolos
Constituido por alveolos, regiões com nós de musculo liso, região co boto~es, musculo liso recoberto por epitelio cubico. 
Sacos alveolares
Região no qual alveolos estao localizados juntos.
Alvéolos
Revestimento interno por células (pneumócitos tipo I e II)
Pneumócito tipo I 
· Célula pavimentosa simples
· Núcleos achatados, citoplasma alongado
· Desmossomos (junções intercelulares) e zônulas de oclusão entre as células (junções de oclusão, unem as células)
· Função de barreira hematoaérea
Pneumócito tipo II
· Célula arredondada
· Localizam-se entre os pneumócitos tipo I
· Produz substância surfactante (substância aquosa e proteica coberta por camada de fosfolipídeos. Diminui tensão superficial dos alvéolos. Impede colabamento das paredes)
 
Septo interalveolar 
· Capilares 
· Macrófagos (Atuam dentro do septo interalveolar e dentro do alvéolo e Removem material particulado inalado)
· Fibras elásticas e reticulares
Barreira hematoaérea
Troca de gases – Barreira hematoaérea
· Epitélio alveolar – pneumócito tipo I
· Lâmina basal dupla
· Endotélio – célula endotelial
Ela impede que haja extravazamento de liquido para regiao alveolar, causando edema ou fibrosa por rompimento de barreira. Quando há danos nessa barreira por meio de inflamação o endotelio sobre dano fazendo com que haja permeabilidade causando infiltração na região (muitas celulas estranhas entram) se não houver regeneração por meio de fibras colagenas prejudicam a função respiratória. 
FISIOPATOLOGIA DA SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA GRAVE
É a lesão nos componentes da barreira hematoaerea gerando edema, fibrosa. 
Pratica 
- Lamina 12, corte transversal da traqueia, epitelio em contato com a luz, epitelio reveste superficie interna, epitelio respiratorio, camada mucosa apoia epitelio, placa de cartilagem acima fazendo parte da parede da traqueia. 
- cartilagem da traqueia, placa de cartilagem continua, cartilagem da traqueia que é em formato de C. 
- nucleo da traqueia aumentado, epitelio pseudoestratificado, todas as celulas encostam na celula basal. 
- celulas ciliadas da traqueia, celulas colunares, localizadas na regiao basal, não há como enxergar muco devido a criação da placa. 
- lamina 12, traqueia
- placa 25 e 26, sacos alveolares e as linhas são os septos interalveolar onde estão localizados capilares que farão trocas gasosas. 
- placa 25 e 26, alveolos e seu epitelio simples pavimentoso, celulas achatadas, contendo pneumocitos tipo I faz parte de seu revestimento interno. - placa 25 e 26, bronquiolos e faixa de musculo liso. 
- placa 26, parede alveolares revestidas por pneumocitos. 
- placa 26, mesotelio é o folheto visceral da pleura, camada que reveste o pulmão. 
- placa 26, bronquio com placa de cartilagem 
- placa 26, ducto alveolar

Teste o Premium para desbloquear

Aproveite todos os benefícios por 3 dias sem pagar! 😉
Já tem cadastro?

Continue navegando

Outros materiais