Buscar

Contextualizada de Bromatologia


Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Continue navegando


Prévia do material em texto

Contextualizada de Bromatologia 
 
 
Bromatologia é a ciência que estuda a composição básica dos alimentos, a 
contar da sua composição química até suas ações no organismo. Essa disciplina 
está presente na grade curricular do curso de farmácia, sendo essa, uma formação 
que possibilita ao profissional atuar em mais de 70 áreas, dentre elas, a 
bromatologia. 
O farmacêutico que optar por atuar tecnicamente nesta área, está respaldado 
pela Resolução de nº 530 de 25 de fevereiro de 2010 do Conselho Federal de 
Farmácia, permitindo sua interação com profissionais de outras áreas, em setores 
como a indústria de alimentos e laboratórios, para assim obter um resultado com 
eficiência e qualidade nas análises. 
O decreto de nº. 55.871, de 26 de março de 1965, da legislação da Agência 
Nacional de Vigilância Sanitária, que trata da permissão de aditivos em alimentos, 
estabelece regras e controle no uso de aditivos alimentares, sendo este um 
modificador do decreto inicial de 1961 e até os dias atuais vem passando por várias 
ementas e retificações resultando em melhorias do decreto inicial. 
Considerando, o caso apresentado na contextualizada, o alimento sofreu um 
processo de degradação e oxidação muito rápido, devido a confeiteira ter usado um 
produto in natura na manipulação e preparação do alimento, sendo que o coco é um 
produto que oxida muito rápido, transformando em gordura rançosa tornando-se 
impróprio para o consumo. Por não sofrer nenhum processo de industrialização, 
sendo esse necessário para maior conservação do alimento, a durabilidade do 
produto é muito curta para utilização em receitas de preparo de alimentos que 
demore para ser consumido. 
Se tivesse sido utilizado o coco comercializado, por exemplo, não teria 
acontecido a degradação do alimento. Isso porque, os produtos industrializados em 
seu processo de fabricação são utilizados aditivos antioxidantes, que permite uma 
maior durabilidade do alimento, por ter a funcionalidade de preservação retardando 
o efeito de rancidez, descoloração e aparência, até porque esses ingredientes não 
tem contato manual direto, sendo sempre usados para sua fabricação, 
acondicionamento, embalagem, armazenagem, transporte e distribuição, o processo 
de maquinários industriais, além do seu teor de umidade ser muito irrisório. 
Para determinar a rancidez oxidativa, consegue-se através da análise de 
índices de peróxidos, que serve para detectar os níveis de oxidação de óleos e 
gorduras no alimento, a determinação dessa análise é feita a partir do resultado de 
um teste chamado titulação. 
Para realizar uma titulação, é necessário o uso de algumas vidrarias, 
equipamentos e outros materiais auxiliares, que são eles; bureta, Erlenmeyer, 
suporte universal, Becker, mufla e garra, sendo esses indispensáveis para 
realização do teste. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Contextualizada de Bromatologia 
 
Referências Bibliográficas: 
 
BIANCHI, R.; BERTÉ, C. S.; LESEUX, A. G.; GASPARETTO, G. C. 
BROMATOLOGIA. Anuário Pesquisa e Extensão Unoesc Xanxerê, [S. l.], v. 2, p. 
e13466, 2017. Disponível em: 
https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/apeux/article/view/13466. Acesso em: 30 jan. 
2022. 
 
BRASIL, FOOD INGREDIENTS. Os tipos e os efeitos da rancidez oxidativa em 
alimentos. Rancidez Oxidativa, n. 29, p. 42-49, 2014. 
 
Macley. Aditivos Alimentares: Tudo para o melhor do seu produto. EJEQ, 2019. 
Disponível em: <https://www.ejeq.com.br/aditivos-
alimentares/?utm_source=google&utm_medium=cpc&utm_campaign=blog%20alime
ntos&utm_content=aditivos3&gclid=Cj0KCQiA3rKQBhCNARIsACUEW_aNK01DHwk
vgjBrLFmHCJ10c8ua_EqWdwKy8-QWOmU__jpU8NspcUEaAmJSEALw_wcB>. 
Acesso em 16/02/2022. 
 
SIMÕES, Gabriel. Conheça os conservantes mais usados em alimentos. Prisma, 
2021. Disponível em < https://www.prismaengenhariajr.com/post/conheca-os-
conservantes-mais-usados-em-
alimentos?gclid=Cj0KCQiAi9mPBhCJARIsAHchl1zMMA2liNL-
l2dkInzVBbqKBpyJajtHojZn8ViMN-jjp0cEN7yXWcAaAvECEALw_wcB>. Acesso em 
30/01/2022.