Buscar

1126f365-de1d-4cf4-a44f-530264267ecd (1)

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 3 páginas

Prévia do material em texto

AUTOR(A): Prof.ª Dra. Adriana Fernandes de Oliveira 
DISCIPLINA: Redação e Linguagem Jurídica 
CURSO: Direito – 1º PERÍODO 
 
O SENTIDO DAS PALAVRAS NA LINGUAGEM JURÍDICA 
 
A LÍNGUA PORTUGUESA TEM MAIS DE 500 MIL PALAVRAS. E SABEMOS QUE AS PALAVRAS MUDAM 
DE SENTIDO CONFORME A CIRCUNSTÂNCIA, OU SEJA, O CONTEXTO EM QUE ELAS ESTÃO SENDO 
USADAS. 
 
Campo etimológico e campo semântico: 
 
Construir um campo etimológico significa reunir vocábulos que tenham a mesma raiz ou o mesmo radical. 
Reúne palavras cognatas, ou seja, palavras “parentes”. 
 
Exemplo: 
Campo etimológico do vocábulo CHUVA: 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Construir um campo semântico significa reunir vocábulos por associação de significados, construindo um 
universo em que, a partir de uma palavra-chave, todas se remetam a ela por diversos critérios de aproximação. 
Exemplo: 
Campo semântico do vocábulo CHUVA: 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Exercício 01 – Construa um campo etimológico (5 palavras, no mínimo) para cada um dos vocábulos 
abaixo. 
 
a) lei 
b) luz 
c) livre 
d) juiz 
 
Exercício 02 – Construa um campo semântico (5 palavras, no mínimo) para cada um dos vocábulos 
abaixo. 
 
a) lei 
b) justiça 
c) prisão 
d) drogas 
 
 
 
 
TIPOS DE VOCABULÁRIO JURÍDICO: UNÍVOCOS, EQUÍVOCOS E ANÁLOGOS. 
I. Unívocos: são aqueles contêm somente um sentido. Utilizado na descrição de delitos para assegurar 
direitos. 
 
Exemplos: furto (art. 155 CP – subtrair, para si ou para outrem, coisa alheia móvel); 
 roubo (art. 157 CP – subtrair, para si ou para outrem, coisa móvel alheia mediante 
grave ameaça ou violência, depois de reduzir a resistência da pessoa). 
Assim, pode-se dizer que a univocidade representa os termos técnicos do vocabulário especializado. 
 
II. Equívocos: são os vocábulos plurissignificantes, possuindo mais de um sentido e sendo identificados no 
contexto. 
 
Exemplos: 
 – Direito Processual: apreender judicialmente um bem em litígio. 
Sequestrar: 
 – Direito Penal: privar alguém de sua liberdade de locomoção. 
 
 – Linguagem usual: exercer fascínio sobre alguém para benefício próprio. 
 
Seduzir: 
 – Direito Penal: manter conjunção carnal com alguém menor de dezoito anos, 
aproveitando-se de sua inexperiência ou justificável confiança. 
 
 
III. Análogos: são os que não possuindo étimo comum, pertencem a uma mesma família ideológica ou são 
tidos como sinônimos. 
Exemplos: 
 
Resolução: (dissolução de um – Resilição (dissolução pela vontade dos contraentes). 
 contrato, acordo, 
 ato jurídico). – Rescisão (dissolução por lesão do contrato). 
 
 Palavras análogas são comumente conhecidas como palavras sinônimas. Todavia, as palavras NÃO 
TÊM O MESMO SENTIDO, podendo ser agrupadas por um ponto em comum, mantendo suas significações 
específicas. No exemplo citado, o vocábulo resolução é ponto comum (gênero) das palavras resilição e 
rescisão. No entanto, resolução é palavra equívoca, com diversos significados, enquanto resilição e 
rescisão são palavras unívocas. 
 
ATENÇÃO! O profissional do Direito deve empreender um valor semântico ao usar as palavras 
plurissignificativas. Para tanto, não deve empregar acepções que não pertençam ao jargão jurídico, 
ou, se o forem, mas tiverem natureza equívoca, devem ser acompanhadas de especificadores que 
assegurem o sentido pretendido para aquele determinado contexto. 
 
NÍVEIS DE LINGUAGEM: 
 
Podemos resumir, os vários níveis de linguagem da seguinte maneira: 
 
1) Língua culta padrão — a língua que deve ser usada em todos os documentos oficiais, na imprensa etc.; 
segue as regras da gramática normativa e é empregada primordialmente na forma escrita. 
2) Língua coloquial ou comum — é aquela usada no cotidiano, com a finalidade de comunicação e interação; 
usada, sobretudo, oralmente, apresenta subníveis: 
2.1 Língua popular — usada pelas pessoas de baixa escolaridade, marcada pelo desconhecimento 
gramatical, pelo emprego de gírias e palavras de baixo calão; 
2.2 Língua familiar — de caráter afetivo; faz uso de diminutivos, de palavras que denotam sentimentos, de 
apelidos carinhosos; 
3) Língua grupal — característica de pequenos grupos, classifica-se em subníveis, de acordo com o tipo de 
grupo que a utiliza; assim: *Normas regionais, *gírias (adolescentes); *Sociais (idosos, crianças) e Línguas 
Técnicas (LJ) 
 
 
 
 
 
Exercícios 03: Agora, faça o mesmo, completando os Níveis da Linguagem Jurídica: 
 
1) linguagem legislativa – 
 
2) linguagem judiciária, forense ou processual – 
 
3) linguagem convencional ou contratual – 
 
4) linguagem doutrinária – 
 
5) linguagem cartorária ou notarial – 
 
 
Exercício 04: Pesquisar no dicionário de termos jurídicos o significado das palavras grifadas: 
 
1) “De início cumpre registrar, a respeito do instituto da litispendência, as imprecisões do Código de 
Processo Civil no trato do vocábulo, empregado indiscriminadamente, para duas situações totalmente 
distintas.” 
 
2) “Em regra, a fungibilidade é própria dos bens móveis, e a infugibilidade, dos imóveis. Entretanto, há bens 
móveis que são infungíveis.” 
 
3) “Essa restauração de eficácia é categorizável como repristinação, e admitida em nome do princípio da 
segurança e da estabilidade das relações sociais.” 
 
4) A ab-rogação, expressão raramente usada hodiernamente, pode ser tácita ou expressa. 
 
5) “Daí a parecença entre a rescisão por vício redibitório e a resolução por inadimplemento, conforme a 
concebeu no art. 1.092, parágrafo único, do Código Civil.” 
 
6) “Os poderes e as obrigações do curador são fixados pelo juiz, conforme as circunstâncias.” 
 
7) “O sequestro e o arresto são medidas cautelares cuja diferença se situa no objeto da medida.” 
 
8) “É função típica, prevalecente, do Poder Judiciário exercer a jurisdição.” 
 
9) “Os casos de contrafação são previstos pelo Código Civil.” 
 
10) “Nada tem a teoria da decadência, ou seja, da temporariedade dos direitos, com a teoria da prescrição.” 
 
11) “Na ementa do acórdão, o relator já dá a conhecer a decisão final.” 
 
12) “A teoria de Direito Penal distingue os dois tipos de delito: furto e roubo, que o povo tem por hábito 
considerar como sinônimos.” 
 
13) “A Constituição Federal assegura a isonomia no art. 5º.” 
 
14) “O Código de Processo Civil de 1973 alterou profundamente o sistema das exceções.” 
 
15) “A notificação, em regra, é ato dirigido à pessoa que não contende em juízo, no que difere da intimação 
e da citação.” 
 
 
OBSERVAÇÕES: 
*A Onomasiologia estuda os significados partindo de um conceito existente na realidade, o significado 
(abstrato ou concreto); 
*A Semasiologia estuda os sentidos e seus efeitos, abstraindo os significantes que o indicam em um 
determinado sistema linguístico. 
 
Referências Bibliográficas: 
DAMIÃO, Regina Toledo; HENRIQUES, Antonio. Curso de Português Jurídico. 8ª ed. São Paulo: Atlas, 
2000.

Continue navegando