Buscar

Aula_05_-_Modo_aquavirio

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 47 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 6, do total de 47 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 9, do total de 47 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Prévia do material em texto

Profa.: Me. Marcela Santos da Silva
marcela.ss@ufopa.edu.br
Universidade Federal do Oeste do Pará
Campus Universitário de Itaituba
Sistemas de Transporte
Modos de transportes - Aquaviário
SISTEMAS DE TRANSPORTE
Modos de Transportes
 Rodoviário
 Ferroviário
 Aquaviário
 Aéreo
 Dutoviário
 Especiais
Disponível em: 
https://institutobrasillogistico.com.br/2018/01/26/modais-de-
transportes/
Os diferentes modais de transporte
se complementam, possibilitando o
escoamento de produtos entre as
regiões, inclusive para o exterior
(CNT, 2006).
Aquaviário
Disponível em: 
https://www.todamateria.com.br/transp
orte-maritimo/
Disponível em: 
http://www.tbl.com.br/hidroviario.jsp#ad
-image-0
Aquaviário
 Terceiro modo mais utilizado no Brasil (Ruiz-Padillo et al., 2020)
 É um sistema de transporte de passageiros ou de cargas efetuado
através de meios aquáticos e conectando respectivos terminais
portuários, por meio de embarcações tais como, barcos, navios e balsas
seguindo as regras da navegação.
Vias
 Não há uma via materializada na qual os veículos aquaviários se
deslocam, exceto no caso de acesso a portos e canais artificiais ou
naturais específicos;
Vias
 A rota ou percurso a ser seguido
pela embarcação, se caracteriza
por:
 Calado máximo das embarcações;
 Largura da rota de navegação;
 Raios das curvas;
 Declividade / Velocidade da água.
Disponível em: https://www.ctborracha.com/borracha-sintese-
historica/aplicacoes/projecto-de-defensas/principais-caracteristicas-dos-navios/ 
Vias
Em relação à via, o modo aquaviário pode ser classificado como:
 Hidroviário – fluvial (rios) e lacustre (lagos), pelas hidrovias interiores,
além dos canais artificiais.
 Marítimo – mares e oceanos, que por sua vez pode ser:
 Cabotagem: entre pontos do próprio país, ao longo de uma mesma costa.
 Navegação de Longo Curso: é a navegação internacional realizada através
dos oceanos, entre continentes, abrangendo navios regulares (liners) e os de
rotas irregulares (tramps)
Vias
 Hidrovia interior: é um curso d’água (rio, lago, lagoa) navegável que dispõe de cartas de
navegação e que foram balizadas e sinalizadas para uma determinada embarcação tipo (aquelas
que oferecem boas condições de segurança às embarcações, cargas e passageiros ou
tripulantes).
 Além disso, pode precisar serviços especiais de dragagem e transposições. As hidrovias podem
se apresentar de duas maneiras:
 Artificiais: não eram navegáveis, mas adquiriram essa condição em função de obras de engenharia.
 Regularizadas ou melhoradas: são aquelas que tiveram suas condições de navegação ampliadas.
Veículos
 Navio ou barco é o veículo apropriado para a navegação em mares, rios
e lagos.
 O transporte pode ser através de embarcações unitárias ou comboios.
 A unidade de velocidade em navegação é usualmente expressa em nós.
Sendo a média de 20 a 22 nós (um nó equivale a uma milha
náutica/hora que é igual a 1,852 km/h), os mais velozes alcançam 26
nós ou 48,15 km/h.
Veículos
 Os navios podem ser de vários portes, tipos e finalidades.
 São propulsionados por motores de grande potência, capazes de
impulsionar e locomover embarcações de todos os tamanhos, com
dezenas e até centenas de milhares de toneladas.
 Também os navios podem ser tracionados ou empurrados/puxados
Veículos
Para transportes de passageiros
 Navios de Cruzeiro: transportam
pessoas e suas bagagens em
viagens normais ou de turismo.
Veículos
Para transportes de passageiros
 Hidrofólios: também utilizados para
transporte de passageiros, mas em
menores distâncias. Utilizam uma
espécie de “asas” que facilitam ao
barco desenvolver maior velocidade
graças à redução de atrito do casco
com a água.
Veículos
Para transportes de passageiros
 Navios de Cruzeiro: transportam
pessoas e suas bagagens em
viagens normais ou de turismo.
Veículos
Para transportes de cargas
 Navios de Carga Geral ou
Cargueiros: destinados ao transporte
de carga geral seca, normalmente
vários tipos, embalada e
transportada em volumes individuais
(breakbulk) ou paletizada (unitizada),
mas não congelada.
Veículos
Para transportes de cargas
 Navios Porta Contêiner:
especializados no transporte de
contêineres. Sua particularidade
reside na disposição dos
contêineres no convés e porões
do barco.
Veículos
Para transportes de cargas
 Navios Frigoríficos: são semelhantes
aos navios convencionais para
cargas secas, porém, os seus porões
são devidamente equipados com
maquinários para refrigeração.
Apropriados para transporte de
cargas que exigem controle de
temperatura, como produtos
perecíveis.
Veículos
Para transportes de cargas
 Navios Graneleiros: utilizados
para transporte de mercadorias
sólidas a granel (grãos, açúcar,
minérios, entre outros).
Veículos
Para transportes de cargas
 Navios Gaseiro: construído para
transportar gás liquefeito de
petróleo. Conhecido por seus
tanques de formato arredondado
acima do convés.
Veículos
Para transportes de cargas
 Navios Petroleiros: têm a
finalidade de transportar granéis
líquidos derivados do petróleo,
contando com equipamentos
especiais para bombeá-los nas
operações de carregamento e
descarregamento dos navios.
Veículos
Para transportes de cargas
 Navios de Operação por Rolamento Roll-
on Roll-off (Ro-Ro): são utilizados
especificamente para transportar veículos,
pois contam com rampas que permitem
acesso direto ao convés ou aos porões.
Dessa forma, os processos de embarque e
desembarque economizam custos e tempo
já que os veículos são deslocados,
rodando com suas próprias rodas ou
mediante esteiras.
Veículos
Para transportes de cargas
 Navios Multicargas: navios destinados
ao transporte de cargas com
características de diversos outros tipos
de navios, como os convencionais,
frigoríficos, Ro-Ro, porta contêineres,
podendo transportar as mais variadas
cargas simultaneamente, como carga
geral, carga frigorífica, pallets, veículos
em geral, contêineres, etc.
Veículos
Para serviços ou operações
especiais
 Rebocadores: pequenos barcos,
mas com motores de grande
potência, que atuam na facilitação
das manobras de grandes navios
no acesso e movimentação dentro
dos portos.
Veículos
Para serviços ou operações
especiais
 Navios Porta Aviões: são navios
militares que tem como funcionam
como base aérea móvel no mar.
Veículos
Para serviços ou operações especiais
 Navios porta barcaças: são navios
especiais, que possuem guindastes
para embarque e desembarque de
barcaças pela popa do navio.
Projetado para operar em portos
congestionados, esses navios
transportam em seu interior barcaças
com capacidade de 400 T ou 600 m³.
Veículos
Para serviços ou operações especiais
 Navios Float-on Float-off (Flo-Flo): trata-se de
um tipo especial de navio, cuja característica
fundamental é a capacidade de ficar
parcialmente submerso, com o objetivo que a
carga (normalmente plataformas petrolíferas,
outros navios ou materiais especiais) seja
recolhida enquanto seu convés está abaixo
do nível da água. Uma vez que a carga está
situada acima do barco, este volta à posição
normal, permitindo o transporte em
segurança.
Terminais Portuários
 Os terminais portuários servem de conexão entre os modos de
transporte terrestres (como o rodoviário e o ferroviário) e o modo
aquaviário.
Composição dos Terminais Portuários
São compostos pelo:
 Anteporto;
 Porto;
 Retroporto.
Composição dos Terminais Portuários
Anteporto
 Canal de acesso e egresso: Corresponde à interface com a via. Deve ter
dimensões e características adequadas; em determinados casos é necessário
executar obras de infraestrutura para a atracação e fundeio (ancoradouro)
condizentes com a embarcação crítica.
 Fundeadouros de Espera ou Região de fundeio: também conhecida como
atracadouro ou fundeadouro, pode ser definida como local pré-estabelecido e
regulamentado pela autoridademarítima onde uma embarcação pode lançar
âncoras.
Composição dos Terminais Portuários
Porto
 Bacia ou Região de evolução: área do porto ou terminal com dimensão e profundidade
adequadas à manobra e ao giro dos navios.
 Sistema de atracação: Espaço reservado para atracação da embarcação, onde
equipamentos de transbordo executam o carregamento ou descarregamento da
embarcação.
 Dársenas: São partes resguardadas artificialmente (através de escavações) do porto,
usada para tarefas de carga e descarga.
 Estação de Serviços.
Composição dos Terminais Portuários
Retroporto: são necessárias áreas terrestres próprias para movimentação de
cargas, que se subdivide em:
 Acessos Terrestres;
 Armazenagem;
 Instalações Auxiliares;
 Administração.
Classificação dos Terminais Portuários
 Quanto à natureza dos portos;
 Quanto à localização;
 Quanto à finalidade;
 Quanto à atividade;
 Quanto aos serviços oferecidos.
Classificação dos Terminais Portuários
 Quanto à natureza dos portos
 Portos naturais: são aqueles em que as obras de melhoramento ligadas a
abrigo e acessos às obras de acostagem são inexistentes ou de reduzida
monta, pois as condições naturais já as provêm para a embarcação tipo.
Frequentemente são portos estuarinos com canais de boa estabilidade.
 Portos artificiais: são aqueles em que as obras de acostagem devem ser
providas de obras de melhoramento de abrigo e acessos para a embarcação
tipo.
Classificação dos Terminais Portuários
 Quanto à localização
 Portos marítimos, diferenciando os seguintes tipos:
 Portos exteriores: diretamente na costa, junto ao mar. Podem ser do tipo:
 Salientes à costa (ganhos à água): quando são implantados aterros que avançam
sobre o mar.
 Encravados em terra (ganhos à terra): quando são compostos por escavações
formando dársenas (locais usados para tarefas de carga e descarga), canais e
bacias.
 Portos ao largo (Off shore): são portos ao largo da zona de arrebentação, distantes da
costa, podem até mesmo não ser providos de abrigo.
 Portos interiores: portos fluviais e lagunares.
Classificação dos Terminais Portuários
 Quanto à finalidade
 Terminais Comerciais: podendo ser de passageiros, carga ou mistos;
 Terminais de Serviço: pesqueiros, reparos e de abastecimento;
 Terminais Militares: bases navais e de guardas costeiras;
 Terminais de Lazer: representados principalmente pelas marinas.
Classificação dos Terminais Portuários
 Quanto à atividade
 Terminais regionais ou alimentadores ou distribuidores: são os de menores dimensões,
atendem a navios de menor porte, que levarão a carga ao seu ponto final de consumo
regional, no litoral de um país ou estado.
 Terminais de transbordo: poderão ser de transbordo puro, mas também servir de
alimentadores da região em que se localizam.
 Terminais concentradores ou Hub Ports: são portos concentradores de cargas e de linhas de
navegação. O termo decorre das estratégias das principais companhias marítimas de
aumentar o tamanho dos navios, concentrar rotas, reduzir o número de escalas adotadas e
reduzir o tempo de viagens internacionais dos navios de longo curso.
Classificação dos Terminais Portuários
 Quanto aos serviços oferecidos
 Terminais de Primeira Geração ou Tradicionais: apenas a execução de funções
básicas de transporte: acesso, carga, descarga e estocagem;
 Terminais de Segunda Geração ou Polarizadores: além de exercer as funções
básicas de transporte, produzem em seu entorno, usuários comerciais e industriais
de suas facilidades, tornando se um centro portuário regional;
 Terminais de Terceira Geração ou Logísticos: empenhados em se integrar com seu
hinterland (região terrestre de influência do porto), visando tornar-se o motor de seu
desenvolvimento e um centro de serviços logísticos para a comunidade envolvida.
Classificação dos Terminais Portuários
As principais diferenças entre os portos fluviais e os portos marítimos
 Os portos marítimos têm predominância de embarcações de grande calado, que exigem condições de
abrigo e de profundidade que só se encontram em raros pontos da costa. No entanto, os rios são
normalmente abrigados em toda a sua extensão e os barcos são de menor calado.
 Os rios e oferecem facilidade de acostamento ao longo de toda a sua extensão, disseminando seus
benefícios por uma vasta área de bacia.
 Em razão da propriedade anterior, o projeto de um porto fluvial não deve ter a preocupação de
centralização de serviços, salvo em casos especiais e em grandes concentrações urbanas ou
industrias à margem da via navegável, pois o recomendável nos portos fluviais é que se multipliquem
os terminais, de preferência especializados.
Quanto ao posicionamento de uma embarcação 
para carga e descarga
Segundo Lima (1988), há quarto formas básicas de posicionar uma embarcação para as
operações de carga e descarga:
 Offshore (flutuante ou não): a embarcação é descarregada ou carregada longe da costa
de terra firme, neste caso, alguma estrutura é necessária para fazer essa ligação. Esta
estrutura pode ser flutuante ou não;
 Longitudinal: a embarcação se posiciona paralela a margem;
 Flutuante: uma estrutura flutuante serve de apoio à carga ou descarga, mais utilizada
em locais onde o nível d’água varia bastante;
 Transversal: a embarcação se posiciona transversal à margem.
Quanto ao posicionamento de uma embarcação 
para carga e descarga
 Segundo Andrade (2002), a escolha do sistema de atracação varia conforme a
característica da margem do rio e o comportamento da lâmina d’água.
 Foi constatado que na maioria dos Portos que apresentam sistemas de transbordo
composto de guindastes ou pórticos (descarregamento), o sistema longitudinal é o mais
difundido, bem como, a configuração offshore é a mais recomendada para os
processos de carregamento
Quanto a carga transportada
 O modo aquaviário é indicado para o transporte de produtos com baixo valor
agregado, apesar de ser capaz de transportar produtos de diversas espécies e
em todos os estados: líquido, sólido e gasoso, desde que estejam bem
armazenados e em containers adaptados.
Aquaviário - Classificação das Cargas a Serem 
Transportadas
- Carga geral
 Também chamada de break-bulk, corresponde a qualquer tipo de carga onde
não há uma padronização ou homogeneidade.
 As operações de carga e descarga são mais difíceis e morosas, fazendo com
que os navios fiquem mais tempo parados nos portos .
Aquaviário - Classificação das Cargas a Serem 
Transportadas
- Carga unitizada
 É a carga embalada em unidades como: bandejas (pallet), como contentor (contêiner)
sempre para facilitar o seu manuseio.
 Surgiu no intuito de reduzir os problemas encontrados nas operações de transbordo
com cargas gerais.
- Carga a granel líquido
 É toda a carga líquida transportada diretamente nos porões do navio, sem embalagem
e em grandes quantidades e que é movimentada em dutos por meio de bombas, como
petróleo e seus derivados, óleos vegetais, sucos de laranja, etc.
Aquaviário - Classificação das Cargas a Serem 
Transportadas
- Granel Sólido:
 É toda carga seca fragmentada, minérios, grãos, transportada em grandes
quantidades diretamente nos porões do navio, sem embalagem (dray bulk).
- Carga Roll-on roll-off (carga rodante)
 Trata-se de qualquer tipo de carga que embarque e desembarque rodando, seja em
cima das suas próprias rodas ou esteiras, ou sobre equipamento concebido
especificamente para o caso.
Aquaviário - Classificação das Cargas a Serem 
Transportadas
- Cargas de Projetos
 Possuem dimensões ou peso acima do permitido para embarque em 
contêineres, e que exigem equipamentos especiais para todas as etapas da 
logística.
 Podem ser transportadas na navegação por cabotagem, reduzindo 
consideravelmente o tempo de transporte em relação ao modal rodoviário.
 Como exemplos de cargas de projetos, cita-se: estruturas metálicas, máquinas 
e equipamentos, vagões, locomotivas, pásde hélices eólicas entre muitos 
outros.
Aquaviário
 TUPs - Terminais de uso privado;
 IP4 - Instalações Portuárias Públicas de Pequeno Porte
 ETC - Estação de Transbordo de Cargas
Fonte: Anuário Estatístico
dos Transportes (2010 –
2019)
Aquaviário
 Capacidade de transportar
grandes quantidades;
 Percorre longas distâncias;
 Baixo custo de frete  apresenta
custo fixo médio (navios e
equipamentos) e custo variável
baixo (capacidade para
transportar grande quantidade de
tonelagem).
 Vantagens:  Desvantagens:
 Tempo de trânsito longo;
 Necessita de terminais especializados
para embarque e desembarque;
 Baixo investimento do governo em
portos e fiscalização para liberação
das mercadorias;
Referências
 Amir Mattar Valente. (2018). Sistemas de Transportes.
 Notas de aula do Prof. Carlos Armando Rocha Filho
 Alejandro Ruiz-Padillo, Caroline Alves da Silveira, Tânia Batistela Torres. Sistemas de
transporte: introdução, conceitos e panorama: Cachoeira do Sul, Rio Grande do Sul,
Brasil [recurso eletrônico] – Cachoeira do Sul, RS: UFSM-CS, 2020.

Continue navegando

Outros materiais