Buscar

História do Pensamento Econômico

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 6 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 6, do total de 6 páginas

Prévia do material em texto

Faculdade de Tecnologia e Ciências – UNIFTC
JÉSSICA VITÓRIA DE SOUSA ARAÚJO, ITALO AMORIM DA SILVA, JESSICA PINHEIRO DA SILVA, PEDRO FELIPE DOS ANJOS, ROSINEIDE SANTOS DE SOUZA
HISTÓRIA DO PENSAMENTO ECONÔMICO
SEGUNDO AS MAIS VARIADAS ESCOLAS DE PENSAMENTO
REDE UNIFTC
2020
FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS - UNIFTC
JÉSSICA VITÓRIA DE SOUSA ARAÚJO, ITALO AMORIM DA SILVA, JESSICA PINHEIRO DA SILVA, PEDRO FELIPE DOS ANJOS, ROSINEIDE SANTOS DE SOUZA
HISTÓRIA DO PENSAMENTO ECONÔMICO
REDE UNIFTC
2020
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO
Este é um livro sobre um punhado de homens que têm um curioso direito à fama. Segundo as regras dos livros de História de um colegial, esses homens nunca existiram: não comandaram exércitos, não enviaram homens para a morte, não construíram impérios e tiveram pouco a ver com os tipos de decisões que fazem a História. Alguns deles conseguiram certo renome, mas nenhum se tornou herói nacional; outros poucos foram claramente ofendidos, mas nenhum foi apontado como criminoso nacional. No entanto, o que eles fizeram foi mais decisivo para a História do que muitas ações de estadistas que foram envoltos em cintilante glória, pois, na maioria das vezes, perturbaram muito mais do que o ir e vir de exércitos de uma fronteira para outra, e tiveram mais poderes para o bem e para o mal do que os éditos de reis e de legisladores. Isso porque eles moldaram e agitaram as mentes dos homens. E como quem consegue atingir a mente do homem detém um poder maior do que o da espada e o do cetro, esses homens moldaram e agitaram o mundo. Poucos deles nem sequer ergueram um dedo em ação; na maior parte, trabalharam como estudiosos — quietamente, despercebidos e sem dar muita importância ao que o mundo tinha a dizer a seu respeito. Mas, em seu rastro, deixaram impérios abalados e continentes arrasados; fortaleceram e solaparam regimes políticos; colocaram classes contra classes e até mesmo nações contra nações — não com intrigas maldosas, mas com o extraordinário poder de suas ideias. Quem foram esses homens? Nós os conhecemos como Grandes Economistas, mas é estranho como sabemos pouco a respeito deles. É de pensar que em um mundo dilacerado por problemas econômicos, um mundo que se preocupa constantemente com interesses econômicos e fala em resultados econômicos, os grandes economistas deveriam ser tão familiares quanto os grandes filósofos e estadistas. No entanto, são apenas sombras no passado e os temas que eles debateram tão apaixonadamente são olhados com uma espécie de respeito distante. A economia, disseram, é inegavelmente importante, mas fria e difícil, portanto é melhor deixá-la para aqueles que se sentem em casa nas obscuras paragens do pensamento. Nada pode estar mais longe da verdade do que isso. Um homem que considera a economia apenas como tema impor do mercado não apenas são essenciais para que se entenda o mundo de Adam Smith, como também fundamentam o mundo muito diferente de Karl Marx e o mundo mais diferente ainda no qual vivemos hoje em dia. Desde que todos estamos, conscientes disso ou não, sob a soberania dessas leis, compete a nós examiná-las com o maior cuidado. As leis do mercado de Adam Smith são basicamente simples. Elas nos dizem que a influência de certo tipo de costume em determinada estrutura social pode trazer resultados perfeitamente para as nossas vidas de trabalho diário; as experiências que eles fizeram não podiam, como as dos cientistas, ser efetuadas no isolamento de um laboratório. As noções dos grandes economistas foram de abalar o mundo, e seus erros podiam ser no mínimo calamitosos. “As ideias dos economistas e dos filósofos políticos”, escreveu lorde Keynes, ele mesmo um grande economista, “tanto quando estão certas ou quando estão erradas, são mais poderosas do que se pensa. Sem dúvida, o mundo é governado por pouco mais do que isso. Os homens práticos, que se acreditam imunes a qualquer influência intelectual, geralmente são escravos de algum economista já falecido. Os líderes loucos, que ouvem vozes vindas do ar, destilam sua exaltação de algum escrevinhador acadêmico de alguns anos atrás. Tenho certeza de que o poder de capitais investidos é enormemente exagerado em comparação com a gradual usurpação de ideias.” Na verdade, nem todos os economistas foram titãs. Milhares deles escreveram textos, alguns sendo verdadeiros monumentos à estupidez, e exploraram minúcias com o zelo de estudiosos medievais. Se hoje em dia a economia tem pouco glamour, se ainda lhe falta a sensação de empolgante aventura, não se pode culpar a ninguém mais a não ser seus próprios praticantes. Pois os grandes economistas não foram meros intelectuais trapalhões. Eles tomaram o mundo inteiro como tema e retrataram esse mundo em dúzias de situações importantes — de fome, de desespero, de esperança. A evolução de suas opiniões heréticas como senso comum e a revelação do senso comum como superstições constituem nada menos do que a construção gradual da arquitetura intelectual de grande parte da vida contemporânea. É muito difícil imaginar um grupo mais heterogêneo de homens aparentemente tão pouco determinados a remodelar o mundo. Havia entre eles um filósofo e um demente, um clérigo e um corretor de valores, um revolucionário e um nobre, um esteta, um cético e um vagabundo. Eram de todas as nacionalidades, de todos os níveis sociais, de todos os tipos de temperamento. Alguns eram brilhantes, outros eram maçantes; alguns agradáveis, outros insuportáveis. Pelo menos três deles amealharam as próprias fortunas, mas, como tantos, jamais conseguiram dominar a mais elementar economia de suas finanças pessoais. Dois eram importantes homens de negócios, um jamais passou de caixeiro-viajante, outro dissipou sua fortuna. Seus pontos de vista em relação ao mundo eram tão variados quanto suas fortunas — nunca existiu um grupo de pensadores tão briguentos. Um deles era um perpétuo advogado dos direitos femininos; outro insistia em que as mulheres eram evidentemente inferiores aos homens. Um garantia que os “cavalheiros” eram apenas bárbaros disfarçados, enquanto outro afirmava que os que não eram cavalheiros eram selvagens. Um deles — que era muito rico — exigia a abolição dos ricos; outro — inteiramente pobre — reprovava a caridade. Vários deles garantiam que, mesmo com todos os seus defeitos, este era o melhor mundo possível; vários outros devotaram suas vidas para provar que não era. Todos eles escreveram livros e nunca se viu biblioteca mais variada. Um ou dois escreveram best sellers que chegaram até as enlameadas cabanas da Ásia; outros tiveram que pagar para ver seus obscuros trabalhos publicados e jamais atingiram público maior do que os mais restritos círculos. Poucos escreveram numa linguagem que acelerou a pulsação de milhões; outros — não menos importantes para o mundo — escreveram numa prosa que confunde o cérebro. Não eram as personalidades, as profissões, as tendências, nem mesmo as ideias o que mantinham esses homens unidos. O denominador comum entre eles era algo mais: uma curiosidade comum. Todos eram fascinados pelo mundo ao seu redor, por sua complexidade e sua aparente desordem, pela crueldade que tantas vezes se mascara de hipocrisia e pelo sucesso do qual muitos nem sequer se davam conta.
Bibliografia
Introdução retirada do site: http://www.projetos.unijui.edu.br/economia/files/HPE.pdf

Continue navegando

Outros materiais