Buscar

Transtornos da Compulsão Alimentar (TCA) e Transtornos Alimentares Não Especificados (TANE) _Final

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 79 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 6, do total de 79 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 9, do total de 79 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Prévia do material em texto

Brasília-DF. 
TransTornos da Compulsão alimenTar 
 (TCa) e TransTornos alimenTares não 
espeCifiCados (Tane)
Elaboração
Arquiléia Itair Peixoto Gonçalves
Produção
Equipe Técnica de Avaliação, Revisão Linguística e Editoração
Sumário
APRESENTAÇÃO ................................................................................................................................. 4
ORGANIZAÇÃO DO CADERNO DE ESTUDOS E PESQUISA .................................................................... 5
INTRODUÇÃO.................................................................................................................................... 7
UNIDADE I
TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP) .............................................................. 9
CAPÍTULO 1
CONCEITO .............................................................................................................................. 9
CAPÍTULO 2 
CARACTERIZAÇÃO DO TCAP E DIAGNÓSTICO ........................................................................ 13
CAPÍTULO 3 
CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS .................................................................................................. 18
CAPÍTULO 4 
DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS TCAP X BULIMIA NERVOSA ....................................................... 22
CAPÍTULO 5 
TCAP EM HOMENS, MULHERES, CRIANÇAS E ADOLESCENTES .................................................. 25
UNIDADE II
TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA E OBESIDADE ................................................. 34
CAPÍTULO 1
BREVE CONCEITO SOBRE OBESIDADE ..................................................................................... 34
CAPÍTULO 2 
OBESIDADE E SUAS PRINCIPAIS CONSEQUÊNCIAS CLÍNICAS.................................................... 38
CAPÍTULO 3 
TCAP X OBESIDADE ................................................................................................................ 42
UNIDADE III
TRANSTORNOS ALIMENTARES COM MENOR INCIDÊNCIA ...................................................................... 46
CAPÍTULO 1 
SOBRE A HIPERGAFIA E A ORTOREXIA ..................................................................................... 47
CAPÍTULO 2
SOBRE A PICA E A SÍNDROME DE PRADER-WILLI ...................................................................... 50
CAPÍTULO 3 
SOBRE TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO (TOC) POR ALIMENTOS E TRANSTORNO DE 
RUMINAÇÃO .......................................................................................................................... 55
CAPÍTULO 4 
SOBRE VIGOREXIA E OUTROS TRANSTORNOS ALIMENTARES NÃO ESPECIFICADOS ................... 58
UNIDADE IV
ESTUDOS DE CASOS ............................................................................................................................ 63
REFERÊNCIAS ................................................................................................................................. 75
5
Apresentação
Caro aluno
A proposta editorial deste Caderno de Estudos e Pesquisa reúne elementos que se 
entendem necessários para o desenvolvimento do estudo com segurança e qualidade. 
Caracteriza-se pela atualidade, dinâmica e pertinência de seu conteúdo, bem como pela 
interatividade e modernidade de sua estrutura formal, adequadas à metodologia da 
Educação a Distância – EaD.
Pretende-se, com este material, levá-lo à reflexão e à compreensão da pluralidade 
dos conhecimentos a serem oferecidos, possibilitando-lhe ampliar conceitos 
específicos da área e atuar de forma competente e conscienciosa, como convém 
ao profissional que busca a formação continuada para vencer os desafios que a 
evolução científico-tecnológica impõe ao mundo contemporâneo.
Elaborou-se a presente publicação com a intenção de torná-la subsídio valioso, de modo 
a facilitar sua caminhada na trajetória a ser percorrida tanto na vida pessoal quanto na 
profissional. Utilize-a como instrumento para seu sucesso na carreira.
Conselho Editorial
6
Organização do Caderno 
de Estudos e Pesquisa
Para facilitar seu estudo, os conteúdos são organizados em unidades, subdivididas em 
capítulos, de forma didática, objetiva e coerente. Eles serão abordados por meio de textos 
básicos, com questões para reflexão, entre outros recursos editoriais que visam tornar 
sua leitura mais agradável. Ao final, serão indicadas, também, fontes de consulta para 
aprofundar seus estudos com leituras e pesquisas complementares.
A seguir, apresentamos uma breve descrição dos ícones utilizados na organização dos 
Cadernos de Estudos e Pesquisa.
Provocação
Textos que buscam instigar o aluno a refletir sobre determinado assunto antes 
mesmo de iniciar sua leitura ou após algum trecho pertinente para o autor 
conteudista.
Para refletir
Questões inseridas no decorrer do estudo a fim de que o aluno faça uma pausa e reflita 
sobre o conteúdo estudado ou temas que o ajudem em seu raciocínio. É importante 
que ele verifique seus conhecimentos, suas experiências e seus sentimentos. As 
reflexões são o ponto de partida para a construção de suas conclusões.
Sugestão de estudo complementar
Sugestões de leituras adicionais, filmes e sites para aprofundamento do estudo, 
discussões em fóruns ou encontros presenciais quando for o caso.
Atenção
Chamadas para alertar detalhes/tópicos importantes que contribuam para a 
síntese/conclusão do assunto abordado.
7
Saiba mais
Informações complementares para elucidar a construção das sínteses/conclusões 
sobre o assunto abordado.
Sintetizando
Trecho que busca resumir informações relevantes do conteúdo, facilitando o 
entendimento pelo aluno sobre trechos mais complexos.
Para (não) finalizar
Texto integrador, ao final do módulo, que motiva o aluno a continuar a aprendizagem 
ou estimula ponderações complementares sobre o módulo estudado.
8
Introdução
Nas últimas cinco décadas observou-se uma grande mudança no comportamento 
alimentar das pessoas eclodindo numa transição epidemiológica entre a desnutrição e 
a obesidade. Para Pinheiro et al. (2004), essa transição refere-se ao impacto provocado 
pela alteração do perfil nutricional as pessoas: pode-se afirmar que as mudanças 
econômicas, demográficas e sociais afetaram, também, o padrão nutricional e o 
consumo alimentar das famílias. Assim, a população de risco passa a incluir, além dos 
desnutridos, os obesos.
Friedman (1995) defende que por muito tempo os indivíduos obesos foram considerados 
como pertencentes a um grupo homogêneo baseado apenas em uma característica 
comum: o excesso de peso. Com essa simplificação de conceito, ignorava-se as possíveis 
diferenças comportamentais que poderiam, na maioria dos casos, terem sido as causas 
da obesidade. Hoje a obesidade pode ser considerada como um dos mais graves 
problemas da saúde pública mundial. 
O estudo do tema Transtornos Alimentares passou, então, ser matéria obrigatória para 
diversos profissionais, principalmente os relacionados à saúde: médicos, psicólogos e 
nutricionistas. Assim, o diagnóstico e o tratamento são movimentos multidisciplinares, 
onde os esforços das diversas ciências se unem no sentido de explicar e melhorar a 
relação de consumo alimentar entre os indivíduos e as formas encontradas para lidar 
com suas frustrações e ansiedades.
A disciplina Transtornos da Compulsão Alimentar e Transtornos Alimentares Não 
Especificados tem como objetivo discutir os diversos conceitos, tratamentos, causas e 
impactos provocados pela doença. Desse modo, o conteúdo da disciplina foi dividido 
em unidades e capítulos para melhor entender o tema.
A primeira Unidade tratará dos Transtornos da Compulsão Alimentar Periódica 
– TCAP. Nesta unidade veremos os conceitos e as diversas classificações do fenômeno, 
sua caracterização e seu diagnóstico, as prováveis causas e suas consequências, as 
diferenças e semelhanças entre TCAP X bulimia nervosa, as principais características 
encontradas em TCAP no sexo masculino, nosexo feminino, em crianças e em 
adolescentes.
A segunda Unidade de estudo versará sobre a relação entre Transtornos da 
compulsão alimentar periódica e obesidade. Nesta unidade veremos conceitos 
sobre obesidade e a relação existente entre TCAP x obesidade.
9
A terceira e última Unidade será dedicada ao estudo dos Transtornos alimentares 
com menor incidência. Serão contemplados nesta unidade o estudo dos seguintes 
transtornos: hipergafia, ortorexia, pica, síndrome de Prader-Willi, TOC por alimentos, 
ruminação, vigorexia, além de outros transtornos alimentares não especificados. 
Na quarta Unidade da disciplina serão apresentados estudos de casos de transtornos 
alimentares.
Objetivos
 » Tratar dos Transtornos da Compulsão Alimentar Periódica – TCAP. 
 » Compreender a relação entre Transtornos da Compulsão Alimentar 
Periódica e Obesidade. 
 » Compreender os transtornos alimentares com menor incidência. 
10
UNIDADE I
TRANSTORNOS 
DA COMPULSÃO 
ALIMENTAR 
PERIÓDICA (TCAP)
O comportamento alimentar das pessoas pode ser a causa de muitos transtornos e, 
consequentemente, produzir doenças. O Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica 
(TCAP) é uma categoria de doença produzida pela relação de consumo de alimentos 
dos indivíduos; esse quadro de transtorno alimentar é caracterizado pela ingestão de 
grande quantidade de comida em um período de tempo delimitado – cerca de duas 
horas – associado à sensação de perda de controle sobre a quantidade e a qualidade de 
alimento ingerido. 
Nesta Unidade de estudo, serão tratadas as definições e origem do fenômeno, sua 
caracterização e seu diagnóstico, causas e consequências, distinções entre outros 
fenômenos de natureza semelhante e distinções a partir de gênero e idades das pessoas.
CAPÍTULO 1
Conceito
Transtorno de Compulsão Alimentar Periódica (TCAP) é um comportamento alimentar 
caracterizado por episódios de grande ingestão de alimentos num período de tempo 
curto – cerca de duas horas – seguido de uma sensação de perda de controle sobre 
a ingestão do alimento e provocando culpa e arrependimento por ter comido. Esse 
fenômeno, largamente estudado por diversos autores, tem conceitos e classificações 
que nos permitem compreendê-lo e distingui-lo de outros fenômenos alimentares.
A compulsão alimentar é conhecida, em inglês como binge eating. Melo (2011) afirma 
que quando os episódios compulsão alimentar ocorrem por, pelo menos, dois dias por 
semana, num período de seis meses, são associados a algumas características de perda 
de controle e não são acompanhados de comportamentos compensatórios dirigidos 
para a perda de peso, indicam, segundo estudos recentes, a presença da síndrome 
11
 TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP) │ UNIDADE I
denominada Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica (TCAP) – binge eating 
disorder.
Figura 1. 
Fonte: <http://conruindosentidos.bIogspotcombr/2O1 1/03/transtorno-de-compulsao-ali rnentarhtml> Acesso em: 16/4/2016.
Origem do Transtorno da Compulsão Alimentar 
Periódica
O comportamento designado compulsão alimentar é caracterizado pelo excesso de 
ingestão de alimentos associado à perda de controle da ingestão desses alimentos. 
Os primeiros relatos do fenômeno datam do século XV; era, na época, um sintoma 
que podia estar presente em diversos transtornos. Desde então, foram descritos como 
comportamento de apetite voraz, designado com o nome bulimia. Especificamente 
para este fenômeno, atualmente utiliza-se o nome compulsão alimentar, mas pode-se 
encontrar, também, como sinônimo o termo comportamento bulímico.
Stunkard (1959) foi quem primeiro identificou e descreveu o fenômeno Transtorno da 
Compulsão Alimentar Periódica – TCAP. O autor observou um tipo de comportamento 
alimentar de obesos caracterizado pela grande quantidade de alimentos ingeridos 
em um curto espaço de tempo, seguido de sentimentos de desconforto físico e de 
autocondenação.
Cerca de vinte anos depois, na década de 1970, o fenômeno passou a ser estudado com 
maior clareza; a compulsão alimentar passou a ser considerada uma síndrome. Os relatos 
de indivíduos associavam a compulsão alimentar a comportamentos compensatórios 
para prevenção de ganho de peso. 
Wermuth et al. (1977) adotaram alguns critérios no diagnóstico do Transtorno da 
Compulsão Alimentar Periódica. Os autores ampliaram e descreveram o fenômeno 
http://conruindosentidos.bIogspotcombr/2O1%201/03/transtorno-de-compulsao
12
UNIDADE I │ TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP)
identificado em 1959 por Stunkard. Para os autores, o diagnóstico do TCAP deve incluir 
as seguintes condições:
 » a ingestão rápida, impulsiva, episódica e sem controle de grandes 
quantidades de alimentos em um período de tempo relativamente curto;
 » o episódio termina apenas quando há desconforto físico (por exemplo, 
dor abdominal). vômitos autoinduzidos podem ocorrer, mas não são 
necessários para o diagnóstico;
 » a presença de sensações subsequentes de culpa, desprezo por si ou 
remorso.
Identificação do TCAP
Dentre as diversas alterações de comportamentos alimentares, uma que se destaca é 
o TCAP. A identificação deste transtorno surgiu pela necessidade de se discriminar 
indivíduos obesos com compulsão daqueles sem compulsão alimentar e dos bulímicos. 
Spitzer et al. (1992) adotaram critérios diagnósticos para o TCAP e também realizaram 
um estudo multicêntrico para avaliação dessa nova proposta diagnóstica.
As condições primárias para o diagnóstico do TCAP são o excesso de ingestão alimentar 
em um curto espaço de tempo e o comportamento impulsivo para comer são condições 
centrais para o diagnóstico da TCAP. Além disso, os episódios devem acontecer com 
uma frequência de, no mínimo, duas vezes por semana, nos últimos seis meses (DSM1 
IV-R).
Na análise do transtorno são verificados, também que os indivíduos com TCAP não 
apresentam dietas muito restritivas e não alternam episódios de compulsão ou restrição 
alimentar. Assim, o padrão alimentar dos portadores de TCAP seria comer até sentir-se 
repleto, sentir repulsa por si mesmo e adotar o hábito de comer sozinho de forma a evitar 
explicações e embaraços.
Ainda, na caracterização do transtorno, outro aspecto do diagnóstico é que nos indivíduos 
com TCAP não são observados mecanismos compensatórios inadequados como uso de 
laxantes, vômitos, diurese exercícios exagerados (FIRST; FRANCES; PINCUS, 2004).
1 DSM – Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders – 
DSM).
13
 TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP) │ UNIDADE I
Figura 2.
Fonte: <http//2.bp.blogspot.com/U8C3plAbXq/VQMvZCyyStl/AAAAAAAAYrc/Iy4cLBLnW8/s1600/transtorno%Balimentar3.png.> 
Acesso em: 1/5/2016. 
Wifley et al. (2000) recomendaram outro critério, que orienta os estudos atuais: os 
autores sugerem a autoavaliação baseada no peso e na forma do corpo. Esse aspecto 
permite a diferenciação entre obesos com e sem TCAP. Claudino e Borges (2002) 
afirmam que, sendo a obesidade uma característica central dos transtornos alimentares, 
este critério possibilitaria um importante elo do TCAP com outras síndromes como a 
anorexia nervosa e a bulimia nervosa. 
Segundo Hay (2002) para facilitar a identificação do TCAP, pode-se considerar os fatores 
etiológicos como expectativas elevadas, episódios de maus tratos ou de superproteção, 
eventos traumáticos na infância, alcoolismo ou transtornos psiquiátricos dos pais em 
algum período da vida, abuso e os fatores de dieta (comentários críticos sobre peso e 
forma física, obesidade ou transtorno alimentar dos pais e na infância).
14
CAPÍTULO 2 
Caracterização do TCAP e diagnóstico
A TCAP foi elevada à condição diagnóstica no ano de em 1994, a partir da sua inclusão 
no apêndice B do DSM IV. De acordo com o DSM, a síndrome se caracteriza pela 
ocorrência de episódios recorrentes de compulsão alimentar, sem a existência de 
qualquer comportamento de compensação para evitar um possível ganhode peso. 
Características gerais do TCAP
A característica comum da obesidade em todos os pacientes é o excesso de peso. 
Mas sabe-se que existem diferenças comportamentais que podem desencadear o 
fenômeno. Isso significa dizer que a população obesa não pode ser considerada como 
homogênea. Azevedo et al. (2004) afirmam que obesos comedores compulsivos 
podem ser considerados um subgrupo que sofre influência de níveis mais elevados de 
psicopatologia, especialmente a depressão e transtorno de personalidade.
O TCAP não fornece parâmetros diagnósticos como, por exemplo, a definição de 
quantidade mínima ou máxima de alimentos ingeridos, o tempo de duração dos 
episódios de comer compulsivamente, ou a medida da perda de controle sobre a ingestão 
alimentar. A falta destes parâmetros torna difícil uma homogeneização do grupo com 
a síndrome. Sendo assim, os estudos da doença podem identificar diferentes grupos 
portadores deste transtorno. 
Uma forma acertada de identificar o TCAP é distingui-lo de outras síndromes a partir 
de alguns pontos:
Com relação ao Índice de Massa Corpórea (IMC)
 » Os portadores de TCAP apresentam Índice de Massa Corporal – IMC 
superior aos portadores de bulimia nervosa. 
Com relação ao consumo de alimentos 
 » Os portadores de TCAP, de um modo geral, não apresentaram relatos de 
dietas restritivas quando comparados a pacientes com outros transtornos 
alimentares, como, por exemplo, bulimia.
15
 TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP) │ UNIDADE I
 » Os comportamentos prévios relatados dos pacientes com TCAP são mais 
variáveis se comparados ao histórico de pacientes com bulimia, que, em 
geral, revelam a ocorrência de dietas e perda de peso. 
Com relação ao excesso de peso
 » Os pacientes com TCAP ingerem significativamente mais alimentos do 
que as pessoas obesas sem compulsão alimentar (GOLDFEIN et al., 
1993). 
 » O TCAP pode acometer mulheres com peso normal e em obesas. 
 » A maioria dos pacientes com TCAP tem história de repetidas tentativas 
de fazer dietas e sentem-se frustradas com os resultados alcançados no 
controle da ingestão de alimentos. 
 » Alguns pacientes relatam insistência na restrição do consumo de calorias, 
mas outros abandonam os esforços de fazer dieta, pelos resultados de 
fracassos repetidos.
 » Spitzer et al. (1993) afirmam que as mulheres são, em geral, mais obesas 
e têm histórico de flutuações de peso mais acentuadas do que as mulheres 
sem este padrão alimentar.
Caracterização clínica do TCAP
Existem estudos que demonstram variações consideráveis no comportamento 
alimentar de comedores compulsivos identificados tanto durante os episódios de 
compulsão alimentar como, também, nos intervalos. Grilo (2002) definiu como 
caótico este comportamento que difere do comportamento dos indivíduos portadores 
de Bulimia Nervosa (BN) e dos obesos sem TCAP. Como distinção do TCAP, o autor 
afirma que os portadores do transtorno apresentam poucos relatos de dietas restritivas 
se comparados aos pacientes portadores de BN, que diferentemente dos portadores do 
TCAP, alternam comportamentos alimentares de compulsões e restrições alimentares. 
O autor acrescenta, ainda, que os episódios compulsivos variam quanto à hora em que 
costumam ocorrer com perda de controle, a hora sem esta perda e/ou perda de controle 
sem o consumo de uma grande quantidade de alimentos.
Outra característica que pode estar relacionada é que a compulsão alimentar vem 
acompanhada de sofrimento psíquico provocada por sentimentos de angústia 
16
UNIDADE I │ TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP)
“inexplicáveis” que incluem vergonha, nojo e culpa. O comedor compulsivo atinge duas 
principais dimensões: a subjetiva, que deflagra a sensação de perda de controle; e a 
objetiva, que importa a quantidade de alimento consumido. 
Azevedo (2004) afirma que a maioria dos autores concorda que um comedor compulsivo 
abrange no mínimo esses dois aspectos: o subjetivo manifesta-se pela perda de controle, 
e o objetivo, manifestado pela quantidade de alimento consumido. Segundo o autor, há 
um consenso geral no aspecto subjetivo da compulsão para seu diagnóstico, contudo, 
há controvérsias em relação ao aspecto objetivo, quanto ao tamanho e à duração de 
uma compulsão. Esta divergência pode ser observada nas muitas definições dadas ao 
fenômeno. 
Stunkard (2003) compara o TCAP à bulimia nervosa: o autor afirma que a primeira não 
se observa uma terminação lógica e a segunda a compulsão é claramente concluída por 
comportamento purgativo. O autor conclui como solução claramente insatisfatória, o 
critério relacionado à duração do episódio.
Ainda sobre características dos portadores de TCAP pode-se afirmar que costumam 
apresentar IMC superior aos portadores de bulimia nervosa (GELIEBTER, 2002). 
Outro aspecto da síndrome é a não ocorrência de dietas e perda de peso (STRIEGEL, 
2001). 
Goldfein (1993) inclui nas evidências para identificação de pacientes com TCAP a 
ingestão significativamente maior de alimentos se comparados às pessoas obesas sem 
compulsão alimentar. O autor adverte que o TCAP pode acometer também indivíduos 
com peso normal. A maioria dos indivíduos relatam longas histórias das repetidas 
tentativas de fazer dietas; sentem-se frustrados com sua dificuldade no controle da 
ingestão de alimentos. Spitzer (1993) afirma que nas clínicas de controle de peso, os 
indivíduos que apresentam TCAP são normalmente mais obesos e têm histórico de 
flutuações de peso mais acentuada do que os indivíduos sem este padrão.
Gluck, Geliebter e Satov (2001) identificaram o estresse como sendo um dos fatores que 
pode levar ao aumento das compulsões alimentares. Os autores atestam que durante 
situações estressantes, o cortisol é liberado estimulando a necessidade de ingestão de 
alimentos e, consequentemente, o aumento do peso. Geliebter (2002) afirma que em 
estudo realizado por Geliebter et al. foi demonstrado que pessoas obesas têm uma 
maior capacidade gástrica se comparados às pessoas com peso normal. Para o autor, 
esse aspecto poderia limitar ou não limitar a quantidade de alimentos ingeridos e de 
saciedade. O autor afirma, também, que não se conhece a existência de um transtorno 
alimentar que tenha sido predisposto por uma grande capacidade gástrica.
17
 TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP) │ UNIDADE I
Analisando o aspecto psicológico da síndrome, os pacientes com TCAP possuem baixa 
autoestima, revelam maior preocupação com o peso e com a forma física se comparados 
a outros indivíduos que também possuem sobrepeso sem terem o transtorno afirma 
Zwaan (1997).
Diagnóstico do TCAP
Os critérios de diagnósticos para o TCAP são os propostos pelo DSM-IV que define a 
doença a partir da presença de uma série de fatores que são:
 » Ocorrência de episódios frequentes de compulsão alimentar. A 
identificação de episódios de compulsão alimentar deve estar associada a 
pelo menos três dos seguintes critérios:
 › ingestão de quantidade de comida muito maior e mais rapidamente do 
que o normal;
 › ingestão de alimentos até sentir-se incomodamente repleto;
 › ingestão de grandes quantidades de alimentos, quando não está 
fisicamente faminto;
 › comer sozinho para evitar embaraços devido à quantidade de alimentos 
que ingere;
 › sensação de repulsa por si mesmo, depressão ou culpa após comer 
excessivamente;
 › acentuada angústia relativa à compulsão alimentar;
 › ocorrência de, pelo menos, dois episódios por semana, durante período 
aproximado de seis meses;
 › o paciente não faz uso regular de comportamentos compensatórios 
inadequados – purgação, jejuns e exercícios excessivos.
Sendo assim, considerando os critérios de diagnósticos relacionados, é necessário que 
a compulsão alimentar se dê em um período de tempo delimitado. Essa afirmativa 
exclui indivíduos que adotam o comportamento de “beliscar” o tempo todo pequenas 
quantidades de alimentos. No caso do TCAP, a quantidade de alimentos deve ser grande 
para umperíodo aproximado de duas horas.
18
UNIDADE I │ TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP)
Deve-se considerar também como importante fator no diagnóstico do TCAP, a sensação 
de perda de controle. Essa sensação é descrita como sendo uma situação em que o 
indivíduo fica sem autonomia para escolher entre comer ou não comer. 
Ainda, como critério de diagnóstico, o paciente deve relatar grau de sofrimento relativo 
a esse comportamento recorrente, associado a um prejuízo do seu convívio social 
causado por esse fenômeno.
O TCAP é uma doença que atinge indivíduos de todas as raças, sendo maior ocorrência 
em mulheres, mas com grande acometimento em homens também. A relação de 
distribuição aproximada entre os sexos está três mulheres para cada dois homens. A 
doença se manifesta prioritariamente, no final da adolescência. Nos pacientes do sexo 
feminino com esse diagnóstico o IMC é mais alto do que nas mulheres sem TCAP. 
Outras distinções que podem ser observadas, também, são as oscilações de peso mais 
frequentes, maior dificuldade em aderir a dietas ou em manter peso no tratamento da 
obesidade. 
Os pacientes portadores do TCAP costumam se autoavaliar, principalmente em função 
de seu peso e forma do corpo, comportamento diferente dos obesos sem TCAP. Possuem 
escores mais elevados de sintomas de depressão.
Alguns autores acrescentam outros “traços” comportamentais comuns nos pacientes 
com TCAP, que são: autoestima baixa, impulsividade, perfeccionismo e a ocorrência de 
pensamentos dicotômicos, do tipo “tudo ou nada”, “é ou não é”, “total controle ou total 
descontrole”.
19
CAPÍTULO 3 
Causas e consequências
A compulsão alimentar não tem uma causa específica reconhecida. Os transtornos 
alimentares são resultados de múltiplas causas e envolvem as predisposições genéticas 
e constitucionais, as influências socioculturais e as vulnerabilidades psicológicas 
pessoais. Essas são as principais condições que poderíamos elencar como causas da 
compulsão alimentar. Pode-se afirmar que o mecanismo de saciedade é regulado pelo 
hipotálamo e deduz-se, então, que possivelmente o transtorno tenha origem nesse 
mecanismo. A compulsão alimentar pode estar associada a sentimentos de ansiedade e 
depressão, mas pode também acometer indivíduos bipolares e aqueles com transtornos 
da personalidade que apresentam comportamentos de excesso em outras áreas, como 
beber, fumar, jogar, comprar, usar drogas etc. (ABCMED, 2012).
Pode-se afirmar, também, corroborando a afirmação de Petribú (2011), que a obesidade 
tem origem em diversos fatores, o que determina ser o fenômeno multicausal, por ser 
resultante da interação entre fatores genéticos, individuais e ambientais.
A autora acrescenta que, embora os fatores individuais sejam frequentemente mais 
valorizados e considerados determinantes para perfis de comportamentos alimentares 
e padrões alimentares, pesquisas revelam, como causa da compulsão alimentar e de 
outros transtornos alimentares, a interação entre o indivíduo e fatores ambientais.
Como fatores ambientais considerados responsáveis pelo fenômeno pode-se destacar 
a valorização da sociedade contemporânea ao consumo, o aumento da quantidade de 
valor calórico alimentar ingerido e a imposição de padrões de beleza. As estratégias de 
marketing “brigam” no sentido de estimular o consumo de alimentos mais calóricos ao 
mesmo tempo em que definem como “beleza” corpos magros e esculturais.
A parte da sociedade de consumo que estigmatiza pessoas com características 
indesejáveis é cruel. Pessoas obesas sofrem preconceitos e rejeição por ser entendido 
pela sociedade em geral que obesidade não é doença e é controlável facilmente pelo 
indivíduo obeso. Isso faz com que o sujeito obeso sofra discriminação e provoque seu 
isolamento social.
O sofrimento dos indivíduos obesos está diretamente relacionado aos rótulos recebidos 
pela família e amigos: preguiçoso, pouco inteligentes, desmotivados, além dos muitos 
apelidos com entonação pejorativa: “rolha de poço”, “bolo fofo” etc. Esses rótulos 
afetam prejudicialmente suas relações interpessoais e no seu cuidado com a saúde. 
20
UNIDADE I │ TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP)
Sikorski, Luppa e Kaiser (2011) afirmam que a decisão do obeso em reduzir o peso 
não é motivada pelo cuidado com a saúde, mas sim para reduzir a estigmatização e o 
consequente isolamento social. A vaidade tem um peso muito grande nessa decisão.
A sociedade culpa o obeso por ser obeso. Ainda que fatores genéticos, socioculturais 
e ambientais sejam determinantes na obesidade de um indivíduo, a sociedade credita 
ao indivíduo a maior responsabilidade pelo excesso de peso. Considerar que a culpa é 
do obeso é como acreditar que o indivíduo escolhe ser obeso. Aliado a esta condição, a 
sociedade ainda demonstra reações negativas, como rejeição, falta de empatia e pouca 
ou nenhuma disponibilidade para ajudar o obeso. 
Cobayashi et al. (2010) reconhecem que a aceitação social tem relação direta com uma 
melhor aparência física. Acrescentam os autores, que esta aparência física “melhor” é 
determinada pela mídia que impõe a magreza excessiva e os músculos bem definidos 
como sendo o padrão aceitável.
A fragilidade das relações interpessoais tem origem na supervalorização do indivíduo 
“bonito”, determinado apenas pela estética, em detrimento ao conteúdo humano 
resultado das vivências em sociedade – excesso de valorização da imagem corporal.
Os diversos ambientes oferecem espelhos e balanças que dão destaque à imagem 
individual como fator de sucesso e de aceitação. Matos e Luz (2009) afirmam que, 
para a sociedade, a responsabilidade de autocontrole sobre o peso e o comportamento 
adequado aos padrões estabelecidos são pré-requisitos para evitar constrangimentos 
morais e sociais. Isso significa dizer que as pessoas internalizam a imagem dos seus 
corpos a partir da interação com o ambiente e sua autoimagem é constantemente 
reavaliada.
Pode-se considerar também, como uma das causas da compulsão alimentar, os fatores 
genéticos predisponentes e, entre eles, destaca-se a história do transtorno alimentar 
na família (transtorno de ansiedade, depressão). As pesquisas apontam que entre 
portadores de Compulsão Alimentar Periódica é comum existirem parentes de primeiro 
grau também com os mesmos transtornos ou quadros depressivo-ansiosos.
Javaras et al. (2008) em um estudo para identificar o fator genético no TCAP, concluíram 
como sendo significante o componente genético na ocorrência do transtorno. Já as 
pesquisas de Hudson et al. (2006) para saber se o TCAP está relacionado às famílias 
independentemente da obesidade, os autores concluíram que o TCAP é uma desordem 
causada, em parte, por fatores distintos dos outros fatores familiares da obesidade. 
Para os autores os fatores familiares específicos dos portadores de TCAP independem 
do aumento do risco de obesidade, principalmente os casos severos. 
21
 TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP) │ UNIDADE I
Morgan, Vevvhiatti e Negrão (2002) afirmam que há evidências da contribuição de fatores 
genéticos a partir de estudos com gêmeos. A análise das diferenças de concordância da 
doença em pares de gêmeos monozigóticos e dizigóticos determina a magnitude da 
influência de aspectos genéticos nos portadores de TA. Os autores acrescentam que Bulik 
et al. (2000) analisaram dados de estudos anteriores e concluíram que, seguramente, 
há uma contribuição genética na bulimia nervosa, com valores entre 31% a 83%, tanto 
em amostras populacionais como em amostras clínicas. 
Outra consideração sobre causas do transtorno são os traços de personalidade que podem 
interferir diretamente na modelagem dos hábitos alimentares das pessoas com TCAP. 
Com relação a traços de personalidade que podem causar o transtorno, as vulnerabilidades 
e fragilidades emocionais pessoais decorrentes de eventos vitais significativos durante a 
vida do indivíduo são descritos como causas prováveis do transtorno. Entreos traços de 
personalidade com maior ocorrência do transtorno destaca-se o tipo de relacionamento 
existente o sujeito e o objeto, ou seja, sujeito x comida. Assim, podem aparecer indivíduos 
que apresentam como características de personalidade a avidez, na busca continuada de 
saciedade e na incapacidade de protelação do prazer, entre outros.
Transtorno que Thaila Ayala revelou ter tem 
cura? Como é o tratamento?
Figura 3.
Fonte: <http://www.bolsademulher.com/saude/transtorno-que-thaila-ayala-revelou-ter-tem-cura-como-e-o-tratamento-
entenda> Acesso em: 1/6/2016.
A compulsão alimentar é um daqueles transtornos de saúde que se confundem 
com maus hábitos e te fazem acreditar ser capaz de reverter a situação quando 
quiser, provavelmente na próxima segunda-feira, dia de começar a dieta. Mas o 
problema não é tão simples assim e a atriz Thaila Ayala sabe bem disso. Thaila 
Ayala tem compulsão alimentar. Ao site Ego, a atriz afirmou que há muitos anos 
http://www.bolsademulher.com/saude/transtorno-que-thaila-ayala-revelou-ter-tem-cura-como-e-o-tratamento-entenda
http://www.bolsademulher.com/saude/transtorno-que-thaila-ayala-revelou-ter-tem-cura-como-e-o-tratamento-entenda
22
UNIDADE I │ TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP)
convive com a compulsão alimentar e já chegou a tratar o problema com terapia: 
“Desconto tudo na comida, aí depois fico com indigestão, passando mal. Hoje 
em dia estou mais controlada, mas continuo com aquela coisa obsessiva porque 
amo comer. Só não sou tão doente como já fui”. 
23
CAPÍTULO 4 
Diferenças e semelhanças TCAP X 
bulimia nervosa
Os transtornos alimentares podem ser identificados por diferentes síndromes a 
depender de inúmeras características apresentadas pelos pacientes. A identificação 
correta da síndrome auxilia no tratamento da doença. 
A definição de bulimia nervosa se deu a partir do conceito de anorexia nervosa. 
Inicialmente não havia distinção entre as duas síndromes. As primeiras ocorrências 
registradas incluíam alguns episódios de vômitos, o uso de laxantes e a presença de 
transtornos gastrointestinais. A categorização “bulimia” ocorreu pela primeira por 
Gerald Russell na década de 1970. Foi catalogado no DSM III nos anos 1980; atualmente 
é descrita no DSM V.
A bulimia nervosa é um dos vários tipos de transtorno alimentar. A pessoa portadora da 
síndrome bulimia nervosa adota o comportamento de ingestão de uma quantidade muito 
grande de comida em espaço curto de tempo; em seguida busca evitar o ganho de peso 
provocando vômitos ou tomando laxantes a fim de se livrar do que comeu. O paciente 
portador da doença não consegue controlar a quantidade de alimentos que come. As 
pessoas com bulimia nervosa também podem apresentar como sintoma o excesso de 
exercício físico como estratégia de prevenção de ganho de peso. Diferentemente do 
transtorno anorexia, a pessoa com bulimia nervosa pode estar dentro da faixa de peso 
normal.
A bulimia nervosa não pode ser considerada apenas um problema do paciente e sua 
relação com a comida. O sintoma “alimentação compulsiva” no portador de bulimia 
nervosa pode ser desencadeado por diversos “gatilhos” como a dieta, estresse ou a 
experimentação de emoções desconfortáveis, como a frustração. A provocação de 
vômitos bem como outras ações para prevenção do ganho de peso se apresentam para 
o portador da doença como formas de sentir que tem controle sobre sua vida e seu 
comportamento alimentar. São várias as causas para a ocorrência da bulimia nervosa, 
dentre elas o culto à magreza, incidência do transtorno em membros da família, estresse 
e fatores biológicos.
24
UNIDADE I │ TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP)
Intervenção comportamental em casos de 
bulimia nervosa
A literatura acerca do tema bulimia nervosa apresenta, desde 1979, uma grande 
quantidade de pesquisas e estudos controlados que visam descrever, avaliar 
e sistematizar tratamentos para o transtorno em questão (BACALTCHUK; HAY, 
1999). Esses estudos foram estruturados tendo como base diversas abordagens, 
tais como terapia cognitivo-comportamental, terapia interpessoal, psicoterapia 
de orientação psicanalítica, terapia psicodinâmica, abordagem familiar, 
farmacoterapia, entre outras. Entretanto, artigos fundamentados na teoria da 
análise do comportamento são escassos na literatura.
Fonte: Disponível em <http://www.institutoinnove.com.br/intervencao-comportamental-em-
casos-de-bulimia-nervosa/>
A seguir, são apresentados os critérios diagnósticos para transtornos alimentares TCAP 
e bulimia nervosa, de acordo com o DSM-5 (APA, 2013).
Quadro 1. Diferenças e semelhanças entre TCAP e bulimia nervosa.
Transtorno da compulsão alimentar periódica Bulimia nervosa
Episódios recorrentes de compulsão alimentar. Um episódio de compulsão 
alimentar é caracterizado por ambos os seguintes critérios: Ingestão, em 
um período limitado de tempo (por exemplo, dentro de um período de 2 
horas), de uma quantidade de alimentos definitivamente maior do que a 
maioria das pessoas consumiria em um período similar, sob circunstâncias 
similares; sentimento de falta de controle sobre o episódio (por exemplo, 
um sentimento de não conseguir parar ou controlar o que ou quanto se 
come).
Episódios recorrentes de compulsão alimentar. Um episódio de 
compulsão alimentar é caracterizado por ambos os seguintes 
critérios: Ingestão, em um período limitado de tempo (por exemplo, 
dentro de um período de 2 horas), de uma quantidade de alimentos 
definitivamente maior do que a maioria das pessoas consumiria em 
um período similar, sob circunstâncias similares; sentimento de falta 
de controle sobre o episódio (por exemplo, um sentimento de não 
conseguir parar ou controlar o que ou quanto se come).
Os episódios de compulsão alimentar estão associados a três (ou mais) 
dos seguintes critérios: comer muito e mais rapidamente do que o normal; 
comer até sentir-se incomodamente repleto; comer grandes quantidades 
de alimentos, quando não está fisicamente faminto; comer sozinho por 
embaraço devido à quantidade de alimentos que consome; sentir repulsa 
por si mesmo, depressão ou demasiada culpa após comer excessivamente.
Comportamentos compensatórios inapropriados para prevenir ganho 
de peso, como vômito autoinduzido; abuso de laxantes, diuréticos ou 
outras medicações; jejum; ou excesso de exercício físico.
Acentuada angústia relativa à compulsão alimentar. A compulsão e o comportamento compensatório inapropriado devem 
ocorrer, no mínimo, pelo menos uma vez por semana, por 3 meses.
A compulsão alimentar ocorre, em média, 1 dia por semana, durante 3 
meses. 
Autoavaliação indevidamente influenciada pelo peso e forma corporal.
A compulsão alimentar não é associada com o recorrente uso de 
comportamentos compensatórios inapropriados como na bulimia nervosa e 
não ocorre exclusivamente durante o curso da bulimia nervosa ou anorexia 
nervosa.
O transtorno não ocorre exclusivamente durante episódios de anorexia 
nervosa.
Gravidade 4: Leve: média de 1 a 3 episódios de compulsão alimentar por 
semana Moderada: média de 4 a 7 episódios de compulsão alimentar por 
semana Grave: média de 8 a 13 episódios de compulsão alimentar por 
semana Extremo: média de 14 ou mais episódios de compulsão alimentar 
por semana.
Gravidade 3: Leve: média de 1 a 3 episódios de comportamentos 
compensatórios por semana Moderada: média de 4 a 7 episódios de 
comportamentos compensatórios por semana Grave: média de 8 a 13 
episódios de comportamentos compensatórios por semana Extremo: 
média de 14 ou mais episódios de comportamentos compensatórios 
por semana.
 
Fonte: <http://manualdecardiologia.com.br/galeria/Atualiza%C3%A7%C3%A3o%207_novo.pd>f Acesso em: 5/6/2106.
http://www.institutoinnove.com.br/intervencao-comportamental-em-casos-de-bulimia-nervosa/
http://www.institutoinnove.com.br/intervencao-comportamental-em-casos-de-bulimia-nervosa/
http://manualdecardiologia.com.br/galeria/Atualiza%C3%A7%C3%A3o%207_novo.pd%3ef
25
 TRANSTORNOSDA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP) │ UNIDADE I
Na comparação entre pacientes com bulimia nervosa e pacientes com TCAP observa-
se que é recorrente em pacientes com TCAP a ocorrência de oscilação maior e menor 
intensidade de restrição alimentar. Também, diferentemente da bulimia nervosa em que 
a compulsão alimentar geralmente é seguida de um episódio purgativo, nos pacientes 
com TCAP esse comportamento não ocorre; isso limita e dificulta a possibilidade de 
identificação do transtorno. 
Na história clínica dos pacientes com TCAP, são relatadas experiências frustradas 
nas inúmeras tentativas de dietas para controle alimentar associadas à sensação de 
descontrole. Em pacientes com bulimia nervosa encontram-se históricos de flutuação 
de peso mais intensas do que nos pacientes obesos sem TCAP. Outra distinção que 
pode ser destacada é que os pacientes com TCAP relatam menos episódios de restrição 
alimentar se comparados aos pacientes com bulimia nervosa.
26
CAPÍTULO 5 
TCAP em homens, mulheres, crianças e 
adolescentes
A obesidade aumenta em ritmo acelerado no mundo todo, entretanto, cada país 
apresenta uma prevalência diferente. A IOTF – International Obesity Task Force 
apresentou, em 2013, resultado de pesquisa onde aponta prevalências de obesidade em 
adultos por região e, desta forma, foram considerados obesos (IASO, 2013): 
 » Estados Unidos da América entre 2009 e 2010: 35,5% dos homens e 
35,8% das mulheres eram classificados como obesos. 
 » Espanha entre 2008 e 2010: 24,4% dos homens e 21,4% das mulheres. 
 » Austrália nos anos de 2007 e 2008: 25,6% dos homens e 24% das 
mulheres. 
 » Inglaterra em 2011: 23,6% dos homens e 25,9% das mulheres. 
 » Canadá nos anos de 2007 a 2009, 27,6% dos homens e 23,5% das 
mulheres.
O cenário no Brasil não é menos preocupante; tem-se observado índices de obesidade 
que aumentam numa velocidade cada vez mais acelerada. 
Incidência de TCAP em homens
São muito poucas as doenças ou síndromes na medicina em geral e, em particular, 
na psiquiatria que apresentam uma distribuição por gênero tão assimétrica quanto os 
transtornos alimentares. Apenas 10% dos casos ocorrem em pessoas do sexo masculino. 
Esta distribuição exageradamente desproporcional pode ser atribuída a fatores 
biológicos e culturais. Pode ser, também, a dificuldade no diagnóstico da síndrome em 
homens. Embora tenha crescido o interesse pelos casos de transtornos alimentares 
nas últimas décadas, seu reconhecimento nos homens pode ser considerado pobre e 
cercado de estereótipos.
Os transtornos alimentares apresentados tanto em homens como em mulheres são 
bastante similares, tanto em termos clínicos como na resposta ao tratamento, é o que 
27
 TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP) │ UNIDADE I
afirma Braun et al. (1999). Mas, mesmo assim, as pesquisas mostram que homens 
portadores de transtornos alimentares apresentam algumas peculiaridades. 
De um modo geral, os portadores de transtornos alimentares do sexo masculino estão 
mais satisfeitos com seus corpos e os percebem com menos distorção em comparação 
aos pacientes do sexo feminino (WOODSIDE, 1990). Para os homens se considerarem 
com sobrepeso a “régua” é cerca de 15% acima do peso que as mulheres já consideram 
sobrepeso (ANDERSEN, 1995). Braun et al. (1999) encontraram somente 2% dos homens 
se percebiam erroneamente com sobrepeso, enquanto 40% das mulheres percebiam 
um excesso de peso inexistente. A diferença de percepção se justifica principalmente 
por causas relacionadas a fatores culturais. 
A Pesquisa de Orçamentos Familiares – POF, realizada no período 2008 e 2009, 
patrocinada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, juntamente com 
o Ministério da Saúde – MS, revelou dados alarmantes: 49% da população adulta com 
idade acima dos 20 anos apresentava excesso de peso. A mesma pesquisa revelou que 
14,8% já eram considerados obesos. O excesso de peso na população masculina quase 
triplicou. Em termos de gênero, a pesquisa encontrou que os homens apresentaram um 
maior ganho de peso, em comparação ao resultado encontrado no biênio 1974 -1975: 
18,5¨% (197401975) para 41,4% (2002-2003) e 50,1% (2008-2009) (IBGE, 2010). 
A POF realizada no período entre 2008 e 2009 apresentou resultado dando conta de 
uma prevalência de 51% de excesso de peso e 13,3% de obesidade entre os homens, 
enquanto 45,6% das mulheres eram classificadas com excesso de peso e 16,3% como 
obesas (IBGE, 2010). O mesmo estudo revelou que na cidade de Goiânia a prevalência 
de obesidade entre os homens é de 10,4% e nas mulheres de 13,4%. 
A WHO – World Health Organization (2004) destaca que nos primeiros estudos 
sobre obesidade, observava-se maior frequência do fenômeno nas mulheres do que 
nos homens. Atualmente, a partir das últimas décadas, estudos realizados no período 
de 1974 e 1989, evidenciaram um crescimento de 77% e 60%, respectivamente, na 
população de homens e mulheres obesos no mundo.
28
UNIDADE I │ TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP)
Figura 4.
Fonte: <http://www.zun.com.br/o-que-e-a-compulsao-alimentar/> Acesso em: 6/6/2016.
Geralmente o distúrbio TCAP acomete indivíduos de todas as raças, com distribuição 
entre os gêneros de três mulheres para cada dois homens. Os estudos demonstram que, 
na maioria das vezes, o transtorno tem início no final da adolescência. 
Ainda, com relação aos aspectos socioculturais que são preditores dos transtornos 
alimentares, existem estudos que têm o objetivo de identificar os grupos sociais mais 
atingidos ou mais vulneráveis à ocorrência desses transtornos; estudam, também, os 
processos sócio-histórico-culturais que podem contribuir para a explicação do aumento 
de peso e da sua incidência em geral. 
Morgan e Azevedo (1998) realizaram estudos epidemiológicos que demonstram uma 
maior prevalência desses transtornos em países ocidentais desenvolvidos, em indivíduos 
de classes sociais mais altas, em alguns grupos ocupacionais (atrizes, modelos, 
bailarinas, nutricionistas, jockeys), em adolescentes e jovens e, principalmente, em 
mulheres. Os autores argumentam que estes resultados reforçam a importância de se 
estudar a importância dos fatores socioculturais na determinação e incidência desses 
transtornos. Isto por que, segundo os autores, nenhum aspecto biológico ou psicológico 
identificado até o momento parece capaz de explicar, isoladamente, essa prevalência de 
sexo, idade, distribuição geográfica, ocupacional e socioeconômica.
Fonte oficial do governo brasileiro calculou, em 2004, que cerca de 40% da população 
esteja com peso acima do recomendado, sendo que 8% dos homens e 13% das mulheres 
com mais de 18 anos sofrem de obesidade. (Fonte: <www.saude.gov.br> 2004). Já no 
sítio do Palácio do Planalto, em artigo publicado em abril/2015, o Ministério da Saúde 
informa que “Há três anos, o Brasil mantém o nível de obesidade da população estável”. 
É o que mostra a pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças 
Crônicas por Inquérito Telefônico (VIGITEL, 2014), divulgada no dia 15/4/2016 pelo 
Ministério da Saúde. Contudo, a pesquisa constatou que 52,5% dos brasileiros estão 
com excesso de peso.
Montenegro (2004) descreve, com relação à obesidade em homens, que pesquisa 
americana, publicada em 2003 no The New England Journal of Medicine, aponta a 
http://www.zun.com.br/o-que-e-a-compulsao-alimentar/
http://www.saude.gov.br
29
 TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP) │ UNIDADE I
obesidade como responsável por 14% das ocorrências de câncer entre os homens e por 
20% dos casos entre as mulheres. 
Vários fatores contribuem para que o número de diagnósticos de transtornos alimentares 
em homens seja menor que a incidência em mulheres. Entre eles estão os motivos que 
levam os homens a fazer dieta, que são diferentes da motivação das mulheres. Com 
relação ainda ao sexo masculino tem-se que a ocorrência de transtornos alimentares é 
mais frequente em atletas. 
Russel e Keel (2002)declaram que entre homens com transtornos alimentares, parece 
haver associação específica entre homossexualidade masculina e índices elevados de 
sintomatologia de transtornos como bulimia nervosa e anorexia nervosa. Algumas 
explicações para o alto índice de homossexualismo entre homens com transtornos 
alimentares foram descritas por Herzog, Bradburn, Newman (1990): os “TA” ainda são 
vistos como uma doença feminina, o que pode tornar difícil para os homens heterossexuais 
admitir que estão doentes; os homens que apresentam comportamentos estereotipados 
são confundidos com gays. Ainda com relação ao índice de homossexualismo entre 
os “TA”, Andersen (1999) lembra que a magreza, a forma do corpo e os músculos 
trabalhados são muito valorizados pelos homossexuais.
Finalmente, Braun et al. (1999), afirmam que as evidências sugerem que homens com 
TA têm uma prevalência mais alta de obesidade pré-mórbida do que as mulheres. 
Os autores acrescentam que muitos pacientes relatam que começaram a fazer dieta 
motivados pela necessidade de evitar conviver com críticas e apelidos de infância 
relacionados à obesidade.
Incidência de TCAP em mulheres
A incidência de transtornos alimentares e suas diversas formas de apresentação 
são quadros psiquiátricos que tem no gênero feminino – mulheres adultas jovens e 
adolescentes – suas principais vítimas. Os resultados das pesquisas apontam para uma 
elevada associação entre obesidade x excesso de peso x compulsão alimentar no gênero 
feminino. 
Como já foi dito, os transtornos alimentares possuem causas multifatoriais, que podem 
ser de origem genética, sociocultural, biológica ou psicológica. 
Suas primeiras manifestações aparecem, geralmente, na infância ou na adolescência. 
São considerados como de grande importância médico-social, pois afetam seriamente 
a saúde dos indivíduos portadores dos sintomas, mas ainda não são considerados como 
doenças por ainda não se conhecer sua etiopatogenia (estudo das causas das doenças 
30
UNIDADE I │ TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP)
e dos mecanismos patogênicos que atuam sobre o organismo para provocar essas 
doenças).
Deve-se considerar que obesidade é uma patologia crônica, que apresenta altos índices 
de insucessos em tratamentos com o auxílio de profissional de saúde, com várias 
recidivas, sendo considerado um agravo de difícil controle e que pode gerar sérias 
complicações orgânicas e psicossociais (WANDERLEY; FERREIRA, 2010).
As pesquisas estão aí para demonstrar que cada vez mais pessoas, principalmente 
mulheres jovens e adolescentes, perseguem uma imagem corporal dentro dos padrões 
e se envolvem com comportamentos alimentares anormais e práticas inadequadas para 
controle e perda de peso (DUNKER; PHILIPPI, 2003).
O ideal de corpo perfeito preconizado pela nossa sociedade e veiculado 
pela mídia leva as mulheres, sobretudo na faixa adolescente, a uma 
insatisfação crônica com seus corpos, ora se odiando por alguns quilos 
a mais, ora adotando dietas altamente restritivas e exercícios físicos 
extenuantes como forma de compensar as calorias ingeridas a mais, 
na tentativa de corresponder ao modelo cultural vigente. (KUTSCKA, 
1993).
Nielsen (2011) elaborou revisão de estudos epidemiológicos e encontrou, entre mulheres, 
a incidência de transtornos alimentares do tipo anorexia nervosa é de aproximadamente 
8 por 100 mil indivíduos. Já o transtorno bulimia nervosa, Nielsen encontrou que 
a incidência no gênero feminino é de 13 por 100 mil indivíduos. Segundo o autor, a 
afirmação de que há um aumento na incidência de transtornos alimentares em países 
de cultura ocidental, nos últimos anos, permanece questionável, com a demonstração 
de resultados ainda contraditórios.
Klein e Walsh (2004) afirmam que os transtornos alimentares afetam 
predominantemente mulheres jovens; os autores acrescentam que existe uma 
prevalência média de relação homem-mulher de 1:10 e até de 1:20. Os estudos feitos 
por Striegel-Moore et al. (2003) apontaram que entre as mulheres, os transtornos 
alimentares parecem ser mais comuns naquelas de origem caucasiana, quando 
comparadas com mulheres negras; o transtorno alimentar mais comum, neste caso, é 
a bulimia nervosa com uso de laxantes. Com relação à profissão, Klein e Walsh (2004) 
afirmam que atletas, modelos e bailarinas também parecem ter o risco aumentado 
na incidência do fenômeno anorexia nervosa. Nessas atividades, existe uma pressão 
ainda maior para obtenção e manutenção do corpo magro.
31
 TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP) │ UNIDADE I
Incidência de TCAP em crianças e em 
adolescentes
Distúrbios alimentares aumentam entre as 
crianças
Estatísticas e a prática dos consultórios apontam crescimento da anorexia e da 
bulimia precoces.
Segundo estudo Academia Americana de Pediatria, as internações de menores 
de 12 anos com distúrbios alimentares cresceram 119% nos Estados Unidos, 
entre 1999 e 2006.
Figura 5.
Fonte: <http://veja.abril.com.br/saude/disturbios-alimentares-aumentam-entre-as-criancas/>
Os transtornos alimentares causam vítimas em todas as faixas etárias: algumas mais 
e outras em menor escala. O fato é que o fenômeno acomete crianças, adolescentes, 
jovens, adultos e idosos. 
Escrivão (2000) afirma que existiam no Brasil em 1989 cerca de um milhão e meio 
de crianças obesas; acrescenta que a prevalência era pouco maior entre meninas do 
que entre meninos (5% e 4,8%). Com relação aos aspectos geográficos, a prevalência 
da obesidade na região Sul era de 7,2% e na região Sudeste era de 6,2%. Esses dados 
demonstravam que eram mais do que o dobro da observada na região Nordeste – 2,5%. 
As regiões Norte e Centro-Oeste apresentam prevalência intermediária em relação 
às outras regiões. O autor descreve, também, que entre as crianças pertencentes às 
famílias de renda maior a proporção de obesos era em torno de 8% comparada com 
2,5% nas pertencentes às famílias de menor renda. Em relação à distribuição por faixa 
etária, a obesidade era mais evidente nos dois primeiros anos de vida.
http://veja.abril.com.br/saude/disturbios-alimentares-aumentam-entre-as-criancas/
32
UNIDADE I │ TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP)
Escrivão (2000) recorre às teorias ambientalistas para explicar os maiores índices de 
obesidade nas regiões mais desenvolvidas do país, onde está mais adiantado o processo 
de modernização industrial e, portanto, as mudanças de hábitos que o acompanham. 
Além das teorias ambientalistas, evidencia-se ainda, segundo o autor, que a obesidade 
é mais frequente durante os primeiros anos de vida e está associada a práticas de 
desmame precoce e difusão de normas de dietética infantil incorretas, que estimulam a 
superalimentação, chegando a premiar bebês obesos.
A adolescência é caracterizada como sendo um período de inúmeras transformações 
biológicas e psicossociais e essas alterações no corpo ocorrem em paralelo à constituição 
da personalidade, impactando diretamente no desenvolvimento afetivo e emocional. 
Independentemente de qualquer transtorno, a mudança do corpo e a alteração do 
peso transformam a imagem mental que o adolescente faz de si de mesmo. Isso pode 
levá-lo a sentir-se estranho, desproporcional, ou seja, ter uma imagem corporal 
negativa. A diferença entre seu peso e o peso ideal definido pela mídia, além da 
necessidade de adaptação social, associada a uma baixa autoestima, são alguns dos 
fatores que determinam a insatisfação com o corpo. 
Esse quadro pode, muitas vezes, ser o estopim para o início de comportamentos de 
risco para transtornos alimentares. Neste contexto, o uso de dietas restritivas e de 
métodos de controle de peso (vômitos autoinduzidos, laxantes, diuréticos, atividade 
física excessiva) para emagrecer podem ocorrer de maneira frequente.
As pesquisas sobre comportamento alimentar e satisfação corporal de crianças e 
adolescentes brasileiros têm levado os pesquisadores a avaliar e analisar as atitudes 
alimentares dos jovens. O objetivoseria o de facilitar o reconhecimento precoce das 
populações de risco de desenvolver as doenças relacionadas à obesidade.
Decaluwé, Braet e Fairburn (2003) realizaram pesquisa para identificação da prevalência 
de TCAP em crianças e adolescentes que buscam tratamento para perda de peso. O 
estudo apontou que 36,5% apresentavam episódios de Compulsão Alimentar; 6% desse 
universo apresentavam dois ou mais episódios por semana.
Wildes et al. (2010) pesquisaram a ocorrência de sintomas como ansiedade, depressão, 
desordem alimentar e perda de peso em 192 pacientes pediátricos com obesidade 
severa. Os autores encontraram que crianças com TCAP apresentaram mais depressão, 
ansiedade e desordens alimentares e autoestima mais baixa que o restante da amostra. 
Ao final do acompanhamento, crianças com TCAP aumentaram em 2,6 % o seu peso, 
enquanto em crianças sem o transtorno diminuíram em média, 8,5%.
33
 TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP) │ UNIDADE I
Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, apurados no censo de 
2010, revelam que 34 milhões de indivíduos têm idade entre 10 e 19 anos, o que representa 
cerca de 18% da população total do país. Esses dados demonstram a necessidade de se 
desenvolver políticas de saúde pública visando avaliar o comportamento alimentar de 
grupo e desenvolver ações de prevenção e controle da obesidade.
A obesidade, em qualquer faixa etária, é uma doença de difícil tratamento e controle, 
com altos índices de fracassos terapêuticos. O tratamento da obesidade em crianças 
costuma ser negligenciado, muitas vezes por parte da família, mas, também, por 
profissionais de saúde. Nos casos de obesidade infantil existe uma expectativa de que a 
ocorra espontaneamente. As pesquisas demonstram que uma criança obesa tem muitas 
chances de se tornar um adulto obeso. A probabilidade de a obesidade persistir na vida 
adulta é bastante grande. 
Escrivão, Oliveira e Taddei (2000) afirmam que vários estudos já foram realizados 
com o objetivo de analisar a evolução da obesidade na infância e sua continuidade 
na fase adulta, sendo os resultados bastante variáveis e de difícil comparação, devido 
às diferenças na seleção das amostras, nos critérios utilizados para a definição da 
obesidade, na análise e apresentação dos dados. Porém, os autores advertem, que há 
uma tendência nestes estudos, em mostrar que crianças e adolescentes obesos, quando 
comparados com não obesos, têm maior risco de ser adultos obesos. 
Escrivão, Oliveira e Taddei (2000) acrescentam que o risco de a obesidade na infância 
continuar na vida adulta está relacionado ao tempo de duração e à sua gravidade. As 
taxas de remissão diminuem com o avanço da idade, e o aumento da gravidade aumenta 
o risco de persistência. Aproximadamente 1/3 dos adultos obesos foram crianças 
obesas, e quando a obesidade é grave, esta proporção aumenta para ½ a ¾ 40. Por 
fim, os autores afirmam que o risco de a criança obesa se tornar adulto obeso aumenta 
acentuadamente com a idade, dentro da própria infância. Assim, quanto mais idade 
tem a criança obesa, maior probabilidade terá de ficar um adulto obeso.
34
UNIDADE I │ TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA (TCAP)
Figura 6.
Fonte: <http://joyce-trevisan.blogspot.com.br/ em 05/06/2016>
Segundo Leung e Robson (1990) a grande maioria das crianças desenvolve a obesidade 
do tipo exógena, que seria o resultado do excesso de calorias consumidas em relação ao 
dispêndio energético diário. Os autores acrescentam que além do consumo excessivo de 
gordura e o baixo gasto energético a obesidade pode estar relacionada ao metabolismo 
eficiente (que não consome muitas calorias para a realização das tarefas diárias), ou até 
mesmo a combinação dos três fatores. 
Segundo Leung e Robson (1990) citam, ainda, que estudos que relacionam a obesidade 
infantil com o desmame precoce associado à introdução da mamadeira e alimentos 
sólidos, os quais contêm alta concentração de solutos que provocam sede na criança, 
que é recompensada com mais leite, tornando-se assim um círculo vicioso de calorias 
ingeridas. Já Coutinho (1998) credita apenas ao desequilíbrio energético causado por 
dietas hiperlipídicas, principalmente gorduras saturadas, associado à inatividade física.
Em qual categoria – gênero ou faixa de idade – existe maior propensão à 
incidência de episódios de transtorno alimentar? 
http://joyce-trevisan.blogspot.com.br/
35
UNIDADE II
TRANSTORNOS 
DA COMPULSÃO 
ALIMENTAR 
PERIÓDICA E 
OBESIDADE
Como já descrito na unidade anterior, o Transtorno da Compulsão Alimentar 
Periódica é um fenômeno caracterizado pela ocorrência de episódios de ingestão de 
grandes quantidades de comida em intervalos curtos de tempo, acompanhados da 
sensação de perda de controle sobre a ingestão de alimentos e seguida de sentimento 
de arrependimento por ter comido. Na literatura internacional esse fenômeno tem o 
nome de Binge Eating.
É fato que o fenômeno mereça toda atenção médica, já que o índice de ocorrência é de 
aproximadamente 2% da população geral e, em se tratando de obesos que procuram 
tratamento médico, o índice é de cerca de 30%.
Nesta unidade trataremos do fenômeno Transtorno da Compulsão Alimentar Periódica 
e sua relação com a doença obesidade.
CAPÍTULO 1
Breve conceito sobre obesidade
O que é obesidade? Para responder esta pergunta deve-se considerar vários fatores e 
visões das diferentes ciências.
Obesidade, para leigos, pode ser considerada o acúmulo de gordura no corpo provocado 
quase sempre pela ingestão excessiva de calorias na alimentação. Esse conceito parece 
muito simplista. Será que o fenômeno obesidade leva em conta somente o aspecto 
acúmulo de gordura provocado por ingestão de calorias na alimentação?
Fisberg (1995) ampliou o conceito de obesidade ao afirmar que o fenômeno pode 
ser classificado como o acúmulo de tecido gorduroso, localizado em todo o corpo, 
36
UNIDADE II │ TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA E OBESIDADE
podendo ser causado por doenças genéticas, endócrino – metabólicas ou por alterações 
nutricionais. 
Já Coutinho (1998) recorreu ao Consenso Latino Americano em Obesidade, e afirma 
que obesidade é uma enfermidade crônica que vem acompanhada de múltiplas 
complicações, caracterizada pela acumulação excessiva de gordura.
A obesidade é provocada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal que pode causar 
vários danos à saúde. A identificação da obesidade em uma pessoa pode ser feita 
por meio do cálculo do Índice de Massa Corporal – IMC. Para se obter o resultado 
e classificar o indivíduo como obeso ou não obeso basta dividir o peso corporal pela 
altura elevada ao quadrado, como mostra a fórmula a seguir:
Ao se apurar o IMC pode-se definir a condição do sujeito como obeso ou não obeso. Para 
tanto, a Organização Mundial de Saúde – OMS elaborou uma tabela onde classifica os 
indivíduos segundo seu IMC.
Tabela 1. Classificação do índice de massa corporal segundo a Organização Mundial de Saúde – OMS. 
IMC Classificação
< 18,5 Baixo Peso
18,5 – 24,9 Peso Normal
25,0 – 29,9 Pré-obesidade
30,0 – 34,9 Obesidade Grau I
35,0 – 39,9 Obesidade Grau II
>40,0 Obesidade Grau III
Segundo a OMS, o índice considerado normal de massa corporal encontra-se na faixa 
entre 18,5 e 24,9 kg/m2. Os intervalos definidos para a classificação do IMC têm base no 
37
TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA E OBESIDADE│ UNIDADE II
efeito que o peso corporal tem na saúde e que o aumento do IMC representa elevação 
do risco no desenvolvimento de várias doenças.
Esta classificação do IMC é utilizada para pessoas de hábitos alimentares e de rotinas 
comuns. Não se aplica, portanto, às mulheres grávidas, aos atletas e às crianças.
Considera-se que IMC é um bom indicador de obesidade, embora não seja totalmente 
correlacionado com a gordura corporal. Existem limitações nessa medida, como, por 
exemplo, não distingue a massa gorda da massa magra; isso significa, principalmente, 
que o resultadopode ser menos fidedigno na população mais velha, que, em função da 
idade, tem maior perda de massa magra e, consequentemente, diminuição do peso. 
Outro ponto que pode ser contestado nesse indicador de obesidade é que pode não 
refletir, a distribuição da gordura corporal; ou seja, a gordura poderá estar concentrada 
apenas numa região do corpo. Cheskin et al. (1999) afirmam que a medida da 
distribuição de gordura é importante na avaliação de sobrepeso e da obesidade 
porque a gordura visceral/intra-abdominal é um fator de risco potencial para doenças, 
independentemente da gordura corporal total. Os autores defendem que indivíduos 
com o mesmo IMC não necessariamente têm os mesmos índices de massa gordurosa 
visceral. Um exemplo apontado pelos autores é a distribuição de gordura abdominal 
entre homens e mulheres: para algum acúmulo de gordura corporal, o homem tem, 
em média, o dobro da quantidade de gordura abdominal em relação à mulher na pré-
menopausa. 
Yang Mu (1976) afirma que na população brasileira, utiliza-se a mesma tabela proposta 
pela OMS para classificação de sobrepeso e obesidade e que seu uso apresenta limitações 
similares às constatadas na literatura. O que se recomenda é a utilização da combinação 
de medidas do IMC com medidas da distribuição de gordura; essa estratégia pode 
ajudar a resolver alguns problemas que ocorrem na utilização do IMC de forma isolada.
<http://colunas.revistaepoca.globo.com/mulher7por7/2011/05/04/da-obesidade-morbida-a-
anorexia-a-triste-historia-de-uma-jovem-de-21-anos/>
Da obesidade mórbida à anorexia: a triste 
história de uma jovem de 21 anos
Malissa Jones, 21 anos, já foi a adolescente mais obesa do Reino Unido. Em 2008, 
com o ponteiro da balança perto dos 203 quilos, ela recebeu um ultimato: era 
perder peso ou morrer dentro de alguns meses. Malissa escolheu a primeira 
alternativa e enfrentou uma cirurgia no estômago. Era a ajuda que ela precisava 
para perder 127 quilos e chegar aos 76, meta estabelecida pelos médicos. 
http://colunas.revistaepoca.globo.com/mulher7por7/2011/05/04/da-obesidade-morbida-a-anorexia-a-triste-historia-de-uma-jovem-de-21-anos/
http://colunas.revistaepoca.globo.com/mulher7por7/2011/05/04/da-obesidade-morbida-a-anorexia-a-triste-historia-de-uma-jovem-de-21-anos/
38
UNIDADE II │ TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA E OBESIDADE
Figura 7.
Fonte: http://colunas.revistaepoca.globo.com/mulher7por7/2011/05/04/da-obesidade-morbida-a-anorexia-a-triste-historia-de-
uma-jovem-de-21-anos/ Acesso em 25/06/2016
http://colunas.revistaepoca.globo.com/mulher7por7/2011/05/04/da-obesidade-morbida-a-anorexia-a-triste-historia-de-uma-jovem-de-21-anos/
http://colunas.revistaepoca.globo.com/mulher7por7/2011/05/04/da-obesidade-morbida-a-anorexia-a-triste-historia-de-uma-jovem-de-21-anos/
39
CAPÍTULO 2 
Obesidade e suas principais 
consequências clínicas
A obesidade é uma doença que pode afetar diversas áreas do nosso corpo provocando 
inúmeras doenças.
Figura 8.
Fonte:< http://www.obesidade.info/consequenciasobesidade.htm> Acesso em: 26/6/2016. 
Atualmente existe uma maior preocupação com a obesidade pela doença ter se 
transformado numa epidemia mundial. Sendo assim, há uma maior necessidade 
por tratamentos seguros e efetivos. Para cuidar da saúde da população mundial é 
necessário dar ênfase às ações e estratégias voltadas para a prevenção da obesidade. 
Essa preocupação se justifica, pois, políticas de combate à obesidade podem evitar 
devastadoras consequências das doenças relacionadas como diabetes, hipertensão e 
aterosclerose.
O índice aumentado da obesidade na população promove consequências físicas e 
mentais em longo prazo. Não só na idade adulta, mas, também, na infância, a obesidade 
tem relação direta com o aumento do risco de diversas doenças. Assim sendo, os índices 
que apontam para o aumento da prevalência da obesidade na infância e os riscos de 
saúde justificam esforços para a sua prevenção.
http://www.obesidade.info/consequenciasobesidade.htm
40
UNIDADE II │ TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA E OBESIDADE
Figura 9.
Fonte: <http://www.obesidade.info/consequenciasobesidade.htm> Acesso em: 26/6/2016. 
Consequências clínicas
Para Mancini et al. (2001) vários distúrbios fisiopatológicos são causados pela 
obesidade, e isso ocorre, principalmente nas pessoas com IMC acima de 30 kg/m2. Os 
distúrbios decorrentes da obesidade podem ser: 
 » Cardiovasculares – hipertensão arterial sistêmica, hipertrofia 
ventricular esquerda com ou sem insuficiência cardíaca, doença 
cerebrovascular, trombose venosa profunda, entre outros.
Figura 10. O excesso de peso faz com que o coração trabalhe mais.
 Fonte: <http://brasilescola.uol.com.br/saude-na-escola/conteudo/obesidade-doencas-cardiovasculares.htm> 
Acesso em: 27/6/2016. 
É consenso entre os profissionais da área médica que a obesidade é um fator preditivo 
no risco de acometimento de doenças cardiovasculares; ainda, é consenso também entre 
http://www.obesidade.info/consequenciasobesidade.htm
http://brasilescola.uol.com.br/saude-na-escola/conteudo/obesidade-doencas-cardiovasculares.htm
41
TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA E OBESIDADE│ UNIDADE II
os profissionais da área, que o fenômeno obesidade tem tido aumento de prevalência 
nas populações dos países industrializados. Ao ultrapassar o índice de 30kg/m² de IMC 
aumenta acentuadamente o risco de ocorrência de doenças cardiovasculares. A gordura 
chamada comumente de “gordura visceral” tem, ainda, maior relação com a ocorrência 
de doença arterial coronariana. A gordura visceral é identificada por meio de uma 
medida de referência: homens de 106 cm de circunferência abdominal e mulheres de 
94 cm; os sujeitos que ultrapassam essas medidas estão inseridos nesta categoria de 
riscos.
Outras consequências provocadas pela obesidade, que afetam o sistema circulatório, 
são a hipertensão arterial sistêmica e o aumento do volume do coração que podem 
aparecer. E mesmo não ocorrendo a hipertensão sistêmica poderá ocorrer hipertrofia 
(crescimento) do ventrículo esquerdo. 
 » Endócrinos – diabetes mellitus tipo II, dislipidemia, hipotireoidismo, 
infertilidade e outros.
De um modo geral as pessoas diabéticas e que estão com excesso de peso, são orientadas 
pelo seu médico a adotarem medidas para emagrecer. Afinal, por que tanta os diabéticos 
não podem ser obesos? Qual a relação entre diabetes e excesso de peso? 
A obesidade é fator de risco, também, para os diabéticos; contribui para resistência à 
insulina, segundo pesquisas. Em indivíduos obesos, para provocar dilatação vascular 
para irrigação da musculatura esquelética, o organismo exige uma dose de insulina 
quatro vezes maior em relação a um indivíduo não obeso.
Ou seja, a “gordura” piora as condições do paciente diabético. Independente de o 
paciente ser diabético ou não, o aumento do tamanho das células gordurosas implica 
na necessidade de mais insulina. 
As células gordurosas possuem “receptores” onde as moléculas de insulina devem 
se encaixar. O aumento do tamanho das células de gordura provoca uma redução do 
número de seus receptores. Isso faz com que elas necessitem de uma maior quantidade 
de insulina.
 » Respiratórias – apneia obstrutiva do sono, síndrome da hipoventilação, 
doença pulmonar restritiva.
Existe correlação estreita entre obesidade e algumas doenças respiratórias crônicas 
nomeadamente, como a asma e a Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica – DPOC. Esta 
correlação pode ser explicada a partir de diversos fatores. A primeira causa é que a 
obesidade provoca a uma diminuição da distensibilidade e dos volumes pulmonares; 
provoca, também, diminuição do diâmetro das vias aéreas periféricas, o que torna mais 
difícil a entrada e a saída do ar dos alvéolos. 
42
UNIDADE II │ TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA E OBESIDADE
Outro fator que pode elevar o risco de doenças respiratórias é que a obesidade provoca 
alterações na circulação do sangue nos pulmões, o que dificulta a trocade gases entre o 
ar que inspiramos e o sangue – entrada de oxigênio e saída de dióxido e carbono. Nas 
pessoas obesas existe um aumento da função das células de gordura e a consequente 
produção de numerosos mediadores químicos que favorecem a inflamação. Tanto a 
asma como a DPOC são doenças em que ocorre uma inflamação crônica das vias aéreas.
 » Distúrbios psicossociais, como sentimento de inferioridade e 
isolamento social.
Os obesos têm a autoestima comprometida, e, principalmente, nos adolescentes do 
sexo feminino essa condição ocorre com maior frequência. Por isso, é muito importante 
estar atento às funções psicossociais dos adolescentes e, em especial as meninas. As 
pesquisas demonstram que a ocorrência da obesidade na infância é terreno fértil para 
maior risco de desenvolvimento de distúrbios de comportamento alimentares na 
adolescência e no início da vida adulta.
 » Neoplasias – como câncer de mama ou próstata.
A explicação para a relação entre a obesidade e câncer está no acúmulo de gordura 
no tecido adiposo, que pode desenfrear a multiplicação de células malignas. O risco 
para saúde vai além das doenças “tradicionais” com as quais a obesidade pode estar 
relacionada. A obesidade desenvolve nos pacientes uma parcela significativa dos 
fatores de risco que levam as pessoas a desenvolverem alguma neoplasia. O risco eleva 
se considerarmos outros fatores como ambientais, o tabagismo e problemas genéticos.
Câncer e obesidade, qual a evidência?
<http://www.onconews.com.br/site/atualizacao-cientifica/atualizacao-
cientifica/artigos-cient%C3%ADficos/1185-c%C3%A2ncer-e-obesidade,-qual-
a-evid%C3%AAncia.html>
Além das doenças relacionadas, a obesidade pode, ainda, ser causadora de:
 » disfunções gastrointestinais, como hérnia de hiato e colecistite; 
 » distúrbios músculos-esqueléticos, como osteoartrose e defeitos posturais;
 » distúrbios geniturinários, como anovulação e problemas gestacionais;
 » distúrbios dermatológicos, como estrias e papilomas;
 » aumento do risco cirúrgico e anestésico;
 » diminuição da agilidade física.
http://www.onconews.com.br/site/atualizacao-cientifica/atualizacao-cientifica/artigos-cient%C3%ADficos/1185-c%C3%A2ncer-e-obesidade,-qual-a-evid%C3%AAncia.html
http://www.onconews.com.br/site/atualizacao-cientifica/atualizacao-cientifica/artigos-cient%C3%ADficos/1185-c%C3%A2ncer-e-obesidade,-qual-a-evid%C3%AAncia.html
http://www.onconews.com.br/site/atualizacao-cientifica/atualizacao-cientifica/artigos-cient%C3%ADficos/1185-c%C3%A2ncer-e-obesidade,-qual-a-evid%C3%AAncia.html
43
CAPÍTULO 3 
TCAP x obesidade
O Transtorno de Compulsão Alimentar Periódica é um fenômeno psiquiátrico que pode 
desencadear diversas patologias orgânicas como dislepidemias, hipertensão, diabetes, 
a partir do efeito principal causado pelo transtorno – a obesidade.
A obesidade é uma doença que integra o grupo de Doenças Crônicas Não Transmissíveis 
(DCNT) e se caracteriza pelo acúmulo excessivo de gordura corporal, que provoca 
prejuízos à saúde dos indivíduos. A obesidade é um transtorno que envolve aspectos 
ambientais e genéticos. Atualmente, a obesidade é considerada um problema de 
saúde pública mundial. A elevação dos índices de obesidade ocorre tanto nos países 
desenvolvidos como, também, nos em desenvolvimento.
As mudanças comportamentais ocorridas nas últimas décadas, caracterizadas por 
pressões sociais que valoriza o corpo esbelto faz com que as pessoas com sobrepeso 
sejam frequentemente vistas de forma depreciativa e, consequentemente, sejam alvo de 
preconceito e discriminação nos diversos ambientes como locais de trabalho, de lazer, 
escola etc. 
A OBESIDADE É UM IMPORTANTE (grifo dos autores) problema de saúde pública, 
tendo em vista sua alta prevalência, a dificuldade no controle e o elevado índice de 
recidiva. Estima-se a frequência de 5 a 30% do transtorno da compulsão alimentar 
periódica (TCAP) em obesos que buscam serviços especializados para tratamento da 
obesidade, embora tenha sido encontrada prevalência de até 50%, comparada a 2 3% na 
população geral (PETRIBÚ et al., 2006). 
Esses autores acrescentam dados encontrados por Appolinário et al. (1995), Coutinho 
(2000) e Borges (1998) que demonstram que no Brasil, há uma prevalência entre 15% 
e 22% em pacientes que procuram tratamento para emagrecer. Entre os pacientes 
que realizaram a cirurgia bariátrica, esta prevalência pode variar de 27% a 47% (8,9). 
Aproximadamente 20% das pessoas que se identificam como portadoras de compulsão 
alimentar possuem diagnóstico de TCAP (10,11). A dimensão variada encontrada na 
prevalência do TCAP é devida, em parte, às variações das definições de compulsão (11).
Dobrow, Kamenetz, Devlin (2002) afirmam que a obesidade não é classificada como 
um transtorno psiquiátrico. Os autores dizem que, por muito tempo, a obesidade foi 
compreendida como uma manifestação somática de um conflito psicológico que, em 
determinados indivíduos com formação egoica inadequada, seria solucionado por meio 
44
UNIDADE II │ TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA E OBESIDADE
da alimentação excessiva. Ainda existe muita aceitação, por parte da população leiga, 
dessa teoria e também por uma boa parte dos profissionais de saúde. Uma visão mais 
moderna e atualizada não aceita esta postura, a não ser quando se trata de obesos da 
população geral.
Os pesquisadores têm se preocupado cada vez em obter respostas para as questões 
relacionadas entre obesidade e transtornos psiquiátricos. Os estudos com amostras 
comunitárias, concluem que os indivíduos com obesos geralmente não apresentam 
índices maiores de psicopatologia se comparados aos indivíduos com peso normal. 
Mas, inversamente proporcional a este dado, nos obesos que procuram tratamento têm 
se encontrado índices significativamente mais elevados de depressão e mais modestos 
de transtornos de ansiedade (incluindo agorafobia, fobia simples e transtorno de 
estresse pós-traumático), bulimia, tabagismo e transtorno de personalidade borderline 
(BLACK; GOLDSTEIN; MASON, 1992).
Petribú et al. (2006) afirmam que a discrepância encontrada entre amostras comunitárias 
e clínicas pode ser reflexo da tendência dos indivíduos que sofrem de algum transtorno 
comórbido de serem mais comprometidos e, portanto, mais propensos a procurar 
tratamento. Os autores afirmam, ainda, que de qualquer forma, na medida em que 
lidamos com populações clínicas, o achado de maior depressão comórbida é relevante 
e deve ser considerado ao se avaliar pacientes que se apresentam para tratamento de 
obesidade. No entanto, até agora parece não ser possível estabelecer uma relação de 
causa-efeito.
 Figura 11.
Fonte: <http://dicasrafaeIasahib bIoqspotcombr/201 1/O2lcompulsao-alimentar-sera-que-nao. Html> Acesso em: 
28/6/2016.
45
TRANSTORNOS DA COMPULSÃO ALIMENTAR PERIÓDICA E OBESIDADE│ UNIDADE II
Os achados com associação de excesso de peso corporal e transtornos psiquiátricos 
poderiam ser explicados pelo seguimento de dietas ou por outras doenças, sendo de 
relevância o TCAP. Spitzer et al. (1993) afirmam que os obesos com TCAP apresentam 
obesidade mais precoce que os não compulsivos, iniciam mais cedo a preocupação com 
peso e dietas, apresentam maior flutuação de peso e passam mais tempo de suas vidas 
tentando emagrecer. Segundo os autores, eles tendem a engordar se comparados aos 
obesos sem este transtorno. 
Coutinho (2000) diz que o TCAP está relacionado a sintomas psicopatológicos em geral 
(sobretudo depressão), a maior gravidade da obesidade e a prejuízo no funcionamento 
social e ocupacional. Petribú et al. (2006) verificou que os obesos portadores de TCAP 
tiveram maior número de tratamentos para emagrecer e apresentaram mais episódios 
de depressão que os não compulsivos.
Rieger et al. (2005) também pesquisaram a relação existente entre obesidade e TCAP. 
Os autores encontraram que pessoas obesas portadoras de TCAP apresentaram um 
maior comprometimento nos aspectos psicossociais da escala de qualidade de vida em

Mais conteúdos dessa disciplina