Buscar

Aula7_fisioterapia na saúde do trabalhador

Prévia do material em texto

Agravos, doenças e assistências na saúde do trabalhador
Profª. Me. EDUARDA MENDONÇA
Plano de Aula 
Agravos, doenças e trabalho
Epidemiologia, prevenção e assistência 
Saúde do trabalhador
SAÚDE TRABALHO
Interação com o adoecimento
NEXO CAUSAL
Adoecimento
MULTIFATORIAL
Idade
Atividades realizadas 
Substâncias 
Fatores de risco 
TRABALHO
Adoecimento
Acidentes de trabalho
Acidentes percurso do trabalho 
Doenças profissionais
Doenças relacionadas ao trabalho
TRABALHO
(MENDES, 2013)
Classificação de Schilling
Classificação das doenças e sua relação com o trabalho
(MENDES, 2013)
1984
Classificação das doenças do trabalho
(MENDES, 2013)
Doenças dos Grupos II e III, os fatores causais são múltiplos. Não sendo o trabalho uma causa direta. 
Nestas doenças o nexo causal é estabelecido por estudos epidemiológicos.
Nexo Causal
(MENDES, 2013)
INVESTIGAÇÃO
AVALIAÇÃO 
INDIVIDUAL 
(ANAMNESE)
ESTUDOS COLETIVOS 
COM GRUPO DE 
TRABALHADORES
ANÁLISES 
ERGONÔMICAS DO 
TRABALHO (AET)
MENSURAÇÃO DOS 
FATORES DE RISCO 
NO AMBIENTE DE 
TRABALHO
EXAMES 
TOXICOLÓGICOS NOS 
TRABALHADORES
Nexo Causal
FATORES DE RISCO
• Ruído, temperaturas extremas, vibração, radiação e pressão atmosférica 
anormal. Riscos físicos
• Substâncias químicas nas diferentes formas, líquida, gasosa ou de partículas e 
poeiras minerais e vegetais, muito comuns nos processos de trabalho. Riscos químicos
• Vírus, bactérias, parasitas, geralmente associados ao trabalho em hospitais, 
laboratórios, na agricultura e pecuária. Riscos biológico
• Relacionados à utilização de equipamentos, máquinas e mobiliário de forma inadequada, que 
levam a adoção de posturas incorretas. Relacionados à organização do trabalho, como turnos de 
trabalho; atividades que geram monotonia, ritmo de trabalho excessivo, exigências de 
produtividade, relações de trabalho autoritárias, falhas no treinamento.
Riscos ergonômicos e 
psicossociais
• Ligados à proteção das máquinas, ao arranjo físico, a condições de organização 
e limpeza do ambiente de trabalho, à sinalização, à rotulagem de produtos.
Riscos mecânicos e de 
acidentes Ministério da Saúde, BRASIL, 2001
Nexo Causal
FATORES DE RISCO
o Ministério da Saúde, BRASIL, 2001
Profissional de saúde
Comprovação do diagnóstico e o estabelecimento do nexo causal
As tarefas que o trabalhador exerce com mais frequência. 
As exigências em relação a esforço físico, posturas, gestos e movimentos. 
Descrição de produtos e equipamentos utilizados
A presença de fatores que comprometem ou interferem a realização das tarefas
Informações quanto à produção, ou seja, o número de peças produzidas. 
Informações quanto à forma de controle sobre o ritmo e a intensidade de trabalho. 
Informações sobre imprevistos e incidentes que podem aumentar as exposições. 
Dados do ambiente físico, presença de odor, tipo de instalação, layout, ruído, ventilação, medidas de proteção coletivas e individuais.
Identificar
Nexo Causal
FISIOTERAPÊUTA
COFFITO, 2016
Possui competência legal para elaborar e emitir atestados, relatórios técnicos e
pareceres que indiquem o grau de capacidade ou incapacidade funcional, com o
objetivo de identificar e descrever as incompetências que os trabalhadores
apresentem no exercício de suas funções laborais, assim como a necessidade de
mudanças ou adaptações nas funções dos trabalhadores para que eles possam
continuar a exercer suas atividades e, ainda, relacionar seus efeitos no desempenho
laboral.
Resolução nº 464, de 20 de maio de 2016 
Epidemiologia, prevenção e assistência
Agravos e doenças do trabalho
PERDA AUDITTIVA INDUZIDA AO RUÍDO (PAIR)
Ministério da Saúde, BRASIL, 2006
É a diminuição gradual da acuidade auditiva decorrente da exposição continuada a níveis elevados de ruídos.
Alteração neurossensorial, por comprometer as células de órgão de Corti (órgão sensitivo da audição).
Frequentemente bilateral 
Raramente provoca perdas profundas
Perda progressiva 
Intolerância a sons mais intensos, perda da capacidade de reconhecer palavras e zumbidos
Não há progressão da PAIR quando eliminada a exposição ao nível elevado de pressão sonora. 
Geralmente irreversível 
Agravos e doenças do trabalho
PERDA AUDITTIVA INDUZIDA AO RUÍDO (PAIR)
Ministério da Saúde, BRASIL, 2006
É a diminuição gradual da acuidade auditiva decorrente da exposição continuada a níveis elevados de ruídos.
Agente físico 
RUÍDO
Agentes químicos, (solventes, fumos metálicos, gases 
asfixiantes)
Agentes físicos (vibrações, radiação e calor)
Agentes biológicos (vírus e bactéria)
Fatores de risco
Agravos e doenças do trabalho
LOMBALGIAS OCUPACIONAIS 
Ministério da Saúde, BRASIL, 2006
É caracterizada pela dor lombar. Frequentemente relacionada a morbidade e incapacidades.
É a principal causa isolada de transtorno de saúde 
relacionado ao trabalho e de absenteísmo e a causa mais 
comum 
de incapacidade em trabalhadores com menos de 45 anos 
de idade.
Agravos e doenças do trabalho
LOMBALGIAS OCUPACIONAIS 
Ministério da Saúde, BRASIL, 2006
Fatores de risco
Idade
Sexo
IMC
Desequilíbrio 
muscular
Força 
muscular
Condições 
socioeconôm
icas
Comorbidades
Agravos e doenças do trabalho
LOMBALGIAS OCUPACIONAIS 
Ministério da Saúde, BRASIL, 2006
Prevenção
Melhora do arranjo do 
posto de trabalho
Utilização de 
equipamentos (polias, 
talhas, esteiras)
Treinamento de 
trabalhadores
Ginástica 
laboral 
Agravos e doenças do trabalho
PNEUMOCONIOSES
Ministério da Saúde, BRASIL, 2014
São as doenças pulmonares desencadeadas pela inalação de poeiras em ambientes de trabalho, as quais se
depositam no parênquima pulmonar e levam a um quadro de fibrose, com endurecimento intersticial do
tecido pulmonar.
Agravos e doenças do trabalho
FATORES DE RISCO
Ministério da Saúde, BRASIL, 2014
Presença de concentração de poeira respirável
Dimensões das partículas
Composição mineralógica da poeira respirável
Tempo de exposição
Susceptibilidade individual
Agravos e doenças do trabalho
PREVENÇÃO
Ministério da Saúde, BRASIL, 2014
Higienização do ambiente com umidificação do mesmo
Lavagem constante para evitar a dispersão de poeiras
Uso de exaustores locais e ventilação geral, enclausuramento das operações que produzem poeiras, 
substituição de matérias-primas por utilização de fibras menos tóxicas. 
Proteção respiratória individual (máscaras) nas operações em que as medidas coletivas são insuficientes.
OBRIGADA!
Profª. Me. EDUARDA MENDONÇA
	Slide 1
	Slide 2
	Slide 3
	Slide 4
	Slide 5
	Slide 6
	Slide 7
	Slide 8
	Slide 9
	Slide 10
	Slide 11
	Slide 12
	Slide 13
	Slide 14
	Slide 15
	Slide 16
	Slide 17
	Slide 18
	Slide 19
	Slide 20
	Slide 21