A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
Resumo do Sistema Somatossensorial - fonte Purves - Biofísica

Pré-visualização | Página 2 de 3

ramificações periféricas, as 
propriedades de transdução de todas as ramificações de uma única fibra são idênticas. 
Aferentes somatossensoriais constituem vias paralelas que diferem na velocidade de 
condução, no tamanho do campo receptivo, nas propriedades dinâmicas e nas características 
do estimulo efetivo. Essas diferentes vias permanecem segregadas pelos diversos estágios de 
processamento central, e sua atividade contribui de modo único para a extração de 
informação somatossensorial, necessária para o controle apropriado de movimentos tanto 
direcionados a um objeto quanto reflexos. 
Mecanorreceptores especializados em receber informação tátil: 
Receptores para o tato (na pele- epiderme e derme)  imagem neural de alta definição dos 
objetos manipulados. 
Contribuição das distintas vias aferentes para a sensação cutânea esta mais bem desenvolvida 
com relação às porções de pele glabra (sem pelos) da mão. 
O tato ativo ou háptico envolve a interpretação de complexos padrões espaço-temporais de 
estímulos que tenham probabilidade de ativar muitas classes de mecanorreceptores. 
Estereognose = fornecer informação suficiente para identificação de um objeto. 
• Estrutura da célula receptora está relacionada com o estimulo para o estiramento. 
• 4 classes distintas de aferentes mecanorreceptores que inervam a pele glabra da mão: 
 C. de Meissner: entre as digitais 
 Discos de Merkel: Neurônio em contato intimo com a célula de merkel: célula + 
neurônio 
 C. Ruffini: receptores para estiramento. 
 C. Pacini:várias membranas sobrepostas no final do neurônio; receptores pra vibração 
• Meissner e Pacini são de adaptação rápida. Merkel e Rufini são de adaptação lenta. 
• Na epiderme são os Corpúsculos de Meissner e discos de Merkel. 
• Na derme são os Corpúsculos de Pacini, e profundo na derme os Corpúsculos de Ruffini (são 
os neurônios de primeira ordem) 
○ Aferentes de Meissner: fibras de adaptação rápida que inervam bem densamente; 40% da 
inervação mecanossensorial da mão humana. Bem próximos a superfície da pele, são 
receptores alongados, formados por uma capsula de tecido conjuntivo que abrange diversas 
lamela das células de Shwann. 
- Em virtude da grande proximidade da superfície da pele, os aferentes de Meissner são mais 
de quatro vezes mais sensíveis a deformações da pele do que os aferentes de Merkel. Seu 
campos receptivos são maiores do que aqueles aferentes de Merkel, e assim, transmitem 
sinais com reduzida resolução espacial. 
- Informação transmitida pelos aferentes de Meissner é responsável pela detecção de um 
deslizamento entre a pele e um objeto segurado na mão, fornecendo retroalimentação de 
informação essencial para um controle eficiente da pressão manual. 
○ Aferente de Merkel: fibras de adaptação lenta; Pontas dos dedos. 
- São os únicos aferentes que transmitem informações a partir de células receptoras 
localizadas na epiderme. 
- As células de Merkel são células excitáveis que expressam canais de Ca++ sensíveis a 
voltagem e moléculas necessárias para a liberação de vesículas sinápticas. No entanto, os 
potenciais de ação parecem surgir a partir de canais iônicos mecanossensiveis na membrana 
da fibra aferente, sugerindo que as células de Merkel tenham a função de modular a atividade 
dos aferentes e não a de serem um sítio de transdução. 
- Apresentam maior resolução espacial entre todos os aferentes sensoriais. 
- Altamente sensíveis a pontas, bordas e curvaturas, processando informações de formas e 
texturas. 
○ Aferentes de Ruffini: são particularmente sensíveis ao estiramento cutâneo produzido por 
movimentos dos dígitos ou dos membros. Acredita-se que respondam principalmente a 
estímulos gerados internamente, tais como os movimentos dos dedos. Em conjunto com os 
receptores musculares, fornecem uma representação acurada das posições dos dedos e da 
conformação da mão. 
○ Aferentes de Pacini: fibras de adaptação rápida; 10 a 15% da inervação mecanossensorial da 
mão. Localizados mais profundamente na derme ou no tecido subcutâneo. 
- Os C. Pacini mais sensíveis geram potenciais de ação para deslocamentos da pele tão 
pequenos quanto 10 nm. Uma vez que são tão sensíveis, os campos receptivos aferentes de 
Pacini são frequentemente grandes. 
- Detectam vibrações transmitidas através de objetos em contato com a mão ou que estejam 
sendo agarrados pela mão -> uso habilidoso de ferramentas. 
- Quando o estímulo chega, uma membrana pressiona a outra até chegar ao axônio. Com o 
tempo (estimulo prolongado), as membranas se acomodam de forma que não precisam mais 
do axônio (silenciosamente). O fim do estimulo causa uma pressão negativa que chega 
também no axônio. Se estirarmos as membranas, o Pacini perde sua característica de 
adaptação rápida. 
• Além disso, há fibras nervosas livres (sem especialização), não captam informações táteis, só 
informação de dor. 
 
• Folículo piloso: neurônio que envolve o bulbo do pelo (tem terminação livre também) 
• Processo chega até o corpo celular próximo à medula e o resto do processo entra na medula. 
• Dependendo de onde vem o neurônio sensorial, ele entra numa região especifica da medula 
(cervical, lombar, etc). Os neurônios sensoriais são aferentes e entram na medula pela raiz 
dorsal. 
•Os corpos celulares formam gânglios (aglomerado de corpo celular do SNC), os gânglios da 
raiz dorsal (os processos entram pela raiz dorsal da medula). 
• Estímulos táteis têm mais de uma vertente (pressão dinâmica – Meissner, pressão estática – 
Merkel, vibração – Pacini, estiramento – Ruffini). 
Campos receptores: 
Região da superfície sensorial que, quando estimulada, altera o potencial de membrana de um 
neurônio. Define a resolução espacial do estimulo. 
• Sobreposição de campos receptores: grande densidade de receptores em uma região está 
relacionada com a detalhação do estimulo -> É a área que um neurônio de 1ª ordem consegue 
captar o estimulo. Cada neurônio tem um campo (cada neurônio é responsável por uma área 
da superfície corporal). 
• Campos receptores pequenos dão mais precisão que campos grandes. 
• Essas áreas são sobrepostas (não existe nenhum pedaço que não é inervado). Sobreposições 
podem ser de neurônios do mesmo tipo (sobreposição pequena) ou de neurônios de tipos 
diferentes (sobreposição total, em profundidades diferentes). 
• Neurônio de primeira ordem tem o campo receptor. 
- O neurônio de 2ª ordem faz sinapse com mais de um neurônio de 1ª ordem, e seu campo 
receptor é a soma dos campos receptores dos neurônios de 1ª ordem que chegam nele 
(somatório indireto das áreas) 
- Hierarquia: neurônio de 2ª ordem é responsável por mais áreas que o de 1ª ordem, o de 3ª 
ordem mais que o de 2ª ordem, e assim por diante. 
• Campos pequenos garantem maior precisão na localização do estimulo. Meissner tem 
campos pequenos, Pacini tem campos grandes. Na mão é mais fácil localizar estímulos do que 
nas costas (pouco neurônio com campo pequeno nas costas, além de ter menos receptores lá). 
• Receptores da epiderme tem campos receptores pequenos e receptores da derme têm 
campos receptores grandes. 
Vias sensoriais: 
No SNC os neurônios funcionalmente relacionados formam cadeias. A via que traz as 
influências sensíveis para o SNC é aferente e a que deixa é eferente. Apresentam neurônios de 
1ª, 2ª e 3ª ordem. Os de 4ª ordem localizam-se no córtex sensorial cerebral. As vias são 
paralelas. 
• Via da informação tátil (via coluna dorsal – lemnisco medial) 
Raiz dorsal -> bifurca -> axônios formam um trato que sobe pela coluna dorsal ate a região 
mais superior da coluna, onde faz a 1ª sinapse com o neurônio de 2ª ordem (no núcleo da 
coluna dorsal). 
O 2ª neurônio cruza a linha