A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
142 pág.
apostilaAdministracao2013v3

Pré-visualização | Página 35 de 36

A construção é 
provavelmente um dos popucos setores da economia onde o número de empresas estrangeiras 
não é significante no total. A concorrência por construtoras estrangeiras no Brasil não é uma 
ameaça às empresas nacionais. 
ECV 5307 - Administração da construção 
Profa Cristine N. Mutti – UFSC – atualização 2013 
 
 130
e) Missões comerciais 
A FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), com o apoio de instituições como 
o MDIC (Ministério do Desenvolvimento Indústria e comércio Exterior), CAMEX (Câmara de 
Comércio Exterior), e o Banco do Barsil, promove missões comerciais para diferentes países, 
das quais participam representantes de muitos setores industriais. Estas iniciativas estimulam a 
exportação e as relações entre os países. 
f) Diversificação 
A diversificação é utilizada pelas empresas como estratégia para manter o balanço em ciclos 
difíceis para a construção. Algumas empresas diversificam países de atuação, para diversificar 
os ciclos econômicos nos quais atuar. Outras empresas diversificam atividades – incluindo 
atividades muito distantes da área da construção, tais como calçados ou têxteis. 
5.3.2 Consciência social e ambiental 
Um outro ponto importante em estratégia é o respeito ao aspecto social e ao meio ambiente. 
Estes pontos não são importantes somente como um diferencial para as empresas, mas para a 
sua sobrevivência e a do planeta. A necessidade de adoção de normas como a ISO 14000 
(ambiental) e a OSHAS 18000 (social) será uma realidade num futuro bem próximo. Enquanto 
isto, ações como reciclagem de materiais (entulho), controle do desperdício, e monitoramento 
dos agentes nocivos à saúde dos operários, por exemplo, são passos responsáveis a serem 
dados pelas empresas. 
a) Tendências 
 Clientes e partes interessadas cada vez mais exigentes 
 Crescimento da atividade de certificação 
 Integração: ambiente / qualidade / segurança / ética 
b) Prêmios e certificações 
 Certificação ISO 14000 (http://www.iso.org/iso/en/iso9000-14000/index.html) 
 Certificação SA 8000 (http://www.sa-
intl.org/index.cfm?fuseaction=Page.viewPage&pageId=473) 
 OSHAS 18000 (http://www.ohsas-18001-occupational-health-and-safety.com/) 
c) Exemplos de iniciativas 
 Ações de universidades em conjunto com Sinduscons; 
 Iniciativas de empresas na área social e ambiental; 
 Avanços na área edificações eficientes, rumo à sustentabilidade. 
d) Destaques 
d1) Projeto PESCAR 
A empresa… 
 Recebeu certificação ISO 9002 na área de recursos humanos , com relação a 
treinamento e segurança; 
 Investe em cursos de pós-graduação para seus engenheiros; 
 Operadores de equipamentos pesados recebem treinamento, inclusive em direção 
defensiva, primeiros socorros e prevenção de acidentes; 
 Desenvolveu um forte programa educacional (PESCAR), que visa dar treinamento 
ECV 5307 - Administração da construção 
Profa Cristine N. Mutti – UFSC – atualização 2013 
 
 131
específico a meninos de famílias muito pobres. Cada bloco de curso dura por 6 meses. 
A empresa completou 14 turmas em 2003; 
 Depois de terminar o curso, 50% dos meninos são empregados pela empresa. 
d2) Reciclagem (Programa de gestão ambiental – criado em 1998 – em certificação 
ISO14001) 
A empresa... 
 Instalou uma central de reciclagem de entulho - centro do RJ; 
 Entulho; eliminação do aço, gesso e outros materiais que possam afetar a qualidade do 
agregado; 
 Entulho gerado (5.000 m3) foi transformado em 1 milhão de blocos + ladrilhos + 
argamassa; 
 Construiu um protótipo de casa popular. 
Dados: 
1m3 de entulho = 227 blocos de concreto 14X19X39 cm 
Casa popular de 38 m2+ 1.100 blocos 
Cada 5.000m3 de entulho = 1 casa popular 
Hipótese: 
200.000 m3 de entulho por ano = 40 mil novas casas populares 
Menos consumo de óleo diesel + menos emissão de gás carbônico + melhores condições 
de trânsito 
Futuro: 
 Estudos para reduzir impacto nomeio ambiente; coleta seletiva p/ não descartar 
material tóxico; controle de emissão de gases; controle de ruídos. 
 Disponibilizar este know how para entidades e órgãos governamentais. 
 
ECV 5307 - Administração da construção 
Profa Cristine N. Mutti – UFSC – atualização 2013 
 
 132
REFERÊNCIAS E BIBLIOGRAFIA 
ABNT - NBR 12721: Avaliação de custos unitários e preparo de orçamento de construção 
para a incorporação de edifícios em condomínio. 
ARAÚJO, H. N. Estudo da competitividade setorial no grupo de relação: construtora e 
empreiteira de mão de obra: indústria da construção civil, Tese de doutorado, 
Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de 
Santa Catarina, 2003. 
ÁVILA, A. V.; JUNGLES, A.E. Apostila Elaborada para a disciplina Administração da 
Construção, UFSC. Anterior a 1996. 
ÁVILA, A. V.; LIBRELOTTO, L. I.; LOPEZ, O. C. Apostila elaborada para a disciplina construção 
Civil, Unisul. 2003. 
BOTELHO, E. F. Do gerente ao líder. Ed. Atlas, 1990. 
BURNS, T e STALKER, G.M. The management of innovation. London: Tavistock. 1961. 
BYHAM, W. C., COX, J. ZAPP! O poder da energização: como melhorar a qualidade, a 
 produtividade e a satisfação dos funcionários. 7 ª edição. Ed. Campus. 
COUTINHO, L. 5o Seminário da Indústria Brasileira da Construção: Construbusiness: 
agenda de política industrial para a cadeia produtiva da construção. São Paulo: 
LCA Consultores, 2003. 
COUTINHO, L. G. e FERRAZ, J. C. Estudo da competitividade da indústria Brasileira. 2a ed. 
Campinas: Papirus: Universidade Estadual de Campinas, 1994. 
DAWSON, S. Analysing organizations. Macmillan, Basingstoke. 3a edição, 1996. 
FARAH, M.F.S. Formas de Racionalização do Processo de Produção na Indústria da 
Construção. IPT, São Paulo, 1990. 
FUNDAÇÃO Christiano Ottoni. Projeto Implantação da Gestão da Qualidade Total: 5S - 
Conceitos para Revolucionar o Gerenciamento. Material didático elaborado por profissionais 
da ALBRÁS. 
GIAMUSSO, S. E. Orçamentos e custos na construção civil. PINI 
GOLDMANN, P. Introdução ao planejamento e controle de custos na construção civil. Ed. 
 PINI, 1986. 
GOLEMANN, D. Inteligência Emocional. Ed. Objetiva Ltda., 1995. 
GÓMEZ, L. A. et al. Contratos EPC. Editora Visual Books, 2006 
HANDY, C. Understanding Organizations. 
HERMAN, R. E. Como manter bons funcionários. Makronbooks, 1993. 
JUNGLES, A.E.; ÁVILA, A. V. Gerenciamento na construção Civil. Editra Argos, Chapecó, 
2006. 
LEI 8.666 – de 21 de Junho de 1993 (Licitações) 
LIBRELOTTO, L. I. Apostila elaborada para a disciplina construção Civil III, Unisul. 2003. 
ECV 5307 - Administração da construção 
Profa Cristine N. Mutti – UFSC – atualização 2013 
 
 133
LIMA, I. S. Qualidade de Vida no Trabalho na Construção de Edificações: Análise dos 
Fatores que Afetam a Satisfação dos Operários de Empresas de Pequeno Porte. Tese 
de Doutorado. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, SC. 1995. 243 f. 
MINTZBERG, H. (1973). The nature of managerial work. Harper & Row Publishers. New York. 
MUTTI, C. N. Treinamento de mão de obra na construção civil : um estudo de caso. 
Florianópolis, SC. UFSC. 1995. 132p.. Dissertação (Pós-graduação em Engenharia Civil) - 
Universidade Federal de Santa Catarina, 1995. 
MUTTI, C. N. The drivers of Brazilian contractors´ competitiveness in the international 
market. Tese de doutorado. School of Construction Management and Engineering. 
University of Reading, Inglaterra, 2004. 
NETTO, A.V. Como gerenciar construções. Projeto de divulgação tecnológica, THEMAG 
Engenharia. PINI, 1988. 
NR 18 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção (118.000-2) 
OLIVEIRA, M. [et al]. Sistema de Indicadores de Qualidade e Produtividade para a 
Construção Civil: Manual de Utilização. 2a. ed. rev. - Porto Alegre: Serviço de Apoio às 
Micro e Pequenas Empresas do Rio Grande do Sul - SEBRAE/RS, 1995. 149p. 
PBQP-H. Programa Brasileiro da Qualidade e Competitividade no Habitat. 
http://www.cidades.gov.br/pbqp-h/. 
PICCHI, F.A. Sistemas da Qualidade: Uso em Empresas de Construção. Tese. Doutorado 
em Engenharia.