A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
137 pág.
manual_de_hidrologia_basica

Pré-visualização | Página 1 de 28

DNIT
MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES
DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES
DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E PESQUISA
COORDENAÇÃO-GERAL DE ESTUDOS E PESQUISA
INSTITUTO DE PESQUISAS RODOVIÁRIAS
MANUAL DE HIDROLOGIA BÁSICA
PARA ESTRUTURAS DE DRENAGEM
2005
Publicação IPR - 715
MINISTRO DOS TRANSPORTES
Alfredo Pereira do Nascimento
DIRETOR GERAL DO DNIT
Alexandre Silveira de Oliveira
DIRETOR DE PLANEJAMENTO E PESQUISA
Luziel Reginaldo de Souza
COORDENADOR-GERAL DE ESTUDOS E PESQUISA
Wagner de Carvalho Garcia
COORDENADOR DO INSTITUTO DE PESQUISAS RODOVIÁRIAS
Chequer Jabour Chequer
CHEFE DE DIVISÃO - IPR
Gabriel de Lucena Stuckert
MANUAL DE HIDROLOGIA BÁSICA 
PARA ESTRUTURAS DE DRENAGEM 
REVISÃO 
Engesur Consultoria e Estudos Técnicos Ltda 
EQUIPE TÉCNICA: 
Eng° José Luis Mattos de Britto Pereira 
(Coordenador) 
Eng° Zomar Antonio Trinta 
(Supervisor) 
Eng° Roberto Young 
(Consultor) 
Tec° Marcus Vinícius de Azevedo Lima 
(Técnico em Informática) 
Tec° Alexandre Martins Ramos 
(Técnico em Informática) 
Tec° Reginaldo Santos de Souza 
(Técnico em Informática) 
COMISSÃO DE SUPERVISÃO: 
Eng° Gabriel de Lucena Stuckert 
(DNIT / DPP / IPR) 
Eng° Mirandir Dias da Silva 
(DNIT / DPP / IPR) 
Eng° José Carlos Martins Barbosa 
(DNIT / DPP / IPR) 
Eng° Elias Salomão Nigri 
(DNIT / DPP / IPR) 
PRIMEIRA EDIÇÃO – Rio de Janeiro, 1990 
MT – DNER – INSTITUTO DE PESQUISAS RODOVIÁRIAS 
EQUIPE TÉCNICA: 
Eng° Paulo Romeu de Assunção Gontijo 
(DNER / IPR) 
Eng° Saul Birman 
(DNER / IPR) 
Est. Julio César de Miranda 
(DNER / IPR) 
Engª Carmen Sylvia Menezes Ferreira 
(DNER / IPR) 
Eng° Otto Pfafstetter 
(Consultor) 
Eng° Haroldo Stewart Dantas 
(Consultor) 
Eng° Renato Cavalcante Chaves 
(Consultor) 
Eng° João Maggioli Dantas 
(Consultor) 
Eng° José Helder Ferreira de Andrade 
(Consultor) 
Eng° Guioberto Vieira de Rezende 
(Consultor)
COLABORAÇÃO: 
GEPEL – Consultoria de Engenharia Ltda. 
 
 
 
 
 
 
 
Impresso no Brasil / Printed in Brazil 
 Brasil. Departamento Nacional de Infra-Estrutura de 
 Transportes. Diretoria de Planejamento e Pesquisa. 
 Coordenação Geral de Estudos e Pesquisa. 
 Instituto de Pesquisas Rodoviárias. 
 Manual de hidrologia básica para estruturas de 
 drenagem. - 2. ed. - Rio de Janeiro, 2005. 
 133p. (IPR. Publ., 715). 
 1. Hidrologia – Manuais. I. Série. II. Título. 
 
 
MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES 
DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES 
DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E PESQUISA 
COORDENAÇÃO GERAL DE ESTUDOS E PESQUISA 
INSTITUTO DE PESQUISAS RODOVIÁRIAS 
Publicação IPR - 715 
MANUAL DE HIDROLOGIA BÁSICA 
PARA ESTRUTURAS DE DRENAGEM 
2ª Edição 
 
Rio de Janeiro 
2005 
 
 
MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES 
DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES 
DIRETORIA DE PLANEJAMENTO E PESQUISA 
COORDENAÇÃO GERAL DE ESTUDOS E PESQUISA 
INSTITUTO DE PESQUISAS RODOVIÁRIAS 
Rodovia Presidente Dutra, Km 163, Vigário Geral, 
Rio de Janeiro, 21240-000, RJ 
 
Tel.: (0XX21) 3371-5888 
Fax.: (0XX21) 3371-8133 
E-mail.: ipr@dnit.gov.br 
TÍTULO: MANUAL DE HIDROLOGIA BÁSICA PARA ESTRUTURAS DE DRENAGEM 
Primeira Edição: 1990 
Revisão: DNIT / Engesur 
Contrato: DNIT / Engesur PG – 157/2001-00 
Aprovado pela Diretoria Colegiada do DNIT em 20/09/2005 
 
 
APRESENTAÇÃO 
O Instituto de Pesquisas Rodoviárias (IPR), do Departamento Nacional de Infra-Estrutura 
de Transportes (DNIT), dando prosseguimento ao Programa de Revisão e Atualização de 
Normas e Manuais Técnicos, vem oferecer à comunidade rodoviária brasileira o seu 
Manual de Hidrologia Básica para Estruturas de Drenagem, fruto da revisão e atualização 
de Manual homônimo do DNER, datado de 1990. 
A presente edição, mantendo o nível de informação do Manual original, procura ser mais 
compacta e mais agradável visualmente. Ou seja, é uma obra de consulta voltada 
especialmente aos técnicos que atuam na área, oferecendo alguma dificuldade teórica 
para o leitor mais casual ou menos familiarizado com o assunto. 
Neste Manual de Hidrologia Básica são apresentados os critérios usualmente adotados 
pelos projetistas de drenagem rodoviária, buscando-se a simplificação de procedimentos 
e a facilidade de sua aplicação. 
Solicitamos a todos os usuários deste Manual que colaborem na permanente atualização 
e aperfeiçoamento do texto, enviando sugestões, comentários e críticas ao endereço 
abaixo. 
 
 
Eng° Chequer Jabour Chequer 
Coordenador do Instituto de Pesquisas Rodoviárias 
 
Endereço para correspondência: 
 
Instituto de Pesquisas Rodoviárias 
A/C Divisão de Capacitação Tecnológica 
Rodovia Presidente Dutra, Km 163, 
Centro Rodoviário, Vigário Geral, Rio de Janeiro 
CEP – 21240-330, RJ 
Tel.: (21) 2471-5785 
Fax.: (21) 2471-6133 
e-mail: ipr@dnit.gov.br 
 
 
 
 
LISTA DE ILUSTRAÇÕES 
Figura 1 Risco de Ocorrer Enchente Maior ............................................................. 21 
Figura 2 Probabilidade Extrema - Papel de Gumbel................................................ 35 
Figura 3 Distribuição Estatística Normal de Gauss.................................................. 41 
Figura 4 Freqüência de Descargas Médias Diárias Máximas Anuais – 
Papel de Hazen ......................................................................................... 48 
Figura 5 Comparação das Precipitações Relativas ................................................. 57 
Figura 6 Fator de Simultaneidade............................................................................ 68 
Figura 7 Distribuição de Chuva sobre a Área .......................................................... 69 
Figura 8 Cursos D’ Água em Várias Regiões do Brasil - Relação Desnível – 
Comprimento do Talvegue ........................................................................ 91 
Figura 9 Cursos D’ Água em Várias Regiões do Brasil – Relação Área de Bacia – 
Comprimento do Talvegue ........................................................................ 92 
Figura 10 Hidrograma Unitário Adimensional e Triangular ........................................ 97 
Figura 11 Conformação e Composição do Hidrograma Unitário ............................... 100 
 
Tabela 1 Método Estatístico de Gumbel................................................................... 34 
Tabela 2 Método de Hazen ...................................................................................... 39 
Tabela 3 Método de Hazen Aplicado ao Rio Muriaé – Posto Cardoso Moreira........ 40 
Tabela 4 Método de LOG PEARSON Tipo III........................................................... 45 
Tabela 5 Método de LOG PEARSON Tipo III.......................................................... 46 
Tabela 6 Análise Estatística ..................................................................................... 47 
Tabela 7 Precipitação para Intervalos de Tempo ..................................................... 62 
Tabela 8 Precipitação para Intervalos de Tempo – Duração de Referência............. 63 
Tabela 9 Média das Precipitações para Intervalos de Tempo.................................. 65 
Tabela 10 Fator de Simultaneidade para Intervalos de Tempo ................................. 66 
Tabela 11 Número de Chuva (CN) para Diferentes Condições do Complexo 
Hidrológico................................................................................................. 73 
Tabela 12 Número de Chuva (CN) para Diversas Condições de Umidade 
Antecedentes.............................................................................................