A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
Intro 2013 aula 1 ArqUrb

Pré-visualização | Página 1 de 1

BRUAND, Yves. Arquitetura contemporânea no Brasil, São Paulo: Perspectiva, 1981.
BOTTOM. Alain, Arquitetura da Felicidade, Rio de Janeiro : Editora Rocco, 2007.
CARSTENS, F.; FLEITH, R.; GONÇALVES, A.J.; SANT’ANNA, A.. O que é urbanismo. São Paulo: Brasiliense, 1990.
COSTA, Lúcio. Registro de uma vivencia. São Paulo: Empresa das Artes, 1995.
JACOBS, Jane. Morte e Vida das Grandes Cidades. Sao Paulo: Martins Fontes, 2000.
a) BIBLIOGRAFIA BÁSICA :
LAMAS, José Manuel Ressano Garcia. Morfologia urbana e desenho da cidade. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2000.
LEMOS, Carlos A. O que é arquitetura. São Paulo: Brasiliense, 1980.
LE CORBUSIER. Por uma arquitetura. São Paulo: Perspectiva: EDUSP, 1973.
ROLNIK, R. O que é cidade. São Paulo: Brasiliense, 1988.
ZEVI, Bruno. Saber Ver a Arquitetura. São Paulo: Martins Fontes, 1978
a) BIBLIOGRAFIA BÁSICA :
BARDET, G. O urbanismo. Campinas: Papirus, 1990. 
BENEVOLO, Leonardo. Historia da cidade. Ed. bras. São Paulo: Perspectiva, 1983
CHOAY, F. O urbanismo. São Paulo: Perspectiva, 1992.
LE CORBUSIER. Planejamento Urbano. São Paulo: Perspectiva, 1984.
LEME, Maria Cristina da Silva (coordenação). Urbanismo no Brasil – 1895/1965. São Paulo: Studio Nobel: FAUUSP: FUPAM, 1999. 
MINDLIN Henrique E. Arquitetura Moderna no Brasil. Rio de Janeiro, Aeroplano/Iphan, 2000.
B) BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR :
MUNFORD, Lewis. A cidade na história: suas origens, transformações e perspectivas. São Paulo: Martins Fontes, 4 ª edição, 1998. 
SNYDER, J. C.; CATANESE, A. Introduction to Architecture, 1979, trad. port. Introdução à arquitetura, Rio de Janeiro: Campus, 1984.
TOLEDO, A.H.P. de.; CAVALCANTI, M. (orgs.). Planejamento Urbano em Debate. São Paulo: Cortez & Moraes, 1978.
B) BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR :
Arquitetura?
Urbanismo?
O que é:
Breve introdução.
O que é Arquitetura?
Partindo da premissa que “arquitetura seria a providência de uma construção bela” Lemos (1982 p. 7) indaga “se os conceitos de beleza do autor da obra, se é que ele os tem, ou teve, e os dos críticos são os mesmos.”
O que é Arquitetura?
Propõe, metodologicamente, dividir as construções, em geral, em três grandes grupos: 
as levantadas segundo um critério artístico qualquer, por todos conhecido;
O que é Arquitetura?
Propõe, metodologicamente, dividir as construções, em geral, em três grandes grupos: 
2)	as erguidas sem um desejo específico de se fazer arte, mas admiradas por poucos elementos da sociedade a elas contemporâneos, ou mesmo por terceiros a posteriori como verdadeiras fontes de prazer estético e, finalmente,
O que é Arquitetura?
3)	as construções nascidas ao acaso, por iniciativa de pessoas realmente destituídas de senso estético e que a ninguém agradam.
O que é Urbanismo?
A definição de urbanismo é muito controversa.
Alguns autores sustentam que não existe mais urbanismo.
Outros apresentam definições e até classificações sobre tipos de urbanismo.
O que é Urbanismo?
A polêmica é interessante, mas estudaremos os exemplos mais conhecidos para introduzirmos os conceitos de forma didática.
“Estudando a cidade, o urbanismo procura orientar as atividades e relações que nela se desenrolam, sejam as mais imediatas – a altura dos edifícios, as linhas de ônibus, a localização das escolas e hospitais ou os sistemas de água e esgoto -, sejam as mais complexas, como a solução mais adequada a determinada comunidade que tem peculiaridades culturais e sociais, ou o questionamento da cidade como forma de organização da sociedade.” (CARSTENS, FLEITH, GONÇALVES E SANT’ANNA, 1990, p.10).
O urbanismo moderno surge da necessidade de responder às transformações que ocorreram nas cidades com a Revolução Industrial a partir do século XVIII.
“O urbanismo é o estudo das relações entre determinada sociedade (cultura, tradição, poder, história,...) e o espaço que a abriga (ruas, construções, limitações geográficas,...), bem como das formas de sua organização e intervenção sobre elas com determinado objetivo.” (CARSTENS, FLEITH, GONÇALVES E SANT’ANNA, 1990, p. 18).