A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
410 pág.
Economia Regional e Urbana aplicada ao Brasil_IPEA

Pré-visualização | Página 12 de 50

de cientistas regionais, um 
catedrático se diferencia, especificamente Masahisa Fujita, cujas contribuições fo-
ram aclamadas pela economia. Fujita contribuiu vastamente para a visibilidade 
das ciências regionais ao abordar as questões fundamentais – acima de todas, as 
razões microeconômicas para a existência das cidades. 
O segundo lado envolve poucos economistas que aceitaram os desafios im-
postos pela introdução do espaço na teoria econômica, tais como Martin Beck-
mann e Edwin Mills. Tanto economistas quanto cientistas regionais devem a eles 
várias contribuições fundamentais. A tarefa deles não foi simples. Como visto 
acima, o espaço traz consigo dificuldades que não são encontradas na teoria eco-
nômica padrão: não convexidades, externalidades e competição imperfeita. Por 
um longo período, as contribuições da geografia econômica feitas por economis-
tas ficaram confinadas a um pequeno círculo isolado de especialistas. A situação 
mudou dramaticamente. 
Como a maioria das antigas contribuições para a geografia econômica, 
em geral mal introduzidas na teoria econômica estabelecida, o trabalho de 
Krugman trouxe o conceito de espaço da periferia para o centro da teoria 
Economia regional e urbana38
econômica, tornando ideias novas ou já existentes mais palatáveis não só para 
um exame teórico, mas também para a análise empírica. Ao mesmo tempo que 
a nova geografia econômica tem fortes relações com a trade theory, ela é também 
muito ligada à organização industrial. Não é, portanto, surpreendente que o 
reconhecimento da geografia econômica aconteceu alguns anos após a renovação 
dos estudos de competição monopolística e organização industrial, das quais se 
utiliza de muitos conceitos e ideias. Há também conexões fortes com a teoria 
do crescimento moderna nos quais muitos catedráticos veem as cidades como 
motores do crescimento. Assim, é lícito afirmar que a nova geografia econômica 
contribuiu para o desenvolvimento de um novo e grande fluxo de pesquisas de 
alta qualidade e para a emergência gradual deste novo campo da ciência unificado. 
Tudo isso revela o poder integrativo da moderna teoria econômica. 
Apesar disso, inúmeras grandes perguntas ainda permanecem sem ser respos-
ta. Além do problema da hierarquia urbana, há a necessidade de uma maior inte-
gração da economia urbana com a nova geografia econômica para a construção de 
uma teoria sólida de hierarquia urbana. É preciso mais pesquisa sobre o desemprego 
regional e urbano. Com efeito, uma parte considerável das disparidades regionais 
está relacionada às instituições do mercado de trabalho e ao comportamento dos 
trabalhadores. Da mesma forma, a compreensão da estrutura urbana de habilida-
des e a sua relação com o crescimento urbano é crítica para o futuro das cidades. 
rEFErêNCiAS
ALLAIS, M. A la recherche d’une discipline économique. 1943. Reprinted as: 
Traité d’économie pure. Paris: Imprimerie nationale, 1952. 
ALONSO, W. Location and Land Use. Cambridge-MA: Harvard University 
Press, 1964.
ANAS, A. Discrete choice theory, information theory and industrial loca-
tion in the EU: a survey of evidence. Transportation Research B, v. 17, 
p. 13-23, 1983.
ARROW, K.; DEBREU, G. Existence of an equilibrium for a competitive econ-
omy. Econometrica, v. 22, p. 265-290, 1954.
BALDWIN, R. E.; MARTIN P. Agglomeration and regional growth. In: HEN-
DERSON, J. V.; THISSE, J. F. (Eds.). Handbook of regional and urban eco-
nomics. Amsterdam: North Holland, v. 4, p. 2671-2711, 2004.
BECKMANN, M. J. Von Thünen revisited: a neoclassical land use model. 
Swedish Journal of Economics, v. 74, p. 1-7, 1972a.
______. Spatial cournot oligopoly. Papers and Proceedings of the Regional 
Science Association, v. 28, p. 37-47. 1972b.
geografia Econômica 39
______. Spatial equilibrium in the dispersed city. In: PAPAGEORGIOU, Y. Y. 
(Ed.). Mathematical land use theory. Lexington-MA: Lexington Books, p. 117-
125, 1976.
BLAUG, M. Economic theory in retrospect. Cambridge: Cambridge University 
Press, 1985.
BRAUDEL, F. Civilisation matérielle, économie et capitalisme, XVe-XVIIIe 
siècle. In: Le temps du monde. Paris: Armand Colin, 1979. Translation: Civiliza-
tion and Capitalism 15th-18th Century. In: The Perspective of the World. New 
York: Harper Collins, 1985.
CANTILLON, R. Essai sur la nature du commerce en général. Translated by 
H. Higgs. London: Fletcher. Reprinted in 1964. New York: A.M. Kelley, 1755.
CHRISTALLER, W. Die zentralen orte in süddeutschland. Jena: Gustav Fischer 
Verlag, 1933. Translation: The central places of southern Germany. Engle-
wood Cliffs-NJ: Prentice-Hall, 1966.
CARROTHERS, G. An historical review of the gravity and potential concepts 
of human interaction. Journal of the American Institute of Planners, v. 22, p. 
94-102, 1956.
COURNOT, A. Recherches sur les principes mathématiques de la théorie des 
richesses. Paris: Hachette, 1838. Translation: Researches into the mathematical 
principles of the theory of wealth. New York: Macmillan, 1897.
DIXIT, A. K.; STIGLITZ, J. E. Monopolistic competition and optimum product 
diversity. American Economic Review, v. 67, p. 297-308, 1977.
DUNN, E. S. The equilibrium of land-use pattern in agriculture. Southern 
Economic Journal, v. 21, p. 173-187, 1954.
DURANTON, G.; PUGA, D. Micro-foundations of urban increasing returns: 
theory. In: HENDERSON, J. V.; THISSE, J. F. (Eds.). Handbook of regional 
and urban economics. North Holland, v. 4, p. 2063-2117, 2004.
EATON, B. C.; LIPSEY, R. G. The introduction of space into the neoclassical 
model of value theory. In: ARTIS, M.; NOBAY, A. (Eds.). Studies in modern 
economics. Oxford: Basil Blackwell, p. 59-96, 1977.
EKELUND JÚNIOR, R. B.; HÉBERT, R. F. Secret origins of modern microeco-
nomics: dupuit and the engineers. Chicago: The University of Chicago Press, 1999.
ENKE, E. Equilibrium among spatially separated markets: solution by electric 
analogue. Econometrica, v. 19, p. 40-47, 1951.
Economia regional e urbana40
FERREIRA, R. S.; THISSE, J. Horizontal and vertical differentiation: the 
paunhardt model. International Journal of Industrial Organization, v. 14, p. 
485/506, 1996.
FUJITA, M. Urban economic theory: land use and city size. Cambridge: 
Cambridge University Press, 1989.
FUJITA, M.; KRUGMAN, P. When is the economy monocentric? Von Thünen 
and Chamberlin unified. Regional Science and Urban Economics, v. 25, 
p. 505-528, 1995.
FUJITA, M.; KRUGMAN, P.; VENABLES, A. J. The spatial economy: cities, 
regions and international trade. Cambridge-MA: MIT Press, 1999.
FUJITA, M.; THISSE, J. F. Economics of agglomeration: cities, industrial 
location and regional growth. Cambridge: Cambridge University Press, 2002. 
GABSZEWICZ, J. J.; THISSE, J. F. Spatial competition and the location of 
firms. In: GABSZEWICZ, J. J. et al. Location theory. Chur: Harwood Aca-
demic Publishers, p. 1-71, 1986.
GLAESER, E. L. Cities, agglomeration and spatial equilibrium. Oxford: 
Oxford University Press, 2008.
HARRIS, C. The market as a factor in the localization of industry in the United 
States. Annals of the Association of American Geographers, v. 64, p. 315-348, 
1954. 
HAMILTON, B. W. Indivisibilities and interplant transportation cost: do they 
cause market breakdown? Journal of Urban Economics, v. 7, p. 31-41, 1980.
HANSEN, P. et al. Facility location analysis. In: HANSEN, P. et al. Systems of 
cities and facility location. Chur: Harwood Academic Publishers, p. 1-70, 1987.
HEFFLEY, D. R. The quadratic assignment problem: a note. Econometrica, 
v. 40, p. 1155-1163, 1972.
HELPMAN, E. The size of regions. In: PINES, D.; SADKA, E.; ZILCHA, I. 
(Eds.) Topics in public economics: theoretical and applied analysis. Cambridge: 
Cambridge University Press, p. 33-54, 1998.
HENDERSON, J. V. The sizes and types of cities. American Economic Review, 
v. 64, p.