A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
51 pág.
 EDUCAÇAO EM SAÚDE HIGIENE

Pré-visualização | Página 1 de 3

UNIME- União Metropolitana de Educação e Cultura
Faculdade de Ciências Agrárias e da Saúde
Curso de Odontologia
Núcleo de Saúde Coletiva
INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS ODONTOLÓGICAS
Professores
Michelle Falcão e Nilton César
Adaptação Lennon Cerqueira
Por que 
educação em saúde???
Cárie e 
Doença Periodontal
ainda se constituem
como problemas de 
Saúde Pública no Brasil
e em muitas partes do 
mundo.
A persistência das doenças bucais
Os porquês da persistência das 
doenças bucais…
Problemas com:
 dieta
 higiene
 educação em saúde (da formação, às práticas!)
 não incorporação do conhecimento científico para o
controle das doenças
 exclusão de grande parte da população à assistência
odontológica
1. Mudança nos critérios de diagnóstico
2. consumo de dentifrícios fluoretados
3. padrão do consumo do açúcar
4. Melhoria da Higiene bucal
5. Possível imunidade adquirida
6. oferta de serviços de assistência odontológica
7. Adoção de medidas coletivas de Educação em Saúde
8. Melhoria das condições de vida
As razões para o declínio da 
doença cárie no mundo
(ALVES, 2004)
Crianças que têm acesso à água e cremes dentais
fluoretados também apresentam cárie...
O Flúor é uma solução parcial!
(ALVES, 2004)
Educação em Saúde
A dimensão psicossocial: 
o cuidado em saúde
 Saberes
 Valores 
 Condutas
São construídos 
historicamente e 
determinados culturalmente
A Educação em Saúde precisa 
ser contextualizada, 
condizente com a condição de 
vida e para o indivíduo 
também (não somente o 
sujeito coletivo)
“Uma grande parte das práticas de 
educação popular nos serviços de saúde 
estão hoje voltadas para a superação do
fosso cultural existente entre a 
instituição e a população, em que um 
lado não compreende a lógica e as 
atitudes do outro”
(VASCONCELOS, 1999, p.95)
A freqüência da escovação e do uso do fio
dental está associada à freqüência de visitas
ao dentista.
(McGregor; Balding; Regis, 1998 apud Rêgo; Dias, 2004)
Sensibilização para o 
autocuidado bucal
Autopercepção em Saúde Bucal:
o sangramento gengival não é sentido pelas
pessoas como necessidade de tratamento
Sensibilização para o 
autocuidado bucal
(Brunswick ; Nikias, 1975; Gilbert, 1994 apud RÊGO; DIAS, 2004)
O que é Higiene Bucal?
A higiene bucal está relacionada a limpeza adequada de 
estruturas como: dentes, gengiva, mucosa e língua.
Importância da Higiene Bucal
• Práticas de higiene bucal desempenham
importante papel na prevenção das
doenças bucais, e deve começar desde
cedo!
(ABEGG, 1997)
http://www.avonbaby.com.br/materias/wp-
content/uploads/2011/06/12-24-meses-higiene-
bucal.jpg
MÉTODOS PARA CONTROLE DO 
BIOFILME 
Controle Mecânico
Escovação
• A escovação é o método mais utilizado, com a função de
desagregar e remover os depósitos microbianos aderidos,
através da ação mecânica das cerdas da escova.
(DIAS 2006, p. 157)
http://images3.minhavida.com.br/imagensConteudo/10916/
escovando_dentes_10916_13669.jpg
Tipos de Escovas de Dente
• No mercado nacional, existem várias marcas, variando o tamanho,
forma, dureza, tipo e distribuição de cerdas e forma do cabo.
(DIAS 2006, p. 157)
http://3.bp.blogspot.com/-
H0Ki6KjF1ig/Tcu6Wnfq2lI/AAAAAAAABOI/Hvnsi6awV9E/s1600/escovas_de_den
tes.jpg
• Cerdas devem ser macias ou extramacias;
• Pontas das cerdas arredondadas;
• Parte ativa de tamanho compatível com a arcada dentária.
QUE TIPO DE 
ESCOVA DE 
DENTE É A MAIS 
APROPRIADA?
(DIAS 2006 apud MIZUNO 2003, p. 157)
Quando trocar a escova de dente?
• O desgaste das cerdas é um ponto importante a ser considerado e
alguns fatores influenciam no tempo de troca das escovas, como:
– A força da escovação;
– A marca da escova;
– Tipos de cerdas;
– O tempo e a freqüência de uso
• Em média, a duração das escovas macias é de quatro a seis
semanas, quando então as cerdas ficam inclinadas e perdem sua
capacidade de remover a placa.
(DIAS 2006, p. 158)
Como é feita a higiene dos bebês e crianças?
• Em bebês e crianças a higiene deve ser feita com o auxílio de uma
dedeira, gaze umedecida...
ERUPÇÃO DOS PRIMEIROS MOLARES DECÍDUOS
ESCOVAÇÃO REALIZADA COM ESCOVA DENTAL INFANTIL
http://1.bp.blogspot.com/-
hb50j0lRqhg/ThkalFs_kRI/AAAAAAAADFM/Otv
q1BXoL-s/s200/GRD_242_DEDEIRAS.jpg
(DIAS 2006 apud CANTO 2003, p. 158)
Pacientes idosos ou com dificuldades motoras
• Os cabos das escovas
convencionais não favorecem a
preensão, pois são finos, e para
contornar esta situação podem
ser realizadas adaptações, com o
aumento da espessura do cabo
por meio da colocação de
borrachas ou acrílico que irão
permitir um melhor manuseio
durante a higiene.
(DIAS 2006 apud MONTENEGRO E BRUNETTI 2002)
mensagens.culturamix.com
Higiene de próteses removíveis (parciais ou totais)
• Pacientes devem ser orientados a removê-las e usar escovas de
cerdas duras, tanto na parte interna como na parte externa e nas
regiões de grampos.
(DIAS 2006 apud MONTENEGRO E BRUNETTI, p. 159)
http://maxillarisodontologia.com/blog/wp-content/gallery/fotos-de-posts/escovadedentes.jpg
Técnica ideal para escovação
TÉCNICA IDEAL
Aquela que remove bem o biofilme sem agredir os tecidos
periodontais (ulcerações ou recessões gengivais) ou dentários
(abrasão) e, portanto, é conveniente solicitar ao paciente que evite
movimentos horizontais e força excessiva.
(DIAS 2006, p. 158)
Técnica de Bass
• Colocar uma escova em ângulo de 45° em relação ao eixo
longitudinal dos dentes.
• Pressioná-la em direção apical contra a margem gengival.
• A escova deve ser movimentada em direção anteroposterior com
movimentos curtos.
(DIAS 2006, p. 159)
Técnica adequada de escovação
www.colgate.com.br
TIPOS DE ESCOVAS DE DENTE
Escovas Elétricas
- INDICAÇÃO: Para pacientes com dificuldade em usar a escova manual,
como indivíduos com pouca destreza manual devido idade, artrite,
seqüelas de acidente vascular cerebral e deficiências mentais ou físicas.
• Surgiram na década de 30
• Realizam movimentos circulares, giratórios, para cima ou para baixo.
• Remove placa bacteriana de forma semelhante às manuais.
• Diminui a ocorrência de abrasões em indivíduos que usam força vigorosa
na escovação convencional.
http://2.bp.blogspot.com/_2enaXiOuo6Y/Sa6Mzqsj_QI/AAAAAA
AAL7A/LobfmhgcqS0/s400/escova2.jpg
(DIAS 2006, p. 160)
Escovas Interdentais
- INDICAÇÃO: Para pacientes com espaços proximais amplos, que usam aparelhos
ortodônticos (DIAS 2006 apud GHERSEL 2001) ou possuem próteses fixas com
áreas de pônticos.
• São constituídas por: uma haste central metálica com tufos de cerdas, de
diferentes tamanhos e espessuras.
• Sua seleção deve ser baseada no tamanho do espaço disponível para sua
colocação.
• Existem diferenças no comprimento, diâmetro e firmeza. A maioria apresenta
pontas não arredondadas.
• A técnica do uso deve ser mostrada e treinada pelo paciente.
• Recomendável: colocação da escova na área interdental, de vestibular para lingual
e vice-versa.
(DIAS 2006, p. 164)
Uso da escova interdental
http://1.bp.blogspot.com/_5VbHJWh7Vn0/TFsC22n6NeI/AAAAAAAAAz4/7jm5Rr8Q
47A/s1600/interdental.jpg
ESPAÇO INTERPROXIMAL APARELHO ORTODÔNTICO
http://i.ytimg.com/vi/SuLO394pNcI/0.jpg
Escova unitufo/bitufo
- INDICAÇÃO: Uso em áreas da boca não alcançadas facilmente pelos
outros métodos, e assim, recomendada-se para área de
concavidades radiculares expostas na região vestibular ou lingual,
área de furca nos molares inferiores, distal dos dentes extremos,
dentes em má posição e pacientes com aparelhos ortodônticos.
http://www.oralfarma.com/imgsize.php?h=250&img=imgs/p
rodutos/259/foto.jpg
(DIAS 2006, p. 165)
Uso da escova unitufo
http://1.bp.blogspot.com/_5VbHJWh7Vn0/TFsCnWj-zrI/AAAAAAAAAzw/anMVIBNrtyg/s320/340x255.jpg
http://2.bp.blogspot.com/_5VbHJWh7Vn0/TFsCvR8QkmI/AAAAAAAAAz0/dkGWg
TGu_6o/s320/CS1009+brace+and+girl.jpg
CONCAVIDADE RADICULAR
EXPOSTA APARELHO ORTODÔNTICO
FIO DENTAL
http://www.dentistaimirim.com.br/imagens/fiodental.gif
A importância do fio dental
- FUNÇÃO: Deve ser

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.