ATO ADMINISTRATIVO - esquema

@direito-administrativo-i UCSAL

Pré-visualização

(Portaria, Circular)

-Atos externos: efeitos sobre terceiros (licença, autorização)


Quanto à composição da vontade produtora do ato


- Atos simples: declaração de um único órgão (licença de habilitação)

- Atos complexos: conjugação da vontade de órgãos distintos (nomeação em lista tríplice) 


Quanto À formação do ato


- atos unilaterais: declaração de uma só parte 

- Atos bilaterais: declaração conjunta das partes


Quanto à natureza das situações jurídicas que criam


-Ato- regra: criam situações gerais, abstratas e impessoais (Regulamento)

- Ato-subjetivos: criam situações particulares que dependem da vontade das partes (negociação)

-Ato-condição: fundamentam uma situação criada pelo ato-regra( orçamento)


Quanto à posição jurídica da Administração (distinção superada pois visava excluir a responsabilidade  do Estado)


-Atos de império: produzido no curso de prerrogativas de autoridade

-Atos de gestão: produzidos  fora do âmbito das prerrogativas de autoridade


Quanto ao grau de liberdade da Administração em sua prática


( Atos discricionários: praticados no âmbito da competência discricionária, conferindo ao agente uma margem de liberdade que decide com base na análise da  conveniência e oportunidade


( Atos vinculados: são praticados  sob a égide de uma disposição legal que predetermina antecipadamente , de modo completo, o comportamento  único a ser obrigatoriamente adotado perante situação descrita  em dispositivo legal.


( todo ato é vinculado quanto ao fim e à competência


: ( poderá haver margem de discricionariedade quanto:
ao momento da prática do ato (imediatamente ou oportunamente)

à forma do ato (escrita, verbal)

ao motivo do ato (conveniência e oportunidade)

à finalidade do ato ( incolumidade)

ao conteúdo do ato (revogar ou não)


( a norma que regula a discricionariedade não é precisa porque:

a) não descreve antecipadamente a situação em vista

b) a situação é descrita por palavras  que exprimem conceitos vagos ou indeterminados, dotados de imprecisão;

c) confere liberdade decisória que envolve exame de conveniência ou oportunidade;

d) o objetivo legal é descrito de forma genérica (ex: interesse público)



ATOS ADMINISTRATIVOS EM ESPÈCIE


Admissão (unilateral, vinculado – hospital público)

Concessão (ampliativo, bilateral)

Permissão (unilateral, precário, vinculado)

Autorização (unilateral, discricionário e precário)

Licença (unilateral, vinculado)

Homologação (vinculado, expressa concordância)

Aprovação (discricionário, concordância unilateral, faculta a prática de ato)


OUTRAS ESPÉCIES DE ATOS ADMINISTRATIVOS:

Decreto

Portaria

Alvará

Instrução Normativa

Aviso

Circular

Ofício (entre autoridades)

h)   Ordem de serviço

i)    Resolução

j)    Parecer

k)   Despacho



		PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO


( Sucessão encadeada de atos administrativos tendendo todos a um resultado final e conclusivo


( Atos que integram um procedimento (Pietro Virga)


atos propulsores

atos instrutórios ou ordinatórios

atos decisórios

atos controladores

atos de comunicação



ATOS PERFEITOS, VÁLIDOS E EFICAZES


Ao atos administrativos podem ser:


Perfeito, válido e eficaz

Perfeito, inválido e  eficaz

Perfeito, válido e  ineficaz

Perfeito, inválido e ineficaz



Perfeito:   quando o ato completou o ciclo necessário à sua produção


Válido: quando o ato for expedido com absolta conformidade com as exigências do sistema normativo


Eficaz:  quando disponível para a produção dos seus efeitos. Não depende de condição suspensiva, de termo inicial ou ato controlador.



EXTINÇÃO DOS ATOS ADMINISTRATIVOS


EXTINÇÃO DE ATO EFICAZ:

O ato eficaz independe de  condição suspensiva, termo inicial, nem está sujeito a regulamentação posterior.

O ato eficaz pode ser extinto nas seguintes situações:


Cumprimento dos seus efeitos


esgotamento do conteúdo jurídico da relação. Ex: gozo de férias de um servidor

execução material. Ex: ordem executada de demolição de uma casa

implemento de condição resolutiva ou termo final. Ex: será revogada a portaria de licença prêmio se não for concluída a compra de um novo computador para o setor.
 
Desaparecimento do sujeito ou objeto da relação jurídica constituída pelo ato.


Ex: morte de um servidor extingue os efeitos da sua nomeação.  

1.3 Extinção pela retirada


A retirada do ato pode ocorrer pelas seguintes razões:


retirada por razões de conveniÊncia e oportunidade ( revogação


Ex: revogação da  autorização para estabelecimento de uma banca de jornal por ser prejudicial ao tráfego de pedestre.


retirada porque o ato foi praticado em desconformidade com a ordem jurídica ( invalidação  Ex: porte de arma concedido a menor


retirada porque o destinatário do ato descumpriu condições que deviam ser atendidas  para continuar desfrutando da situação jurídica ( cassação Ex: creche instalada em prédio público transformada em motel


retirada porque sobreveio norma jurídica superveniente que tornou inadmissível a situação anteriormente permitida pelo direito e outorgada por ato precedente ( caducidade 
Ex: retirada da permissão para explorar parque de diversões em local que, em face da nova lei de zoneamento, tornou-se incompatível com aquele uso.


 Extinção pela renúncia

Renuncia do beneficiário de uma situação jurídica favorável que desfrutava em conseqüência daquele ato. Ex: Renúncia de um cargo de Secretário de Estado.




EXTINÇÃO DE ATO INEFICAZ


Sendo o ato ineficaz não chegou a produzir efeitos concretos.  A sua retirada não produz conseqüências ou relações jurídicas  a serem disciplinadas.


2.1 Extinção pela retirada


revogação (mérito – conveniência e oportunidade)

invalidação (ilegalidade, ilegitimidade)


2.2 Extinção pela recusa ou não aquiescência do beneficiário


A aquiescência é necessária para a produção dos seus efeitos. Daí a  inutilidade do ato e ineficácia






REVOGAÇÂO DOS ATOS ADMIISTRATIVOS



Conceito: “é a extinção de um ato administrativo ou de seus efeitos por outro ato administrativo, efetuada por razões de conveniência e oportunidade, respeitando-se os efeitos precedentes”


3.1 Requisitos    

Sujeito ativo: autoridade no exercício da função administrativa 
Objeto: ato ou relação jurídica VÁLIDOS

Fundamento: competência discricionária atual e disponível

Motivo: situação concreta inconveniente  ou inoportuna 
Efeitos: ex nunc

Natureza : ato da administração ativa, constitutiva. Não é ato da administração controladora, consultiva, verificadora ou contenciosa


3.2 Revogação explícita, implícita, parcial, total


Explícita ( declara  revogado (ato revogador)


Implícita (  a revogação resulta de ato incompatível com o ato anterior, restando implícito o ato revogador

Em ambas as situações, a revogação pode ser parcial ou total


Competência para revogar


( instituída por lei  de forma explícita ou implícita (conceito indeterminado)


( competência não exaurida (atos gerais e abstratos e regulamentos)


Situações irrevogáveis:


(Atos que a lei declare irrevogáveis;

(Atos exauridos

(Atos vinculados

(Atos administrativos puros ex: certidões (efeitos derivam da lei)

(Atos de controle (exaurimento da competência)

(Atos que integram um procedimento

(Atos complexos

(Atos que geram direitos adquiridos






Revogação e Indenização


A revogação, quando legítima, não dá margem à indenização porque não lesa direito de terceiro, SALVO situações que podem ensejar a responsabilidade do Estado, atingindo direito de terceiro



INVALIDAÇÂO DOS ATOS ADMINISTRATIVOS


Invalidação ( é a supressão de um ato ou relação jurídica dele nascida, com efeito retroativo, por terem sido produzidos em desconformidade coma ordem jurídica.


Não há unanimidade doutrinária sobre o tema.


4.1 Requisitos


Sujeito ativo: Administração ou Poder Judiciário

Objeto: ato eficaz ou ineficaz em desconformidade com a ordem jurídica

Fundamento: para a Administração ( dever de obediência à legalidade

 Para o Judiciário ( aplicação do direito ao caso concreto

Motivo: ilegalidade do ato ou relação jurídica dele  nascida

Ainda não temos comentários aqui
Seja o primeiro!