Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
47 pág.
Aula 4 - Infecções do Trato Respiratório Inferior

Pré-visualização | Página 2 de 2

seca;
•Catarro;
•Febre alta (39º);
•Dor muscular e articular;
•Pode haver manchas e pintas na pele;
•Pode haver anemia;
•Pode haver confusão mental.
Os sintomas duram de 1 a 2 semanas até que o indivíduo descubra 
estar contaminado, entretanto, todos os indivíduos que estiveram próximos à 
ele poderão estar infectados.
Pneumonia atípica
• Década de 1930
• Produção de escarro é mínima
• Infecção geralmente é mais branda que na
pneumonia clássica (Streptococcus pneumoniae
(pneumococo)
Pneumonias primárias “atípicas”
Mycoplasma pneumoniae
Chlamydia pneumoniae
Legionella pneumophila
Chlamydophila psittaci
Coxiela burnett
Pneumonia atípica
Diagnóstico da pneumonia atípica:
•ausculta pulmonar,
•raio-x de tórax e
•exame de sangue ou teste do escarro que detecta o agente 
causador.
• É uma combinação de pneumonia atípica e
pneumonia clássica causada por bactérias da
orofaringe. O patógeno “ clássico ” mais
importante é o pneumococo: outros
englobam o Haemophilus influenzae e
Moraxella catarrhalis.
Pneumonia aguda
A pneumonia viral é rara nos adultos
imunocompetentes. Ela vai se desenvolver em
uma pequena porcentagem de adultos
previamente saudáveis com gripe. Nessa
situação, a infecção bacteriana secundária
(superinfecção) é a principal ameaça. Em
crianças pequenas é muito considerada porque
ela se superpõe à bronquiolite.
Pneumonia aguda
No hospital é causada mais comumente
por Enterobacteriaceae, Pseudomonas e
Staphylococcus aureus.
Pneumonia aguda
• Como o nome já diz, o curso crônico da doença é prolongado.
• Sintomas mais brandos que da pneumonia aguda
• Por conta dos sinais brandos, o diagnóstico pode ser retardado
por semanas ou meses, uma vez que as únicas manifestações da
infecção consistem em sinais e sintomas inespecíficos como
febre baixa e mal-estar (sentindo-se mal) e perda de peso.
• Agentes etiológicos são: micobactérias e fungos, mas uma
infecção bacteriana reprimida também é um participante
importante.
Pneumonia crônica
Empiema Pleural
• Empiema é uma coleção de pus dentro de uma cavidade natural ≠ abcesso;
• Também conhecida como piotórax ou pleurite purulenta;
• Consiste no acúmulo de pus na cavidade pleural, levando a inflamação de pleura. A
pneumonia bacteriana é a mais comum em causar empiema. A cicatrização pode
resultar em obliteração da cavidade pleural.
Coleta de amostras para 
diagnóstico de infecção das 
vias aéreas inferiores. 
Coleta
• Escarro expectorado- amostra mais simples e mais barata - debate devido à
dificuldade de alguns pacientes em mobilizar secreções de vias aéreas respiratórias
inferiores e a frequência com que a amostra é contaminada pela microbiota
orofaringiana à medida que passa pela boca.
• Entretanto, quando coletada cuidadosamente, a amostra pode fornecer
informações úteis para uma terapia inicial de pneumonia adquirida na
comunidade.
• Escovação dos dentes e gargarejo com água imediatamente antes de se obter a
amostra reduz o número de bactérias contaminantes da orofaringe.
Coleta
• Evitar bochecho e gargarejo com substância
antibacteriana
• Imediatamente levada para o laboratório
• Amostra logo ao acordar, pois elas contêm
secreções acumuladas durante a noite, nas
quais as bactérias patogênicas mais
provavelmente estarão concentradas.
Aspirado Endotraqueal 
• Consiste na aspiração das
secreções da região orotraqueal e
nasotraqueal;
• Cateter pela laringe até a
traquéia;
• Durante a aspiração pode ser
necessário suporte de oxigênio de
acordo com o quadro clínico do
paciente;
• Possibilidade de contaminação.
Broncoscopia Flexível
• A broncoscopia flexível, realizada através do broncofibroscópio, é um procedimento
invasivo no qual se visualiza a cavidade nasal, faringe, laringe, cordas vocais,
traqueia e árvore brônquica;
• pode ser realizada sob anestesia local, com ou sem sedação, ou sob anestesia geral;
• Existe uma variedade de procedimentos diagnósticos que podem ser realizados
durante a broncoscopia flexível, tais como:
– lavado bronco alveolar;
– biópsias endobrônquicas ou transbrônquicas;
– lavados ou escovados brônquicos para citologia;
– biópsia transbrônquica por agulha;
– ultrassonografia endobrônquica e broncoscopia com autofluorescência.
Broncoscopia Flexível
• Biópsia transbronquiais;
• Lavagens e escovadas – particularmente para pacientes
com abscessos pulmonares ou outras infecções
pulmonares profundas suspeitas. A técnica de escova
brônquica usa um cateter duplo telescópico ligado com
polietileno glicol à extremidade distal para proteger
uma pequena escova brônquica. Técnica ótima para
isolamento de bactérias aeróbicas, anaeróbicas de
lesões pulmonares profundas.
Lavagem Bronquioalveolar
• Injeção de 30 a 50 ml de salina fisiológica através de um broncoscópio de fibra
ótica que é introduzido nas ramificações bronquiolares periféricas. A salina é então
aspirada e enviada para preparação de esfregaço e cultura.
• É indicada para pacientes intubados submetidos a ventilação.
• Os microrganismos que estão presentes em concentrações maiores que 103 a 104
unidades formadoras de colônia (CFU)/ml e as amostras que demonstram bactérias
intracelulares em mais de 25% das células inflamatórias presentes são indicadores
de pneumonia que requer tratamento específico.
Página12