A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
RESUMO+TEXTO+MICHEL+FOUCAULT

Pré-visualização | Página 1 de 1

RESUMO TEXTO MICHEL FOUCAULT
- Sistemas de Poder
	Poderíamos contrapor três grandes sistemas de análise do poder (o terceiro foi retirado do caderno): um (primeiro), que seria o velho sistema jurídico-liberal, que se articula em torno do poder como direito original que se cede, constitutivo da soberania, tendo o contrato como matriz do poder político. Tal poder, quando vai além dos próprios termos do contrato, ultrapassando sua limitação legal, vem a se tornar opressão.
	Segundo, é o sistema que tenta analisar o poder político não mais de acordo com o esquema contrato-opressão, mas de acordo com o esquema guerra-repressão (sistema Marxista). Com isso, há uma dicotomia entre os dois primeiros sistemas de poder: esquema contrato-opressão (jurídico) e esquema guerra-repressão ou dominação-repressão, no qual a oposição pertinente não é a do legítimo e do ilegítimo, como no esquema precedente, mas a oposição entre luta e submissão. 
	Terceiro, preconizado por Foucault, é comumente denominado “Microfísica do Poder”, no sentido de que o poder encontra-se diluído nas instituições sociais, através do conhecimento produzido por essas instâncias (saber dominante, científico). Os mecanismos de controle do poder já se encontram no interior da estrutura estatal, e não superpostos pelo monarca soberano. Assim ocorre, por exemplo, com os mecanismos de controle penais, por ora repressivos (presídios em condições precárias, casas de detenção, etc.), bem como no que tange às instituições psiquiátricas. 
- Genealogia e saberes sujeitados
	Em contraposição a essa microfísica do poder, nos últimos quinze anos (1955-1975), ocorreu a imensa e prolífera criticabilidade das coisas, das instituições, das práticas, dos discursos. Tal fenômeno seria aquilo que se pode chamar de efeito inibidor próprio das teorias totalitárias, envolventes e globais. Logo, como primeira característica do que ocorreu ao longo destes anos, pode-se indicar o caráter local da crítica, uma espécie de produção teórica autônoma, não centralizada, que para estabelecer sua validade não necessita da chancela de um regime comum.
	É por aí que se pode estabelecer a segunda característica do que já aconteceu há algum tempo: essa crítica local se efetuou por aquilo que se pode denominar “reviravoltas do saber”, ou insurreição dos saberes sujeitados. Por “saber sujeitado” há dois significados consolidados. De uma parte, designam conteúdos históricos que foram sepultados, mascarados em coerências funcionais ou em sistematizações formais. São blocos de saberes históricos que estavam presentes e disfarçados no interior dos conjuntos funcionais e sistemáticos, e que a crítica pôde fazer reaparecer pelos meios da erudição.
	De outra parte, designam uma série de saberes desqualificados como saberes não conceituais, como saberes insuficientemente elaborados: saberes ingênuos, hierarquicamente inferiores, abaixo do nível do conhecimento ou da cientificidade requeridos. E foi pelo reaparecimento desses saberes de baixo, locais e desqualificados, que foi feita a crítica. Foi nesse acoplamento entre os saberes sepultados da erudição e os saberes desqualificados pela hierarquia dos conhecimentos e das ciências que se decidiu efetivamente o que forneceu à crítica dos discursos destes últimos anos a sua força essencial. Tanto em um caso como em outro, tratou-se de um saber histórico das lutas. E assim se delineou o que se pode chamar de genealogia – pesquisas genealógicas múltiplas, a um só tempo redescoberta exata das lutas e memória bruta dos combates. Tais genealogias só se tornaram possíveis com uma condição: que fosse revogada a tirania dos discursos englobadores, com sua hierarquia e privilégios de vanguardas teóricas. 
	Assim, pode-se definir genealogia como o acoplamento dos conhecimentos eruditos e das memórias locais, acoplamento que permite a constituição de um saber histórico das lutas e a utilização desse saber nas táticas atuais. Trata-se, em verdade, de fazer com que intervenham saberes locais, descontínuos, desqualificados, não legitimados, contra a instância teórica unitária que pretenderia filtrá-los, hierarquizá-los, ordená-los em nome de um conhecimento verdadeiro, em nome dos direitos de uma ciência que seria possuída por alguns.
	Em outras palavras, trata-se da insurreição dos saberes. Não tanto contra os conteúdos, os métodos ou os conceitos de uma ciência, mas de uma insurreição sobretudo e acima de tudo contra os efeitos centralizadores de poder que são vinculados à instituição e ao funcionamento de um discurso científico organizado no interior de uma sociedade como a nossa. Pouco importa se essa institucionalização do discurso científico toma corpo numa universidade ou, de um modo geral, num aparelho pedagógico, se em uma rede teórico-comercial como a psicanálise ou em um aparelho político com todas as suas aferências, como no caso do Marxismo. É exatamente contra os efeitos de poder próprios de um discurso considerado científico que a genealogia deve travar o combate.
	A genealogia seria, pois, relativamente ao projeto de inserção dos saberes na hierarquia do poder próprio da ciência, uma espécie de empreendimento para dessujeitar os saberes históricos e torná-los livres, isto é, capazes de oposição e de luta contra a coerção de um discurso teórico unitário, formal e científico. A reativação dos saberes locais “menores” contra a hierarquização cientifica do conhecimento e seus efeitos de poder intrínsecos, esse é o projeto dessas genealogias em desordem e picadinhas.